Namoro entre irmãos de Fé

Saudações irmãos.

Bora pra mais um teminha básico!

Muitas casas coíbem o relacionamento de irmãos dentro dos centros, no namoro de irmãos de fé, muitas casas afirmam que não é saudável por serem irmãos de santo, todos são filhos de um único orixá dentro da casa e consequentemente, são irmãos de santo, o que poderia configurar incesto ao relacionar de forma física com a irmã ou irmão. Outra teoria é que pode contribuir para a degradação energética da casa, porque relacionamentos tem conflitos e podem enfraquecer os laços dentro do centro. Outro fator não menos importante é que o dirigente gosta de ser o dono de nossas vidas e a palavra dele é Lei, não pode e PRONTO!

Minha concepção sobre isso é simples, como um bom filho de Xangô e Iemanjá, digo-lhes, tem que namorar mesmo, aproveitem a jovialidade, na vida temos que experimentar, eu já me relacionei com irmãs de santo e isso não prejudicou de forma alguma meu desenvolvimento, salvo uma vez que quebrei o resguardo e tomei uma charutada astral no braço, que já mencionei aqui no blog, procurem por Martinho Parangolá.

Esse fundamento de irmão de santo é apenas de caráter considerativo, no fundo, todos somos irmãos porque somos filhos de um único pai, se somos filhos de Deus, então somos todos irmãos, consequentemente, não podemos nos relacionar, o que causaria um problema no ato reprodutivo e enfim, não vamos entrar nessa seara né?

Tem casas que permitem o livre relacionamento entre os adeptos da casa, com apenas a benção do dirigente, assim como muitas igrejas, que pedem permissão ao coordenador ou líder de célula, acho saudável, no meu caso, nem precisaria pedir a minha benção, não sou dono da vida de ninguém, minha obrigação é zelar pela egrégora da casa, o que deixam de fazer fora do centro, desde que não implique em sua vibração ou na vibração da egrégora da casa, estão livres. Quero ver todos felizes, porque gente feliz, não enche o saco, não é mesmo?

Eu particularmente não vejo as coisas de uma forma que atrapalhe, que possa prejudicar o andamento da casa, obvio que em um rompimento, um dos dois podem se afastar, é um dos motivos que muita gente é contra, porém, é quase igual relacionamento no trabalho, pode ser maravilhosa a convivência ou pode ser degradada, mas sou contra qualquer tipo de proibição, porque quando alguém quer, FAZ, ponto final, quem tem vontade, uma hora fará, então prefiro liberar a depois ter o ego ferido de ter sido contrariado, não é mesmo?

Apenas um pequeno artigo sobre meu ponto de vista. Nada mais que isso!

Neófito da Luz .’.

Anúncios

Mediunidade ou Loucura? A Mediunidade Consciente!!!

Axé amados irmãos.

Quem de nós no ato de uma comunicação não nos deparamos com a seguinte pergunta: Será que estou incorporado? Será que sou eu? Mas o que é isso?

Isso afeta 100% dos mediuns na Umbanda, já foi muito comum, a mediunidade inconsciente, mas como sempre afirmo no blog, isso está cada vez mais raro segundo alguns, segundo o Neófito, isso foi extinto!

Sim, não acredito mais em pessoas que falam que não lembram de nada, isso é absolutamente impossível, inegável lembrarmos de alguns tópicos ou dependendo de como foi a comunicação, lembrarmos de tudo, vale salientar que isso não quer dizer que sua comunicação foi mal realizada. Também é INEVITÁVEL em alguns momentos, conseguirmos “passar a frente” das entidades, sim, meus caros, isso pode acontecer, mesmo estando em um estado alterado de consciência, podemos a qualquer momento, “cortar” esse processo.

Por esses motivos, temos que esquecer problemas pessoais, esquecer quaisquer mazelas que deixamos do lado de fora no terreiro, porque o canal de comunicação é sutil, e como seu corpo e dotado de meios seguros de sobrevivência, não apagamos, ficamos sempre em um onírico estado de alerta.

Naturalmente nós que estamos iniciando a caminhada mediunica, é imprescindível acreditarmos que estamos realizando a comunicação, a incorporação, temos que acreditar, isso é uma máxima; Vejo muitos mediuns segurando o processo ou até mesmo desconfiando, o que desacelera ainda mais o mecanismo mediúnico da “incorporação”.  A principal causa dos mediuns iniciantes segurarem é que não querem mistificarem, não querem enganarem a si, aos irmãos e aos consulentes, vejo muitos mediuns falando: “Eu tenho medo de fingir”.

Primeiramente, temos que ter consciência de nossa dedicação, nosso empenho e acima de tudo na Fé em nossos guias, se estamos ali de coração aberto, de coração limpo e receptivos às vibrações sutis e verdadeiras do Universo, você NÂO ESTARÁ ENGANANDO NINGUÉM, VOCÊ NÃO ESTARÁ MISTIFICANDO. Se deu vontade de pular de joelho, o faça, se ocorreu a vontade de dar um belo grito de guerra, o faça, deixe a vibração tomar conta de cada cm do seu ser, deixe a energia do seu mentor fluir sobre seus chakras, tenha fé nessa comunhão, nesse sincronismo energético. Se sentiu vontade de dançar, dance, de girar, gire e qualquer excesso, tenho a certeza que seu dirigente terá o discernimento e a didática de te informar se algo não for de acordou com a doutrina da casa.

NÃO SEJAM TÍMIDOS, NÃO TENHAM VERGONHA, é natural no mecanismo de incorporação, durante o começo da jornada, o mentor mudar um pouco a aproximação, a vibração ou até mesmo a forma de chegar, isso é totalmente natural, às vezes até pensamos ser outra entidade, mas muitas vezes não o é, é um processo de adaptação, a acoplagem fluidica do corpo espiritual ao corpo material ele tem um custo, e esse custo deve ser minimizado para que ambos sejam beneficianos desse processo e consequentemente, dando uam comunicação firme e confiável.

A Grande sacada para facilitar todo esse processo é CONFIANÇA! Confiem em quem os acompanha, pelo menos eles, temos a certeza que quererão o melhor de vocês. Sigam o post “Firmeza de Cabeça” tão conhecido aqui no blog.

Não hesitem quando sentir vontade de dançar, girar, fumar, repito, liberem esse fluído energético maravilhoso e se deixem levar pela vontade, pelo processo de acoplagem de seus mentores, retire o sentimento de dúvida, tenham fé, bom senso, amor e ACIMA DE TUDO: A VONTADE, que é o que eu sempre digo no blog, a Vontade é a Energia Divina Manifestada. Querer é Poder!!!

Muitas vezes pensamos que somos nós, isso é um processo que infelizmente o acompanharão em grande parte da vida, somos mecanismos principais do processo de incorporação e, infelizmente, somos falhos, o que significa que algumas vezes, esse processo também será falho, não é uma EXATA, a incorporação depende de vários fatores, e a principal, é a sua mente, o que  nem sempre está 100%.

Sempre enfatizo no blog a importância da dedicação e do estudo, conheço pessoas que só conseguem proferir uma palavra de carinho ou de amor, incorporado, desculpem-me e sinceridade, esse tipo de medium não passa de marionete!

Temos que ser princípios ativos de nossos mentores, afinal, trabalhamos com eles e é nossa obrigação propagar e perpetuar seus ensinamentos, nem sempre temos a disponibilidade de incorporar para poder proferir uma palavra amiga, e com isso, você vai pedir a esse necessitado esperar uma semana para poder falar com um guia seu?

Isso será assunto para outro post, o escopo desse é sobre a incorporação, essa inexorável dúvida presente em todos os mediuns da Umbanda, e eu digo com total verdade, ACREDITEM, o estado alterado de consciência existe e quanto mais liberdade vocês fornecem a ele, mais graças poderão presenciar, e isso é indizível!

Não estão loucos, estão apenas influenciados e irradiados pelos nossos irmãos espirituais, nossos companheiros de jornada, são nossos mentores, mas acima de tudo, nossos irmãos, amigos e grandes companheiros de Senda, que visam o aprimoramento de todos que os cercam, seja de seu aparelho (cavalo, burro, medium), seja do consulente e ou de qualquer um que os cercam!

A mediunidade existe para a propagação do bem, para o auxílio aos encarnados, a Umbanda atua de forma presente no mundo físico, no mundo material da pessoa, é nela que são depositadas a confiança dos necessitados, é nela que está o imediatismo, a possibilidade de uma resposta imediata para nossos problemas, é nela que existe o amparo, a doação e a caridade, e você, meu querido medium, foi o escolhido pelas hostes cósmicas para a realização desse trabalho. Você foi convocado e agraciado por esse dom divino de ajudar simultaneamente os amigos espirituais e os carnais, então faça disso, o seu propósito, o seu objetivo, não temos espaço para dúvidas, para descrenças, para a loucura e sim para o objetivo de se conectar ao Bem Maior!

Seja a propagador da Fé que você foi destinado, ou o propagador da justiça, o propagador da força, do amor, da transmutação, da cura, do conhecimento, ou de qualquer outra vibração divina da qual você foi confiada.

Seja você consciente ou semiconsciente, faça desse trabalho o propósito da vida de quem te procura, seja aquele que muda, aquele que consola, aquele que ama, isso só depende de você, se não confia que está incorporado, confie que Deus destinou a você a capacidade de propagar a Sua misericórdia, então durante sua incorporação, ACREDITE, ORE, SEJA UMA FERRAMENTA DE SUA GRAÇA, afinal, a limitação é apenas na cabeça de vocês!

A Consciência é um Presente para Você Testemunhar que Você é Dotado do Poder de Mudar!!!

Paz e Luz.

Neófito

 

Liturgia da Linha de Exús

Saudações irmãos.

Ainda continuando com a minha experiência no último terreiro que eu visitei, do qual me relembrei de vários tópicos, um deles é a forma que é composta o ritual dos exús.

A primeira delas, é cantar para exú de costa pro altar, algo que já mencionei no blog, respeito as casas que ainda praticam esse culto, porém, discordo veementemente pelo fato de Exú também estar na Lei, independente do polo do qual ele trabalha, que é o polo negativo, para muitos, isso tem denotação pejorativa, o negativo aqui é o polo da força e não que é uma força ruim ou acintosa, perniciosa, entre outros adjetivos que denotam malevolência. É como a energia elétrica, a corrente só é transmitida em sua plenitude quando é unido os dois polos, positivo e negativo para que ocorra a corrente elétrica, assim é a Força Cósmica, o Yin-Yang, tudo é composto pela dualidade, e a Umbanda não fugiria desse conceito. Muitos dizem que a Quimbanda é complementar à Umbanda, um fator que eu concordo de verdade, existe o polo positivo e o polo negativo, sem problemas.

Como os exús são vistos como seres negativos, talvez houve a crença em que eles não trabalham na Luz e servem às Trevas, então criou-se o hábito de realizar trabalhos no escuro, e costa pro altar e todos vestidos de roupa escura. Acho até um simbolismo rico, por ter toda a crença que o exú atua nas trevas e tudo mais, mas uma coisa o Sr. Rei das Sete Encruzilhadas me disse: Muitos se confundem em atuar nas trevas com habitar nas trevas, e talvez isso fez eu mudar de ideia em relação ao culto realizado à linha dos exús.

Eu sou realmente contra cantar para os exús de costa pro altar, eu sinceramente acho que é diminuir a maravilha da linha, eu cantaria de frente como se fosse pra qualquer outra linha, exús são trabalhadores da Lei e guardiões escolhidos pelos nossos orixás, tanto é que tem exús que atuam com Oxalá, Xangô, Ogum e todos os outros orixás, portanto, não vejo nenhum problema em entoar seus pontos de frente com o altar assim como todos os demais trabalhadores da Senda Umbandista.

Portanto, Exús são nossos compadres, guardiões, amigos e são parte da Umbanda.

Sobre as roupas escuras, também entendo o simbolismo da linha, o motivo da cor preta que tem diversos simbolismos positivos, inclusive, um deles judaico-cristão que diz que o preto afasta os maus espíritos, tradição essa existente até hoje com os padres e até mesmo em velórios que é tradição se vestir de preto. Acho legal, nada impede disso acontecer, porém, na casa onde eu era pai pequeno, os exús também usavam branco, financeiramente é mais viável e na casa onde eu trabalhava, não existia uma gira somente pra eles, e sim no final de cada mês, os caboclos trabalhavam, os baianos e depois virava para os exús, portanto, como já estavam todos de branco, já aproveitávamos o ensejo e o trabalho ocorria de forma tranquila.

E por último, algo muito comum é trabalhar com as luzes apagadas, eu sinceramente acho que é simbólico, respeito, portanto, culto aos exús em minha casa era também com as luzes acesas, mesmo os exús atuando nas trevas, exú é luz, exú é serventia da Grande Espiritualidade, mesmo atuando nas trevas, não é lá que fazem sua morada, portanto, luzes acesas.

Obviamente cada um desses tópicos foi previamente conversado com os exús da casa e nenhum apresentou nenhuma objeção, eu mesmo já trabalhei com alguns e nenhum fez uma objeção essa “mudança” na tradição, o Marabô muitas vezes pedia para apagar onde ele atuava com cura, porém, ele atuava sob lâmpadas coloridas para a cromoterapia, então era necessário trabalhar com as luzes apagadas para que as luzes verde, azul e laranja pudessem ser mais iluminadas sobre o filho que precisava da cura.

Conforme ressaltei, nada contra as casas que ainda atuam dessa forma, tudo é simbólico e o que vale realmente é o coração focado e a mente firme para que possa ser praticada a caridade para os que ali adentram em busca de força, de fé, de cura para seus males.

Apenas um simples comentário.

Neófito da Luz.

Defumação, Ervas e os Poderes Psíquicos

PERGUNTA: — A deformação feita pela queima de ervas odorantes afasta os maus fluidos, ou trata-se apenas de crendice?

RAMATIS: — Antigamente era crendice colocar prego enferrujado no vinho para reconstituir o sangue, mas, hoje, a farmacologia moderna prepara qualquer medicação contra a anemia, acrescentando-lhe “citrato de ferro”, ou seja, algo de prego enferrujado! No futuro, a Botânica também demonstrará, cientificamente, que durante a queima de ervas odorantes desprendem-se energias ocultas, potencializadas no éter vegetal e que podem afastar os maus fluidos do ambiente onde atuam.
Sem dúvida, seria absurdo alguém mobilizar fumaça de ervas, para limpar paredes, abrir janelas ou descascar batatas. Mas não é insensato a fumaça afastar, dispersar fluidos nocivos, obediente à mesma lei de correspondência vibratória, que permite ao homem-matéria acomodar-se numa cadeira material, e o espírito desencarnado sentar o seu corpo astral numa cadeira confeccionada de substância astralina.

PERGUNTA: — Como poderíamos ter uma ideia melhor do efeito energético da defumação atuando simultaneamente no plano astral e etérico?
RAMATIS: — Desde o instante em que as ervas principiam a germinar no seio da terra até o momento em que são colhidas, elas extraem do solo toda a sorte de minerais, vita minas, proteínas, sais químicos e umidade, além de imantadas pelos raios solares, eflúvios elétricos e magnéticos provindosda própria Lua, além de impregnados do ectoplasma terráqueo, supercarregadas de éter-físico, prana e da energia vigorosa que é o fogo “kundalíneo”.
Algumas plantas são fontes prodigiosas de utilidades benfeitoras à humanidade, já na sua contextura física, comoé a carnaubeira, vegetal da família das palmáceas. O homem
pode extrair dela: açúcar, sal, álcool, ração para o gado, madeira para habitação, combustível para iluminar, resina para cola, medicamento para sífilis, úlceras, erupções e reumatismo.
São mais de 40 utilidades já catalogadas nessa planta maravilhosa, cujo poder e serventia, considerados apenas no campo físico, ainda prolongam-se pelo mundo
etéreo-astralino, num campo de forças incomuns!
Enfim, todo o potencial que se elabora no seio da planta, durante os meses de sua vivência no solo seivoso da terra, depois é liberto em alguns minutos da defumação, projetando em torno um potencial de forças, que, além de sua manifestação
propriamente física, ainda desagregam miasmas e bacilos astralinos disseminados no ambiente humano. A queima de ervas defumadoras também obedece a uma determinada disciplina mental ou concentração, atraindo a cooperação de
espíritos de pretos-velhos, caboclos e bugres, simpáticos a tal processo tradicional de defesa psíquica, os quais ajudam a amenizar na limpeza das pessoas enfeitiçadas.
Considerando que a matéria é energia condensada em “descida” vibratória do mundo oculto, a defumação representa uma operação inversa ou liberação de energias, as quais passam a repercutir novamente nos planos etéricos e astralinos de onde se originaram.
O perfume, ou a exalação natural das plantas, também age na emotividade e na mente do ser, pois o seu odor associa idéias e reminiscências místicas, conforme
acontecia nos templos iniciáticos do Egito, da Grécia, Índia e Caldéia. A defumação composta de incenso, sândalo e mirra, tão tradicional e estimulante para o espírito, que produzia uma condição receptiva e inspirativa simultaneamente
nos planos físico, astral e etéreo, ainda hoje é uma espécie de bálsamo espiritual, quando feita nos templos católicos.

PERGUNTA: — Mas a defumação pode afastar espíritos mal-intencionados?

RAMATIS: — Há certos tipos de ervas cuja reação etérica é tão agressiva e incômoda, que torna o ambiente indesejável para certos espíritos, assim como os encarnados afastam- se dos lugares saturados de enxofre ou gás metano dos
charcos. Aliás, as máscaras contra gases provam suficientemente quanto à existência de certas fumacinhas que também podem aniquilar os seres humanos!
Há perfumes que inebriam determinadas pessoas, mas causam cefaléias, tonturas e até náuseas noutras criaturas. O odor ácido e picante do alho e da cebola, que aguça o apetite nas saladas das churrascarias, depois é detestado pela
produção do mau hálito. Durante a queima de ervas produzem- se reações agradáveis ou desagradáveis no mundo oculto, porque, além de sua propriedade física, elas também libertam outras energias provenientes do armazenamento do éter e do magnetismo físico no duplo etérico do vegetal.
O cheiro ou a exalação das ervas e flores que afetam o olfato dos encarnados também é um campo vibratório
Cada espécie vegetal no mundo possui a sua característica fundamental e atende a uma necessidade na Criação. A mesma seiva venenosa da cicuta, que mata, hoje serve benfeitoramente na medicina homeopática, curando convulsões, estrabismo, efeitos de comoção no cérebro ou da espinha.
Deus não criou as espécies vegetais apenas como enfeites do mundo; pois elas atendem simultaneamente às necessidades da vida manifesta no plano físico, etéreo e astralino.

Magia de Redenção
Hercilio Maes
Ramatis

Exú Guardião, o Executor das Leis Cármicas

Muito diferentemente do que se doutrina a respeito da entidade espiritual conhecida como Exú Guardião ou simplesmente Exú, são os mesmos, seres dotados de inúmeras e seriíssimas tarefas em nosso mundo planetário. Portanto, Exú nunca foi, não é e nunca será o diabo, nem muito menos um ser espiritual das trevas. Entendendo-se trevas como sendo sinônimo de maldade e de atraso espiritual.

De fato, falar sobre o Exú Guardião não é tarefa simples, mas é certamente deveras gratificante. Não é simples, posto que os conceitos que consubstanciam a verdade sobre a entidade espiritual Exú muito longe se encontram da doutrina corriqueira e da difamação ignominiosa que se estende sobre esse ser espiritual. Quando falamos ser gratificante é porque na verdade estamos fazendo valer nada mais nada menos que a própria justiça divina ao colocar o verdadeiro Exú Guardião dentro dos seus verdadeiros princípios, fundamentos e atributos reais.
Vejamos então de maneira bastante simplificada um pouco sobre a verdadeira entidade espiritual conhecida como Exú Guardião ou simplesmente Exu:

Surgimento do Exú Guardião em nosso planeta:

Professa a sagrada Doutrina Astral de Umbanda que na casa do “Pai” existem de maneira sintética, duas grandes moradias, uma conhecida como reino virginal e a outra conhecida como reino natural que é o mundo da energia-massa ao qual está vinculado nosso planeta Terra.

Ensinam os mentores espirituais da Umbanda que, os seres espirituais que hoje se encontram no reino natural, viviam em processo evolutivo no reino virginal (o reino da anti-matéria). Em tal reino viviam integrados em processo evolutivo experimentando-se masculino e feminino, se assim podemos definir, como um ser uno. Porém, em determinado instante desta cadeia evolutiva, milhões de seres espirituais passaram então a sentir fortissima necessidade de experimentarem-se em suas individualidades.

 

Ante a impossibilidade de tal processo ocorrer no reino virginal e tendo em vista que esse desarranjo vibratório impossibilitava a permanência destes seres em tal local, a Misericórdia Divina entendeu por bem plasmar o que chamamos de reino natural (ou matéria) para então servir de local onde iria abrigar esses milhões de seres espirituais em seu novo processo evolutivo.

E assim, surgiu o que nós conhecemos como universo natural ou reino da matéria com seus planetas, suas galáxias, etc. Após a Divindade Suprema plasmar essa nova casa planetária nomeou seus emissários divinos, seres de indescritíveis sabedoria e luz, para que arquitetassem toda a construção deste novo reino e assim foi feito. Porém além de arquitetar todo esse novo reino espiritual, existia a necessidade de manipular essas energias para execução e concretização da vontade divina.

Daí veio a surgir a necessidade da presença de seres espirituais de grande poder e força energética. Esses seres originais executores dos arquitetos divinos é o que temos hoje como sendo conhecidos por Exús Cósmicos ou Indiferenciados. São cósmicos porque sua atividade singe-se a execução dos rearranjos estruturais das energias que deram forma ao reino natural.

São indiferenciados, posto que sempre viveram em nosso reino sem passarem pela divisão da matéria, vivendo assim na própria essência divina da qual são “constituídos”. Mas a tarefa era gigante, exigindo a força e a presença de considerável quantidade de seres espirituais para por em prática a realização da vontade divina que era a formação e estruturação do reino natural.

Esses Exús tidos como indiferenciados subordinaram-se diretamente aos seus comandantes , ou seja os Orixás Ancestrais. Estes últimos são os Sete Espíritos de Deus responsáveis diretamente pelo reino natural.

 

Ante a impossibilidade de tal processo ocorrer no reino virginal e tendo em vista que esse desarranjo vibratório impossibilitava a permanência destes seres em tal local, a Misericórdia Divina entendeu por bem plasmar o que chamamos de reino natural (ou matéria) para então servir de local onde iria abrigar esses milhões de seres espirituais em seu novo processo evolutivo.

E assim, surgiu o que nós conhecemos como universo natural ou reino da matéria com seus planetas, suas galáxias, etc. Após a Divindade Suprema plasmar essa nova casa planetária nomeou seus emissários divinos, seres de indescritíveis sabedoria e luz, para que arquitetassem toda a construção deste novo reino e assim foi feito. Porém além de arquitetar todo esse novo reino espiritual, existia a necessidade de manipular essas energias para execução e concretização da vontade divina.

Daí veio a surgir a necessidade da presença de seres espirituais de grande poder e força energética. Esses seres originais executores dos arquitetos divinos é o que temos hoje como sendo conhecidos por Exús Cósmicos ou Indiferenciados. São cósmicos porque sua atividade singe-se a execução dos rearranjos estruturais das energias que deram forma ao reino natural.

São indiferenciados, posto que sempre viveram em nosso reino sem passarem pela divisão da matéria, vivendo assim na própria essência divina da qual são “constituídos”. Mas a tarefa era gigante, exigindo a força e a presença de considerável quantidade de seres espirituais para por em prática a realização da vontade divina que era a formação e estruturação do reino natural.

Esses Exús tidos como indiferenciados subordinaram-se diretamente aos seus comandantes , ou seja os Orixás Ancestrais. Estes últimos são os Sete Espíritos de Deus responsáveis diretamente pelo reino natural.

 
 

Seres esses que são conhecidos como “rabo-de-encruza”. São seres que arrependidos das suas práticas foram arrebanhados pelos Exús Espadados. Estes últimos espíritos ainda têm uma personalidade frágil, sendo muitas vezes subornados por seus antigos chefes, os magos-negros do submundo astral. Quando isso ocorre e são pegos em flagrante, são levados para tratamentos mais profundos em hospitais que se encontram instalados em plena zona do submundo astral, aonde passarão longos anos desintoxicando-se, para só então retornarem às mesmas atividades aonde reiniciaram sua recuperação espiritual.

As atividades dos Exús no Templo:

O Exú Guardião é a entidade espiritual que nos Templos de Umbanda é encarregado da guarda vibratória e da proteção espiritual. Cuidam os Exús de efetuarem a defesa espiritual contra os ataques das hostes do submundo astral que a todo momento buscam invadirem os santuários da Umbanda com o objetivo de destruírem ou mesmo perturbarem as diversas atividades desempenhadas . Cuidam ainda, de atuarem nos inúmeros trabalhos de desmanche de magia-negra e feitiçarias que são levadas pelos consulentes que lá acorrem.

Para a defesa vibratória do Templo, os Exús manipulam uma variedade enorme de energias, assim como de entidades espirituais tidas como elementares, que são seres ainda em sua fase inicial de evolução em nosso Planeta, sendo constituídos de puras e poderosas energias. Juntamente com os elementares do fogo esses guardiões destroem as larvas, miasmas, bactérias astrais, etc., que são trazidas por seres espirituais encarnados e desencarnados aos templos para tratamentos diversos.

Os Exús Guardiões atuam em seus médiuns, na região conhecida como subconsciente. Local onde são armazenados o vivencial de vidas passadas e onde também se encontram nossas animalidades vividas nos reinos da natureza por onde estagiamos.

 

O fato é que, os distúrbios da personalidade, as fobias, taras e neuroses de maneira geral têm como causa-origem situações mal vividas em nosso ontem e que, em nosso hoje, manifestam-se de maneira contínua ou esporádica. Nos médiuns essa manifestação dá-se por intermédio de flashes esporádicos, tendo em conta que a grande maioria deles cumpre missão probatória de resgates de erros passados.

Ao agir nesta região o Exú Guardião vai expurgando todas as animalidades e traumas em verdadeiro processo de desintoxicação, visando proporcionar ao médium a evolução e a consciência de si mesmo.

Portanto, é de certa forma comum observar em templos de Umbanda, médiuns apresentarem posturas e expressões grosseiras. Na realidade o que estes médiuns estão expressando são seus graus conscienciais e seus traumas armazenados e nunca, exteriorizando a vibração do verdadeiro Exú.

A bem da verdade, é bom que se diga que às vezes, por ingenuidade, alguns médiuns acreditam que fazendo caretas e pantomimas irão fazer acreditar que o “seu” Exú é o mais forte e poderoso, provocando assim o respeito, o temor e a admiração. Pura ingenuidade.

Infelizmente, em alguns locais que dizem professar a Umbanda, esquecem que a mesma é Amor e Sabedoria. E assim, irresponsavelmente inveredam por caminhos escusos que longe estão de refletirem a luz da Umbanda. Nesta triste situação associam-se com seres da revolta, do ódio, da insubmissão e passam a serem usados e manipulados por esses seres. Assim, o que esses pobres médiuns expressam é o desequilíbrio do ser astralizado com o qual se associaram.

É dispensável dizer que esses médiuns só acarretaram para si e sua família, dores, humilhações de dissabores de ordem espiritual e mesmo material. Infelizmente, em vista do pouco esclarecimento espiritual existente, essas entidades se denominam como sendo os verdadeiros Exús, causando assim uma série de embaraços e confusões quanto a real personalidade do Exú Guardião.

 

Porém esses locais são facilmente reconhecidos e identificáveis; invariavelmente, neles existem o palavreado grosseiro e de baixo calão. Nesses locais imperam as promessas de trabalhos escusos (feitiçarias de todas as montas), indecorosos e luxuriantes, aonde as fofocas e picuinhas imperam e a verdade, o amor e o progresso espiritual inexistem. Deles devem todos buscar distância, pois esses lugares podem ser tudo na vida, mas certamente jamais serão uma casa de Umbanda.

Por fim, os Exús Guardiões, manipulam as energias etéricas no campo vibracional dos entrecruzamentos energéticos (encruzilhadas). Infelizmente, as encruzilhadas de ruas são confundidas por alguns como sendo a verdadeira encruzilhada dos Exús Guardiões. Na verdade, essas encruzilhadas de rua são portais vibracionais de acesso ao submundo astral. Por ai já se percebe o quanto é perigoso a manipulação de energias em tais locais.

A verdadeira encruzilhada dos Exús guardiões, são os entrecruzamentos vibratórios das linhas de força ou tatwas, que são as energias que vêem do plano astral e entrecruzam-se em nossa casa planetária. É nesse campo de força, de luta e de trabalho, que o Exú manipula o Axé (energia), concretizando todo processo de imantação e desagregação dessas forças em benefício do Planeta e de seus habitantes.


Shandar

Vórtices Energéticos

1. – Perispírito

Envolvendo o gérmen de um fruto, há o “Perisperma”; do mesmo modo, uma substância que, por comparação, se pode chamar“Perispírito”, serve de envoltório ao espírito propriamente dito. (O Livro dos Espíritos de Allan Kardec).
Por ter sido um termo criado por Kardec, creio que todos admitimos que ninguém melhor que ele para definir perispírito:

É o órgão sensitivo do espírito por meio do qual este percebe coisas espirituais que escapam aos sentidos corpóreos.

O espírito vê, ouve e sente, por todo o seu ser, tudo o que se encontra na esfera de irradiação do seu fluido perispíritico”. (A Gênese de Allan Kardec).

E foi esmiuçando as palavras de Kardec, no livro “Depois da Morte”, que Léon Denis, falando sobre o “Perispírito ou Corpo Espiritual”, disse:

“O perispírito é, pois, um organismo fluídico, é a forma preexistente e sobrevivente do ser humano, sobre a qual se modela o envoltório carnal, como uma veste dupla invisível, constituída de matéria quintessenciada”.

Podemos então dizer que o “Perispírito ou Corpo Fluídico dos espíritos” é um laço de união entre a vida corpórea e a vida espiritual.

Sabendo que ele é uma condensação do fluido cósmico em torno de um foco de inteligência ou alma, pode-se dizer que é ele que intervém nos fenômenos especiais que ocorrem no homem, cuja causa fundamental não se encontra na matéria palpável e que, por essa razão, parecem sobrenaturais.

Assim sendo, podemos entender que o “Corpo Espiritual ou Psicossoma” é, assim, o veículo físico, relativamente definido pela ciência humana, com os “Centros Vitais” que essa mesma ciência, por enquanto, não pode perquirir e reconhecer.

2. – Centros Vitais ou Centros de Força (Chakras)

Segundo André Luiz os “Centros Vitais ou Centros de Força”estão situados no “Corpo Espiritual ou Psicossoma” e funcionamcomo terminais através dos quais a energia é transferida de planos superiores para o corpo físico.

André diz que o “Psicossoma está intimamente regido por sete Centros de Força”, que se conjugam nas ramificações dos plexos, vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente.

Eles estabelecem, para nosso uso, um veículo de células elétricas, que podemos definir como sendo “um campo eletromagnético”, no qual o pensamento vibra em circuito fechado.

A palavra “Chakra” vem do sânscrito e significa “roda, disco, centro ou plexo”. Nesta forma eles são percebidos por videntes como vórtices (redemoinhos) de energia vital, espirais girando em alta velocidade, vibrando em pontos vitais de nosso corpo.

Os Chakras são pontos de interseção entre vários planos e através deles nosso corpo etérico (corpo espiritual) se manifesta mais intensamente no corpo físico. Há mais de cinco mil anos, os tibetanos, os Hindus (Vedas) já estudavam os Chakras.

3. – Funções dos Centros de Força ou Chakras

O nosso “Corpo Espiritual” é regido por “sete Centros de Força”,dispostos desde a base da coluna vertebral até o alto da cabeça e cada um corresponde a uma das “sete glândulas” do corpo humano.

Vários estudos têm mostrado a existência, no períspirito, dediscos energéticos (chakras), como verdadeiros controladores das correntes de energia, centrifugas (do espírito para a matéria) ou centrípetas (da matéria para o espírito), que aí se instalam como manifestações da própria vida.

Estes discos energéticos comandariam, com as suas“superfunções”, as diversas zonas nervosas e de modo particular o sistema neurovegetativo, convidando, através dos genes e do código genético, ao trabalho ajustado e bem ordenado da arquitetura neuroendócrina.

Num corpo saudável, todos esses vórtices giram a uma grande velocidade, permitindo que a energia (PRANA) flua para cima por intermédio do sistema endócrino.

Mas se um desses centros começa a diminuir a velocidade de rotação, o fluxo de energia fica inibido ou bloqueado e disso resulta o envelhecimento ou a doença.

Os Chakras são conectados entre si por um sistema de “Nádis”(sistema circulatório energetico na frequência do duplo etérico).Os Nádis conduzem e regulam o fluxo das energias “yin e yang”em espirais concêntricas.

Para os Hindus, os Nádis são sagrados, é por meio da“Sushumna” que o yogi deixa o seu corpo físico e entra em contato com os planos superiores e traz para o seu cérebro a memória de suas experiências.

3.1 – Centro Coronário (Sahasra)

O “Centro Coronário” está situado na região central do cérebro. Na sede da mente, centro que assimila os estímulos do Plano Superior.

Segundo André Luiz, o Coronário é quem orienta a forma, o movimento, a estabilidade, o metabolismo orgânico e a vida consciencial da alma encarnada ou desencarnada.

O “Centro Coronário” está, sutilmente, ligado a “Glândula Pineal ou Epífise”, a glândula mais alta do sistema endócrino, situada bem no centro da cabeça, logo abaixo dos dois hemisférios cerebrais.

Este centro supervisiona os demais Centros Vitais que lhe obedecem ao impulso, procedente do Espírito. No Coronário temos o ponto de interação entre as forças do Espírito e as forças físiopsicossomáticas organizadas.

Na tradição hindu ele é conhecido como “Chakra da Coroa”, e está representado por uma flor de lótus de mil pétalas. Sua cor é violeta ou branco. Em sânscrito é “Sahasra”, e é através dele que recebemos a luz divina.

Do Coronário parte a corrente de estímulos espirituais com ação difusível sobre a matéria mental que o envolve, transmitindo aos demais Centros da alma os reflexos vivos de nossos sentimentos, idéias e ações.

Tanto quanto esses mesmos centros, interdependentes entre si, imprimem semelhantes reflexos nos órgãos e demais implementos de nossa constituição particular, plasmando em nós próprios os efeitos agradáveis ou desagradáveis de nossa influência e conduta.

3.2 – Centro Cerebral ou Frontal (Ajna)

O “Centro Cerebral” está situado na região central do cérebro, contíguo ao Coronário, com influência decisiva sobre os demais centros vitais.

Segundo André Luiz, ele governa o córtice encefálico na sustentação dos sentidos, marcando a atividade das glândulas endócrinas, administrando o sistema nervoso, em toda a sua organização, coordenação e atividade.

O “Centro Cerebral ou Frontal” está ligado a “Glândula Pituitária ou Hipófise”, e tem relação direta com diversos fenômenos de clarividência, intuição e percepções parapsíquicas.

Na tradição Hindu ele é conhecido como o “Chakra do  terceiro olho”, por situar-se entre as sobrancelhas. Em sânscrito é“Ajna”, o Centro de Comando e sua cor é o Azul índigo.

É o Chakra da visão espiritual, da intuição, da percepção, da aprendizagem, do conhecimento, da síntese intelectual e da responsabilidade, pelo qual se aprende e se guarda na memória as informações.

3.3 – Centro Laríngeo (Vishudda)

O “Centro Laríngeo” esta situado em frente da garganta. É o responsável pela energização da boca, garganta e órgãos respiratórios. É o Centro da comunicação do ser humano no mundo.

O “Centro Laríngeo” está ligado a “Glândula Tireóide”. É considerado também como um filtro energético que bloqueia as energias emocionais, para que elas não cheguem até os chakras da cabeça.

Na tradição hindu ele é conhecido como “Vishudda”, o purificador. Quando bem desenvolvido, de forma geral, facilita a psicofonia e a clariaudiência e indica força de caráter e capacidade mental. Sua cor é o Azul claro.

Está ligado a sensibilidade mediúnica, que capta a criatividadevinda de outras consciências. Por isso os grandes iniciados sempre ensinaram sobre o silêncio, que capta a criatividade e melhora a expressão.

3.4 – Centro Cardíaco (Anahata)

O “Centro Cardíaco” está situado no centro do peito e é responsável pela energização do sistema cárdio-respiratório. É considerado o canal de movimentação dos sentimentos.

O “Centro Cardíaco” está ligado a “Glândula Timo”. Bem desenvolvido, torna-se um canal de amor para o trabalho de assistência espiritual. Por isso é o centro mais afetado pelo desequilíbrio emocional.

Na tradição hindu ele é conhecido como “Anahata”. Seu nome significa o inviolável, o invicto, o som sutil do espírito imperecível. Cor verde (cura) ou Rosa (amor).

Quando ativado desenvolve todo o potencial para o amor altruísta. Quando enfraquecido indica a necessidade de se libertar do egoísmo e de cultivar maior dedicação ao próximo.

Este centro é, por excelência, o canal de toda transformação afetiva, em que o homem instintivo se transforma em espiritual. Todo amor, toda qualidade afetiva, todo idealismo por algo melhor está no Chakra do coração.

Toda cura, todo toque terapêutico e toda assistência espiritual vibra nesse centro. É um Chakra capaz de abraçar humanidades situadas em outros orbes.

Esse Centro é um sol peitoral que jamais poderá ser envenenado pelas péssimas vibrações da vingança.

O ódio gera uma energia viscosa e escura que adere no Centro peitoral como uma espécie de “piche consciencial”.

3.5 – Centro Esplênico (ver considerações finais)

O “Centro Esplênico” está situado na altura do baço. É um dos responsáveis pela vitalização do organismo humano, absorvendo as energias vibratórias.

O “Centro Esplênico” é quem regula a circulação dos elementos vitais em todos os escaninhos do corpo, determinando as atividades do sistema hemático.

Ligam-se ao “Centro Esplênico” as entidades (vampiros) quevisam sugar a energia vital da criatura, em um sentido subjetivo mas de resultados objetivos.

Responsável pelo funcionamento do baço, pela formação e reposição das defesas orgânicas através do sangue. É um dos responsáveis pela vitalização do organismo.

3.6– Centro Gástrico ou Plexo Solar (Manipura)

O “Centro Gástrico” está situado na região Abdominal, sendo o responsável pela digestão dos alimentos, pelas emoções e pelo metabolismo.

O “Centro Gástrico ou Plexo Solar ou Chakra Umbilical” é, por excelência, o centro das emoções inferiores, misturadas com o processo da alimentação normal. É um centro de grande vitalidade.

Quando muito energizado, indica que a pessoa é voltada para as emoções e prazeres imediatos. Quando fraco sugere carência energética, baixo magnetismo.

Está ligado ao “Pâncreas”, que é uma Glândula do sistema digestivo e endócrino. Bem desenvolvido, facilita a percepção das energias ambientais. Quando está bloqueado, causa enjôo, medo ou irritação.

Na tradição hindu seu nome é “Manipura”, que significa a cidade das jóias. Sua cor é o amarelo.

É um centro de grande capacidade ectoplásmica. E tem alta ressonância com as energias dos vegetais, com as energias da natureza em geral, o mar, o vento, etc.

3.7 – Centro Genésico (Swadhistana)

O “Centro Genésico” está situado abaixo do umbigo sendo o responsável pela energização geral do organismo, por ele penetram as energias cósmicas mais sutis, que a seguir são distribuídas pelo corpo.

Na tradição hindu seu nome é “Swadhistana”, que significa a morada do “eu” ou a morada do sol ou ainda a morada do prazer. Sua cor é o laranja.

Quando o “Centro Genésico ou Sexual” está bloqueado causa impotência sexual ou desânimo. Quando está super excitado causa intenso desejo sexual.

Bem desenvolvido, estimula o melhor funcionamento dos outros Chakras e ajuda no despertar da Kundalini. É o Chakra da troca sexual e da alegria.

3.8 Centro Básico (Muladhara)

O “Centro Básico” está situado na área da base da coluna vertebral. É o responsável pela absorção da energia telúrica e pelo estimulo direto da energia no corpo e na circulação do sangue.

Está ligado as “Glândulas supra-renais” e tem relação direta com os fenômenos bioenergéticos e parapsíquicos oriundos da ativação da Kundalini.

Na tradição indiana seu nome é “Muladhara” que significa  base e fundamento, suporte. Sua cor é o vermelho.

Quando esse Chakra está enfraquecido indica distúrbios da sexualidade ou disfunções endócrinas. Quando muito energizado, indica excesso de hormônios, sexualidade exagerada.

4. – Considerações finais

Toda pessoa que se lançou sobre os temas bioenergéticos esbarrou, de imediato, no estudo dos chacras. Uma das primeiras coisas que vemos a respeito do assunto é que existem“sete chacras principais” e é justamente nesse ponto que surge uma divergência.

Em alguns lugares veremos que os sete chacras principais são:Coronário, Cerebral (Frontal), Laríngeo, Cardíaco, Gástrico (Plexo Solar), Sexual (Genésico) e o Básico, e em outros lugares, ao invés do “Sexual teremos o Esplênico”.

No Ocidente, quem divulgou mais a questão do Chakra do “baço ou esplênico” foi Charles Webster Leadbeater. Entretanto, ele tinha vários problemas em relação à sexualidade que podem ter tido origem no fato dele ter sido reverendo.

Por esse motivo, ele suprimiu o estudo em cima do “Chakra Sexual” (dizia que era um centro perigoso para o desenvolvimento espiritual da pessoa) e colocou em seu lugar o“Chakra Esplênico”.

A partir dele, outros autores ocidentais tomaram a mesma postura, esquecendo-se de que o “Chakra do baixo ventre” não é meramente um “Chakra de ativação da energia sexual”.

Mas também um centro gerador de vida, pois é por sua ação (conjugada com o Chakra básico) que o feto é energizado e desenvolve-se e é também o controlador das vias urinárias.

Os Orientais não receberam essa mesma repressão sexualproveniente do Cristianismo; desta forma não hesitaram em classificar o “Chakra Sexual” como um dos centros de força principais e estudá-lo adequadamente.

É natural que nesse momento o leitor esteja questionando porque o Chakra principal é o Sexual, como dizem os orientais e não o Esplênico como dizia Leadbeater e a resposta para essa questão é bem simples.

Cada um dos chacras principais está ligado a uma glândula de controle.

O Chakra Coronário está ligado à Pineal, o Cerebral à Hipófise, o Laríngeo à Tireóide, o Cardíaco ao Timo, o Gástrico ou Umbilical ao Pâncreas, o Sexual aos Testículos (homem) ou Ovários (mulher) e o Básico, às glândulas Supra-renais, enquanto oChakra Esplênico está ligado ao Baço, que não é uma glândula.

Não foi à toa que Leadbeater escolheu o “Chakra Esplênico para substituir o Sexual”. Ele tem uma função importante na questão da absorção de vitalidade para o corpo, sendo um repositor energético que ajuda o Chakra Cardíaco a distribuir a energia pela circulação do sangue e é através dele que penetra uma parte da energia do ambiente.

Bem desenvolvido, favorece a soltura do duplo etérico e, conseqüentemente, o desenvolvimento da mediunidade, bem como a soltura do psicossoma em relação às projeções da consciência.

Nos estudos mais atuais sobre Chakras já encontramos os dois sendo classificados e estudados, visando desenvolver um estudo mais completo.

Segundo André Luiz, o Centro de Força Esplênico é um dos mais importantes do Perispírito e foi incluído em sua relação de Chakras principais no livro “Evolução em Dois Mundos”.

4.1 – Leituras Espirituais

Os Chakras são Centros de Força vital! Por eles são feitas leituras espirituais. Neles, seres de outros planos lêem tudo aquilo que vai dentro das energias do ser humano.

Seres que se apresentam com formas só de luz, sem a limitação da forma humanóide, quando observam o ser humano, o fazem por esses chakras. Eles não observam a forma humana, apenas os chakras.

Os Centros Inferiores estão ligados a Terra, agradeça ao planeta por hospedá-los por mais uma vida! Os Centros Superiores estão ligados ao Cosmos, ao qual se agradece toda a amplitude e novas oportunidades de conhecimento futuro.

O Homem está entre o Céu e a Terra, e é um elemento híbrido. Veio das estrelas, mas ocupa um invólucro terrestre. Tem as duas naturezas em si mesmo, é filho da Terra e filho do Espaço!

Deve saudar sua Mãe-Terra e deve saudar o Pai-Espaço! Tudo isso dentro do próprio coração.

Quando você se irrita, seu corpo é bombardeado
por energias tóxicas. Cuide bem de sua saúde:

PERDOE SEMPRE!

Bibliografia:
Evolução em dois Mundos (André Luiz)
Entre a Terra e o Céu (André Luiz)
O Passe – Seu estudo, suas técnicas, sua prática
(Jacob Melo)
Os Chakras (Wagner Borges)
Voadores.com.br (Valter Cichini Jr.)

 

Pensamento e Perispírito

Autor: Manoel Philomeno de Miranda (espírito) / psicografia de Divaldo Franco

Portador de expressiva capacidade plasmadora, o perispírito registra todas as ações do Espírito através dos mecanismos sutis da mente que sobre ele age, estabelecendo os futuros parâmetros de comportamento, que serão fixados por automatismos vibratórios nas reencarnações porvindouras.

Corpo intermediário entre o ser pensante, eterno, e os equipamentos físicos, transitórios, por ele se processam as imposições da mente sobre a matéria e os efeitos dela em retomo à causa geratriz.

Captando o impulso do pensamento e computando a resposta da ação, a ele se incorporam os fenômenos da conduta atual do homem, assim programando os sucessos porvindouros, mediante os quais serão aprimoradas as conquistas, corrigidos os erros e reparados os danos destes últimos derivados.

Constituído por campos de forças mui especiais, ele irradia vibrações específicas portadoras de carga própria, que facultam a perfeita sintonia com energias semelhantes, estabelecendo amas de afinidade e repulsão de acordo com as ondas emitidas.

Assim, quando por ocasião da reencarnação o Espírito é encaminhado por necessidade evolutiva aos futuros genitores, no momento da fecundação o gameta masculino vitorioso esteve impulsionado pela energia do perispírito do reencarnante, que naquele espermatozoide encontrou os fatores genéticos de que necessitava para a programática a que se deve submeter.

A partir desse momento, os códigos genéticos da hereditariedade, em consonância com o conteúdo vibratório dos registros perispirituais, vão organizando o corpo que o Espírito habitará.

Como é certo que, em casos especiais, há toda uma elaboração de programa para o reencarnante, na generalidade, os automatismos vibratórios das Leis de Causalidade respondem pela ocorrência, que jamais tem lugar ao acaso.

Todo elemento irradia vibrações que lhe tipificam a espécie e respondem pela sua constituição.

Espermatozoides e óvulos, em consequência, possuem campo de força especifico, que propele os primeiros para o encontro com os últimos, facultando o surgimento da célula ovo.

Por sua vez, cada gameta exterioriza ondas que correspondem à sua fatalidade biológica, na programação genética de que se faz portador.

Desse modo, o perispírito do reencarnante sincroniza com a vibração do espermatozóide que possui a mesma carga vibratória, sobre ele incidindo e passando a plasmar no óvulo fecundado o como compatível com as necessidades evolutivas, como decorrência das catalogadas ações pretéritos. Equilíbrio da forma ou anomalia, habilidades e destreza, ou incapacidade, inteligência, memória e lucidez, ou imbecilidade, atraso mental, oligofrenia serão estabelecidos desde já pela incidência das conquistas espirituais sobre o embrião em desenvolvimento.

Sem descartarmos a hereditariedade nos processos da reencarnação, o seu totalitarismo, conforme pretendem diversos estudiosos da Embriogenia e outras áreas da ciência, não tem razão de ser.

Cada Espírito é legatário de ú mesmo. Seus atos e sua vida anterior são os plasmadores da sua nova existência corporal, impondo os processos de reabilitação, quando em dívida, ou de felicidade, se em crédito, sob os critérios da Divina Justiça.

Certamente, caracteres físicos, fisionômicos e até alguns comportamentais resultam das heranças genéticas e da convivência em família, jamais os de natureza psicológica que afetam o destino, ou de ordem fisiológica no mapa da evolução.

Saúde e enfermidade, beleza e feiura, altura e pequenez, agilidade e retardamento, como outras expressões da vida física, procedem do Espírito que vem recompor e aumentar os valores bem ou mal utilizados nas existências pretéritas.

Além desses, os comportamentos e as manifestações mentais, sexuais, emocionais decorrem dos atos perpetrados antes e que a reencarnação traz de volta para a indispensável canalização em favor do progresso de cada ser.

As alienações, os conflitos e traumas, as doenças congênitas, as deformidades físicas e degenerativas, assim como as condições morais, sociais e econômicas, são capítulos dos mecanismos espirituais, nunca heranças familiares, qual se a vida estivesse sob injunções do absurdo e da inconsequência.

A aparente hereditariedade compulsória, assim como a injunção moral atuante em determinado indivíduo, fazendo recordar algum ancestral, explica-se em razão de ser aquele mesmo Espírito, ora renascido no clã, para dar prosseguimento a realizações que ficaram incompletas ou refazer as que foram perniciosas. Motivo este que libera “o filho de pagar pelos pais” ou avós, o que constituiria, se verdadeiro, uma terrível e arbitrária imposição da Justiça que, mesmo na Terra, tem código penalógico mais equilibrado.

Os pensamentos largamente cultivados levam o indivíduo a ações inesperadas, como decorrência da adaptação mental que se permitiu. Desencadeada a ação, os efeitos serão incorporados ao modus vivendi posterior da criatura.

E mesmo quando não se convertem em atitudes e realizações por falta de oportunidade, aquelas aspirações mentais, vividas em clima interior, apresentam-se como formas e fantasmas que terão de ser diluídos por meio de reagentes de diferente ordem, para que se restabeleça o equilíbrio do conjunto espiritual.

Conforme a constância mental da idéia, aparece uma correspondente necessidade da emoção.

Todos esses condicionamentos estabelecem o organograma físico, mental e moral da futura empresa reencarnacionista a que o Espírito se deve submeter, ante o fatalismo da evolução.

O conjunto – Espírito ou mente, perispírito ou psicossoma e corpo ou soma – é tão entranhadamente conjugado no processo da reencarnação que, em qualquer período da existência, são articulados ou desfeitos sucessivos equipamentos que procedem da ação de um sobre o outro. O Espírito aspira e o perispírito age sobre os implementos materiais, dando surgimento a respostas orgânicas ou a fatos que retomam à fonte original, como efeito da ação física que o mesmo corpo transfere para o ser eterno, concedendo-lhe crédito ou débito que se incorpora à economia da vida planetária.

O mundo mental, das aspirações e ideais, é o grande agente modelador do mundo físico, orgânico. Conforme as propostas daquele, têm lugar as manifestações neste.

Assim se compreende porque a Terra é mundo de “provas e expiações”, considerando-se que os Espíritos que nela habitam estagiam na sua grande generalidade em faixas iniciais, inferiores, portanto, da evolução.

À medida que o ser evolve, melhores condições estatui para o próprio crescimento, dentro do mesmo critério da lei do progresso, que realiza com mais segurança os mecanismos de desenvolvimento, de acordo com as conquistas logradas. Quanto mais adiantado um povo, mais fáceis e variados são-lhe os recursos para o seu avanço.

O pensamento, desse modo, é um agente de grave significado no processo natural da vida, representando o grau de elevação ou inferioridade do Espírito, que, mediante o seu psicossoma ou órgão intermediário, plasma o que lhe é melhor e mais necessário para marchar no rumo da libertação.

Livro: Temas da Vida e da Morte