Qual a primeira linha a ser trabalhada no médium?

Um cordial saravá a todos os irmãos de Senda.

Aqui quem vos fala é o Neófito com mais um papinho pra boi dormir, e esse papinho, obviamente, proferido por mim. [Risos]

Queria falar um pouco sobre essa necessidade que muitos terreiros ainda empregam aos seus filhos de trabalhar primeiramente com o caboclo e não com outra entidade.

Sim, a antiga prática determina que caboclo é o principal elo da corrente do umbandista, é a força, é aquele que chefia o seu ori e é aquele que “segura” o exú, tanto é que muitas liturgias umbandistas ainda associam o exú ao seu caboclo e não ao orixá, o que de certa forma, tem relação…

Eu também aprendi que o caboclo é o primeiro que deve descer e nunca o exú, quando o exú toma a frente, atrapalha a vida do médium. Talvez antes, isso era uma verdade, mas o Mundo Astral é dinâmico, muda a todo momento, tenho certeza que o Zélio tem acompanhado a Umbanda onde quer que esteja e nota a mudança natural que ocorreu nos dias atuais.

Hoje, a experiência me mostra que isso não é mais uma verdade, como eu fui pai pequeno e participei do desenvolvimento de muitos médiuns, presenciei médiuns abrindo o seu ori com outras linhas, eu mesmo, o primeiro que veio em minha matéria, foi o Sr. Zé do Coco, só semanas posteriores, o caboclo deu o ar da graça. Isso não prejudicou em nada a minha vida, inclusive dos filhos dos quais participei do desenvolvimento, meu irmão de sangue abriu o seu ori com Exú e não teve nenhum grande problema.

A Umbanda vem sofrendo grandes transformações, em grande parte, benevolentes que corroboram com o crescimento de todos, há alguns anos atrás, quem recebesse baiano estava recebendo eguns, eu mesmo que sempre fui adepto à Umbanda esotérica, daquelas que só trabalhavam com caboclos, pretos-velhos e exús, fui agraciado posteriormente com as sete linhas, recebi de presente um mestre juremeiro do qual nem imaginava, posteriormente a vinda de um cangaceiro e agora, quem diria, um malandro… Tudo é dinâmico no Universo e temos que sair desse “engessamento doutrinário” e estarmos mais receptivos e abertos para aquilo que o Mundo Espiritual nos proporciona!

No entanto, exigir que o primeiro guia do filho para abrir o ori seja um caboclo é o mesmo que exigir que o mesmo não trabalhe com pomba-gira (O que em se tornando comum a presença das guardiãs em matérias masculinas), os fundamentos modernos estão sobrepondo os ensinamentos antigos, a Umbanda tem sido uma mãe e abriga em seu sagrado seio a presença de espíritos que vem trabalhar para o bem, vem trazer a Palavra do pai, são os mensageiros do Orun e temos que ser flexíveis e abrirmos a cabeça para estarmos aberto às mudanças. Sou adepto da Umbanda desde 1997 e desde então vim presenciando gradativamente as intensas mudanças que vem ocorrendo na religião.

Mas isso é conversa para outra hora, o escopo do post é justamente para que os dirigentes abram suas cabeças, estejam abertos às mudanças que vem ocorrendo no Astral e que não sejam engessados, talvez o filho tenha uma maior afinidade com a linha das águas ou com a linha das almas, independentemente de qual linha abrirá o ori desse filho, cabe ao dirigente fornecer o discernimento necessário para que ele seja acima de tudo, um homem de bem e consequentemente a isso, um médium eficiente e comprometido com as tarefas que vestem o uniforme.

Lack´ech (Tradição Maia: “Eu sou o outro você” ou “Eu sou você e você é eu”)

Neófito da Luz

Anúncios

Mediunidade ou Loucura? A Mediunidade Consciente!!!

Axé amados irmãos.

Quem de nós no ato de uma comunicação não nos deparamos com a seguinte pergunta: Será que estou incorporado? Será que sou eu? Mas o que é isso?

Isso afeta 100% dos mediuns na Umbanda, já foi muito comum, a mediunidade inconsciente, mas como sempre afirmo no blog, isso está cada vez mais raro segundo alguns, segundo o Neófito, isso foi extinto!

Sim, não acredito mais em pessoas que falam que não lembram de nada, isso é absolutamente impossível, inegável lembrarmos de alguns tópicos ou dependendo de como foi a comunicação, lembrarmos de tudo, vale salientar que isso não quer dizer que sua comunicação foi mal realizada. Também é INEVITÁVEL em alguns momentos, conseguirmos “passar a frente” das entidades, sim, meus caros, isso pode acontecer, mesmo estando em um estado alterado de consciência, podemos a qualquer momento, “cortar” esse processo.

Por esses motivos, temos que esquecer problemas pessoais, esquecer quaisquer mazelas que deixamos do lado de fora no terreiro, porque o canal de comunicação é sutil, e como seu corpo e dotado de meios seguros de sobrevivência, não apagamos, ficamos sempre em um onírico estado de alerta.

Naturalmente nós que estamos iniciando a caminhada mediunica, é imprescindível acreditarmos que estamos realizando a comunicação, a incorporação, temos que acreditar, isso é uma máxima; Vejo muitos mediuns segurando o processo ou até mesmo desconfiando, o que desacelera ainda mais o mecanismo mediúnico da “incorporação”.  A principal causa dos mediuns iniciantes segurarem é que não querem mistificarem, não querem enganarem a si, aos irmãos e aos consulentes, vejo muitos mediuns falando: “Eu tenho medo de fingir”.

Primeiramente, temos que ter consciência de nossa dedicação, nosso empenho e acima de tudo na Fé em nossos guias, se estamos ali de coração aberto, de coração limpo e receptivos às vibrações sutis e verdadeiras do Universo, você NÂO ESTARÁ ENGANANDO NINGUÉM, VOCÊ NÃO ESTARÁ MISTIFICANDO. Se deu vontade de pular de joelho, o faça, se ocorreu a vontade de dar um belo grito de guerra, o faça, deixe a vibração tomar conta de cada cm do seu ser, deixe a energia do seu mentor fluir sobre seus chakras, tenha fé nessa comunhão, nesse sincronismo energético. Se sentiu vontade de dançar, dance, de girar, gire e qualquer excesso, tenho a certeza que seu dirigente terá o discernimento e a didática de te informar se algo não for de acordou com a doutrina da casa.

NÃO SEJAM TÍMIDOS, NÃO TENHAM VERGONHA, é natural no mecanismo de incorporação, durante o começo da jornada, o mentor mudar um pouco a aproximação, a vibração ou até mesmo a forma de chegar, isso é totalmente natural, às vezes até pensamos ser outra entidade, mas muitas vezes não o é, é um processo de adaptação, a acoplagem fluidica do corpo espiritual ao corpo material ele tem um custo, e esse custo deve ser minimizado para que ambos sejam beneficianos desse processo e consequentemente, dando uam comunicação firme e confiável.

A Grande sacada para facilitar todo esse processo é CONFIANÇA! Confiem em quem os acompanha, pelo menos eles, temos a certeza que quererão o melhor de vocês. Sigam o post “Firmeza de Cabeça” tão conhecido aqui no blog.

Não hesitem quando sentir vontade de dançar, girar, fumar, repito, liberem esse fluído energético maravilhoso e se deixem levar pela vontade, pelo processo de acoplagem de seus mentores, retire o sentimento de dúvida, tenham fé, bom senso, amor e ACIMA DE TUDO: A VONTADE, que é o que eu sempre digo no blog, a Vontade é a Energia Divina Manifestada. Querer é Poder!!!

Muitas vezes pensamos que somos nós, isso é um processo que infelizmente o acompanharão em grande parte da vida, somos mecanismos principais do processo de incorporação e, infelizmente, somos falhos, o que significa que algumas vezes, esse processo também será falho, não é uma EXATA, a incorporação depende de vários fatores, e a principal, é a sua mente, o que  nem sempre está 100%.

Sempre enfatizo no blog a importância da dedicação e do estudo, conheço pessoas que só conseguem proferir uma palavra de carinho ou de amor, incorporado, desculpem-me e sinceridade, esse tipo de medium não passa de marionete!

Temos que ser princípios ativos de nossos mentores, afinal, trabalhamos com eles e é nossa obrigação propagar e perpetuar seus ensinamentos, nem sempre temos a disponibilidade de incorporar para poder proferir uma palavra amiga, e com isso, você vai pedir a esse necessitado esperar uma semana para poder falar com um guia seu?

Isso será assunto para outro post, o escopo desse é sobre a incorporação, essa inexorável dúvida presente em todos os mediuns da Umbanda, e eu digo com total verdade, ACREDITEM, o estado alterado de consciência existe e quanto mais liberdade vocês fornecem a ele, mais graças poderão presenciar, e isso é indizível!

Não estão loucos, estão apenas influenciados e irradiados pelos nossos irmãos espirituais, nossos companheiros de jornada, são nossos mentores, mas acima de tudo, nossos irmãos, amigos e grandes companheiros de Senda, que visam o aprimoramento de todos que os cercam, seja de seu aparelho (cavalo, burro, medium), seja do consulente e ou de qualquer um que os cercam!

A mediunidade existe para a propagação do bem, para o auxílio aos encarnados, a Umbanda atua de forma presente no mundo físico, no mundo material da pessoa, é nela que são depositadas a confiança dos necessitados, é nela que está o imediatismo, a possibilidade de uma resposta imediata para nossos problemas, é nela que existe o amparo, a doação e a caridade, e você, meu querido medium, foi o escolhido pelas hostes cósmicas para a realização desse trabalho. Você foi convocado e agraciado por esse dom divino de ajudar simultaneamente os amigos espirituais e os carnais, então faça disso, o seu propósito, o seu objetivo, não temos espaço para dúvidas, para descrenças, para a loucura e sim para o objetivo de se conectar ao Bem Maior!

Seja a propagador da Fé que você foi destinado, ou o propagador da justiça, o propagador da força, do amor, da transmutação, da cura, do conhecimento, ou de qualquer outra vibração divina da qual você foi confiada.

Seja você consciente ou semiconsciente, faça desse trabalho o propósito da vida de quem te procura, seja aquele que muda, aquele que consola, aquele que ama, isso só depende de você, se não confia que está incorporado, confie que Deus destinou a você a capacidade de propagar a Sua misericórdia, então durante sua incorporação, ACREDITE, ORE, SEJA UMA FERRAMENTA DE SUA GRAÇA, afinal, a limitação é apenas na cabeça de vocês!

A Consciência é um Presente para Você Testemunhar que Você é Dotado do Poder de Mudar!!!

Paz e Luz.

Neófito

 

O Papel do Sacerdote Nos Terreiros

Essa é a minha humilde opinião sobre qual deveria ser o papel do Zelador de Santo.

Partindo da premissa que eu não gosto desse nome, e já expliquei algumas vezes porque, prefiro sacerdote ou dirigente, não temos porque zelar o santo, mesmo porque Umbanda não trabalha com Santo, trabalha com desdobramento vibratório do Criador, não existe santo, existe vibração e essa vibração não precisa ser cuidada, ela já é nata, incriada, divina.

O papel do dirigente do centro deve ser primeiramente de acolhimento, ele deve abraçar a causa do filho, entender o que se passa e se há um momento em que a palavra ZELAR faz algum sentido, é no que tange os cuidados ao filho.

O dirigente é um guia espiritual, ele é o patriarca ou a matriarca dessa egrégora, o centro é uma comunidade espiritual onde ali existem dois tipos de pessoas: Os auxiliares e os necessitados.

Para uma corrente coesa e poderosa, cabe ao dirigente dar o conhecimento necessário aos filhos e passar a sua experiência aos mesmos para evitar quaisquer sintonias desagradáveis durante a corrente mediúnica que ali se encerra.

O trabalho do dirigente é instruir, é amar, é cuidar, o trabalho do dirigente é se preocupar com a vida espiritual de seus filhos e consequentemente, apoiar a vida material também.

O que eu vejo muito nos dias de hoje e acontece com 90% dos leitores que me escrevem, é que o dirigente simplesmente larga lá, quando questionados sobre qualquer coisa, a resposta é sempre a mesma: Não é a hora ou não tenho permissão para dizer ainda. Quando indagados sobre qualquer fundamento, a resposta é quase sempre unânime: “Porque sim” ou “Porque não”.

Um centro organizado, primeiramente, deve haver uma cartilha que instrui a forma do médium agir na casa, os banhos de defesa, a hora correta de se chegar, a sua obrigação como médium e como pessoa, porque vestir branco, porque usar a toalha e porquê de diversos outros fundamentos, o mínimo que o dirigente deve passar, são as diretrizes da casa e como funciona os fundamentos espirituais da mesma.

O que eu vejo em sua maioria das vezes são os médiuns com dúvidas, perdidos e com receio de tirar suas dúvidas com quem teria que ser o SEU PRINCIPAL PONTO FOCAL de questionamento: O dirigente. Mas o mesmo está sempre ocupado ou indisponível para sanar as dúvidas.

Recentemente tive dois casos, e gostaria de enfatizar que não falo isso para me promover, como podem perceber, não vendo consultas e nem faço trabalhos espirituais a custo financeiro, não vivo DA Umbanda, mas gostaria de enfatizar que se eu sou capaz de enxergar coisas tão simples, porque não alguém mais capacitado que eu e que está muito mais próximo ao filho para poder ajuda-lo em seus problemas? Má vontade? Incompetência?

O primeiro caso é uma cambone de 14 anos, que estava com forte irritação nos pulsos, estava com uma alergia fortíssima e já havia passado todo tipo de remédio e nada de melhorar, vale salientar que cambone é um dos cargos mais importantes na casa, lida direto com todas as energias que circulam no centro, principalmente ela, que é cambone de todos os guias da casa; Já havia algumas semanas com essa ferida e nada do dirigente perceber, isso porque o mesmo é próximo da médium em questão. Ela me contando, tive a intuição de pedir à mãe dela dar banho de rosa branca e alfazema (Não me lembro se foi só isso) e esfregar no pulso em sentido horário. Em questão de três ou quatro dias, não havia mais nada no pulso.

O segundo caso é uma filha que está com diversos problemas, principalmente afetivo, só aparecem pessoas estranhas como homens e em questão de meses, o relacionamento dela termina, recentemente ela ficou desempregada e ela consultando os guias e o sacerdote da casa, o mesmo dizia que não era tempo de saber ainda o que se passava. Ela falando comigo, percebi (ou tive uma intuição, nem sempre sabemos) que seria cobrança de Oxum. Sim, existe a cobrança da vibração e farei posts que identificam um pouco isso, e perguntei a ela se ela estava agindo com promiscuidade, se estava com muito desejo sexual, se estava contrariando os próprios princípios dela e a resposta foi SIM para todas as questões, o que me deu a certeza da cobrança da mesma, no caso, o orixá Oxum.

Mas ela não tem Oxum, e eu disse a ela: Você tem algum problema com filha? Ela me disse que tem uma filha, mas havia perdido a guarda. Questionei novamente: Tem ido vê-la? Está resolvendo isso na Justiça? E a resposta foi sim, faz tempo que ela não a vê e tá enrolado na justiça a situação.

Aí eu falei a ela que certeza que essa cobrança de Oxum seria a falta desse instinto materno da mesma e que ela necessitava impor mais energia nesse caso da filha dela e tudo mais, falei pra ela acender uma vela para Oxum pedindo ajuda em uma terça-feira (Sim, não é dia de Oxum, eu sei, porém não acredito em dia certo para acender velas para os Orixás) e na quinta-feira, apareceu um amigo dela que conhecia uma delegada e uma advogada que resolvia esses casos de família.

Então isso só deu a certeza que era isso que “Oxum” queria.

Agora me pergunto: Cadê o sacerdote para resolver essa questão que se arrastava há mais de um ano?

Uma coisa que eu abomino são esses tipos de dirigentes que ficam sentados no trono como se fossem reis e na hora de serem eficientes em ajudar os seus filhos, dizem que ainda não é o momento, e o infeliz não tem a força de vontade de acender uma vela ao orixá para sequer fazer uma pergunta para o próprio filho da casa. Esquecem que sua missão espiritual além de dirigir um centro, é centralizar a vida espiritual dos seus filhos, muitos abrem a casa por vaidade ou por status para tocar o centro de acordo com o que ele acredita ser verdadeiro e não por capacidade ou características semelhantes.

Sim, ESTAMOS CARENTES DE DIRIGENTES COMPETENTES e infelizmente dirigentes incompetentes criam médiuns ineficientes, o que gera todo um ciclo vicioso de incorporações medíocres corroborando com a má reputação da religião. A Umbanda sofre preconceitos por culpa dos seus próprios adeptos.

Se o seu dirigente é daqueles que não ajuda com as suas dúvidas, não sabe acolher, só sabe exigir e mandar, procure outro lugar que esse tipo de pessoa não é um dirigente e sim um Líder Tribal.

Já temos diversas questões para lidar na vida, o centro, a religião que teria que ser um ponto de relaxamento, de paz, de tranquilidade, se torna para muitos, mais um ponto de estresse, mais um ponto de angústia, dúvidas e tristeza, religião, como o próprio nome já diz, é RELIGAR o nosso Eu Material com o nosso Eu Espiritual e muitas vezes o que os centros e outras ordens religiosas fazem hoje é justamente o inverso.

Outro tipo de dirigente que eu abomino é aquele que faz os filhos de escravos, os mesmos têm que fazer serviços domésticos em sua casa, isso é muito mais comum na nação, muitos dirigentes fazem seus filhos de escravos porque zelam pelos seus santos. E digo-lhes, amados irmãos, com toda a certeza do mundo: Seu orixá não precisa de cuidados, principalmente de mãos alheias.

Eu mesmo já tive um dirigente que se o encontrássemos na rua, teríamos que ajoelhar e beijar sua mão, mais um retrato da vaidade e do conceito de líder tribal e não dirigente espiritual, ninguém é melhor do que eu para eu me ajoelhar (sim, pode ser ego, mas com argumentos bem fundamentados).

Esse mesmo dirigente INFLADO pela vaidade, em trabalhos de marinheiros, nenhum marinheiro poderia usar quepe porque o dele era o único capitão do mar em terra. (Só por Deus)

O papel do dirigente seria o de instruir, conhecer qual é o seu Orixá Regente para que ele possa saber onde te ajudar, onde te fazer crescer, onde potencializar suas qualidades e onde suprimir os seus defeitos, o dirigente correto, ele é amável, ele é compreensível, ele é querido. Claro que muitas vezes ele deve ser duro, ele deve ser imponente, porque sem seriedade não existe Lei e sem Lei não existe Ordem (Olha o filho de Xangô falando).

A Umbanda antes da prática mediúnica do Amor e da Caridade, é Respeito, é Ciência, é Conhecimento, é Compreensão e todos devem andar juntos para que haja equilíbrio e união.

Dirigente que corrobora com outros médiuns falando mal de outros, daqueles que desabafam de uma atitude alheia, jogando uns contra os outros, só facilita a desunião da casa, a quebra de corrente e consequentemente a firmeza espiritual do lugar, fofocas só denigrem a egrégora do lugar e consequentemente enfraquecem o dirigente e todos os filhos, centro que existe fofoca, inveja e gente falando mal pelas costas não é centro, é baile funk!

Já vi diversas casas o próprio dirigente falando mal de um filho para outro, o que é um erro comum até no nosso ambiente familiar, pais que se queixam dos irmãos e tudo mais, isso só fomenta a discórdia, só fomenta a desunião e um dirigente sério e sábio evita justamente fragmentos dentro da sua própria corrente. Fofoca existe, o ser humano é crítico por natureza, porém cabe ao dirigente saber dizimar qualquer discórdia dentro do centro, partindo dele mesmo, não cabe a ele comentar ou desabafar dos filhos, cabe a ele chegar ao centro, já que ele é o líder e resolver a questão.

O que mais me repudia, é que as fofocas e as brigas partem do próprio dirigente e desculpem-me, um dirigente que age dessa maneira dificilmente receberá guias espirituais de luz para realização de seus trabalhos.

Um dirigente nato, sabe delegar e assumir a liderança quando preciso, um líder é aquele que cava a trincheira junto com seus filhos, é aquele que se suja junto, é aquele que fica sem dormir junto, é aquele que ama o que faz e desprende do seu precioso tempo para tal, se você não tem tempo ou discorda de qualquer coisa que está escrito aqui, desculpe-me, mas em minha opinião, você nem deveria ter nenhum tipo de centro, terreiro, barracão ou qualquer denominação que dão à comunhão espiritual dos mentores de Aruanda.

O problema é que estamos tão acostumados com coisas ruins, que nivelamos sempre por baixo, eu já fui pai pequeno e muitas vezes tive maiores responsabilidades que o pai da casa, porém, tenho plena convicção que fiz o meu melhor, já deixei de fazer muitas coisas em meu auge da juventude (Entre 24 e 30 anos) para dedicar-me aos filhos necessitados. Nem sempre temos gratidão, mas como sempre me disse Marabô, se eu abracei a causa, eu tenho que abraça-la feliz, de bom grado e sem esperar a troca, porque o retorno nem sempre é material e sim, cósmico.

A jornada para o dirigente é difícil, mas se assim o escolheu, que faça da melhor forma possível, e se muitos filhos chegam a mim através do blog, é sinal que suas angústias e dúvidas não são extraídas dentro do seu próprio centro, o que só demonstra estatisticamente a carência de boas casas que temos.

Meus sinceros votos de paz e Luz.

Neófito.

Uma breve narrativa sobre o início do desenvolvimento mediúnico (O Início da Incorporação)

mediunidade-2

– Meu corpo se mexe de forma que eu até consigo me controlar, mas eu não quero, que coceira na perna, estranho, até consegui coçar, mas com dificuldade,

– Como é ruim ficar de olho fechado. Será que é vergonha? Algum tipo estranho de timidez? As pessoas me oferecem bebida, mas até sinto uma vontade estranha de beber, mas eu não quero, parece-me que ainda não tenho permissão para beber!!! Mas como é isso???

– Que sensação estranha… Que estranho, vontade de fumar, mas como assim? Eu não fumo! Aliás, agora que eu lembrei, que vontade é essa de beber se nem bebida alcoólica eu consumo? Hum… Aliás, eu até consumo sim, mas não desse tipo…

– Que som legal esses graves, essas batidas, que vontade de dançar, eita, que vontade de me mexer, tô dançando, mas parece que eu tô duro, mas tô dançando, deixe o som dessas batidas me levar, mas vamos parar com tudo… Essa sensação? Tô vendo tudo, me mexendo de certa forma, mas como eu quero, ouço tudo no mundo externo, mas meus olhos permanecem fechados, dá uma insegurança, vou abrir um pouco e consegui abri-los, entendi, estou no centro, e essa gira.

– Será que eu estou incorporado??? Isso é da minha cabeça??? Será que realmente tem algum guia em minha matéria ou estou louco? Eu consigo falar se eu quiser, consigo negar algo que eu muitas vezes até quero, mas que briga é essa do meu cérebro com meu sistema motor?

Sim… Meus irmãos, esse é um processo extremamente normal das primeiras fases do processo incorporativo, o que eu narrei de forma sucinta é o que aconteceu comigo e com mais milhares de médiuns que iniciam-se suas vidas dentro dos terreiros.

É extremamente normal observamos o ambiente, sabermos que estamos nele, os primeiros meses desse processo é complicado, muitos pensam em desistir ou desacreditar no poder das entidades ou até mesmo em si próprio. Será que é tudo fruto de nossa imaginação?

Os primeiros meses o sentimento de inutilização de si mesmo é enfático, o “mentor” chega, você anda um pouco, mas não anda muito, não fala, mal abre o olho, a postura corporal quase sempre é a sua, você não bebe, não fuma, não faz absolutamente nada, realmente é um processo adaptativo extremamente chato, cansativo e por vezes, demasiadamente lento.

Mas é a evolução, é o processo evolutivo que todos nós temos que passar, assim como a lagarta passa por um doloroso processo ao se libertar do casulo e se transformar na borboleta, assim é o processo mediúnico com todos nós, seja na Umbanda, seja no kardecismo ou qualquer outra liturgia espiritualista, o processo de desligar-se do seu “Eu Material” e religar-se com o seu “Eu Espiritual” é vagaroso, penoso e muitas vezes frustrante.

Mas como tudo na vida, é necessário Foco, Força e Fé, como vemos em muitos posts em redes sociais, acima de tudo isso, a determinação e a crença em Si mesmo, a fé é algo relativamente intangível, mas a crença em Si e no Criador é o que faz toda a diferença.

Existe o post Firmeza de Cabeça (Ler Aqui) que ajuda muito nessa empreitada, mas agora prefiro partir ainda mais do começo…

Os seus chacras que são seus vórtices energéticos trabalham em velocidades altíssimas, e quanto maior sua evolução e sua busca pelos estudos, bem como certas práticas espiritualistas, tendem a acelerar ainda mais esses vórtices, mas como somos muito ligados à carne, eles tendem a trabalhar em velocidade reduzida, e quando iniciamos o nosso desenvolvimento, primeiro precisamos preparar o nosso corpo para vibrar de forma ao menos síncrona ou devidamente satisfatória com o plano espiritual para assim estabelecermos uma comunicação sem ruídos. Imagine quando você brinca de pular corda, a corda está rápida, você precisa saber o tempo certo para entrar na corda sem se “queimar” e pular de acordo com a velocidade que ela está rodando, é assim que também tentamos sincronizar com o nosso “Eu Espiritual”.

Existem formas para ajudar nisso, é regrar a sua vida, como o próprio mestre Jesus dizia: “Orai e Vigiai”, não adianta orar todos os dias se não vigia suas atitudes, não adianta pregar de forma sábia aos irmãos do centro e dentro de sua própria casa, bater em sua mulher ou filhos.

A conduta de vida é importante, pois ela é imprescindível para o seu nível vibratório e consequentemente sua “Forma-Pensamento”, claro que existem pessoas com muito mais facilidade que outras, isso vai de médium para médium, tem médium que se mata de beber na semana e chega no final de semana ainda dá uma excelente comunicação, isso depende de vários fatores que serão elucidados em próximos posts.

O processo adaptativo do guia com o médium se dá ao alinhamento da velocidade desses chacras, as velocidades devem ser parecidas para ocorrer uma acoplagem eficiente, por isso, muitas vezes, o movimento brusco da entidade ao irradiar o médium.

Podem perceber que isso com o tempo diminui de forma significativa, a acoplagem vai se tornando mais eficiente até chegar a um sincronismo perfeito.

Deixar de consumir carne vermelha, bebidas alcóolicas e sexo desenfreado não somente no dia que precede, mas manterem um resguardo referente a isso ajuda muito também, mas como cada pessoa tem o seu organismo físico, também tem o seu organismo espiritual, isso vai de pessoa para pessoa não tendo uma regra.

Importante salientar também que o guia não toma o seu corpo e seu espírito nem fica ao lado ligado pelo cordão de prata; E sim a entidade te irradia em seus pontos vitais para que possa assumir seu mecanismo motor, utilizando também seus recursos psicofônicos, ou seja, ele irradia seus chakras e assume todo o controle de seu corpo, com isso, IMPOSSIBILITA O DESLIGAMENTO TOTAL DE SUA MENTE o que de fato, exclui aquele assunto de MEDIUNIDADE INCONSCIENTE.

O começo da jornada é sempre difícil, sempre demanda tempo, dedicação e conhecimento, peguem um tempo para estudarem, conhecerem suas limitações e suas aptidões, e gradativamente, alcançaremos o que tanto almejamos: A Evolução Espiritual

Contudo, vale salientar que no começo, ver é normal, ouvir é normal, sentir dor é normal, sentir reações fisiológicas como os gases também é normal, o que vai te diferenciar de um médium medíocre para um médium produtivo é o seu grau de desprendimento e dedicação, eu sempre falo no blog, mais vale o grau de desprendimento do médium ao grau de incorporação, ambos estão de certa forma, intrinsecamente ligados, porém, existe o dia que sua irradiação não estará tão forte, em contrapartida, você tendo bom desprendimento, você mesmo pode assumir os trabalhos de forma eficiente.

E lembrem-se: A entidade utiliza o seu corpo como recipiente, se o seu corpo é fragmentado, sujo, pequeno espiritualmente ou até mesmo disforme, irrefutavelmente, a entidade terá que passar a sua mensagem nessas condições, e consequentemente, sofrendo influências do meio da qual ela utiliza como recipiente.
Em suma: Até o mel mais doce azeda em um recipiente sujo!

Meus sinceros votos de Paz e Luz

Neófito.

A Firmeza Do Médium e Locais de Incorporação.

Axé irmãos.

Vou tentar esclarecer um pouco mais porque o número de pessoas que recebem fora de hora ou se machucam com a mediunidade é absurda.

Vamos estabelecer alguns pontos de concordância antes de desenvolver o post:

1)  Médium firme tem que ter total controle sobre seu corpo, não EXISTE um espírito de Luz incorporar fora do centro espírita, se INCORPORA, ou é o médium ou é espírito de baixa vibração que o PRÓPRIO MÉDIUM ATRAIU. Isso é um FATO! Só uma ressalva, existe alguns raros casos, de vida ou morte ou de extrema necessidade que pode sim acontecer, mas não na escola, cara, trabalho por nada, sem justificativa.

2)  Espíritos de Luz não machucam, não arremessam, não batem a cabeça na parede, ISSO NÃO EXISTE!

O mecanismo de incorporação ou psicofonia, como gosto de chamar, ocorre quando baixamos a frequência de nossas ondas cerebrais, por isso, muita gente fala de estar em “alfa”. É uma frequência baixa onde ficamos mais acessíveis ao nosso inconsciente, onde despertamos a mente espiritual, entrando nessa frequência. Depois disso, dependemos do nosso sincronismo vibratório em relação ao nosso mentor, nossos chacras começam a alterar sua velocidade de rotação e ocorre o encaixe e pronto, nosso sistema motor bem como parte de nosso consciente foi tomado pelo espírito do qual vibramos.

Um link para entender melhor sobre ondas cerebrais, apenas uma síntese:
http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=ondas-alfa-fecham-cerebro-contra-distracoes&id=8262

Aí é que começa o fator importante da história, você entrando em estado de relaxamento, mas com baixa vibração, você abre portas para espíritos de baixa vibração também, aí é onde mora todo o perigo, você vai achar que está recebendo uma “Maria Padilha” quando tá recebendo uma “Maria Batalhão” e assim começa toda a brincadeira de mau gosto.

E tem o caso daqueles médiuns que se tornam fracos e suscetíveis a qualquer mecanismo mediúnico, aí começa a receber em casa, no trabalho, na escola, e uma coisa eu AFIRMO CATEGORICAMENTE, se não for caso de Vida ou Morte, eu DUVIDO que seja um mentor de sua corrente. Seus mentores são seus amigos, não querem te expor ao ridículo, não querem complicar a sua vida. Muitas vezes eu vejo na cartilha dos terreiros como vejo em muitas Igrejas, a Metodologia de Punição! Aquele Deus colérico capaz de condenar seu filho nas profundezas do Inferno se não seguir os seus mandamentos foi incorporado nos Exus da Umbanda.

Infelizmente nascemos nessa redoma crédula e ignorante que Deus “castiga”, quem dirá os nossos mentores, não?

Isso é falácia, irmãos, a espiritualidade trabalha em benefício próprio, se algum mal te ocorre, primeiramente será por carma, você procurou e pagará por isso, isso é um fato, mas não ocorrerá NUNCA no quesito incorporação, quem faz você pagar pelos seus erros são os Senhores do Carma e não seu caboclo ou preto-velho. A Intenção deles é evoluir, te ensinar e aprender com você e não te punir ou te envergonhar.

Tinha um médium na casa que qualquer coisa que ele fazia o Exu o deixava cego, no começo eu tinha muito medo disso, mas hoje se eu vejo além de eu dar risada eu digo ao camarada: “Amigão, para com o circo aí”.

Às vezes passo a impressão que não respeito mais a Umbanda, muito pelo contrário, o que eu deixei de respeitar é circo, é animismo exacerbado, é estudo de vício, isso sim eu deixei de respeitar, agora os guias, mentores, trabalhadores sérios da caridade, médiuns dedicados à causa, esses sim, ainda possuem todo o meu respeito.

Mas é importante salientar, dediquem-se e estejam de coração aberto aos ensinamentos dos mentores, TODOS NÓS SOMOS CAPAZES de obtermos esses ensinamentos, vai de como você quer sintonizar.

Tem outro questionamento muito frequente pra mim:

– O guia é pesado e ele demora vir e ainda me joga longe…

 Deixe-me tentar explicar:

 Existe sim, mentores que sua vibração é mais forte que outros, um caso muito comum são com os boiadeiros, além de possuírem grande força vibratória, ainda trazem consigo, a Força Física, o que de certa forma, influencia demais no mecanismo psicofônico. Antes dele chegar, o médium de saculeja todo, é jogado de um lado para o outro, isso pode até acontecer, não é muito agradável, mas pode até acontecer em médiuns em início de trabalho, inexperientes ou que não aprenderam a se firmar ainda, mas com o tempo, é o que eu digo, DEVE acontecer a sintonia e a “incorporação” ficar mais suave, mais tranquila, toda aquele vibração pesada da entidade vai diminuir com o tempo porque seus chacras estarão na mesma velocidade aceitável que os dela, aí fica mais tranquilo, o mesmo ocorre para a desincorporação, que com o tempo vai ocorrendo o “conhecimento” de como funciona seu corpo, e assim, não dá aqueles solavancos feios que denigrem os trabalhos em terreiros.

E é sempre bom frisar: A QUALIDADE DA INCORPORAÇÃO DEPENDE MUITO MAIS DE VOCÊ DO QUE DO MENTOR, SEMPRE!!!

Agora o mentor jogar longe, cabe ao babalaô ver qual é o problema, não é normal para médiuns mais velhos, ou é um baita de um egun do outro lado,  a vibração da casa é precária ou o médium não aprende como trabalhar de forma normal com a mediunidade. Para cada um dos casos, temos alguns métodos para melhorar:

Em relação ao egun: Mente firme, médium firme, o que ocorre muitas vezes, é o médium tornar-se vaidoso, depressivo ou até mesmo displicente com os preceitos da casa, com isso, começa a sintonizar espíritos da mesma frequência. O segredo é sempre, ESTUDAR, ESTUDAR e ESTUDAR, quanto mais conhecimento, menos propício a cair em ciladas espirituais, pratique sempre a humildade e o aprendizado, fases ruins, todos passamos, o grande problema é que alguns se afundam e deixa isso tomar conta. Mantenha sempre a mente no Altíssimo;

Vibração da casa ruim: Tem duas saídas, ou peça licença ou assuma a responsabilidade de conduzir os médiuns da casa a um patamar vibratório mais elevado, nem todos os babalorixás aceitam porque sua grande maioria é inflada pelo ego e pela vaidade, mas compensa conversar, expor o ponto de vista, ver o que pode ser melhorado na casa, se ele for humilde, vai pensar sobre.

O médium não aprender como lidar com a sua mediunidade: É o mais difícil. Como sempre eu digo, ESTUDE, ESTUDE e ESTUDE. Para isso tem o post “Firmeza de Cabeça” que contribui um pouco com esse árduo e difícil aprendizado.

Por isso Eles dizem: Não existe médium DESENVOLVIDO, o médium tem que sempre estar aprendendo e sintonizando com as mais sutis vibrações, é muito difícil, por isso, Jesus já falava lá atrás: “Orai e Vigiai”. Não adianta estar sempre orando, estudando se não vigia suas atitudes, se não praticas o que aprendes, isso é sempre importante ter em mente. Ore e Vigie.

Mas para fechar o raciocínio, se você tem algum mentor que te machuca ou te jogue longe, primeiramente procure em você se há algum erro, algum processo falho em sua firmeza, na sua conduta, tenta sempre meditar sobre isso, segundo, veja se outras pessoas do centro também passam por isso, se for o caso, temos um sério problema na casa.

Coloque em sua cabeça, esse negócio do mentor dar “peia”, “bater” pra valer no médium, é invenção ou você é um azarado em ser médium de espíritos ainda em baixa evolução, o que vai demandar mais trabalho de sua parte em “doutrina-los”,  que é algo que eu vivo discordando ou você está cedendo seu corpo para espíritos que não trabalham sob a Luz.

E como disse, se estão te pegando na rua, ou você está evocando direta ou indiretamente e não tá vindo quem tem que vir, ou você é uma antena descompassada para vários tipos de vibrações, para qualquer um dos problemas, firmeza em sua mente, força e discernimento de consciência.

VOCÊ ATRAI AQUILO QUE VOCÊ É!

Reflitam, Analisem, Observem. Deixem de estudar o vício e estudem a Espiritualidade, a boa conduta mediúnica e aprendam a acreditar mais em vocês, vocês são Portadores da Verdade Divina. Procurem-na.

Paz e Luz.

Neófito.

Papos Genéricos em Consultas

Namastê, mais uma vez aqui estou, para escrever mais um artigo sobre Umbanda. Tá muito complicado escrever novos artigos porque faz um bom tempo que não entro em terreiro por alguns motivos, muitos já supracitados e as dúvidas dos irmãos são sempre as mesmas, ou seja, as pessoas preferem perguntar a ler as páginas do blog.

Deu grande repercussão aquele “guia sobre charlatanismo” e resolvi escrever sobre mais alguns pontos sobre como ocorrem as consultas nos terreiros.

Primeiramente gostaria de salientar que tá cada dia mais difícil médium dedicado e consequentemente a isso, médium firme, eu mesmo não fujo à regra, conforme já conversei já escrevi, fui iludido por alguns vícios, principalmente mulheres o que me ajudou a desvirtuar do caminho da evolução, mas isso é passado, e é importante caminhar nas Trevas para reconhecer o Paraíso.

Minhas ultimas consultas com os mentores que suspostamente estavam incorporados seguiram um script totalmente genérico e com pouco fundamento, o assunto da entidade é são sempre os mesmos:

1)        Alguém no seu serviço tem inveja de você;

2)        Você tem problemas com alguém da sua família;

3)        Você tá passando por uma crise;

4)        Você tá com dores;

5)        Tá precisando de mais dinheiro;

É sempre o mesmo assunto, quem na vida nunca teve problemas com alguém da família? Esse negócio de inveja, sempre tem aquele infeliz do seu serviço que fala mal de você, poxa vida, tudo coisas óbvias que as pessoas que ali adentram ficam totalmente impressionadas.

Isso quando a entidade não te enche de questionamentos, ficam perguntando as coisas pra você, sinceramente, a Umbanda que eu conheci, os guias eram específicos e falavam de bate e pronto. Eu lembro em uma consulta com o S.R. João Baiano, de um médium da casa que eu era pai pequeno que hoje abriu o seu terreiro e disse a uma consulente:

– Você já trabalhou vendendo o seu corpo para sustentar a sua família né?

ISSO SIM É ALGO ESPECÍFICO.

Hoje eu vejo os mentores falando coisas que não AGREGAM em nada, pelo contrário, só deixa a pessoa mais preocupada, mais aflita, e para qualquer um que estude um pouco sobre a espiritualidade, que lê ao menos um pouco de Ramatís ou outros mestres, sabe que espíritos de luz não falam isso.

Você quer entrar em um terreiro para ouvir coisas boas, para aprender, para sorrir e não para ouvir que você tá sendo traído, que tem alguém com inveja de você, hoje eu vejo as “entidades” trazendo mais problemas que soluções, por isso, prefiro eu mesmo buscar sozinho as soluções, já que eu vou pra terreiro só pra saber de problemas, não quero entrar mais nesse tipo de vibração.

Muitos irmãos me adicionaram para conversar e vejo que isso não acontece só comigo, as pessoas vão aos terreiros e trazem ainda mais problemas, mais preocupações, e como confiam cegamente no que a suposta entidade falam, fica ainda trazendo para si mais vibrações deletérias e até mesmo cargas telúricas complicadas.

A maioria das pessoas que adentram em terreiros, são pessoas desesperadas por ajuda, ouso a dizer que muitas delas ignoram quaisquer tipos de conhecimentos espiritualistas, estão submersas ao estudo de vício, que entidades punem, que estão no mesmo patamar que nós.

O campo que vou entrar agora é um pouco complicado, mas vamos lá:

Existem entidades que preferem se “enturmar”, utilizando de artifícios terrenos, como brincadeiras sexuais, essas coisas para deixar a pessoa mais à vontade, isso é muito comum e até aceitável, isso ocorre mesmo, muitos brincam com o vício, que não vive sem cigarro, entre outras brincadeiras, o que é aceitável. Uma vez ouvi o Sr. Chico me dizer que ele vem como uma pessoa simples para que os humildes de coração não se sintam diminuídos ao falar com ele, para doutor falamos de um jeito e para o paciente de outro. Isso acontece muito nas sessões dos terreiros, mas às vezes isso ultrapassa o bom senso.

Quando o guia começa a puxar a língua do médium, começa a dar uns tapas, começa a queimar vela como punição, isso já começa a ficar muito suspeito, mas como o consulente é o necessitado, o desesperado, começa a achar aquilo algo normal porque está falando com “pessoas” que cuja única diferença é que está do outro lado da vida.

Isso eu já discordo veementemente, pra limpar precisa tirar a roupa, já vi exu-mirim comer casca de ferida, pelo amor de Deus né minha gente?

É muito triste mesmo o número de ignorantes que utilizam a roupa branca, muitos já me disseram que eu julgo demais, pode até ser, mas espiritualidade eu acho que é para pessoas inteligentes, você quer usar branco? Estude, estude e estude, dedique-se, hoje todo mundo quer usar branco e já se julgam o mensageiro dos orixás, muitos nem fazem os sacramentos previstos na Umbanda, usa branco e já sai dando consulta, isso sim, eu abomino, e novamente eu digo, ESTUDE, procure informações, tente falar com suas entidades, tente utilizar de meios de aprendizado, parafraseando um filósofo: “Grandes poderes, trazem grandes responsabilidades”, hoje o filho usa branco, um mês depois os guias estão fumando, três meses depois já estão dando consultas.

E é notório que a cada dia que passa, a Umbanda que eu conheci definha gradativamente, o que faz prevalecer qualquer graça que ocorre nos terreiros é o “Efeito Placebo na Umbanda” que será o próximo post. O poder da fé e da crença é muito grande, fora que ainda existe a frequência vibratória do consulente em relação ao terreiro.

Outro dia teve um caso de uma irmã que disse que o namorado incorpora toda vez que ele é contrariado, aí fica uma hora dando sermão pra ela, ou seja, que entidade desocupada é essa que fica se envolvendo em problemas conjugais, vir uma vez eventualmente para tentar solucionar o caso é uma coisa, agora vir toda vez, vir em bar, em casa, vamos prestar atenção né povo?

Recebi muitos e-mails das pessoas me dizendo que estou mais amargo, pessoas, eu sempre fui assim, o que está fazendo eu ser mais direto e claro é a indignação de cada e-mail que eu ando lendo, é incrível como existem tantos casos semelhantes, e isso me fez pensar que ao invés de ficar escrevendo só coisas bonitinhas, também devo escrever a verdade, tentar fazer as pessoas dependerem menos dos outros e confiar mais em si mesmas.

Tem pessoas que até pra comprar um carro precisa consultar uma entidade, e o livre arbítrio, pessoas? E o poder de decisão? O direito de escolha? O “errando que se aprende”? O pior de tudo, pessoas que dependem de conselhos de entidades que mal estão incorporadas, o guia lá em Aruanda e o médium fumando, falando um monte de besteiras.

Aprendam a FILTRAR o que ouvem e não CONFIAR em tudo, e prestem atenção no que as entidades falam, muita coisa GENÉRICA e OBVIA que acontece com todas as pessoas não atestam a veracidade daquela incorporação.

Não estou dizendo para perderem a fé, e sim para serem inteligentes e não acabarem como muitos irmãos de igrejas evangélicas ou até mesmo de terreiros, que vendem até o carro para fazerem trabalho porque o que a entidade fala é a VERDADE UNIVERSAL.

Breve Diálogo Sobre Incorporação – Parte II

Senhores, como eu havia dito, não revisei de forma apropriada o texto e para quem já leu, é estressante ler tudo novamente, então vou repetir alguns assuntos aqui brevemente para prosseguir com os demais.

Nome do Guia

Conforme mencionado, são muito relativos os nomes das entidades bem como o tempo em que elas se identificam se apresentam. Eu aconselho a muitos médiuns não procurarem muito sobre nomes de entidades na internet bem como suas áreas de atuação, formas de trabalho, entre outros fatores, porque infelizmente podemos ter admiração por algum, aquela vontade de querer trabalhar com ele misturar no processo anímico e na hora que sua entidade, de fato, der o nome, você pode se confundir e atrapalhar a comunicação nesse momento.

Sempre de extrema importância manterem-se distantes desse tipo de informação.

Outro fator importante é o fato de que para massagear nosso ego, o que é muito comum, queremos ter caboclos de penas até o chão, com um penacho de grande espessura como um rabo de pavão, é importante ignorar tudo isso, o meu mentor-chefe chama-se Urubatão da Guia, o mesmo não é cacique e sim pajé, e para estar na frente de outras entidades minhas que são caciques, é sinal que o nível hierárquico no outro plano, pouco importa. O Caboclo do Sol que é outro caboclo que eu servi, também nunca o vi com penacho até o chão e graças a Deus nunca deixou ninguém na mão.

Não adita ter um guia de grande Luz, de Grande Poder se o recipiente da qual ele deve trabalhar é ruim, o Sr. Tranca-Ruas costuma me dar um exemplo do copo, ele pega um copo de 500ml e um de 100ml, porém, ele deixa o de 100ml mais cheio, qual copo ao ser derrubado vai espalhar mais água no chão?

Outros também afirmam que só confiam no nome da entidade quando a mesma dá o ponto! Isso também é relativo, às vezes a entidade dá o nome na casa do qual o filho trabalha, mas não é afim com a energia da casa, então não tem o porquê dele “carimbar” com sua energia espiritual, o seu portal de evocação dentro da casa. E outra, esse negócio de ponto da entidade é muito relativo, hoje em dia é muito difícil achar um sacerdote apto a ler o ponto e confirmá-lo.

Conheço uma médium há oito anos, já presenciei excelentes trabalhos de seu marinheiro e sua caboclo e nunca, nunca deixaram o ponto e somente a cabocla se apresentou, Sra. Jurema Caçadora, mas também, nunca deixou seu ponto em lugar nenhum.

Outra coisa muito interessante para nossas mentes curiosas é ver a imagem de nossas entidades, tentem não se apegar a isso, porque quando a entidade se mostrar a você, E TODOS SÃO CAPAZES DISSO, você não a confunda com a imagem que você associou a ela em casa de imagens.

História do Guia.

Uma outra coisa que é muito comentado é a história do guia. Se o mesmo foi príncipe ou carrasco, se o mesmo foi benfeitor ou malfeitor. Obvio que é muito interessante sabermos a história daqueles que trabalhamos juntos, daqueles que estão em nossa convivência, mas nada melhor que eles mesmos lhe contar. Existe a história da falange, mas mesmo dentro da falange do Pena Branca, os guias possuem sua individualidade, seu próprio ciclo reencarnatório, sua personalidade, sua característica, então é muito melhor saber a história da sua entidade.  Um caso é o Zé Pelintra, eu já vi vários Zés e claro, tem o padrão brincalhão característico da linha, mas cada um tem a sua experiência, sua vivência e forma de trabalho, mesmo porque nenhum médium é igual e é ignorância negarmos que temos também parte da responsabilidade na comunicação.

Quantidade de Guias.

Só para concluir de fato o assunto, se a pessoa é filha de Iansã e Obaluaie, por exemplo, obviamente o forte da linha desse filho não será caboclo, e sim preto-velhos, boiadeiros e até exus. Ele pode ter dois caboclos e dez exus sem nenhum problema, claro, nem todos trabalharão com você, mas ficarão próximos e auxiliarão as entidades de trabalho em outras tarefas.

A quantidade de guias varia de acordo com a linha do médium, um filho de Oxóssi, consequentemente terão mais caboclos.

Não é um tema que precisamos estressar sobre o assunto, há médiuns que no longo de sua vida trabalha com cinco, seis caboclos e outros apenas com um ou dois. Vai depender da missão da entidade, dependerá também do patamar vibratório do qual ela está incluída, às vezes é a missão dela te acompanhar até metade da sua vida, te ajudar a amadurecer em certos aspectos ou abrir caminho para entidades de maior luz ou até mesmo ela evoluiu o suficiente para galgar novos degraus.

O que eu não gosto em muitos sacerdotes é delimitar e limitar seus médiuns pode ocorrer do médium não ser um médium padrão e o coitado já fica todo inseguro achando que é da cabeça dele.

Também tem uma lenda sobre não ter caboclos da linha de Pena Branca, Pena Verde, Pena Azul e afins repetidos. Quem cuidou muito de mim e trabalhou muito comigo foi o Sr. Pena Branca, infelizmente nunca mais o senti e comecei a sentir a presença de outro caboclo, eu vi inteiramente o cocar do caboclo e era todo Verde e uma amiga minha também o viu, logo, Sr. Pena Verde começou a estar mais ao meu lado. Já até veio algumas vezes.

É importante frisar, a pessoa pode trabalhar com um preto-velho, mas ter oito exus, a quantidade não é específica.

O Guia de Firmeza.

Todos médiuns tem o guia de firmeza, é aquele que nos sentimos mais a vontade para trabalhar e o melhor, é aquele que vem mais firme, que tem maior sintonia com nossa vibração, é aquele que chega com maior facilidade em nossa matéria e toma conta, a pessoa pode ter mais de um, obviamente e isso vai se tornando notório no decorrer do seu trabalho mediúnico. Isso independe de qual linha, isso é extremamente pessoal ao médium, tem médium que é o baiano, outros o caboclo, no meu caso, um dos meus guias de firmeza é o cigano Ramirez. É aquele guia que você se sente a vontade em trabalhar e não tem medo nenhum quando ele começa a falar, porque sabe que é aquele que faz e acontece. É importante salientar que isso não quer dizer que é porque o guia é poderoso, mas sim é o guia que você tem maior afinidade, geralmente é afinidade psíquica e vibratória.

Todos os médiuns possuem os seus guias de maior confiança, aqueles que você deixa trabalhar livremente. Também tem o fato do próprio médium se sentir bem em trabalhar com a entidade porque ela causa alegria aos filhos e assistência, quando a entidade é muito carismática, fazemos questão de trabalhar com ela porque também nos sentimos bem. É uma das graças da mediunidade consciente e semiconsciente, você também participa das atitudes de sua própria entidade.

Também tem o fator de alguns médiuns trabalharem bem com determinada linha, que eu exemplificarei no próximo assunto.

Função da Linha do Médium.

Como digo, nenhum médium é igual, os médiuns possuem predisposições mediúnicas e energéticas, existem os médiuns de cura, os médiuns de limpeza, os médiuns de consulta, os médiuns videntes, claro que podemos ter uma mistura de um ou outro, mas nenhum é 100% em todos os aspectos. Eu já percebi que meus guias trabalham muito bem com cura e cirurgia espiritual, mesmo porque, eu sou médium de cura, então tenho uma predisposição energética para que possam fazer bem o seu trabalho. Nunca presenciei guias meus fazendo mandinga com elementos, por exemplo, talvez não seja meu forte esse tipo de magia, mas também gostam muito de falar, muitas pessoas procuravam as entidades para conversar. No meu caso, eu sendo um médium de cura e de consulta, consequentemente a minha linha tende mais a esse lado, seja o caboclo, o baiano, o marinheiro, o cigano são guias com conhecimento de cura e consulta.

Existem os médiuns de limpeza, que quebram a demanda, consequentemente a função dos seus guias será mais propícia a isso.

Também tem aqueles médiuns que trabalham muito bem com qualquer exu que possam vir em sua matéria, seu guia de firmeza é o exu, como tem pessoas que são com preto-velhos, tem médiuns que para qualquer problema, é o preto-velho que assume e são com eles que esse médium trabalha muito bem. Independente de qual preto-velho, esse médium pode ter dois ou três preto-velhos muito firmes e dependendo do grau, podem vir sim em outras linhas para auxiliar em um determinado problema. Há sacerdotes que não admitem linhas cruzadas, ou seja, linha de caboclos e vir um preto-velho, já há casas que dependendo da situação, deixam com o que o médium trabalhe com o seu guia de firmeza. Vai depender única e exclusivamente da doutrina do centro.

A grande sacada é perceber a forma que seus guias trabalham para ter a devida certeza de qual é sua especialidade, suas funções e ir de cabeça nelas.

Meu irmão já é um médium que tem muitos exus, fazem trabalhos extremamente densos e telúricos, depois de um trabalho pesado, ele fica muito bem, fica tranquilo, quando certas entidades minhas trabalham com isso, eu absorvo um pouco e não fico tão bem. Claro que é algo que eu posso evoluir e aprender, mas não é a “minha praia”.

Então meus queridos, vocês possuem funções predeterminadas dentro do terreiro, tem médium que é uma PAREDE, é blindado, são os que podem ficar na porteira protegendo a casa, tem os de transporte, que possuem grande facilidade em dar passagens a eguns e outros espíritos que atrapalham de certa forma a vida de alguém, apesar de eu, ser totalmente contra o processo de desobsessão.

Comunicação.

Algo que eu ouço muito no blog é: Como você consegue ouvir? Como você consegue ver? Como eu faço isso?

Mais uma vez eu digo, todos os procedimentos eu compartilhei no “Firmeza de Cabeça”, todos os médiuns, claro, alguns precisam de maior dedicação e outros menos, mas todos nós, mediadores do plano espiritual e terrestre podemos sim, ouvir, vê-los, senti-los.

No caso da vidência, ela se dá de forma gradativa, primeiramente é esboçada uma pequena imagem em sua cabeça, e isso podem durar meses ou anos, você vê fragmentos em seu consciente, é como se imaginassem e na verdade não é imaginação, é o despertar da consciência espiritual que está se fazendo presente.

Você começa a “imaginar” como é o guia, começa a vir informações em sua cabeça e através dessas informações, você começa a projetar a imagem, gradativamente isso vai evoluindo até você conseguir vê-lo materializado em sua frente.

Repito, tem pessoas que já possuem essa predisposição, já nasce com isso nativo, mas nada impede que possamos aprender, evoluir e adquirir essa faculdade, todos nós somos animados pela mesma energia, a Energia Divina, então, em essência, somos TODOS IGUAIS, ou como diz um site que eu gosto muito, SOMOS TODOS UM.

O mesmo ocorre para a audição, para o olfato.

Toda faculdade para ser evoluída depende única e exclusivamente de nossa dedicação, claro, vida noturna, bebidas e mulheres, conforme falei no primeiro post desse ano, degrada e atrasa totalmente suas faculdades mediúnicas, é muita energia que você tem que lidar e prejudica totalmente a sua vibração com a Energia Cósmica, por isso, sempre bom andarmos na linha.

Eu ainda estou em desenvolvimento, sinto saudades do Neófito de 2010 que tinha resposta pra tudo, hoje as coisas estão mais difíceis, mas se já cheguei a um certo ponto, posso chegar novamente, assim como todos nós.

Namastê.

Neófito da Luz.