A Necessidade das Imagens e Paramentos na Umbanda

Nota da imagem: Imagine ter agilidade, força e destreza para lutar com um trombolho desse acima? E historiadores confirmam que a luta não era tão cinematográfica como nos filmes, assim como o excesso da paramentação atrapalhava as lutas, a mesma atrapalha o andamento dos trabalhos direcionando a atenção para outra direção divergente da Caridade e Humildade.

Saudações irmãos, aqui estou eu novamente, essa semana foi praticamente um COMBO de artigos… Fico um tempo entocado e quando saio, aí é um artigo atrás do outro.

O tema dessa vez é em relação aos diversos artigos que utilizamos durante os trabalhos, sejam chapéus, roupas, cachimbos, panos, fitas, imagens no altar entre outros.

Para isso, como tudo na vida, é importante ressaltar o caminho do meio, sabemos que o bom senso é extremamente relativo, porém, importante ressaltar alguns fatos que serão explanados no decorrer do texto.

Muitos centros utilizam cocares para os caboclos, capas, cartolas, espadas e afins, o que até então não vejo nenhum problema na utilização, isso ajuda na materialização de energia do guia, o seu orixá, o seu guia sabe o que é necessário para que você possa trabalhar de maneira correta, eu a priori, não suporto cocares para os caboclos, acho que vira um circo, porém, para alguns médiuns e até mesmo assistentes, é um importante caracterizador para dar mais credibilidade à consulta e consequentemente à incorporação.

Esses artefatos possuem mais valor visual a energético, sim, muitos exús envolvem seus filhos ou consulentes em suas capas, obviamente existe uma energia embutida ali, isso não me resta nenhuma dúvida, porém, é muito mais uma forma de dar credibilidade ao trabalho do que uma necessidade vibratória propriamente dita, o mesmo acontece com os chapéus, ajuda muito para o médium se concentrar, inclusive quando o guia coloca o chapéu na cabeça de outrem, isso ajuda com que aquele que está recebendo o chapéu em sua cabeça, tenha mais credibilidade no trabalho, o chapéu também serve para materializar determinada energia que o guia o utiliza ali, empregada na utilização para diversos fins, até aí sabemos que é muito útil e bem vindo, também é sabido que esses paramentos servem para auxiliar aquele que recorre a entender que tipo de guia ele está conversando, seja um baiano, seja um boiadeiro, seja um marinheiro, é uma caracterização que ajuda a identificar o arquétipo daquele espírito, e obviamente, o espírito que ali solicita tais paramentos, pede pela afinidade de experiências de vidas passadas, então com isso, une-se o útil ao agradável.

O guia espiritual usa aquilo que mais se adequa à forma de trabalho dele, ao arquétipo que ele traz, auxilia o próprio médium que o serve, identificando-o, sabendo mais sobre ele, vestindo melhor a “roupa” daquele espírito que está influenciando-o e tudo isso, ajuda o consulente a identificar, a dar maior credibilidade, possuir maior afinidade com aquela linha, com aqueles trejeitos, com aquela forma de trabalho e com isso, temos um objetivo único, o direcionamento de energia como um todo, a potencialização da fé, da verdade daquele guia. Além de ser um importante direcionador de fé, de credibilidade, isso faz com que os mentores de outro plano comportem-se como nós mesmos, afastando a distância sísmica que possuem de nosso plano, pelo contrário, se tornam amigos terrenos, justamente pela utilização da linguagem, dos trejeitos, da intimidade e isso tudo ajuda de forma mútua a todos dentro do terreiro.

Nesse mesmo preâmbulo, existem as imagens, que faz com o que o consulente sente-se mais acolhido, a imagem de Jesus no altar, causa um peso estrondoso, muitos incrédulos de Umbanda ou pessoas que não simpatizam-se, ao ver a imagem de Cristo no altar, a grande maioria delas muda de imediato a concepção da Umbanda e dos rituais no terreiro, o mesmo acontece quando um católico vê aquelas imagens de santos dos quais já estão totalmente familiarizadas. Os olhos tem um fator extremamente poderoso sobre os rituais, infelizmente, ainda confiamos demais nos olhos da carne, porém, como sendo o único sentido que definimos a nossa realidade, a utilização desses elementos tornam-se primordiais.

O meu mentor chefe, deixou claro que não é que usarei do sincretismo nos meus rituais, mesmo porque em minha linha isso não vai existir, porém, a necessidade de algumas imagens no terreiro é imperativa, justamente pelo fator do acolhimento a todos aqueles que buscam a graça, porém desconhecem a liturgia umbandista e seu principal objetivo, que é acolher a todos, independentemente de quaisquer características e trazendo-os a cura de suas mazelas, sejam físicas ou espirituais.

Até aí, eu acho tudo válido, muito bonito e interessante, nossa dependência exacerbada do sentido visual faz com que eles nos adaptem às nossas realidades e vale salientar: O GUIA OU O ORIXÁ NÃO NECESSITA DE TAIS PARAMENTOS PARA TRABALHO, SÃO APENAS FORMAS DE MATERIALIZAR AOS NOSSO OLHOS A ENERGIA NECESSÁRIA PARA UM DETERMINADO FIM.

Agora é onde começa a entrar o EXAGERO…

Guias rebeldes que não descem em terra se não tiver a sua capa, guias que tem que se vestir da cabeça aos pés, principalmente gira de ciganos ou pomba-giras que é um show de luxo, uma religião que faz questão de pregar a humildade, ciganos exigindo em suas camisas SEDA e CETIM para que fiquem vistosos em suas festas. Aí eu me pergunto: Que maldição, a humildade e a vaidade conseguem conviver juntas? Vejo pomba-giras com vestidos caríssimos exaltando a NECESSIDADE de ter a sua roupa para a festa, podem me fuzilar, mas me desculpe, ou é você que quer se aparecer ou você está com um tremendo de um EGUN OSTENTAÇÃO.

NÃO EXISTE GUIA OU ORIXÁ EXIGIR UMA ROUPA DE 2000,00, eles vem aqui pra TRABALHAR e não pra PASSEAR, eles tem como principal objetivo a prática do bem e da caridade, a lição de humildade, de altruísmo, de sabedoria, QUAIQUER FATOS QUE DIVERGEM DISSO NÃO É UM GUIA DE LUZ, É UM EGUN OU O SEU EGO EXACERBADO.

Em uma festa de pomba-gira, uma maldita festa, inclusive, onde chamam as mulheres de putas e sem vergonhas, foi meia-hora para as “raparigas” se arrumarem e falarem uma “merda atrás da outra”, sim, o papo era somente de putaria, macho de membro cumprido,     que posição mulher gosta, pelo amor de Deus né minha gente? É legal ter espíritos de outro plano como amigos e talz, poder falar tudo o que temos vontade, mas “PERA LÁ”.

E irmão Ronald, antes que você fale que virou desabafo, virou mesmo, qualquer problema, a gente discute pelo Skype (rsrsrsrs).

Então, acho que tudo na vida deve ser medido e refletido, o que eu acho interessante são centros que permitem as pomba-giras vestirem-se como verdadeiras meretrizes mas coíbem o uso de brilho labial para as mulheres! Não faz o menor sentido.

Tudo é bom senso, minha gente, eu particularmente, EU, Neófito, acho uma banalidade roupas para guias, acho que isso é muito mais o estímulo da vaidade à seriedade de trabalho, ciganos esnobes ostentando uma roupa da qual o cidadão já está morto, não basta estar morto e ter a oportunidade de vir prestar a caridade, tem que continuar ostentando e diminuindo os irmãos vivos? Que raios de Umbanda é essa? Exús que só bebem Blue Label que vivem na riqueza no outro plano e querem continuar dessa mesma forma? Um dia vi o Rei das 7 Encruzilhadas que é o mesmo exú que eu sirvo, o chefe da minha linha, ostentando em trono no centro, cartola de cetim, corrente enorme de ouro e tomando Blue Label, na consulta, o mesmo me diz que é milionário no inferno e quer manter o mesmo hábito aqui na Terra, então porque não reencarna como conde? Rs

Então senhores, tudo é bom senso, acho muito saudável o seu guia usar uma espada, usar seus paramentos, acessórios de fácil colocação para não atrapalhar o andamento dos trabalhos, isso por incrível que muitos neguem, é útil a muitas pessoas que ainda vivem o complexo de São Tomé (Só acredito vendo) porém acho que aí é o limite, agora ir fantasiar o guia todo, encher de batom, lápis, pentear o cabelo, se perfumar, só por Deus. Existe uma página do Facebook que eu me divirto chamado “Pérolas da Macumba”, acompanhem, é risada na certa!

Fechar uma balada para os exús se pegarem? Podem procurar nessa página.

E antes que receba e-mails, que vem aos montes, que eu não respeito muitos rituais, digo-lhes com veemência, respeito a Umbanda, qualquer coisa que foge da Lei da Caridade e Humildade não é Umbanda, então eu bagunço mesmo! Rs.

E por fim, os paramentos servem para caracterização, para familiarização e por ultimo, como principal objeto de trabalho do guia espiritual, já vi exús darem um show em trabalhos somente com a cuia d´agua, não precisa de whisky do mais caro, baiano só pedindo Malibu pra beber, na época deles nem existia isso, vale pensar, o principal foco é que aqueles que cheguem até vocês ouvindo uma palavra, veja em vocês e nos seus guias espirituais, igualdade, fraternidade, mostrar que estão no mesmo patamar “social”, não uma pessoa humilde desempregada se deparar com um cigano que só bebe vinho do Porto, que palavra de humildade esse cigano vai proferir? Como vai atingir aquele humilde sendo que ele mesmo se mostra superior? Fica a reflexão.

Roupas caras, ostentação é para médiuns fracos que não confiam em si próprios, não possuem a firmeza necessária para dar uma boa comunicação, para impressionar aquele adepto que se prostra à sua frente e necessita de fantasias, dessa exacerbada caracterização para impressionar os nossos olhos, e eu digo com certeza, mesmo nossos olhos sendo o cartão de visita, nada mais impressionante que uma consulta de um guia espiritual que atinge seu coração, que fala algo que realmente acontece, que toca sua alma retirando do fundo dela, suas trevas e demônios.

Como diz meu amigo Chico Preto: “Os olhos da carne traem”.

E como dizia um grande filósofo Antoine de Saint-Exupéry: “O essencial é invisível aos olhos”

Neófito da Luz .’.

Anúncios

O Valor da Mensalidade e Custos Adicionais

Um fraterno Saravá a todos os meus irmãos espirituais.

Um tema chato, porém necessário, tendo em vista o número de dirigentes capitalistas que cresce exponencialmente na Umbanda. O Valor da Mensalidade e outros custos adicionais.

A Mensalidade como todos nós devemos saber é para custear as despesas do centro, claro, que não é porque é centro é tudo exatamente grátis, existe o custo com o aluguel, IPTU, saneamento, eletricidade, os materiais de limpeza e outros utensílios que se fazem necessários nos rituais como bebidas, velas e fumo.

O centro do qual eu participava, existia o tesoureiro que era obrigado a prestar conta de todos os gastos que o centro efetuava mês a mês, eu fazia reuniões justamente voltadas à tesouraria do centro, para ser transparente onde o dinheiro de todos estavam indo, a mensalidade era dividida de forma igual e quem quisesse realizar doações além da mensalidade era, obviamente, de bom grado.

Até aí acho que estamos todos alinhados, todos nós sabemos da importância da manutenção para o centro, e todos nós queremos trabalhar em um local limpo, perfumado e reformado.

Agora começa o outro lado da moeda, muitos centros divulgam a necessidade exacerbada de trabalhos mensais, como trabalhos de proteção à casa, prosperidade dos filhos, limpeza espiritual da casa e entre muitas outras, aí é onde a bandidagem começa a reinar, um centro de Guarulhos, já até falei no blog, o dirigente tinha um mercado e somente lá era pra ser comprada as coisas para os trabalhos da casa, por preços normalmente bem mais caros que a concorrência. Existem outros casos do dirigente só arrecadar o dinheiro dos filhos e ele mesmo realizar os trabalhos, dos quais muitas vezes, nenhum filho presencia. Existem casas que além da mensalidade de R$ 80,00, R$ 100,00, eventualmente cobram-se os trabalhos já mencionados anteriormente, que oscila entre R$ 50,00 e R$ 200,00 para cada filho, existem também a cobrança de cursos que são OBRIGATÓRIOS para os filhos da casa, seja para iniciação mediúnica, seja para curimba, benzimento (Esse tipo de curso me arranca os cabelos e agora ONLINE) entre outros meios de contribuir para a renda do dirigente, é claro.

E antes que eu receba e-mails me execrando, gostaria de afirmar que critico sim, acho totalmente errado, mas se você acha justa a cobrança. Fique em paz meu irmão, como disse, existe a Verdade de cada um de nós, você não precisa concordar com tudo o que eu digo, mesmo porque eu erro PRA CARAMBA todos os dias, e me cobro por isso todos os dias.

Existem filhos totalmente leais aos seus dirigentes, e confesso, ainda existem dirigentes que VALE MUITO A PENA você vestir a camisa, guerrear com o irmão, cavar a trincheira e se sujar junto com ele, sim, ainda existem pessoas muito sérias na Umbanda e se o seu dirigente é um deles, do qual VALE A PENA insistir em pagar por diversos trabalhos porque você vê resultado, vá na fé meu irmão, precisamos de soldados leais como você, porém, a realidade é bem diferente na grande maioria das casas, é o dirigente andando de carro zero, a casa um pardieiro e filho necessitado recorrendo a outros meios para auxilio.

E quando o centro cobra décimo terceiro? SEM COMENTÁRIOS!

Ainda existem as casas que cobra a mensalidade de R$ 30,00 dos assistentes para serem atendidos, isso aconteceu com um ilustre irmão meu, Roberto (Cabeça de Águia) que ia em uma casinha e para ajudar com os custos porque tinham poucos filhos, eles solicitavam a contribuição para ajudar nas despesas. Eu sinceramente, preciso refletir mais sobre isso! Rs

Eu particularmente, EU, neófito, acho um tanto de desperdício de comida e de dinheiro para realizar tantos trabalhos, tem muita casa que faz o trabalho mensal de manutenção espiritual, o que eu também acho totalmente desnecessário, se for ver, as religiões afro-brasileiras são as que causam maior gasto aos adeptos e em quase sua totalidade, composta de pessoas humildes, por isso, eu vivo dizendo, que se pra você funciona, excelente, mas se quiser buscar reflexão, compreender um pouco mais o universo espiritual, é sabido que oferenda é muito mais que um potencializador de fé do que uma necessidade de magia dos guias ou orixás. Até acredito que possa ser usada como repositor energético, mas não julgo necessário com tanta frequência, e como eu sou totalmente CONTRA o desperdício de comida, acho muito mais plausível juntar esse dinheiro e comprar comida para crianças e velhos necessitados a acender uma vela e deixar ao relento estragando. SIM, pra mim está estragando.

Mas para cada qual é dado conforme sua Obra, os meus nunca pediram oferendas, aliás, alguns pediram uma única vez, e já estou há quase 20 anos na Umbanda, vejo médiuns com um ano de obrigação, as sete linhas já pediram oferendas, mas como digo, cada um está em seu patamar vibratório específico e necessita de elementos específicos para trabalho, pra mim não serve, para outros, talvez.

Outros centros, superfaturam os elementos magísticos, eu ia em uma casa que todo mês tinha que passar ebó nos filhos, fazer o sacudimento, passar o galo vivo e soltá-lo na encruzilhada, fazer vários obrigações com elementos densos, e eu me lembra que na época a mensalidade + custos adicionais oscilavam entre R$ 150,00 e R$ 300,00, quem ganhava um salário mínimo, tinha que sustentar a ela e ao orixá! Rsrs. Pessoal tinha mais medo com a demanda que vinha a fome que chegaba! rs

Se o seu guia ou o seu orixá não tem o bom senso de perceber que você está deixando de fazer certas coisas para agradá-los, pra mim não servem como mentores, apenas como sanguessugas e não diferem em nada de muitos pastores e “sacerdotes” de Umbanda, vale a reflexão, pessoas, nenhuma religião precisa tantp de show gastronômico como as afro-brasileiras, então, atentem-se.

Eu sou muito mais fazer uma festa para o orixá, com um banquete e trazer crianças carentes do que deixar tudo na mata com vela acesa, mas essa é minha ignorante opinião, porém, é a Minha Verdade e a qual me instruiu durante todos esses anos.

Cuidado, senhores, religião é o instrumento de religação com Deus, se tivermos que pagar para termos o melhor da Consciência Universal, se tivermos que pagar para ter Sua Instrução, Sua Luz, estamos todos submersos em um mar de merda! Rs

E lembrem-se, a mensalidade é necessária para o sustento da casa, isso é irrefutável, agora quaisquer outros trabalhos que corroboram com o gasto excessivo, vale a pena refletir se está sendo produtivo e se você está tendo o devido retorno, VOCÊ AINDA PERTENCE AO MUNDO DOS VIVOS E VOCÊ PRECISA SE MANTER, logo, analisem o a quantia de valores que demandam ao centro.

Namastê.

Neófito da Luz .’.

A Verdade Que Funciona

Saudações prezados irmãos de fé, aqui estou eu novamente, para expor um pouco sobre as ideias da fé.

Lendo alguns livros, assistindo a algumas reportagens, somos levados a crer em milagres, em curas fantásticas, em obras que a ciência não consegue descrever com exatidão, seja cirurgias espirituais, auto cura do câncer, muito elucidada nos livros de Deepak Chopra, principalmente, a Cura Quântica, podemos presenciar no Globo Repórter muitos feitos, um grande amigo meu, um irmão, Fabio que foi curado de uma leucemia com baixa probabilidade de cura, para aqueles que buscam a espiritualidade, somos bombardeados por informações incontestáveis sobre o poder da cura através da fé, através da imposição de mãos, através das orações, através do reiki, mahikari, ayurveda, cromoterapia, pregações e assim por diante.

Eu muitas vezes, posso ser criticado aqui, mas ouço muito algumas rádios evangélica, com isso, aprendo e estudo como eles conseguem influenciar o povo, outro dia eu ouvi em uma rádio:

“Você irmã, que está com problemas nas articulações da perna, você que sente esse formigamento nos pés, Deus está falando comigo, você terá a sua cura irmã, você terá a sua cura, oraremos por você que Deus está agindo sobre você, por favor, deposite na conta (Dada as informações da conta) qualquer quantia para ajudar o missionário a te ajudar, você ficará livre essa angústia irmã, dessa tribulação, porque Cristo falou comigo”.

Para qualquer pessoa com o mínimo de senso crítico, para não dizer inteligência, consegue perceber que a probabilidade de ALGUÉM estar ouvindo isso e estar com esses sintomas é GRANDE, senão existe nenhum ouvinte que apresente esses sintomas, outros podem se compadecer da dor e fazer o depósito, mesmo não tendo a certeza que existe algum ouvinte com esse sintoma. E ainda vou mais longe, tenho uma experiência muito próxima de uma pessoa que estava com os sintomas apresentados na rádio, depositou R$ 50,00 e depois de uma semana, disse estar curada.

São circunstâncias como a supracitada que movimentam o mercado da Fé, segundo pesquisas, o mercado da fé, o televangelho, movimentou quase R$ 30mi somente no ano passado, mas e aí, onde eu quero chegar com tudo isso?

Eu sinceramente, não acho que A Consciência Universal (Deus), se contente com nossas mazelas, nos imprime tais provações por vontade própria, eu como pai de dois filhos, é inconcebível pra mim que um Pai, um Criador, faça com que nos prostremos às dores, ao sofrimento, recuso-me a crer que nosso Criador, seja um Deus de punição, de cólera, e que necessita de um intermediário que interceda por nós para que conseguimos algo que precisamos, nego-me a crer até o último suspiro de vida. Sim, não creio que nascemos incompletos, necessitando de outro ser constituído de pecados para que nos ajude.

Infelizmente, como vivo dizendo aqui, nossa baixa autoestima, nossa falta de confiança faz com que busquemos ídolos, e qualquer um que se apresente da maneira correta ou que fale o que queremos ouvir, já depositamos ali o foco de nossas esperanças, não estou dizendo que isso é algo ruim, afinal, todos nós precisamos de amuletos, seja materiais ou espirituais, precisamos de algo para centralizar o nosso caminho, nos dar o norte, nos dar a referência e é justamente nesse momento de carência, de angústia e desespero, estamos suscetíveis à falácia dos boçais, aqueles que se acham os verdadeiros mensageiros do astral, e é aí que mora o perigo.

Desde a Antiguidade, somos forçados a imposições, quantas vezes fomos submetidos à própria Igreja? A Bíblia que desde a Antiguidade se fazia a mais aboluta lei do Ocidente? Deus, em um momento de cólera, decidiu punir Lucifer, o portador de Luz, o melhor de seus anjos para as trevas, para o inferno para que o mesmo aprendesse a não contariar as Leis de Deus. Para isso, faço apenas duas reflexões:

  1. Quem aqui tem filho e teria coragem de punir eternamente seu filho? Sentimento de Vingança? Cólera? Para alguém que segundo a bíblia só ensina o amor?
  2. Porque não interpretarmos que Deus mandou o seu melhor anjo, aquele que porta a luz para o inferno, que na verdade vem de ínferos, que seria plano inferior, para nos auxiliar? Se não foi um ato de amor Deus enviar o seu “mais amado” filho para trazer a luz? A compreensão para nós, seres da Terra? Vale a reflexão, o inferno pode ser aqui!

Mas como não sou teólogo, segue o jogo…

Em todas as religiões presenciamos milagres, em todas as doutrinas, até mesmo nas Escolas Iniciáticas aprendemos muitas coisas, e a única relação que eu vejo entre todas elas como resultado de operação de milagres é a Consciência. Seja ela Objetiva, Universal, Subjetiva, tudo oscila em torno da Consciência, seja quando despertamos para o nosso Eu Divino, seja quando acreditamos com plena convicção naquilo que queremos.

Por isso, para todos aqueles que recorrem a mim através de e-mails, me perguntam porque fulano usou 4000 velas para um trabalho e funcionou e o outro fulano usou água e incenso e funcionou também, e porque com essa pessoa não funciona nada? Simples: Você realmente quer o que você está pedindo? Qual a energia que está colocando nisso? Está pedindo por pedir ou tem convicção e certeza do que quer?

Para alguns, a oferenda é primordial para obtenção de qualquer graça, para outros, pular sete ondas, para outros, pendurar 5000 fitinhas do senhor do Bomfim no braço, para outros o jejum, para outros o acendimento de incenso, para outros, a meditação e o único elemento que se relaciona com tudo isso, é você!

Alguns terão mais facilidade na oração, outros na meditação, isso vai depender única e exclusivamente de sua AFINIDADE, da qual está correlacionada às suas experiências anteriores, escolas passadas, grau de vibração da qual você participa, isso não significa que você seja incapaz, apenas terá mais dificuldade que outros, e outras vezes, mais facilidade que outros, procure aquilo que te faz bem, como eu vivo ressaltando no blog, a religião é para nos trazer paz, conforto, se está em um centro que só passa nervoso, em uma igreja que te incomode, mude, Deus não o punirá por isso e nem tampouco os Orixás, eles já possuem luz o suficiente para nos compreender, nessa escola, eles são os mestres e somos os alunos, eles são as estrelas e nós os navegantes, e ao invés de ficar na busca incessante sobre o que é certo ou errado, porque certo ou errado é apenas ponto de vista, procure aquilo que você se sente bem em fazer, é incorporar? É cambonar? É tocar um atabaque? É participar de uma missa? Um culto? Uma mesa? Já dizia um dos evangelhos apócrifos, o evangelho de Tomé encontrado em Nag Hammadi e negado pela igreja:

“O reino de Deus está dentro de ti e a tua volta; não em palácios de pedra ou madeiras. Rache uma lasca de madeira e Eu estarei lá; Levante uma pedra e Me encontrarás…”

Portanto, a sua Verdade é muito melhor que a minha Verdade, no fundo, você não precisa de ninguém, apenas de poucas referências, fomos feitos à Sua Imagem e Semelhança para sermos autossuficientes, um pastor ou um babá não é e nunca serão melhores que você.

O que vai fazer toda a diferença na sua vida, é aquilo que você crê de todo o Coração, essa é a Verdade que Funciona, que vai te prosperar, te curar, te ensinar. Essa Verdade é aquela que a Consciência Universal imprimiu no seu íntimo no momento em que você mais precisar se conectar com Deus! Somente isso.

Uma vez um mentor me disse: Se confiassem mais em vocês, não precisaríamos mais de médiuns, e ele ressalta, médiuns não são somente aqueles que estão nos terreiros ou centros kardecistas, muitos professam outras religiões com o dom da Palavra.

A Fé nada mais é que sua Força de Vontade dizendo a tudo à sua Volta o que você mais deseja, e como dizia Hermes na Lei da Correspondência:

“O que está em cima é como o que está embaixo. E o que está embaixo é como o que está em cima”.

Sua mente é capaz de mudar tudo à sua volta, a sua fé, é sua força de Vontade, é a Energia Divina da qual você é munido de transformar tudo aquilo que você acredita, e não é palestra motivacional e nem tampouco coaching, é experiência própria e conhecimento de causa, acredite, empregue a Energia Divina, quebre seu carma com força, determinação e foco.

Sua intuição é o seu melhor professor, desenvolva-a, escute-a, siga-a e realize tudo o que você propôs a você!

Neófito da Luz .’.

Breve Diálogo Sobre Incorporação I (Flashback)

Depois de algumas semanas de trabalho intenso, falta de tempo para revisar e compilar os textos e questões que me enviaram, aqui estou eu.

Depois de ter deixado meu e-mail no blog, recebi diversas perguntas sobre Umbanda, e calculando com um pouco de exatidão, 95% se resumiu em incorporação e liturgia. Baseado em diversas questões que foram bem parecidas, realizei um compilado aqui para expor a minha opinião sobre o assunto.

Vale salientar que eu irei expor minha opinião baseado em quase 15 anos de Umbanda, estudos e experiências, segundo o tempo de alguns irmãos, ainda estou engatinhando, tem irmãos com 25, 30 anos de experiência.

O grande incômodo dos mediuns é o nível de consciência.

Eu até hoje não conheci nenhum medium inconsciente, como já disse em alguns posts, todos os que me disseram ser, tive provas extremamente contrárias a isso, mesmo porque em termos de estudos filosóficos, místicos e esotéricos é praticamente impossível nos dias de hoje estarmos inconscientes, volto ao exemplo de iogues e outros místicos que podem meditar até por 12h e afirmam que sua mente objetiva ainda ficam em nosso plano, em nosso mundo, imagine nós, que temos apenas algumas horas semanais de dedicação ao centro.

Recebi um e-mail relativamente ofensivo que sobre o texto “Firmeza de Cabeça” onde afirmam que eu ensino a dar ekê (Gíria do candomblé para fingir uma incorporação), até respeito a opinião do irmão que me criticou, mas é muito fácil ser inconsciente no candomblé, o adepto só recebe o orixá, que só sabe vir pra dançar e falar algo útil que é bom, NADA! Muito fácil se dizer inconsciente no candomblé onde o orixá só precisa ter o famoso “pé-de-dança” que enche os olhos e o estômago mas não cala as aflições daqueles que ali adentram. Já conheci mediuns conscientes que curaram e até falaram o que o consulente precisavam ouvir, ou seja, ENFATIZO, mais vale o seu desprendimento na comunicação, na psicofonia (incorporação) do que o seu grau de consciência. Desistam de procurar o impossível, muitos mediuns perdem totalmente seu tempo procurando serem inconscientes e esquecem de estudar e trabalhar com o que tem. Na faculdade ouvi algo que eu nunca me esqueço, uma história que cabe muito bem com o que eu direi aqui:

“Na órbita espacial, era imprescindível escrever as rotas, o diário de bordo, entre outras coisas, os americanos investiram boa quantia de dinheiro para inventar uma caneta que escrevesse mesmo na ausência da gravidade, os russos, por sua vez, levaram lápis, onde o mesmo conseguiu cumprir o objetivo que era a escrita!”

Ou seja, meus irmãos, se o objetivo é a caridade, vamos procurar meios para isso e não desgastar centenas de horas focando algo que demandaria trabalho e poderia ser mais utilmente empregado na prática do bem e da caridade.

Repito, conheço mediuns conscientes que fizeram um excelente trabalho, que deram uma excelente consulta, a grande sacada é esquecermos de qualquer problema, focarmos apenas no nosso objetivo dentro do terreiro, a prática do bem e da caridade, cabe somente ao pai julgar e a nós ajudar, como disse muito bem Pai Guiné.

É claro, seria maravilhoso, incorporar, sumir, dormir, apagar e o guia trabalhar normalmente ajudando sem nossa intervenção e quando acordássemos, tudo resolvido, mas infelizmente não é assim e há algumas razões para isso. Eu mesmo já presenciei muitas coisas maravilhosas, com os “olhos” deles e isso é muito gratificante, já coloquei em um post no “Exú na Linha de Cura”.

O Guia não fala, não fuma, não bebe

No começo vemos tudo mesmo quando os guias não estão de olhos fechados, raramente falam, só gesticulam com a cabeça e gradativamente vão falando, vão trabalhando, no começo, raramente pedem bebidas ou fumos, dispensam qualquer oferecimento dos cambones, isso é totalmente natural.

Como um irmão disse: Meu guia parece inválido, não faz nada, às vezes nem anda.

Isso é muito bom, é um grande respeito que o mesmo tem para com você, ainda está se conectando ao seu corpo, vibrando na mesma ressonância que você, não abrir os olhos, também é o caso do próprio medium sentir vergonha em achar que está fingindo, isso é um mecanismo de defesa inerente ao todos os que estão desenvolvendo, mas é importante salientar que ALI já existe uma energia, mesmo que pouca, já existe uma energia e essa energia deve ser respeitada como a de um medium de 50 anos… A energia está ali, mesmo que incompleta, precisamos ser bons recepientes para que possamos captar com maior poder essa energia que nos anima, que nos irradia.

O caso de dispensar fumos e bebidas é justamente o mesmo princípio, a entidade ainda não está firme em sua matéria, ou seja, qualquer dano que possa ser causado pelo fumo e bebida afetará diretamente a sua matéria. Como forma de respeito e mecanismo de defesa, a entidade também veta a utilização desses elementos.

Em suma, você verá mesmo, o seu guia ficará calado, às vezes ele vai andar de um lado para o outro ou às vezes ficará parado, depende da forma que ele sincroniza e dispersa a energia, isso vai depender unica e exclusivamente do axé que você e suas entidades trazem. No meu caso, meus guias raramente sentavam e ficavam de um lado para o outro, no caso do meu irmão, ficavam parados e geralmente próximos à porteira.

Existem sim alguns padrões pre-estabelecidos, mas é importante salientar que nem todos os mediuns são iguais, assim como seus orixás e guias.

O desenvolvimento é uma experiência extremamente particular e deve ser vivenciada com calma, sempre interessante contar com a intuição e seguir alguns conselhos do “Firmeza de Cabeça”

Nome do Guia

Às vezes demoram dar os nomes, podem vir de uma forma e gradativamente vão mudando, vão encontrando melhores formas de posicionar e sincronizar os nossos chakras, com o tempo podem mudando a voz, o sotaque e assim vão evoluindo no sincronismo entre espírito e matéria.

Os caboclos e boiadeiros também podem mudar a forma de chegar, mudando os brados ou até mesmo a postura de chegada e saudação ao altar, tudo no Universo evolui e nossa incorporação não foge à regra. O Sol nasce pra todos, ninguém fica sem brilhar, assim é a mediunidade se mantivermos total dedicação.

Não sou nenhuma exceção, hoje consigo ouvir, sentir e até ver não com tanta facilidade, mas consigo, isso é fruto de dedicação e empenho, sejam sinceros de coração e confiem em suas intuições.

Alguns guias demoram anos para dar os nomes, outros meses, outros semanas, também é muito relativo, conheço mediuns que já trabalham com certas entidades há 3, 4 anos e ainda não deram o nome.

Como eu digo e já seguindo a Teoria de um grande Cientista chamado Einstein: Tudo é Relativo!

O meu mentor-chefe demorou quase 10 anos para se apresentar, vinha raramente, quando vinha, fazia seu trabalho e ia embora, o meu guardião-chefe seguiu o mesmo padrão e depois confirmei o nome dele nos buzios do babalaô da época.

Quantidade de Guias

Outro tema extremamente estressado nos questionamentos, muito se ouve dizer que cada um tem sete guias, eu já discordo um pouco dessa afirmação, dependendo dos orixás que você traz, significa que você tem um certo tipo de Axé e consequentemente uma missão, tem pessoas que trabalham com o mesmo caboclo a vida toda, raramente chegando a incorporar o segundo. Outros mediuns trabalham muito bem com um ou dois caboclos dependendo do trabalho e outros também trabalham com um terceiro que raramente dá o sinal de vida. O mesmo acontece com outras entidades, já vi mediuns muito firmes trabalhandio até com o quarto caboclo, obviamente não ocorre um rodízio, são entidades que chegam uma ou duas vezes ao ano. Mas é importante salientar aqui que não há regras, um sacerdote que eu conheci, trabalhou até com cinco baianos no decorrer da vida dele. Isso vai dependendo muito do tipo de missão que você veio prestar no plano terrestre, o Cosmico designa as entidades certas para isso. Tem pessoas que tem missão de abrir uma casa, possuem até oito ou nove exús, que descem, dão o nome para firmeza e para construção da tronqueira e não precisam mais dar a comunicação em nossa matéria.

Para não ficar muito extenso, vou dividir em mais posts.

Desculpem-me a demora, criança pequena, excesso de trabalho e relacionamento me ocupam grande tempo! Rs

Ainda não revisei como gostaria, mas precisei “despachar” logo o texto pelos pedidos!

Aranauam

Neófito da Luz

SIMPLES CHARUTO DE CABOCLO

Ligia segurava o charuto do caboclo que estava a cambonar enquanto a entidade em questão participava dos trabalhos em uma roda de descarrego.
Terminada a tarefa o caboclo dirigiu-se em direção a sua cambone e pediu o charuto de volta agradecendo-a por haver segurado o seu instrumento de trabalho, mas Ligia, não se contendo de sadia curiosidade, perguntou a entidade:
— Senhor caboclo?
— Pois não fia?
— O senhor poderia esclarecer-me uma dúvida?
— Pode fazer pergunta fia!
— O que eu gostaria de saber é o seguinte: por que o senhor sempre me agradece a cada vez que eu entrego o charuto que estou segurando de volta para as suas mãos?
— Suncê quer saber fia?
— Se for possível, gostaria sim.
— Fia, antes de caboclo responder, observe a atuação da nossa linha de trabalho nesta próxima roda de descarrego, sim?
— Sim senhor!
Após trabalhar com todas as pessoas que estavam naquela roda de descarrego a entidade estendeu sua destra a fim de que sua cambone segurasse o seu charuto enquanto ele e as demais entidades que participavam dos trabalhos na roda pudessem finalizar o trabalho.
Ao término daquela roda de descarga a entidade, então, tornou junto à Ligia dizendo:
— Entrega o pito de volta para Caboclo fia!
Ligia devolveu o charuto à entidade que, então, disse-lhe:
— Este caboclo agradece por toda sua atenção.
Ligia sorriu meio que ainda sem entender o porquê daquele agradecimento e o caboclo perguntou a ela:
— E então fia? O que suncê observou do nosso trabalho junto à roda de descarrego?
— Bem, eu observei algumas coisas, mas fica difícil de dizer algo, no aspecto geral, sobre o trabalho dos caboclos em uma roda de descarrego por que cada um trabalha de um jeito diferente em cada assistência.
— Isto até que é verdade, mas o que suncê observou de semelhante no trabalho de qualquer mano caboclo lá na roda?
— A fumaça do charuto! Nenhum dos senhores trabalha sem ela!
— Muito bem observado fia!
A entidade soltava umas baforadas do seu charuto enquanto fitava o semblante de Ligia e, após alguns instantes, perguntou a ela:
— Suncê ainda não entendeu porque que caboclo lhe agradece por segurar o pito dele, não é?
— Não senhor!
— Fia suncê tem o dom para isso e é por esse motivo que caboclo vai dilatar um pouco de sua percepção sensorial.
— Sim senhor!
A entidade estalava os dedos e soltavas algumas baforadas do seu charuto por toda a cabeça de Ligia. O processo durou poucos segundos e quando terminou a entidade solicitou a Ligia que abrisse os olhos.
— Nossa senhor caboclo!
— O que foi fia?
— É que eu fiquei com um pouco de tontura.
— Não se preocupe que já, já ela passa.
— Sim senhor, na verdade ela já está passando.
— Fia este caboclo vai participar de outra roda de descarrego e pede a suncê que continue a observar pra ver se descobre o porquê do nosso agradecimento, sim?
— Sim senhor.
Quando o caboclo terminou de realizar o seu trabalho com o charuto naquela roda ele, então, estendeu o braço para Ligia que, prontamente, segurou o charuto em suas mãos.
Minutos depois de terminada mais uma roda de descarrego a entidade pediu a Ligia:
— Entrega de volta o pito pra Caboclo fia!
Ligia assim o fez e ele novamente agradeceu-a para depois perguntar:
— E agora fia? O que suncê observou do nosso trabalho na roda?
— Nossa senhor caboclo! Parecia que eu estava ficando louca!
— Por que isso fia?
— Parecia que a fumaça do charuto dos senhores funcionava perispiritualmente para os assistidos na roda como se fosse uma espécie de chuveiro que tira todas as sujeiras do corpo físico.
A entidade sorriu com a comparação de Lígia e ela prosseguiu:
— É sério Sr. Caboclo! Quando a roda de descarrego terminou alguma coisa nelas parecia que estava muito mais limpo do que antes: algumas pessoas respiravam melhor, outras estavam como se tivessem retirado um peso do coração, enfim foi muito bonito de se ver.
— Fia antes de ir para a próxima roda de descarrego este caboclo pede que suncê segure o pito dele.
E, estendendo-lhe a destra, o caboclo entregou o charuto a sua cambone solicitando:
— Fia, agora feche os seus olhos e faça uma prece ao Criador pedindo bênçãos por todos aqueles que ainda passarão pelas rodas de descarga na gira de hoje!
— Sim senhor!
Ligia fez a prece com todo o fervor de sua mente e do seu coração e, então, abriu os olhos.
A entidade, assim, disse-lhe:
— Fia este caboclo agradece por suncê ter segurado o pito dele mais uma vez e pede que suncê observe o trabalho de nós em mais uma roda de descarga para ver se agora descobre o porquê dele agradecer a suncê por segurar o pito, tudo bem?
— Sim senhor!
Quando o caboclo terminou de realizar o seu trabalho com o charuto naquela roda ele, então, estendeu o braço e Ligia, prontamente, segurou em suas mãos o charuto da entidade.
O trabalho naquela roda foi finalizado e quando a entidade aproximou-se de Lígia esta estendeu-lhe as mãos na intenção de devolver o charuto para o caboclo, mas este lhe disse:
— Deixe o pito por mais um tempo em suas mãos que na hora certa este caboclo pede de volta a suncê, sim fia?
— Sim senhor!
— Este caboclo agradece por toda sua dedicação fia e pergunta: o que suncê observou nos trabalhos da última roda que caboclo acabou de participar?
— Senhor caboclo eu realmente observei algumas coisas, mas eu peço ao senhor que, se eu houver visto demais, que o senhor fale francamente comigo como sempre o fez.
— Nossa fia Ligia! Mas por que todo este alvoroço?
— Por que se na penúltima roda que o senhor participou eu percebi que a fumaça dos charutos funciona como a água de um chuveiro, nesta última roda parece que eu vi o que funciona como uma espécie de sabão ou sabonete.
A entidade deu um discreto sorriso para sua cambone e esta tornou a dizer-lhe:
— E então Senhor caboclo? Eu vi coisa onde não existia?
— De forma alguma fia! Suncê só viu o que havia para ver!
— Nossa, mas o senhor fala isto de uma maneira tão calma!
— E qual é o espanto nisto fia?
— Por que o desconhecido assusta um pouco e eu não sei nem um pouco do que eu vi.
— Fia, mas é como suncê mesma disse antes: o que tem de assustador em se tomar uma boa ducha?
— Ducha?
— É fia ou, como suncês encarnados mesmo dizem uma boa chuveirada!
— ?????
— Fia conte pra este caboclo o que foi que suncê viu!
— Bem, enquanto o senhor dava umas baforadas em uma pessoa da roda de descarrego milhares de minúsculos seres ficavam a rodear esta assistência em questão sempre na direção da cabeça para os pés. Estas espécies de seres giravam numa velocidade absurdamente alta e direcionada como se estivessem sendo controlados por alguém a distância. Eles apareciam e sumiam como que por encanto quando o senhor terminava o trabalho em uma pessoa participante da roda de descarga e passava para outra. Bom, foi isto que eu vi.
— A fia só está se esquecendo de um detalhe fundamental em tudo que observou da participação deste caboclo na última roda de descarrego!
— Verdade?
— Fia, fale uma coisa pra este caboclo!
— Sim senhor!
— Segundo a sua observação, participar desta última roda de descarrego foi mais fácil ou mais difícil do que a penúltima em que este caboclo participou?
— Ah, é verdade! Bom quem estava na dinâmica do trabalho lá na roda é o senhor, mas para mim que observava dava a nítida impressão que o senhor conseguia realizar o trabalho com muito mais facilidade, tendo em vista que na penúltima roda parecia que o senhor se concentrava muito mais para poder fazer o seu trabalho do que nesta última.
— Não foi impressão sua fia: para este caboclo, trabalhar nesta ultima roda, foi muito mais fácil que na penúltima e você fia teve uma grande parcela de responsabilidade para que caboclo obtivesse esta facilidade.
— Eu?
— Claro fia, não é suncê que é a cambone deste caboclo?
— Sou eu sim senhor, mas não sei dizer qual foi minha contribuição!
— Pense um pouco minha filha! Qual foi a grande diferença entre a penúltima e a última vez que suncê entregou o pito para este caboclo antes dele participar das rodas?
— Na ultima vez, diferentemente da penúltima, eu fiz uma prece ao Criador pedindo bênçãos para todas as assistências que participariam das rodas. Foi isto senhor caboclo? A prece que fiz a Deus?
— Fia toda prece a Tupã é sempre muito válida em nosso trabalho de fazer a caridade, mas suncê pode relembrar para este caboclo o que suncê possuía em mãos quando proferiu a referida prece?
— Meu Deus é verdade! Em minhas mãos estava o charuto do senhor!
— Exatamente fia! E então, suncê descobriu por que caboclo agradece suncê a cada vez que pede o pito dele?
— O senhor me desculpe, mas é que eu ainda não consegui chegar lá!
— Então este caboclo não vai mais fazer mistério fia: Caboclo agradece a suncê por que a cada vez que sunce entrega o pito de volta pra ele, acaba entregando junto boa parte de sua firmeza, de sua vibração, de sua energia.
— Eu???
— Não só suncê, mas cada cambone que trabalha junto a cada mano caboclo que milita em cada terreiro de Umbanda neste mundo de Tupã Nosso Pai.
— Isto é surpreendente!
— Antes da última roda que caboclo participou suncê fez prece sentida a Tupã e entregou o pito pra caboclo trabalhar cheio destas sutilíssimas e importantíssimas vibrações do desejo de caridade ao próximo.
— Sim, mas eu devo ser sincera e dizer que só fiz isto da última vez.
— Este caboclo sabe.
— Mas se das outras vezes que eu segurava o charuto do senhor eu não fazia prece alguma por que o senhor, mesmo assim, me agradecia?
— Independente de suncê fazer preces ou não, a cada vez que suncê entrega o pito para caboclo, suncê passa muito de sua energia para ele.
— Mas e se eu não estiver com energia boa no dia da gira? Eu vou acabar passando o pito para o senhor impregnado com minhas energias não muito positivas, mesmo assim o senhor me agradeceria?
— Já houve alguma gira que suncê entregou o pito pra Caboclo e ele não lhe agradeceu?
— Não senhor!
— Mas já houve giras em que suncê veio trabalhar com uma energia não muito boa, não é verdade?
— Isto é verdade, mas então por que o senhor sempre agradece?
— Fia, na verdade, o que caboclo agradece é a oportunidade de trabalho no bem que suncês dá pra nós. Umbanda é parceria fia!
— Desculpe, mas como é?
— Parceria fia: estar juntos por um objetivo em comum. Quando suncês cambones estão bem, então suncês fazem preces ou não as fazem, mas entregam o pito para nós com as energias boas que suncês estão naquele dia para nós trabalhar em favor do próximo, não é assim?
— É sim senhor!
— Já quando é suncês que não estão bem, daí somos nós que fazemos preces ao Criador, enquanto seguramos o nosso pito, rogando que suncês possam encontrar melhoras para as dificuldades de suncês e ajudar nós a trabalhar em nome da caridade cada vez mais e melhor e daí, somente após esta prece fervorosa, é que nós entregamos o pito de volta pra suncês segurar a fim de que, captando um pouco de nossa energia que deixamos no pito, suncês consigam encontrar um pouco de lenitivo que o merecimento de suncês lhes facultar.
— Meu Deus, mas isto é lindo!
Assim exclamou Ligia com a voz embargada de emoção pungente e sincera.
— Isto é Umbanda fia e Umbanda, como caboclo disse, é parceria: quando suncê não está bem e entrega o pito impregnado de energias não muito positivas para caboclo, ele então, quando pega este pito das suas mãos, agradece a suncê pela oportunidade que suncê está dando a ele de trabalhar junto a Tupã objetivando a sua melhora energética, vibracional.
— Nossa pelo que o senhor me diz a Umbanda é parceria mesmo, hein?
— Com certeza fia e é por isso que cada vez que um mano caboclo pede o pito de volta para seus cambone ele só tem a agradecer a este.
— Mas o ideal, quando o cambone não está bem, é fazer sempre preces, pedir auxílio a alguma entidade e ficar vigilante para sua vibração não cair e, assim, dificultar o trabalho das entidades, não é assim?
— Certamente não é fia!?! Mas este caboclo sabe que a filha põe em prática aqui no terreiro muito do que acabou de perguntar pra caboclo, não é verdade?
— Infelizmente não é sempre, mas graças a Deus acaba sendo a maioria das vezes, mas…
A voz de Lígia mal conseguia sair dos seus lábios tamanha era a emoção de estar aprendendo coisas tão básicas e importantes para o bom andamento de uma gira, mas de uma forma simples e prática. Mesmo percebendo a dificuldade de Lígia em falar, devido à emotividade, o caboclo incentivou-a dizendo:
— Pode falar fia.
E, fazendo um esforço grandioso para não embargar a sua voz com uma honesta emoção, foi que Lígia disse:
— Sabe o que eu acho mais lindo na Umbanda em relação a tudo isto que o senhor acabou de revelar para mim?
— A voz de suncê está embargada não é fia? Embargada de singela emoção por contemplar a prova do que disse Jesus sobre a simplicidade da misericórdia e benevolência das coisas de Deus materializada na religião de Umbanda pela presença de um simples charuto de caboclo, não é verdade fia?
As lágrimas de agradecimento por estar tendo aquela preciosa conversa com o caboclo deslizavam aos borbotões pela face de Ligia e esta emoção tão bonita e sincera a impedia de proferir qualquer resposta em relação à indagação feita pela entidade e ela, assim, só pôde respondê-lo positivamente acenando com a cabeça.
O caboclo então continuou a conversa dizendo:
— Caboclo agradece a Tupã pela parceria entre suncê e este caboclo e respeita cada lágrima de gratidão ao Criador que está deslizando pelo seu rosto, mas deve solicitar licença por um breve instante neste seu processo de agradecimento para pedir a suncê que devolva o pito deste caboclo para que ele possa participar de mais uma roda de descarrego em nome da caridade ao próximo.
As lágrimas continuavam a escorrer pelo rosto de Ligia e ela, assim, só pôde estender as mãos para devolver o charuto sem nada conseguir dizer a entidade.
A entidade pegou o charuto nas mãos, deu as costas para Ligia, andou um passo a frente e ficou parado de costas para sua cambone.
Talvez fosse para substituir um pouco daquelas lágrimas de alegria por um sorriso singelo feito da mesma emoção, talvez não, o fato foi que o caboclo novamente virou-se de frente para Ligia e disse:
— Pensou que caboclo houvesse se esquecido desta vez não é fia Ligia? Mas este caboclo não esquece nunca de agradecer a suncê por haver segurado por mais uma vez o pito dele. Que Tupã abençoe em dobro toda a atenção que suncê dispensa a este caboclo nesta nossa parceria e que seja abençoada também a parceria que Tupã tem com todos nós através da nossa sagrada e amada religião de Umbanda.
Ao que Lígia, já um tanto refeita em suas emoções, respondeu:
— Que assim seja!!!!!

Autor Anônimo

Eficácia dos Trabalhos na Umbanda…

Namastê prezados irmãos.

Ando lendo muito sobre Jung, Sri Aurobindo, filosofia indiana e como sempre, tento trazer pra dentro da Umbanda, já fui criticado por isso, mas acredito que Religião nada mais é que galhos de uma mesma árvore, fragmentos de um mesmo espelho, mas para cada qual é dado conforme seu conhecimento, se prestar atenção e traçar as devidas analogias, as semelhanças saltarão aos seus olhos. Tudo tem o seu lado, tudo tem a sua própria verdade, e aqui, me deparei com muitas coisas que ando lendo dentro da Umbanda sobre maldade e magos negros.

Como místico, eu me nego a acreditar no Senhor das Trevas, na Encarnação da Maldade, como diz em Isaías 45:7, “Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas.”. Acho que o Diabo é uma forma que a Igreja encontrou de ganhar dinheiro, mas isso é assunto para outra hora.

A maldade nada mais é que fruto da Ignorância, não existe o Mal como denotam, existe a ausência de Conhecimento, o Bem e o Mal é muito relativo, mas o Mal é a referência para distinguirmos o que é bom. O que é Mal para você, para mim pode não ser e assim por diante.

Ouço muito sobre amarração, trabalhos de Magia Negra, a Pessoa estar com a vida “presa” devido a certos problemas, prestem atenção no que eu direi, porque para muitos isso é falácia, para mim é uma Verdade Constatada, todo trabalho negativo, se é que existe, ele parte dos seus próprios pensamentos. Existe algo chamado “Efeito Placebo” que será discutido nos próximos posts, mas vou dar uma “palhinha” agora. Isso é mais do que comprovado, o poder da crença, de crer em algo, como as coisas se transformam, o poder da Fé, de acreditar de forma exacerbada. Já foram realizadas muitas pesquisas em pacientes que foram curados com pílulas de açúcar e foi dito a eles que era o próprio remédio, nossa mente humana é fantástica, e justamente por ter essa complexidade, nos coloca em várias arapucas.

É muito comum em centros, principalmente aqueles que utilizam da religião para adquirir dinheiro, utiliza desses recursos de imposição de medo, e obviamente o consulente, já no desespero e no limiar da ignorância fica suscetível a acreditar em tudo o que é dito, com isso, surgem os trabalhos de amarração, você está com a vida amarrada, trabalho feito e tudo mais, e com isso, ainda cita nomes, isso é um trabalho de Tranca-Rua da sua madrinha, isso é um trabalho de Capa Preta do seu irmão e assim vai. Minha opinião: IGNOMÍNIA!!!

Meus caros senhores, eu mesmo já ouvi várias vezes sobre esse tipo de trabalho, existe sim, eu já vi, mas muitos dos casos, o filho nem com isso está, mas muitos dirigentes precisam de dinheiro ou autoafirmação, para isso, vamos culpar os demônios, assim como muitas igrejas evangélicas o fazem. Tem Igreja que se fala mais no Inimigo do que Deus, e assim caminhamos na penumbra da Ignorância.

Muitos outros dirigentes pedem uma lista enorme, já vi filhos me falarem que a compra do ebó custou quase R$ 1000,00. Aí passa ovo, passa galinha, passa um monte de coisas, vamos fantasiar né pessoas?

Já falei a todos vocês aqui, a Força de Vontade é a Energia Divina sendo evocada em seu estado consciente, a Força de Vontade, a Perseverança são elementos preponderantes para a solução de qualquer problema. O ebó nada mais é que uma forma de materializar a sua fé, infelizmente, nós precisamos disso, porque infelizmente, a única percepção que evoluímos é a visual, e como já me disse uma vez um mestre, os Olhos da Carne traem, aprenda a ver com os Olhos Frontais, os Olhos do Coração, e é nesse preambulo que ficamos reféns de elementos ritualísticos.

Uma vez uma entidade me disse: É muito mais fácil curar alguém com a fumaça do cachimbo e com o batimento de folhas a curar com o Dom da Palavra e da Verdade. Essa afirmação corrobora com o que eu digo, muitas coisas são utilizadas apenas como meios condutores da fé de vocês, muitas entidades nem precisam fumar, nem precisam de nada, mas para que o trabalho seja bem executado, vocês precisam acreditar,  e para acreditar, infelizmente precisamos ver.

Não estou dizendo que esses tipos de trabalhos são única e exclusivamente para isso, longe de mim, mas muitas vezes não seria preciso se vocês acreditassem mais no Poder de Cada um de vocês. Voltando ao assunto do ebó, gastar R$ 1000,00 em comida + R$ 1000,00 da mão do babalaô para se limpar? Não estamos vivendo mais na era das cavernas, estamos em uma época atualizada, onde a disseminação de informação é propagada quase que instantaneamente, eu afirmo veementemente que um trabalho de ebó que você desembolsa quase R$ 1000,00 pode ser facilmente resolvido com um passe, com qualquer tipo de terapia alternativa. Volto a enfatizar, não estou diminuindo o poder dos cristais, o pito dos caboclos, da energia das flores, do aroma de muitas ervas, isso existe e é eficaz sim, mas nem sempre é necessário.

Ilustrando a ideia, tem muita gente que ao invés de matar a mosca com um mata-mosca, prefere atingí-la com um canhão, alguns ainda, prefere usar um míssil, e ainda alguns para adquirir mais dinheiro, usa uma bomba nuclear. Nem sempre o problema é grave como se imagina, e na esmagadora maioria dos casos, parte do próprio estado de espírito do consulente. Muitos dizem: Você tá com encosto, precisa fazer um trabalho para tirar, MAS LEMBRE-SE, quem vibrou para atraí-lo ao seu LADO foi VOCÊ e SOMENTE VOCÊ! É aquele papo de sempre, somos uma antena, e podemos sintonizar qualquer tipo de rádio, vai depender do seu estado de espírito, e é aí que mora o Perigo.

Volto a dizer, não existe o MAL e sim a IGNORÂNCIA, e o principal culpado por qualquer miasma astral, seja uma culpa direta ou indireta, é você!

A maioria dos problemas que me aparecem são de irmãos desesperados, que estão dispostos a qualquer coisa para obter a ajuda, a Paz de Espírito que precisam, muitos me falaram que já recorreram a todos os artifícios possíveis e não conseguiram obter o que desejam, já venderam até bens para pagar babalaôs para sair dessa angústia e nada.

Não adianta buscar fora algo que você tem Dentro: A Sabedoria e a Felicidade.

Antes de precisarem de ajuda, antes de gritarem ao mundo e demonstrar fraqueza para aqueles que não merecem a sua confiança, se apegue com o seu Eu Superior, Ore, mentalize, escute o seu próprio silêncio, uma vez me disseram: Orar, Rezar é Falar com Deus, Meditar, é Ouví-lo, todos nós somos portadores de nossas próprias soluções, basta deixar a angústia de lado e aprender a ouvir teu próprio espírito.

Você é a Própria Centelha da Manifestação Divina, e como eu sempre digo, a limitação é algo da própria cabeça de vocês!

Posteriormente farei maiores desdobramentos sobre o assunto.

Trabalho Assistencial dos Guardiães

Aranauam irmãos.

Estava conversando com uma irmão essa semana e ele me relembrou de um fato curioso que só corrobora com a afirmação que exú não é só os seres da encruzilhada ou que atuam nas trevas, Exú é muito mais que isso. Segue abaixo um trecho do ocorrido:

No meio do ano de 2006, estávamos tendo uma gira normal e um guardião chamado Tranca-Rua das Almas, um querido guardião de nossa casa, havia nos comunicado que na próxima gira, que excepcionalmente seria de exú também, ele não poderia comparecer porque haveria um desencarne em massa no plano Terrestre e ele teria que prestar auxílio aos irmãos recém-desencarnados. Obviamente ficamos atônitos, ele era um guardião sempre presente na casa, ele só não vinha, quando seu medium tinha que trabalhar com o Sr. Marabô para algum trabalho de cura ou com o Sr. Meia-Noite para alguma quebra de demanda,  mas no próximo trabalho, como não tinha nada agendado, indubitavelmente seria ele.  Ainda mais perplexos no pensamento de tantos espíritos no outro plano, logo foi solicitada a assistência de um Exú, dito apenas um espírito que atua nas trevas e nada mais que isso.

Ele foi questionado pelos filhos da casa e ele tornou a repetir: Ainda não tenho permissão para dizer, mas fui convocado para prestar auxílio imediato no outro lado do Globo, aos desencarnados e aos feridos.

Eu lembro facilmente que era na gira de sábado que ocorreu esse comunicado.  Consultando nosso querido amigo Google, procurei a data do tsunami com exatidão, e foi no dia 16/17 de julho de 2006, onde nessa data, numa sexta-feira, ocorreu um tsunami enorme provocando feridos e mortos na Tailandia e Indonésia.

Podemos concluir facilmente que os exús não são apenas agentes ou policiais do Astral, responsáveis por quebrar demandas e fazer e desfazer trabalhos de magia negra. Já tivemos exemplos aqui no blog do Sr. Marabô que atua exclusivamente com cura, também tem o centro de uma irmã que o Sr. Veludo é um exú que também atua nessa linha. Mas além desses fatores, ficou esclarecido que exú é apenas um agente que atua no campo negativo, também atua nas trevas irrefutavelmente, mas não é uma entidade que atua unica e exclusivamente nas Trevas.

A grande certeza que tivemos, é que indubitavelmente não foi um processo anímico do medium, mesmo porque, para quem se lembra, esse tsunami chegou praticamente de surpresa, sem nenhuma previsão de acontecimentos, então foi uma maravilhosa prova que os Guardiães são muito mais que feiticeiros.

A nomenclatura “Das Almas” denota também a possibilidade da entidade trabalhar sob os auspícios de Obaluaie e Omulu, o que contribui enfaticamente para que essa entidade atue nos portais de grande transição de espíritos. Seja cemitério, seja o umbral ou a câmara de passagem para o reino dos mortos.

Fica ainda mais claro da importância de toda a Egrégora Espiritual existente na Umbanda, no outro lado, todos trabalham em conjunto com um Propósito Comum: A Disseminação do Grande Amor Cósmico. Todos correndo para a Senda do Conhecimento e da Caridade.

Esse post foi apenas com o intuito de afirmar veementemente que Exú é muito mais do que vemos em muitos livros, e ainda ouso dizer, que muitos ainda são Exús por opção. Fatalmente uma entidade que é convocada para realizar um trabalho dessa magnitude, podemos concluir que não é qualquer iniciando e sim um espírito de Grande Conhecimento que também presta seus serviços para outras finalidades.

Por isso, é imprescindível pararmos de banalizar os trabalhos dos Exús, é algo que sempre falo, Exú é uma linha que é extremamente SUBUTILIZADA.  Evocado apenas para desmanchar coisas ruins, por muitos mediuns, são tratados como guardinhas e faxineiros, que ou protegem a casa,  ou realizam apenas a limpeza, e isso vem sendo provado e comprovado que não é uma verdade.

Vejam seus guardiães, seus exús ou quaisquer outras denominações que utilizem, como um irmão, um amigo, um grande companheiro de jornada, que assim como nós, quer caminhar para a Senda da Evolução, eles possuem muito mais experiência que nós, mas também dependem de nós para que possam galgar os degraus da evolução, justamente por isso, irmãos, vamos evocá-los também para trabalhos dignos condizentes com a “especialidade” de cada um deles, seja para cura, para doutrina, para proteção, para limpeza, para consulta, isso é algo que cada um de vocês devem ter plena ciência.

Saravá Sr. Tranca-Rua das Almas, obrigado por mais uma lição, se assim podemos dizer, obrigado por fazer parte de um trabalho tão importante como o auxílio às vítimas do Tsunami e obrigado por mostrar gradativamente, o verdadeiro poder e objetivo da Egrégora Exú.

Exú é Mojibá.

Saravá Povo da Esquerda.

Saravá Guardiães da Umbanda.

Saravá Irmãos Queridos.

Namastê.

Neófito da Luz.