Para Refletir… Qual é a sua Umbanda?

Já postei isso uma vez, mas vale repetir e refletir…

Cada casa trabalha com uma cor de orixá, com um dia da semana específico, com um sincretismo particular, nada em uma casa se assemelha totalmente a outra, sempre tem a discrepância de aprendizado, eu mesmo já fiz 3 fios de contas para meu Xangô: Marrom, Marrom e Branco e Vermelho.

Porque cada casa o Orixá tem uma cor específica? Porque cada ifá determina uma particularidade diferente? Não seria uma limitação nossa essa padronização? Limitar o fundamento do mundo espiritual não seria o mesmo que dizer que todas as pessoas são iguais? Definir um dia da semana não seria o mesmo que dizer que todo mundo que nasce na segunda-feira seriam iguais?

Acho que devemos nos livrar de amarras e querer PADRONIZAR tudo, outro exemplo: Afirmar que Ogum, por exemplo, é vermelho e branco! Que para acender vela pra Ogum, só pode ser terça-feira e não em um domingo, porque tem casa que diz que dia de Oxalá é na sexta-feira e outras que dizem que sexta-feira é dia de Exu? Seguindo o exemplo do meu fio de conta de Xangô, eu já tive que fazer para Ogum um fio todo azul, outro branco e vermelho e outro todo vermelho, Ogum não atendia da mesma forma?

Existe alguém errado ou errados somos nós em tentar definir aquilo que não conhecemos ou que pouco conhecemos?

Não temos controle total nem de nossa própria vida que é o mundo tangível, quem dirá o intangível?

Não se apegue se o seu caboclo grita, pula ou vem silenciosamente. Se o seu baiano usa guia de coquinho ou guia amarela, se a sua Iemanjá vem chorando ou gemendo, não existe o CERTO e nem o ERRADO, existe apenas o DIFERENTE e o BOM SENSO, de resto, definir a Umbanda com 16 orixás, com 7 orixás, com 10 orixás ou com 5000 orixás nada mais é que presunção, a ascensão do egocentrismo e consequentemente o apogeu de sua própria ignorância.

Existem diversas escolas, todas funcionam e muitas vezes, deixam de funcionar, por que? Porque o elemento preponderante para toda magia, para toda graça alcançada é a sua Mente, o seu Poder Realizador, independe se seu caboclo usa um penacho do tamanho de uma saia de noiva ou apenas uma pena na testa, o que vale é o seu Coração, o que Vale é o seu Poder Realizador, é a sua vontade, isso não se limita a escolas, cursos, fundamentos impostos por sacerdotes capitalistas ou ignorantes.

Claro, existem os guias de grande evolução consequentemente, alguns tem o privilégio de servirem, mas vocês são merecedores de tal privilégio? Como lidam com isso?

Umbanda nada mais é que ponto de vista, ela é metafísica, baseada em suposições e experiências, ninguém é o dono da verdade, nem tampouco nossos mentores, que até eles mesmo possuem a sua própria maneira de trabalhar, uns bebem, comem, fumam, outros nada disso o fazem; Partindo da premissa de sabedoria de dirigentes: Uns acham um absurdo receber Oxalá, outros trabalham, com Oxalá como se fossem caboclos, quem está certo em tudo isso? Uns dizem que Orixás não falam, outros dizem que é a coisa mais comum de acontecer!

Você que faz diversos cursos e talvez nem seja o curso correto pra você, você não sabe como seus guias espirituais trabalham, e ao invés de dar esse espaço para eles, você limita o poder deles com seu animismo exacerbado achando que o certo é o que você leu e não o que eles trazem e como trazem.

Movemos céus, terras, precisamos de ídolos, precisamos louvar o desconhecido, precisamos de vidas extraterrenas, precisamos agradar os antepassados e temer Deuses para no final ter sempre a mesma pergunta: O que é a Verdade? 

Acho muito legal muitos dirigentes codificarem os fundamentos que aprenderam, mas às vezes serve para você e não serve para seu irmão e vice-versa.

Até mesmo em livros psicografados encontramos discrepâncias entre os espíritos e autores.

Definir os fundamentos da Umbanda em um contexto específico é o mesmo que limitar a correnteza de um rio de volta à sua nascente.

É o que eu sempre digo, aprendam com os seus, nada melhor que os seus para ensinarem a vocês como trabalham, se o fio de conta do seu caboclo é rosa, é roxo, é de lantejoulas, nada melhor que eles para te ajudarem a galgar os degraus espirituais e lembre-se: “Regras existem para serem quebradas” rsrsrs

A Umbanda ainda está engatinhando, é uma religião que ainda terá muito a oferecer e muito a desmistificar, e como sempre digo, estamos passando por uma enorme mobilização no mundo espiritual para retirar o véu de Isis e reintegrar o conhecimento da Alma, Mente e Corpo que se perderam com o tempo!

Neófito da Luz.

Anúncios

Concentrar para Incorporar

Saudações irmãos de fé.

Otimizando os mecanismos de busca do WordPress, o título desse POST é um dos mais buscados nesse blog e vou tentar esmiuçar um pouco sobre isso.

Não existe formas corretas, existe aquela que melhor se adapta a cada médium, a espiritualidade é vasta e impregnada de sabedoria, logo, não existe uma regra oficial mediante tantos assuntos presentes no Astral.

Eu costumo dizer que para uma concentração eficiente, ela deve começar fora do terreiro, sim, ser médium não é só trabalhar durante o final de semana, durante míseras horas em um dia na semana, ser médium conforme já explanei algumas vezes, é propagar e perpetuar o ensino daqueles que lhe acompanham e principalmente, os ensinamentos dos mestres cósmicos e isso é a todo momento, é praticar a bondade e a compreensão da hora que você acorda até a hora que você dorme. A prática mediúnica é no cotidiano e isso é uma inegável verdade.

A sua conduta diz quem você é, obviamente, claro que toda generalização é errônea bem como todo julgamento também, mas vocês devem se julgar, é bíblico: “Orai e Vigiai”. Não adianta pedir, receber e não vigiar seus atos, o seu estado de vigília deve ser amplo e eficiente.

Sabendo que sua conduta de vida está OK, não guarda mazelas, rancores e outros sentimentos que corrompem o seu espírito, é o momento de adentrar no terreiro e praticar aquilo que viemos para fazer, o bem e a caridade, não importando a quem, e para isso, temos que fazer com que nossa incorporação, seja consistente, seja firme, para que possamos ser ferramentas do Astral para operar as graças tão almejadas nos terreiros.

Como já mencionei anteriormente, não existe uma receita de bolo, existe boas práticas, por exemplo, se for incorporar um caboclo, eu sempre penso nas matas, nos animais, na flora e fauna existente, tento imaginar o cheiro, o barulho dos pássaros, a paz de espírito que eu sinto quando estou dentro de uma mata virgem, e posteriormente a isso, me imagino no meio da mata, recebendo uma luz enorme proveniente dos céus tomando conta do meu chacra coronário e fluindo para os demais chacras.

Se for para pensar em um boiadeiro, o cenário muda um pouco, mas o princípio é o mesmo, em uma fazenda enorme, cheio de pastos verdejantes, com uma boiada extensa, para os baianos, a mesma coisa, procuro imaginar a Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, e assim vai. Ouso a dizer que na Aruanda existem cenários parecidos onde muitos deles atuam, existem diversas egrégora no Astral e muitas delas permanecem tradicionais aos locais que os espíritos viveram em terra, “No Reino de meu Pai há diversas moradas”, já dizia um dos Grandes Mestres que encarnou na Terra.

Concentrar é tentar limpar a mente, esvaziá-las dos problemas que estamos vivendo, existem mais informações aqui e aqui para que possam auxiliá-los nesse mecanismo, a fé nos seus mentores é primordial, e não menos importante, a fé em vocês mesmos, vocês são capazes de operar milagres, sejam incorporados ou não, os mentores usam seus fluídos, sua matéria para magia, não é surpreendente que também sejam capazes de fazer.

Saibam que estão ali para cumprir um trabalho Cósmico, e nada naquele momento é mais importante que isso, esquecer seus problemas já é um grande passo, ter fé em você, um outro grande passo e deixar com que seu corpo seja controlado por você e por eles é o passo final para isso.

O texto não pode ser muito extenso porque deixei dos links para complementar a leitura de todos vocês.

Na verdade, foi apenas um gancho para chegarem a esse texto e depois lerem os outros dois.

Muita Paz e Luz

Neófito.

Uma breve narrativa sobre o início do desenvolvimento mediúnico (O Início da Incorporação)

mediunidade-2

– Meu corpo se mexe de forma que eu até consigo me controlar, mas eu não quero, que coceira na perna, estranho, até consegui coçar, mas com dificuldade,

– Como é ruim ficar de olho fechado. Será que é vergonha? Algum tipo estranho de timidez? As pessoas me oferecem bebida, mas até sinto uma vontade estranha de beber, mas eu não quero, parece-me que ainda não tenho permissão para beber!!! Mas como é isso???

– Que sensação estranha… Que estranho, vontade de fumar, mas como assim? Eu não fumo! Aliás, agora que eu lembrei, que vontade é essa de beber se nem bebida alcoólica eu consumo? Hum… Aliás, eu até consumo sim, mas não desse tipo…

– Que som legal esses graves, essas batidas, que vontade de dançar, eita, que vontade de me mexer, tô dançando, mas parece que eu tô duro, mas tô dançando, deixe o som dessas batidas me levar, mas vamos parar com tudo… Essa sensação? Tô vendo tudo, me mexendo de certa forma, mas como eu quero, ouço tudo no mundo externo, mas meus olhos permanecem fechados, dá uma insegurança, vou abrir um pouco e consegui abri-los, entendi, estou no centro, e essa gira.

– Será que eu estou incorporado??? Isso é da minha cabeça??? Será que realmente tem algum guia em minha matéria ou estou louco? Eu consigo falar se eu quiser, consigo negar algo que eu muitas vezes até quero, mas que briga é essa do meu cérebro com meu sistema motor?

Sim… Meus irmãos, esse é um processo extremamente normal das primeiras fases do processo incorporativo, o que eu narrei de forma sucinta é o que aconteceu comigo e com mais milhares de médiuns que iniciam-se suas vidas dentro dos terreiros.

É extremamente normal observamos o ambiente, sabermos que estamos nele, os primeiros meses desse processo é complicado, muitos pensam em desistir ou desacreditar no poder das entidades ou até mesmo em si próprio. Será que é tudo fruto de nossa imaginação?

Os primeiros meses o sentimento de inutilização de si mesmo é enfático, o “mentor” chega, você anda um pouco, mas não anda muito, não fala, mal abre o olho, a postura corporal quase sempre é a sua, você não bebe, não fuma, não faz absolutamente nada, realmente é um processo adaptativo extremamente chato, cansativo e por vezes, demasiadamente lento.

Mas é a evolução, é o processo evolutivo que todos nós temos que passar, assim como a lagarta passa por um doloroso processo ao se libertar do casulo e se transformar na borboleta, assim é o processo mediúnico com todos nós, seja na Umbanda, seja no kardecismo ou qualquer outra liturgia espiritualista, o processo de desligar-se do seu “Eu Material” e religar-se com o seu “Eu Espiritual” é vagaroso, penoso e muitas vezes frustrante.

Mas como tudo na vida, é necessário Foco, Força e Fé, como vemos em muitos posts em redes sociais, acima de tudo isso, a determinação e a crença em Si mesmo, a fé é algo relativamente intangível, mas a crença em Si e no Criador é o que faz toda a diferença.

Existe o post Firmeza de Cabeça (Ler Aqui) que ajuda muito nessa empreitada, mas agora prefiro partir ainda mais do começo…

Os seus chacras que são seus vórtices energéticos trabalham em velocidades altíssimas, e quanto maior sua evolução e sua busca pelos estudos, bem como certas práticas espiritualistas, tendem a acelerar ainda mais esses vórtices, mas como somos muito ligados à carne, eles tendem a trabalhar em velocidade reduzida, e quando iniciamos o nosso desenvolvimento, primeiro precisamos preparar o nosso corpo para vibrar de forma ao menos síncrona ou devidamente satisfatória com o plano espiritual para assim estabelecermos uma comunicação sem ruídos. Imagine quando você brinca de pular corda, a corda está rápida, você precisa saber o tempo certo para entrar na corda sem se “queimar” e pular de acordo com a velocidade que ela está rodando, é assim que também tentamos sincronizar com o nosso “Eu Espiritual”.

Existem formas para ajudar nisso, é regrar a sua vida, como o próprio mestre Jesus dizia: “Orai e Vigiai”, não adianta orar todos os dias se não vigia suas atitudes, não adianta pregar de forma sábia aos irmãos do centro e dentro de sua própria casa, bater em sua mulher ou filhos.

A conduta de vida é importante, pois ela é imprescindível para o seu nível vibratório e consequentemente sua “Forma-Pensamento”, claro que existem pessoas com muito mais facilidade que outras, isso vai de médium para médium, tem médium que se mata de beber na semana e chega no final de semana ainda dá uma excelente comunicação, isso depende de vários fatores que serão elucidados em próximos posts.

O processo adaptativo do guia com o médium se dá ao alinhamento da velocidade desses chacras, as velocidades devem ser parecidas para ocorrer uma acoplagem eficiente, por isso, muitas vezes, o movimento brusco da entidade ao irradiar o médium.

Podem perceber que isso com o tempo diminui de forma significativa, a acoplagem vai se tornando mais eficiente até chegar a um sincronismo perfeito.

Deixar de consumir carne vermelha, bebidas alcóolicas e sexo desenfreado não somente no dia que precede, mas manterem um resguardo referente a isso ajuda muito também, mas como cada pessoa tem o seu organismo físico, também tem o seu organismo espiritual, isso vai de pessoa para pessoa não tendo uma regra.

Importante salientar também que o guia não toma o seu corpo e seu espírito nem fica ao lado ligado pelo cordão de prata; E sim a entidade te irradia em seus pontos vitais para que possa assumir seu mecanismo motor, utilizando também seus recursos psicofônicos, ou seja, ele irradia seus chakras e assume todo o controle de seu corpo, com isso, IMPOSSIBILITA O DESLIGAMENTO TOTAL DE SUA MENTE o que de fato, exclui aquele assunto de MEDIUNIDADE INCONSCIENTE.

O começo da jornada é sempre difícil, sempre demanda tempo, dedicação e conhecimento, peguem um tempo para estudarem, conhecerem suas limitações e suas aptidões, e gradativamente, alcançaremos o que tanto almejamos: A Evolução Espiritual

Contudo, vale salientar que no começo, ver é normal, ouvir é normal, sentir dor é normal, sentir reações fisiológicas como os gases também é normal, o que vai te diferenciar de um médium medíocre para um médium produtivo é o seu grau de desprendimento e dedicação, eu sempre falo no blog, mais vale o grau de desprendimento do médium ao grau de incorporação, ambos estão de certa forma, intrinsecamente ligados, porém, existe o dia que sua irradiação não estará tão forte, em contrapartida, você tendo bom desprendimento, você mesmo pode assumir os trabalhos de forma eficiente.

E lembrem-se: A entidade utiliza o seu corpo como recipiente, se o seu corpo é fragmentado, sujo, pequeno espiritualmente ou até mesmo disforme, irrefutavelmente, a entidade terá que passar a sua mensagem nessas condições, e consequentemente, sofrendo influências do meio da qual ela utiliza como recipiente.
Em suma: Até o mel mais doce azeda em um recipiente sujo!

Meus sinceros votos de Paz e Luz

Neófito.

Filosofia do Exu – A Percepção Individual, apenas um Ponto de Vista

Uma lembrança muito rápida que me veio com um Exu da minha corrente, através de uma pequena discussão sobre pontos de vista dentro de um Terreiro:

Eis que ele levantou uma garrafa e pediu pra eu olhar a garrafa na mão dele, aí ele disse:

– Menino, o que você está vendo aí?

Eu disse, estou vendo a garrafa, o rótulo da marca e percebi que a garrafa AINDA ESTÁ MEIO CHEIA.

Olhando para a mesma garrafa, mas do lado dele, ele disse:

– Eu não estou vendo nenhum rótulo, menino, estou apenas vendo que a garrafa JÁ ESTÁ MEIO VAZIA.

Ou seja, estávamos vendo a mesma coisa, a mesma garrafa, mas de ângulos diferentes e IMEDIATAMENTE percebi que com isso, também vimos coisas diferentes.

Podem perceber que além do adesivo da garrafa que eu pude presenciar e ele não, a noção da quantidade, como o MEIO CHEIO e o MEIO VAZIO e também a noção TEMPORAL foi diferente, o AINDA ESTÁ com o JÁ ESTÁ! Ou seja, todo ser possui uma percepção individual de acordo com suas experiências e conhecimentos adquiridos no decorrer da vida, logo, tanto eu quanto meu exu estávamos certos, estávamos falando sobre a mesma coisa, mas de pontos de vista diferentes.

Isso curiosamente me veio à lembrança ao postar outros dois assuntos polêmicos, além de debater com o irmão Marco, sempre presente aqui no blog e que já virou um amigo. Essa mensagem acima corrobora com o que eu sempre digo aqui, o blog é apenas uma das visões do Todo, aqui é uma forma de você se localizar no Espaço, ter um Norte, nem sempre aqui poderá ser o melhor caminho, mas já é uma encruzilhada, um ponto de partida,  já é uma referência para futuras dúvidas e conhecimentos que adquirirão em suas jornadas. Aqui eu retrato minhas experiências com as casas que visitei e também muitos ensinamentos dos meus mentores, mas como eu sempre digo, os meus podem exigir ou deixar de exigir certas coisas que não conferem com os de vocês.

Aqui é apenas mais uma das diversas fontes de conhecimento, não é a Verdade Absoluta e sim Apenas Mais Uma das Infinitas Verdades.

Estudem, Reflitam, Ouçam os seus Mentores.

Que sejam Contemplados com a Luz Maior e a Santa Paz Cósmica.

Neófito da Luz.

Pontos Riscados

Atendendo ao pedido da irmã Luana, achei uma excelente sugestão elucidar mais sobre pontos riscados, para tal, queria introduzir alguns conceitos com vocês:

1)      Mandala: Segue abaixo um trecho do Wikipédia:

Mandala (मण्डल) é a palavra sânscrita que significa círculo ou “aquilo que circunda um centro”1 . É uma representação geométrica da dinâmica relação entre o homem e o cosmo. De fato, toda Mandala é a exposição plástica e visual do retorno à unidade pela delimitação de um espaço sagrado e atualização de um tempo divino. Nas sociedades primitivas, o ciclo cósmico, que tinha a imagem de uma trajetória circular (circunferência), era identificado como o ano. O simbolismo da santidade e eternidade do templo aparece claramente na estrutura mandálica dos santuários de todas as épocas e civilizações. Uma vez que o plano arquitetônico do templo é obra dos deuses e se encontra no centro muito próximo deles, esse lugar sagrado está livre de toda corrupção terrestre. Daí a associação dos templos às montanhas cósmicas e a função que elas exercem de ligação entre a Terra e o Céu. Como exemplo, temos a enorme construção do templo de Borobudur, em Java, na Indonésia. Outros exemplos que podemos citar são as basílicas e catedrais cristãs da Igreja primitiva, concebidas como imitação da de Jerusalém Celeste, representando uma imagem ordenada do cosmos, do mundo.

Mandala é uma circunferência usada como arte pelos antigos povos. A Mandala ainda é criada no presente geralmente usando compasso.

2)     Simbologia: É todo objeto físico que possui uma representação abstrata e que pode ter valor representativo, como os ícones que você conhece de seu computador, valor evocativo, mágico ou até mesmo místico. Eles escondem muitas verdades e significados poderosos, em todas as religiões utilizamos elementos simbólicos com valor espiritual, um grande exemplo é a Cruz, conhecida em todos os lugares do mundo, utilizada pelo Cristianismo e por diversas escolas esotéricas com várias representações diferenciadas;

3)     Círculo Mágico: Extraído do Wikipédia:

Círculo Mágico é usado por Magos e Bruxos de maneiras diferentes. Magos o utilizam para que mantenham mentores e espíritos do lado de fora, de forma a manter a segurança do mago. Já na Wicca é usado para manter a energia gerada durante um ritual ou feitiço dentro do círculo e para manter energias distintas do lado de fora, neste conceito o círculo não é usado para proteção mas para concentrar a energia gerada pelo Bruxo ou Coven.

A Wicca é uma religião diferente da grande maioria. Por seu caráter iniciático e sacerdotal, possibilita assim ao praticante uma conexão com o divino sem o intermédio de outrem, ou seja, sem o intermédio de Mestres ou “Papas”. Também não possui templos sagrados, construídos com pedras pelas mãos do homem ou de qualquer outro material. Nosso grande templo sagrado seria o Universo, sendo nossa casa o Planeta Terra. Mas nossos deuses não se manifestam em qualquer espaço, para isso fazemos uso do Círculo Mágico.

4)     Alquimia: Para facilitar, também retirei do Wikipédia:

Alquimia é uma prática antiga que combina elementos da QuímicaAntropologiaAstrologiaMagiaFilosofiaMetalurgiaMatemáticaMisticismo e Religião. Existem quatro objetivos principais na sua prática. Um deles seria a transmutação dos metais inferiores ao ouro; o outro a obtenção do Elixir da Longa Vida, um remédio que curaria todas as coisas e daria vida longa àqueles que o ingerissem. Ambos os objetivos poderiam ser notas ao obter a Pedra Filosofal, uma substância mística. O terceiro objetivo era criar vida humana artificial, os homunculi. O quarto objetivo era fazer com que a realeza conseguisse enriquecer mais rapidamente (este último talvez unicamente para assegurar a existência dos mesmos, não sendo um objetivo filosófico). É reconhecido que, apesar de não ter caráter científico, a Alquimia foi uma fase importante na qual se desenvolveram muitos dos procedimentos e conhecimentos que mais tarde foram utilizados pela Química. A Alquimia foi praticada na MesopotâmiaEgito AntigoMundo IslâmicoAmérica Latina Pré-HistóricaEgitoCoreiaChinaGrécia ClássicaKiev e Europa, e mesmo entre os Aborígenes.

A ideia da transformação de metais em ouro, acredita-se estar diretamente ligada a uma metáfora de mudança de consciência. A pedra seria a mente “ignorante” que é transformada em “ouro”, ou seja, sabedoria. Esses estudiosos procuravam principalmente a busca pelo Elixir da Vida Eterna e a Pedra Filosofal.

Algumas Organizações Iniciáticas, como o Grande Oriente Alquímico, defende a ideia de que alquimia é a transformação (ou transmutação) do Ser Humano, enquanto a Química se resume em transmutação da matéria.

Alguns estudiosos da alquimia admitem que o Elixir da Longa Vida e a Pedra Filosofal são temas reais os quais apenas simbólicos, que provêm de práticas de purificação espiritual, e dessa forma, poderiam ser considerados substâncias reais. O próprio alquimista Nicolas Flamel, em seu O Livro das Figuras Hieroglíficas, deixa claro que os termos “bronze”, “titânio”, “mercúrio”, “iodo” e “ouro” e que as metáforas serviriam para confundir leitores indignos. Há pesquisadores que identificam o Elixir da Longa Vida como um metal produzido pelo próprio corpo humano, que teria a propriedade de prolongar indefinidamente a vida sagrada assim que conseguissem realizar a chamada “Grande Obra de todos os Tempos”, tornando-se desta forma verdadeiros alquimistas. Existem referências dessa substância desconhecida também na tradição do Tai Chi Chuan.

Com esses quatro conceitos podemos começar a explicar algumas ideias a respeito dos pontos riscados.

Grosso modo, ele pode ser uma assinatura do mentor, ou seja, com quais vibrações trabalha, com que tipo de magia, qual orixá que o rege e quais linhas pode atuar. Existe o individual do mentor, ou seja, conforme disse, a sua própria assinatura, porque conforme já conversamos, o mentor traz o nome da falange, mas ele é um espírito único e indivisível. Existem também os pontos que traz certo tipo de poder ou vibração do qual aquele mentor trabalha, um exemplo, é o caboclo do qual sirvo, o Senhor Sol, que antes de qualquer trabalho mais denso, ele fazia uma estrela de sete pontas com uma cruz em cada ponta. Fui consultar o significado da Estrela de Sete Pontas que até então não havia conhecido, tem o link que fornece uma pequena síntese do significado (http://makbidarte.blogspot.com.br/2010/11/o-significado-do-septagrama.html), além das cruzes que simboliza Oxalá.

Além do que link supracitado, descobri que ele traz consigo as Sete Vibrações, trabalha nas Sete linhas e cada linha possui o seu respectivo elemento, mistério e vibração. Ele costumava colocar os filhos numa esteira, mas antes, riscava o ponto e realiza o trabalho.

O que eu aprendi com isso? Ali é um delimitador entre os dois planos, é ali que ele evoca os mistérios magísticos do Plano Astral do qual ele é mestre, do qual ele é conhecedor e aquele espaço é o portal entre os dois mundos, onde ele consegue trazer à Matéria parte das Partículas Divinas e assim consegue realizar o seu trabalho.

Então podemos perceber que existe mais de um tipo de ponto riscado, não somente aquele que traz a representação do seu mentor, do que traz sua identificação, como também os pontos que abrem Mandalas, pontos energéticos para que os mentores possam transmutar seus poderes de forma mais eficiente no plano físico.

O ponto pode atrair ou repelir energias, um exemplo bacana do que pode ser o trabalho dos pontos riscados, para quem assiste Supernatural, vale ter como referência apenas para dar mais uma ilustrada na ideia do poder de um ponto de evocação. Importante lembrar que muitos conceitos do seriado foi tirado de sérias literaturas esotéricas.

Na alquimia também se usa muitos pontos de energia, comumente chamado de selos, eles são riscados para que possam trazer do Cosmos, partículas divinas que podem transmutar elementos, existe também um anime que ilustra bem essa ideia chamado “Full Metal Alchemist”.

Tudo está interligado, todo o tipo de liturgia, trabalho e até mesmo processos magísticos remontam até antigas Eras, elas modificam-se de acordo com a tradição, bem como o conhecimento empírico.

Resumindo irmãozinhos, ponto riscado é coisa séria, ele é muito utilizado em outras liturgias ou até mesmo Ordens Iniciáticas com outros nomes, Ponto de Evocação, Mandala, Selos, Pontos de Invocação, até mesmo Mantras, mas o objetivo é o mesmo, trazer ao nosso Plano parte da Energia Cósmica para transmutar elementos. Isso será muito bem estressado (Mais explicado) na vibração Obaluaie/Omulu.

O Ponto Riscado é delimitar em nosso espaço um portal para o outro Plano, para a magia ocorrer de forma mais eficiente e trabalhada, além de identificar a vibração e o poder do seu mentor, ela serve para otimizar os trabalhos dentro do Terreiro Umbandista, atraindo as energias necessárias para o trabalho do seu mentor e repelindo energias contrárias.

O mentor dar o seu ponto é muito importante para o médium, mas vale lembrar que um mentor que deixa de dar o seu ponto, não significa que ele não trabalha direito, pode ser que ele ainda não entrou em uma sintonia mais eficiente com o seu médium fazendo-o com que ele traga sua força máxima, ou não se adequou à vibração da casa, o que é muito comum nos dias de hoje também. Conforme já elucidei algumas vezes, o Espírito ele é uma personalidade independente, ele também possui afinidades e talvez a casa onde você trabalhe não condiz com a forma que ele trabalha.

Além de uma simples assinatura, o ponto riscado é o registro de sua presença no Cosmos e acima de tudo, o maior mistério que ele traz, com isso, não será em qualquer casa e nem tampouco em qualquer momento que ele riscará o seu ponto. Isso é importante salientar, muitos mentores riscam muitos pontos de trabalho no terreiro, mas o seu ponto de identificação é bem raro.

Com isso, acho que podemos finalizar esse tópico.

Estou aceitando ideias para posts e até mesmo debates.

Paz Profunda.

Neofito.

A Umbanda como Bengala

Bengala

Axé queridos irmãos de fé.

Esse será mais um post com caráter observatório que presenciei durante a minha peregrinação dentro da religião.

A dependência demasiada de alguns irmãos de fé, principalmente alguns mediuns dos mentores para tomarem decisões em suas vidas.

Já é evidente e já deixei claro a minha atual desconfiança com a comunicação de muitos mediuns para com o seu mentor, e isso não me isenta, porque às vezes eu mesmo entro em parafuso se estou ou não, “incorporado”.

O grande problema é que a falta de conhecimento de muitos mediuns aliada a uma comunicação inapropriada gera uma consequência terrível, o medium infelizmente vai falar o que quer para aquele consulente que deposita toda sua fé e esperança naquela entidade. Quantas vezes já presenciei você notar que ali não tem entidade nenhuma, e a pessoa depositar toda sua fé, confidenciar seus segredos, pedir conselhos e quem sabe, saber alguma coisinha que está por vir…

Deixa eu dar minha breve e modesta opinião sobre o assunto: Acredito sim que existem certas tendências no seu destino, acredito piamente que você deve ter algo traçado, destinado a fazer, mas a realização vai depender unica e exclusivamente da sua força de vontade. Tem muitos mediuns que para qualquer coisinha que for fazer, sempre tem que consultar a entidade, vira praticament eum dependente químico, não anda com suas próprias pernas.

Quantas vezes presenciei apenas o ano passado, você sentir, porque minha gente, quem é medium sente, que aquela entidade que você está conversando é praticamente o medium mistificando, seja inconsciente ou conscientemente.

Para esses que mistificam de forma inconsciente, precisam de estudo, de doutrina, quem sabe o tempo ensina, a dedicação ensina, muitos mediuns até entendo que estão lá com ótimo coração, dedicados, empenhados em praticar a caridade, mas no primeiro foco da entidade, já soltam o seu corpo e deixa a “comunicação” falha, suscetível a interferências do próprio medium.

E quando você vai fazer a consulta com a entidade, você ouve mais perguntas que respostas? Ou a entidade começa a falar coisas que nem acontece na sua vida, aquela entidade que fica “adivinhando” as coisas?

Ser medium é extremamente difícil, principalmente dentro da Umbanda, nem todo dia você está bem, nem todo dia a comunicação está perfeita, e nesses dias, seu moral é totalmente degradado, porque uma pessoa mais esperta, percebe na hora que ali não tem praticamente nada do que o próprio medium, graças a essas circunstâncias, muita gente não crê no poder da mediunidade e na existência dos mentores.

Mas voltando ao escopo do assunto, me entristece e até me assusta muitas pessoas contando com esses mediuns para decidirem suas vidas, em um momento de desespero, não conseguimos perceber se ali é o medium ou o mentor porque estamos tão tristes e desesperados para resolver nossos problemas que não nos atentamos aos sinais, aí a suposta entidade concede um conselho errado, a vida da pessoa piora e onde fica a culpa? Na Umbanda.

Ou quando ocorre do guia começar a dar conselhos genéricos e superficiais:

Cuidado com seus amigos… Olha, tem gente com inveja de você, para de sair mais de noite porque está previsto acontecer um assalto… Enfim, são tantos que eu precisaria de vários posts…

Outra coisa que eu acho muito engraçado, é o guia se engrandecendo pelos seus feitos, relembrando as pessoas quando falou isso ou aquilo e aconteceu, para isso eu dou uma simples denominação: Vaidade do Medium!

Já vi pessoas saírem chorando de uma consulta onde era perceptível que não havia NADA ali, só um medium se fazendo de baiano e já de fogo, cambaleando, é lamentável… Para os fracos, ocorre o placebo mental, ouve da entidade que nem é entidade que não vai dar certo, você já energiza toda aquela negatividade  e frustração então a tendência de dar errado é muito maior!

Enfim, o objetivo do post é confiar primeiramente em vocês e na intuição, eu percebi que muitos que leem esse blog não são mediuns, tem muitos simpatizantes e trouxeram-me casos bem parecidos, sobre coisas que as entidades falam, como são genéricas as informações, enfim…

Uma das piores é o mentor olhar pra sua cara e perguntar se você é medium, e não aconteceu comigo apenas uma vez não, aí eu me pergunto, ou eu realmente mistifiquei todos esses anos ou misticando está o medium que está me atendendo…

Uma vez falei com um mentor que possuía um hábito chamado rinotilexomania, ou seja, o vulgo tirar “catota do nariz”. Gente… Pelo amor de Deus né?

Então, como eu disse no ultimo post, estou muito mais focado em depender de mim do que depender de uma consulta, uma irmã veio me trazer um caso que se ela não fizesse um trabalho em até 21 dias, certos espíritos iriam tirar a vida dela, e que a entidade disse isso, duas entidades do mesmo medium. Eu não sou um exímio conhecedor da Espiritualidade, agora uma entidade ter o poder de tirar uma vida em troca de uma mera entrega, vulgo despacho?

Eu ando recebendo muito mais e-mails de assistentes e consulentes do que mediuns, e quando eu acho que já vi de tudo, surge algo para me surpreender.

Senhores, somente uma coisa pra nos livrar de todos esses males: Estudo! É o medium se empenhar em estudar, limpar seu corpo e espírito para que a comunicação possa sair de forma adequada, é o que eu digo, existem iogues e monges que meditam horas e horas por dia e não consegue um transe inconsciente, quem dirá e nós Umbandistas que vivenciamos isso semanalmente, alguns quinzenalmente e assim por diante? A mediunidade consciente é muito COMUM atualmente, é a mais COMUM, então temos obrigação de honrar nosso compromisso de medium para com a espiritualidade e para com nossos mentores afim de levar adiante a bandeira da prática do amor e da caridade, ultimamente a Umbanda vem servindo para levar a bandeira da dúvida e indignação e isso tem que mudar.

E acima de tudo, confiar em nossos próprios intintos, intuição e nossa comunicação, afim de não sofrer frustrações e desilusões com o que nos foi contado.

Confesso que não tive muito tempo de revisar, depois eu vou dar uma relida e corrigir alguns erros de concordância, mas como prometi que ia postar rápido, segue aí o blog que eu havia conversando com alguns irmãos através do e-mail.

Desculpem se esse ano estou mais ácido, menos polido, é que minha indignação está atingindo o ápice! Rs

Neófito da Luz.

Breve Diálogo Sobre Incorporação – Parte II

Senhores, como eu havia dito, não revisei de forma apropriada o texto e para quem já leu, é estressante ler tudo novamente, então vou repetir alguns assuntos aqui brevemente para prosseguir com os demais.

Nome do Guia

Conforme mencionado, são muito relativos os nomes das entidades bem como o tempo em que elas se identificam se apresentam. Eu aconselho a muitos médiuns não procurarem muito sobre nomes de entidades na internet bem como suas áreas de atuação, formas de trabalho, entre outros fatores, porque infelizmente podemos ter admiração por algum, aquela vontade de querer trabalhar com ele misturar no processo anímico e na hora que sua entidade, de fato, der o nome, você pode se confundir e atrapalhar a comunicação nesse momento.

Sempre de extrema importância manterem-se distantes desse tipo de informação.

Outro fator importante é o fato de que para massagear nosso ego, o que é muito comum, queremos ter caboclos de penas até o chão, com um penacho de grande espessura como um rabo de pavão, é importante ignorar tudo isso, o meu mentor-chefe chama-se Urubatão da Guia, o mesmo não é cacique e sim pajé, e para estar na frente de outras entidades minhas que são caciques, é sinal que o nível hierárquico no outro plano, pouco importa. O Caboclo do Sol que é outro caboclo que eu servi, também nunca o vi com penacho até o chão e graças a Deus nunca deixou ninguém na mão.

Não adita ter um guia de grande Luz, de Grande Poder se o recipiente da qual ele deve trabalhar é ruim, o Sr. Tranca-Ruas costuma me dar um exemplo do copo, ele pega um copo de 500ml e um de 100ml, porém, ele deixa o de 100ml mais cheio, qual copo ao ser derrubado vai espalhar mais água no chão?

Outros também afirmam que só confiam no nome da entidade quando a mesma dá o ponto! Isso também é relativo, às vezes a entidade dá o nome na casa do qual o filho trabalha, mas não é afim com a energia da casa, então não tem o porquê dele “carimbar” com sua energia espiritual, o seu portal de evocação dentro da casa. E outra, esse negócio de ponto da entidade é muito relativo, hoje em dia é muito difícil achar um sacerdote apto a ler o ponto e confirmá-lo.

Conheço uma médium há oito anos, já presenciei excelentes trabalhos de seu marinheiro e sua caboclo e nunca, nunca deixaram o ponto e somente a cabocla se apresentou, Sra. Jurema Caçadora, mas também, nunca deixou seu ponto em lugar nenhum.

Outra coisa muito interessante para nossas mentes curiosas é ver a imagem de nossas entidades, tentem não se apegar a isso, porque quando a entidade se mostrar a você, E TODOS SÃO CAPAZES DISSO, você não a confunda com a imagem que você associou a ela em casa de imagens.

História do Guia.

Uma outra coisa que é muito comentado é a história do guia. Se o mesmo foi príncipe ou carrasco, se o mesmo foi benfeitor ou malfeitor. Obvio que é muito interessante sabermos a história daqueles que trabalhamos juntos, daqueles que estão em nossa convivência, mas nada melhor que eles mesmos lhe contar. Existe a história da falange, mas mesmo dentro da falange do Pena Branca, os guias possuem sua individualidade, seu próprio ciclo reencarnatório, sua personalidade, sua característica, então é muito melhor saber a história da sua entidade.  Um caso é o Zé Pelintra, eu já vi vários Zés e claro, tem o padrão brincalhão característico da linha, mas cada um tem a sua experiência, sua vivência e forma de trabalho, mesmo porque nenhum médium é igual e é ignorância negarmos que temos também parte da responsabilidade na comunicação.

Quantidade de Guias.

Só para concluir de fato o assunto, se a pessoa é filha de Iansã e Obaluaie, por exemplo, obviamente o forte da linha desse filho não será caboclo, e sim preto-velhos, boiadeiros e até exus. Ele pode ter dois caboclos e dez exus sem nenhum problema, claro, nem todos trabalharão com você, mas ficarão próximos e auxiliarão as entidades de trabalho em outras tarefas.

A quantidade de guias varia de acordo com a linha do médium, um filho de Oxóssi, consequentemente terão mais caboclos.

Não é um tema que precisamos estressar sobre o assunto, há médiuns que no longo de sua vida trabalha com cinco, seis caboclos e outros apenas com um ou dois. Vai depender da missão da entidade, dependerá também do patamar vibratório do qual ela está incluída, às vezes é a missão dela te acompanhar até metade da sua vida, te ajudar a amadurecer em certos aspectos ou abrir caminho para entidades de maior luz ou até mesmo ela evoluiu o suficiente para galgar novos degraus.

O que eu não gosto em muitos sacerdotes é delimitar e limitar seus médiuns pode ocorrer do médium não ser um médium padrão e o coitado já fica todo inseguro achando que é da cabeça dele.

Também tem uma lenda sobre não ter caboclos da linha de Pena Branca, Pena Verde, Pena Azul e afins repetidos. Quem cuidou muito de mim e trabalhou muito comigo foi o Sr. Pena Branca, infelizmente nunca mais o senti e comecei a sentir a presença de outro caboclo, eu vi inteiramente o cocar do caboclo e era todo Verde e uma amiga minha também o viu, logo, Sr. Pena Verde começou a estar mais ao meu lado. Já até veio algumas vezes.

É importante frisar, a pessoa pode trabalhar com um preto-velho, mas ter oito exus, a quantidade não é específica.

O Guia de Firmeza.

Todos médiuns tem o guia de firmeza, é aquele que nos sentimos mais a vontade para trabalhar e o melhor, é aquele que vem mais firme, que tem maior sintonia com nossa vibração, é aquele que chega com maior facilidade em nossa matéria e toma conta, a pessoa pode ter mais de um, obviamente e isso vai se tornando notório no decorrer do seu trabalho mediúnico. Isso independe de qual linha, isso é extremamente pessoal ao médium, tem médium que é o baiano, outros o caboclo, no meu caso, um dos meus guias de firmeza é o cigano Ramirez. É aquele guia que você se sente a vontade em trabalhar e não tem medo nenhum quando ele começa a falar, porque sabe que é aquele que faz e acontece. É importante salientar que isso não quer dizer que é porque o guia é poderoso, mas sim é o guia que você tem maior afinidade, geralmente é afinidade psíquica e vibratória.

Todos os médiuns possuem os seus guias de maior confiança, aqueles que você deixa trabalhar livremente. Também tem o fato do próprio médium se sentir bem em trabalhar com a entidade porque ela causa alegria aos filhos e assistência, quando a entidade é muito carismática, fazemos questão de trabalhar com ela porque também nos sentimos bem. É uma das graças da mediunidade consciente e semiconsciente, você também participa das atitudes de sua própria entidade.

Também tem o fator de alguns médiuns trabalharem bem com determinada linha, que eu exemplificarei no próximo assunto.

Função da Linha do Médium.

Como digo, nenhum médium é igual, os médiuns possuem predisposições mediúnicas e energéticas, existem os médiuns de cura, os médiuns de limpeza, os médiuns de consulta, os médiuns videntes, claro que podemos ter uma mistura de um ou outro, mas nenhum é 100% em todos os aspectos. Eu já percebi que meus guias trabalham muito bem com cura e cirurgia espiritual, mesmo porque, eu sou médium de cura, então tenho uma predisposição energética para que possam fazer bem o seu trabalho. Nunca presenciei guias meus fazendo mandinga com elementos, por exemplo, talvez não seja meu forte esse tipo de magia, mas também gostam muito de falar, muitas pessoas procuravam as entidades para conversar. No meu caso, eu sendo um médium de cura e de consulta, consequentemente a minha linha tende mais a esse lado, seja o caboclo, o baiano, o marinheiro, o cigano são guias com conhecimento de cura e consulta.

Existem os médiuns de limpeza, que quebram a demanda, consequentemente a função dos seus guias será mais propícia a isso.

Também tem aqueles médiuns que trabalham muito bem com qualquer exu que possam vir em sua matéria, seu guia de firmeza é o exu, como tem pessoas que são com preto-velhos, tem médiuns que para qualquer problema, é o preto-velho que assume e são com eles que esse médium trabalha muito bem. Independente de qual preto-velho, esse médium pode ter dois ou três preto-velhos muito firmes e dependendo do grau, podem vir sim em outras linhas para auxiliar em um determinado problema. Há sacerdotes que não admitem linhas cruzadas, ou seja, linha de caboclos e vir um preto-velho, já há casas que dependendo da situação, deixam com o que o médium trabalhe com o seu guia de firmeza. Vai depender única e exclusivamente da doutrina do centro.

A grande sacada é perceber a forma que seus guias trabalham para ter a devida certeza de qual é sua especialidade, suas funções e ir de cabeça nelas.

Meu irmão já é um médium que tem muitos exus, fazem trabalhos extremamente densos e telúricos, depois de um trabalho pesado, ele fica muito bem, fica tranquilo, quando certas entidades minhas trabalham com isso, eu absorvo um pouco e não fico tão bem. Claro que é algo que eu posso evoluir e aprender, mas não é a “minha praia”.

Então meus queridos, vocês possuem funções predeterminadas dentro do terreiro, tem médium que é uma PAREDE, é blindado, são os que podem ficar na porteira protegendo a casa, tem os de transporte, que possuem grande facilidade em dar passagens a eguns e outros espíritos que atrapalham de certa forma a vida de alguém, apesar de eu, ser totalmente contra o processo de desobsessão.

Comunicação.

Algo que eu ouço muito no blog é: Como você consegue ouvir? Como você consegue ver? Como eu faço isso?

Mais uma vez eu digo, todos os procedimentos eu compartilhei no “Firmeza de Cabeça”, todos os médiuns, claro, alguns precisam de maior dedicação e outros menos, mas todos nós, mediadores do plano espiritual e terrestre podemos sim, ouvir, vê-los, senti-los.

No caso da vidência, ela se dá de forma gradativa, primeiramente é esboçada uma pequena imagem em sua cabeça, e isso podem durar meses ou anos, você vê fragmentos em seu consciente, é como se imaginassem e na verdade não é imaginação, é o despertar da consciência espiritual que está se fazendo presente.

Você começa a “imaginar” como é o guia, começa a vir informações em sua cabeça e através dessas informações, você começa a projetar a imagem, gradativamente isso vai evoluindo até você conseguir vê-lo materializado em sua frente.

Repito, tem pessoas que já possuem essa predisposição, já nasce com isso nativo, mas nada impede que possamos aprender, evoluir e adquirir essa faculdade, todos nós somos animados pela mesma energia, a Energia Divina, então, em essência, somos TODOS IGUAIS, ou como diz um site que eu gosto muito, SOMOS TODOS UM.

O mesmo ocorre para a audição, para o olfato.

Toda faculdade para ser evoluída depende única e exclusivamente de nossa dedicação, claro, vida noturna, bebidas e mulheres, conforme falei no primeiro post desse ano, degrada e atrasa totalmente suas faculdades mediúnicas, é muita energia que você tem que lidar e prejudica totalmente a sua vibração com a Energia Cósmica, por isso, sempre bom andarmos na linha.

Eu ainda estou em desenvolvimento, sinto saudades do Neófito de 2010 que tinha resposta pra tudo, hoje as coisas estão mais difíceis, mas se já cheguei a um certo ponto, posso chegar novamente, assim como todos nós.

Namastê.

Neófito da Luz.