A Consulta (Ou não) no Médium Consciente

Um fraterno Saravá a meus irmãos de senda.

Primeiramente gostaria de agradecer aos e-mails que recebo, aos comentários do blog, essas palavras realmente me motivam a continuar escrevendo e continuar seguindo o que me é solicitado pelos meus mentores, estou totalmente aberto a críticas e sugestões para melhorar esse pequeno espaço que dedico a eles e a vocês.

Chegou a hora do seu guia trabalhar com o passe, responder às perguntas daqueles filhos que se prostram à sua frente, e aí meus amigos, como agir?

Muitos nem esperam esse momento chegar, o dirigente julga o momento e muitas vezes pega o filho desprevenido e aí meus amigos: COMEÇA A PELEJA!

Não adianta que não ouvirão vozes dos seus mentores, não chegará a dita voz soprando em seu ouvido o que deve falar ao assistente que está em sua frente, não meus amados, vão surgindo ideias e situações misturando-se a com a mensagem do mentor e a sua cabeça, aí está um grande desafio, aprender a diferenciar o que é da sua cabeça e o que é da entidade, esse é um processo extremamente pessoal, tem médiuns que demoram dois, três meses, outros levam anos, outros ainda mesmo depois de dez anos de Umbanda, ainda se confundem, é extremamente complicado determinar um prazo correto para o processo. Serei bem sincero a vocês, é uma fase extremamente fatigante, onerosa, muitos abandonam a Umbanda nessa fase por não quererem discernir esse louco processo que todos passamos por isso. A incerteza toma conta de cada segundo da sua incorporação, é terrível! Rs

No começo é complicado mesmo, é bem complicado identificar quando é um aviso do seu mentor e quando é imaginação de sua própria mente, mas insistam, vocês chegam lá.

No começo da incorporação, você terá solavancos, o que já foi explicado aqui no blog, o guia deve se acoplar ao seu processo vibratório, e como ele está em um patamar diferente do nosso, ocorre essa acoplagem abrupta causando um solavanco no corpo, uma coisa que eu odiava ouvir no meu processo de desenvolvimento mediúnico é: “

– Vem devagar, sem machucar o cavalo, pega o cavalo direito.

Isso é uma falácia, o processo é extremamente o inverso, é oneroso ao mentor espiritual a acoplagem, e assim como a metamorfose da lagarta para a borboleta é um processo custoso, também é custoso a equivalência vibratória aceitável para o processo de psicofonia (Ou incorporação, como queiram).

O Guia não tem e nem terá a intenção de te machucar, o solavanco não é porque ele vem te machucar e sim você que precisa se adequar a um patamar aceitável para o encaixe vibratório das duas vibrações, do jeito que muitos dirigentes falam, com o perdão da palavra, parece que os mentores espirituais são imbecis e não sabem o que fazem.

Mas voltando ao processo da incorporação consciente, apenas com o tempo vai ocorrendo essa acoplagem e as energias vão se afinizando, portanto meus irmãos, é extremamente natural o sentimento de constrangimento, de vulnerabilidade, o demasiado receio de estar fingindo e a preocupação constante com o comentário dos outros irmãos da corrente.

Muitos médiuns iniciantes também sentem-se confortáveis com a incorporação apenas quando é evocado pelo guia do dirigente ou qualquer outro responsável, ou seja, quando o mentor esfumaça com o fumo, como o passe fluídico ou até mesmo com outros métodos de facilitação da incorporação, mas chega um momento que temos que parar de em engatinhar e andarmos com as próprias pernas.

Não se esqueçam do animismo, isso é extremamente normal também durante o desenvolvimento, sim, é natural “copiarmos” o que as entidades dos mais velhos fazem, porque é nossa zona de conforto, por isso, nessa fase, somos totalmente presos a paradigmas e outros processos imitadores, seja uma saudação, um grito de guerra, uma chegada ou até mesmo algum trejeito de incorporação. Depois que vão adquirindo a confiança, vai mudando, muitas vezes o guia te pega de um jeito mais ameno mesmo, hoje o caboclo que eu trabalho dá um salto, antes ele mal pulava.

Sim, o bebês não imitam seus pais? Estamos nascendo para a mediunidade, então vamos copiar o que está ao nosso redor até criarmos nossa própria personalidade e desprendimento no assunto, não?

O outro processo complicado é deixar que o influxo espiritual do mentor tome conta, eu gosto por exemplo, de trabalhar com o Chico Preto que ele usa um cachimbo enorme, e eu como não fumo, chega um momento que eu fico tonto com as puxadas dele e fica mais fácil identificar quando é ele que fala e eu tento deixar a mente extremamente livre, quando vou vacilar no pensamento, penso na lua ou no sol, penso no mar, que são pontos estratégicos de força espiritual.

O post firmeza de cabeça me ajudou intensamente a discernir o que é o guia espiritual e o que é o Neófito, mesmo porque, quando você se torna um médium mais intuitivo, tanto faz você ou o guia falando, pois o acontecimento ou o fato é certo, vai muito do treinamento e dedicação do médium nesse processo.

Também é muito comum o guia perguntar algumas coisas no começo para o assistente, e depois de algumas perguntas, o médium toma confiança e deixa o guia engrenar ajudando, aconselhando e fazendo pequenas previsões. Mesmo porque é extremamente complicado para o mentor passar informações para o médium inseguro, lembrem-se sempre, somos extremamente ativos no processo da psicofonia (Ou incorporação, como queiram), a incorporação (Ou psicofonia) é de nossa total responsabilidade e não o contrário.

Um fator que vai acelerar demais o processo, é quando algo que o guia de vocês falarem e acontecer, sim, sem querermos ser hipócritas, mas isso dá uma bela massageada em nosso ego e o incentivo necessário para seguir em frente, o segundo item que auxilia nesse processo de confiança,  é quando durante a consulta ele falar algo que o assistente na hora vai consentir e confirmar que aquilo é verossímil, esses são dois fatores que AJUDAM EXACERBADAMENTE no processo de desenvolvimento mediúnico e consequentemente na confiança na psicofonia de vocês, isso também é relativo, depende do desenvolvimento do médium, das suas faculdades inerentes e consequentemente de sua seriedade e dedicação no processo, não é como uma escola que a cada ano você passa de série, tem pessoas que mudam de degrau em semanas, outros em meses e outros em anos, como disse, depende única e exclusivamente de vocês.

Existirão médiuns melhores sim, existirão aqueles guias que quando chegam, param a casa, e não digo no quesito “show de danças”, “show de piadas”, não, digo no quesito liderança, clareza nas explicações, daqueles que vão no íntimo de suas aflições, que falará com a sua alma, sim, ainda existem médiuns que são capazes de trazer isso à tona, são raros e antes que me perguntem: NÃO PRECISAM SER INCONSCIENTES!!! [RISOS]. Um outro fato, o guia vai pegar um pouco da sua personalidade e do seu aprendizado, obviamente, é difícil apagar na mediunidade consciente todo o traço de sua personalidade, alguma coisa ou outra vai “vazar”, isso vocês perceberão com guias que querem brigar, que querem exaltar uma graça, que querem mostrar que fazem e acontecem, ou seja, guias vaidosos tem muito a ver com o médium e nesse processo, digo com total veemência que é o médium “passando a FRENTE”. E só para enfatizar, NUNCA USEM SEUS GUIAS PARA FALAREM COISAS QUE NÃO POSSUEM CORAGEM DE DIZER, NUNCA!

Vivo enfatizando no blog, sejam bons recipientes aos seus mentores espirituais, estudem, preparem-se, eu diria que a Umbanda se torna uma religião demasiadamente complexa devido a todos esses transtornos que passamos durante o desenvolvimento, e confesso meus irmãos, nem todos conseguem passar, nem todos conseguem dar uma boa comunicação e isso não é culpa dos mentores, nunca!

Esses posts sobre o começo é mais uma referência para que não se sintam sozinhos, muitas vezes não temos coragem de desabafar esses problemas com receio de colocarem à prova nossos guias, a confiança de nossa incorporação, então aqui é o espaço para tirarem as suas dúvidas no ANONIMATO, muitas vezes essa falta de fé é um grande obstáculo e impede muitas vezes de um médium brilhante trilhar esse caminho, justamente pelas dúvidas, vergonha e até medo que encontramos em nosso caminho.

Mas não temam, isso é mais comum que imaginam, acontece aos milhares e eu diria com total propriedade que acontece esses mesmos fatos com 99% dos médiuns.

Um post que poderia auxiliá-los muito é esse aqui

Depois desenvolvo mais sobre o assunto para não ficar extenso.

Lack´ech (Tradição Maia: “Eu sou o outro você” ou “Eu sou você e você é eu”)

Neófito da Luz.

Anúncios

Breve Diálogo Sobre Incorporação I (Flashback)

Depois de algumas semanas de trabalho intenso, falta de tempo para revisar e compilar os textos e questões que me enviaram, aqui estou eu.

Depois de ter deixado meu e-mail no blog, recebi diversas perguntas sobre Umbanda, e calculando com um pouco de exatidão, 95% se resumiu em incorporação e liturgia. Baseado em diversas questões que foram bem parecidas, realizei um compilado aqui para expor a minha opinião sobre o assunto.

Vale salientar que eu irei expor minha opinião baseado em quase 15 anos de Umbanda, estudos e experiências, segundo o tempo de alguns irmãos, ainda estou engatinhando, tem irmãos com 25, 30 anos de experiência.

O grande incômodo dos mediuns é o nível de consciência.

Eu até hoje não conheci nenhum medium inconsciente, como já disse em alguns posts, todos os que me disseram ser, tive provas extremamente contrárias a isso, mesmo porque em termos de estudos filosóficos, místicos e esotéricos é praticamente impossível nos dias de hoje estarmos inconscientes, volto ao exemplo de iogues e outros místicos que podem meditar até por 12h e afirmam que sua mente objetiva ainda ficam em nosso plano, em nosso mundo, imagine nós, que temos apenas algumas horas semanais de dedicação ao centro.

Recebi um e-mail relativamente ofensivo que sobre o texto “Firmeza de Cabeça” onde afirmam que eu ensino a dar ekê (Gíria do candomblé para fingir uma incorporação), até respeito a opinião do irmão que me criticou, mas é muito fácil ser inconsciente no candomblé, o adepto só recebe o orixá, que só sabe vir pra dançar e falar algo útil que é bom, NADA! Muito fácil se dizer inconsciente no candomblé onde o orixá só precisa ter o famoso “pé-de-dança” que enche os olhos e o estômago mas não cala as aflições daqueles que ali adentram. Já conheci mediuns conscientes que curaram e até falaram o que o consulente precisavam ouvir, ou seja, ENFATIZO, mais vale o seu desprendimento na comunicação, na psicofonia (incorporação) do que o seu grau de consciência. Desistam de procurar o impossível, muitos mediuns perdem totalmente seu tempo procurando serem inconscientes e esquecem de estudar e trabalhar com o que tem. Na faculdade ouvi algo que eu nunca me esqueço, uma história que cabe muito bem com o que eu direi aqui:

“Na órbita espacial, era imprescindível escrever as rotas, o diário de bordo, entre outras coisas, os americanos investiram boa quantia de dinheiro para inventar uma caneta que escrevesse mesmo na ausência da gravidade, os russos, por sua vez, levaram lápis, onde o mesmo conseguiu cumprir o objetivo que era a escrita!”

Ou seja, meus irmãos, se o objetivo é a caridade, vamos procurar meios para isso e não desgastar centenas de horas focando algo que demandaria trabalho e poderia ser mais utilmente empregado na prática do bem e da caridade.

Repito, conheço mediuns conscientes que fizeram um excelente trabalho, que deram uma excelente consulta, a grande sacada é esquecermos de qualquer problema, focarmos apenas no nosso objetivo dentro do terreiro, a prática do bem e da caridade, cabe somente ao pai julgar e a nós ajudar, como disse muito bem Pai Guiné.

É claro, seria maravilhoso, incorporar, sumir, dormir, apagar e o guia trabalhar normalmente ajudando sem nossa intervenção e quando acordássemos, tudo resolvido, mas infelizmente não é assim e há algumas razões para isso. Eu mesmo já presenciei muitas coisas maravilhosas, com os “olhos” deles e isso é muito gratificante, já coloquei em um post no “Exú na Linha de Cura”.

O Guia não fala, não fuma, não bebe

No começo vemos tudo mesmo quando os guias não estão de olhos fechados, raramente falam, só gesticulam com a cabeça e gradativamente vão falando, vão trabalhando, no começo, raramente pedem bebidas ou fumos, dispensam qualquer oferecimento dos cambones, isso é totalmente natural.

Como um irmão disse: Meu guia parece inválido, não faz nada, às vezes nem anda.

Isso é muito bom, é um grande respeito que o mesmo tem para com você, ainda está se conectando ao seu corpo, vibrando na mesma ressonância que você, não abrir os olhos, também é o caso do próprio medium sentir vergonha em achar que está fingindo, isso é um mecanismo de defesa inerente ao todos os que estão desenvolvendo, mas é importante salientar que ALI já existe uma energia, mesmo que pouca, já existe uma energia e essa energia deve ser respeitada como a de um medium de 50 anos… A energia está ali, mesmo que incompleta, precisamos ser bons recepientes para que possamos captar com maior poder essa energia que nos anima, que nos irradia.

O caso de dispensar fumos e bebidas é justamente o mesmo princípio, a entidade ainda não está firme em sua matéria, ou seja, qualquer dano que possa ser causado pelo fumo e bebida afetará diretamente a sua matéria. Como forma de respeito e mecanismo de defesa, a entidade também veta a utilização desses elementos.

Em suma, você verá mesmo, o seu guia ficará calado, às vezes ele vai andar de um lado para o outro ou às vezes ficará parado, depende da forma que ele sincroniza e dispersa a energia, isso vai depender unica e exclusivamente do axé que você e suas entidades trazem. No meu caso, meus guias raramente sentavam e ficavam de um lado para o outro, no caso do meu irmão, ficavam parados e geralmente próximos à porteira.

Existem sim alguns padrões pre-estabelecidos, mas é importante salientar que nem todos os mediuns são iguais, assim como seus orixás e guias.

O desenvolvimento é uma experiência extremamente particular e deve ser vivenciada com calma, sempre interessante contar com a intuição e seguir alguns conselhos do “Firmeza de Cabeça”

Nome do Guia

Às vezes demoram dar os nomes, podem vir de uma forma e gradativamente vão mudando, vão encontrando melhores formas de posicionar e sincronizar os nossos chakras, com o tempo podem mudando a voz, o sotaque e assim vão evoluindo no sincronismo entre espírito e matéria.

Os caboclos e boiadeiros também podem mudar a forma de chegar, mudando os brados ou até mesmo a postura de chegada e saudação ao altar, tudo no Universo evolui e nossa incorporação não foge à regra. O Sol nasce pra todos, ninguém fica sem brilhar, assim é a mediunidade se mantivermos total dedicação.

Não sou nenhuma exceção, hoje consigo ouvir, sentir e até ver não com tanta facilidade, mas consigo, isso é fruto de dedicação e empenho, sejam sinceros de coração e confiem em suas intuições.

Alguns guias demoram anos para dar os nomes, outros meses, outros semanas, também é muito relativo, conheço mediuns que já trabalham com certas entidades há 3, 4 anos e ainda não deram o nome.

Como eu digo e já seguindo a Teoria de um grande Cientista chamado Einstein: Tudo é Relativo!

O meu mentor-chefe demorou quase 10 anos para se apresentar, vinha raramente, quando vinha, fazia seu trabalho e ia embora, o meu guardião-chefe seguiu o mesmo padrão e depois confirmei o nome dele nos buzios do babalaô da época.

Quantidade de Guias

Outro tema extremamente estressado nos questionamentos, muito se ouve dizer que cada um tem sete guias, eu já discordo um pouco dessa afirmação, dependendo dos orixás que você traz, significa que você tem um certo tipo de Axé e consequentemente uma missão, tem pessoas que trabalham com o mesmo caboclo a vida toda, raramente chegando a incorporar o segundo. Outros mediuns trabalham muito bem com um ou dois caboclos dependendo do trabalho e outros também trabalham com um terceiro que raramente dá o sinal de vida. O mesmo acontece com outras entidades, já vi mediuns muito firmes trabalhandio até com o quarto caboclo, obviamente não ocorre um rodízio, são entidades que chegam uma ou duas vezes ao ano. Mas é importante salientar aqui que não há regras, um sacerdote que eu conheci, trabalhou até com cinco baianos no decorrer da vida dele. Isso vai dependendo muito do tipo de missão que você veio prestar no plano terrestre, o Cosmico designa as entidades certas para isso. Tem pessoas que tem missão de abrir uma casa, possuem até oito ou nove exús, que descem, dão o nome para firmeza e para construção da tronqueira e não precisam mais dar a comunicação em nossa matéria.

Para não ficar muito extenso, vou dividir em mais posts.

Desculpem-me a demora, criança pequena, excesso de trabalho e relacionamento me ocupam grande tempo! Rs

Ainda não revisei como gostaria, mas precisei “despachar” logo o texto pelos pedidos!

Aranauam

Neófito da Luz

Mediunidade ou Loucura? A Mediunidade Consciente!!!

Axé amados irmãos.

Quem de nós no ato de uma comunicação não nos deparamos com a seguinte pergunta: Será que estou incorporado? Será que sou eu? Mas o que é isso?

Isso afeta 100% dos mediuns na Umbanda, já foi muito comum, a mediunidade inconsciente, mas como sempre afirmo no blog, isso está cada vez mais raro segundo alguns, segundo o Neófito, isso foi extinto!

Sim, não acredito mais em pessoas que falam que não lembram de nada, isso é absolutamente impossível, inegável lembrarmos de alguns tópicos ou dependendo de como foi a comunicação, lembrarmos de tudo, vale salientar que isso não quer dizer que sua comunicação foi mal realizada. Também é INEVITÁVEL em alguns momentos, conseguirmos “passar a frente” das entidades, sim, meus caros, isso pode acontecer, mesmo estando em um estado alterado de consciência, podemos a qualquer momento, “cortar” esse processo.

Por esses motivos, temos que esquecer problemas pessoais, esquecer quaisquer mazelas que deixamos do lado de fora no terreiro, porque o canal de comunicação é sutil, e como seu corpo e dotado de meios seguros de sobrevivência, não apagamos, ficamos sempre em um onírico estado de alerta.

Naturalmente nós que estamos iniciando a caminhada mediunica, é imprescindível acreditarmos que estamos realizando a comunicação, a incorporação, temos que acreditar, isso é uma máxima; Vejo muitos mediuns segurando o processo ou até mesmo desconfiando, o que desacelera ainda mais o mecanismo mediúnico da “incorporação”.  A principal causa dos mediuns iniciantes segurarem é que não querem mistificarem, não querem enganarem a si, aos irmãos e aos consulentes, vejo muitos mediuns falando: “Eu tenho medo de fingir”.

Primeiramente, temos que ter consciência de nossa dedicação, nosso empenho e acima de tudo na Fé em nossos guias, se estamos ali de coração aberto, de coração limpo e receptivos às vibrações sutis e verdadeiras do Universo, você NÂO ESTARÁ ENGANANDO NINGUÉM, VOCÊ NÃO ESTARÁ MISTIFICANDO. Se deu vontade de pular de joelho, o faça, se ocorreu a vontade de dar um belo grito de guerra, o faça, deixe a vibração tomar conta de cada cm do seu ser, deixe a energia do seu mentor fluir sobre seus chakras, tenha fé nessa comunhão, nesse sincronismo energético. Se sentiu vontade de dançar, dance, de girar, gire e qualquer excesso, tenho a certeza que seu dirigente terá o discernimento e a didática de te informar se algo não for de acordou com a doutrina da casa.

NÃO SEJAM TÍMIDOS, NÃO TENHAM VERGONHA, é natural no mecanismo de incorporação, durante o começo da jornada, o mentor mudar um pouco a aproximação, a vibração ou até mesmo a forma de chegar, isso é totalmente natural, às vezes até pensamos ser outra entidade, mas muitas vezes não o é, é um processo de adaptação, a acoplagem fluidica do corpo espiritual ao corpo material ele tem um custo, e esse custo deve ser minimizado para que ambos sejam beneficianos desse processo e consequentemente, dando uam comunicação firme e confiável.

A Grande sacada para facilitar todo esse processo é CONFIANÇA! Confiem em quem os acompanha, pelo menos eles, temos a certeza que quererão o melhor de vocês. Sigam o post “Firmeza de Cabeça” tão conhecido aqui no blog.

Não hesitem quando sentir vontade de dançar, girar, fumar, repito, liberem esse fluído energético maravilhoso e se deixem levar pela vontade, pelo processo de acoplagem de seus mentores, retire o sentimento de dúvida, tenham fé, bom senso, amor e ACIMA DE TUDO: A VONTADE, que é o que eu sempre digo no blog, a Vontade é a Energia Divina Manifestada. Querer é Poder!!!

Muitas vezes pensamos que somos nós, isso é um processo que infelizmente o acompanharão em grande parte da vida, somos mecanismos principais do processo de incorporação e, infelizmente, somos falhos, o que significa que algumas vezes, esse processo também será falho, não é uma EXATA, a incorporação depende de vários fatores, e a principal, é a sua mente, o que  nem sempre está 100%.

Sempre enfatizo no blog a importância da dedicação e do estudo, conheço pessoas que só conseguem proferir uma palavra de carinho ou de amor, incorporado, desculpem-me e sinceridade, esse tipo de medium não passa de marionete!

Temos que ser princípios ativos de nossos mentores, afinal, trabalhamos com eles e é nossa obrigação propagar e perpetuar seus ensinamentos, nem sempre temos a disponibilidade de incorporar para poder proferir uma palavra amiga, e com isso, você vai pedir a esse necessitado esperar uma semana para poder falar com um guia seu?

Isso será assunto para outro post, o escopo desse é sobre a incorporação, essa inexorável dúvida presente em todos os mediuns da Umbanda, e eu digo com total verdade, ACREDITEM, o estado alterado de consciência existe e quanto mais liberdade vocês fornecem a ele, mais graças poderão presenciar, e isso é indizível!

Não estão loucos, estão apenas influenciados e irradiados pelos nossos irmãos espirituais, nossos companheiros de jornada, são nossos mentores, mas acima de tudo, nossos irmãos, amigos e grandes companheiros de Senda, que visam o aprimoramento de todos que os cercam, seja de seu aparelho (cavalo, burro, medium), seja do consulente e ou de qualquer um que os cercam!

A mediunidade existe para a propagação do bem, para o auxílio aos encarnados, a Umbanda atua de forma presente no mundo físico, no mundo material da pessoa, é nela que são depositadas a confiança dos necessitados, é nela que está o imediatismo, a possibilidade de uma resposta imediata para nossos problemas, é nela que existe o amparo, a doação e a caridade, e você, meu querido medium, foi o escolhido pelas hostes cósmicas para a realização desse trabalho. Você foi convocado e agraciado por esse dom divino de ajudar simultaneamente os amigos espirituais e os carnais, então faça disso, o seu propósito, o seu objetivo, não temos espaço para dúvidas, para descrenças, para a loucura e sim para o objetivo de se conectar ao Bem Maior!

Seja a propagador da Fé que você foi destinado, ou o propagador da justiça, o propagador da força, do amor, da transmutação, da cura, do conhecimento, ou de qualquer outra vibração divina da qual você foi confiada.

Seja você consciente ou semiconsciente, faça desse trabalho o propósito da vida de quem te procura, seja aquele que muda, aquele que consola, aquele que ama, isso só depende de você, se não confia que está incorporado, confie que Deus destinou a você a capacidade de propagar a Sua misericórdia, então durante sua incorporação, ACREDITE, ORE, SEJA UMA FERRAMENTA DE SUA GRAÇA, afinal, a limitação é apenas na cabeça de vocês!

A Consciência é um Presente para Você Testemunhar que Você é Dotado do Poder de Mudar!!!

Paz e Luz.

Neófito