Uma Palavra do Exú Mangueira

O tempo é senhor da verdade e no tempo certo ele punirá que se atreveu a caminha na falsidade, desonestidade e deslealdade e premiará todos que não se afastaram da verdade, honestidade e sinceridade.

Não vire as costas a seus amigos ou a quem lhe estendeu a mão um dia, para quem te der  as costas, saiba que perdeu muito mais que um amigo.

Na existência da vida, nada é ou será construído ou conquistado sozinho, sendo assim, para chegar ou vencer conquiste e preserve amigos.

Folha seca não serve nem de adubo se for levado pelo vento. Pessoas que se deixam levar por palavras que não fazem sentido, nunca encontraram sentido em suas vidas.

O respeito dos outros somente será conquistado quando você aprender a respeitar  e aceitar você como você realmente é.

Não pense em ter mais, novas conquistas em sua vida somente haverá e acontecerá quando você aprender a valorizar e a preservar o que já conquistou. Sem isto, as conquistas nada somaram, pois nada haverá a ser somado. Ganhar e perder, nada valem, não importa quanto ganhe sempre se sentirá derrotado. Mas se você preservar suas conquista, por menos que conquiste sempre  será visto, respeitado, valorizado e se sentira um grande vencedor.

Exu não tem sentimento, tanto faz “bater” ou “derrubar”, cumprimos nossa missão e temos prazer em fazer com  excelência. Mas isto, não quer dizer que não tenhamos apresso ou apego. A quem demonstra valor, respeito e reverencia nos apegamos.

Não é justo ou verdadeiro derrubar quem esta no chão. O bom é derrubar que acha que esta bem  alto e quanto mais alto melhor. Se merecimento tiver, vamos elevá-lo no ponto mais alto, só para ouvir melhor o barulho do tombo.

Não importa quanto caído esteja! No seu merecimento, na sua reverencia e respeito,  vamos ter força  para  tira-lo do buraco mais fundo que possa existir e levantá-lo ao ponto mais alto que você faça por merecer.

Exu é o mais dedicado servo do criador. Pois abriu mão de caminha na luz, para ser a mão e os olhos que ampara os perdidos,  que por conta do sentimentos negativos estão na estrada da escuridão que não leva a lugar nenhum. Só exu pode nos reconduzir a luz, só ele conhece o caminho de retorno!

Exu não é amigo ou inimigo. Ele é a verdade, o caminho, o mestre, o caminho.  Não tem dó ou piedade, fará tudo que for necessário para que tenhamos em nossa vida o merecimento que fizermos pro merecer.

Não encontrei o autor.

Anúncios

Um dos grandes ensinamentos do Sr. da Meia-Noite

Um exú que muito admiro, muito raro, porém de extrema competência, sabedoria e postura, aqui vai um texto sobre ele escrito por Alberto Ebomi

Consulta com Exú e Pomba Gira deveria ser sempre assim:

Boa noite, vocês estão aqui para ouvir e eu vou agradecer a quem escutar. Quando se vai em algum lugar, se deve levar alguma coisa boa. O que se recebe em qualquer lugar corresponde ao que você leva a ele.

Gosto do trabalho aqui… hehe, só chegam perto de mim santinhos… Ihahahahahaha!
Dizendo para minha banda que nada fizeram para merecer da vida o que tem vivido e que Exú dê um jeito para abrir os caminhos. Para esses dou a minha melhor gargalhada!

São seres de dupla medida: uma para si outra para as coisas que os contrariam. São seres medrosos que esquecem que deles mesmos depende as decisões e consequências.

Muitos vêm até a minha banda querendo isso ou aquilo e nada de realmente bom e perene nos trazem.
Trazem lamúrias, trazem queixas, trazem pedidos. Mas dificilmente nos trazem aceitação, renovação, dedicação ou gratidão verdadeiras.

Muitos nos oferecem coisas perecíveis e passageiras para que possamos dar jeito de ajeitar suas vidas, camuflar as falhas que cometeram ou para satisfazer caprichos tratando a banda como mercenários a seu serviço. Pensam que o céu é para eles e para Exu só as podridões.

Dizem respeitar a banda porque querem nossos favores. Dizem respeitar a banda apenas porque tem medo do que a banda possa fazer.

Dizem respeitar a banda, mas ao menor embaraço começam a debandar e caçar outros que façam por eles o que eles mesmos não tem a ousadia de fazer. Dizem respeitar a banda e nos tratam como empregados a soldo de marafo e outras coisas. São seres que não sabe bem o que querem e exigem que Exu saiba. Exu sabe e por isso Exu faz! Porque quem sabe faz, e o que não sabe fazer, pede.

Trocamos, sim. Porque são ingratos e petulantes e pensam que o que vale nada, nada vale! São seres que querem por mágica que a banda dê jeito de melhorar suas vidas. Sem que nada tenham que melhorar em si mesmos.

Querem resguardo, pedem guarida para se manter pomposos e orgulhosos nos caminhos tortos que gostam de andar. Cheios de empáfia e sem a menor vontade de fazer algo por alguém. E nem tem vergonha de vir pedir para a banda fazer o que eles mesmos não fazem! São seres que acreditam que podem comparar Exu com umas porcarias que para nós nem tem muito valor. Por serem ovelhas que só querem o sustento de suas vontades. Seguem ao primeiro sanar qualquer necessidade. Achando mesmo que como são assim, Exu também, tem que ser.

Sem nem pestanejar entregam qualquer coisa que a banda quiser desde que consigam o que desejam sem para isso ter que se esforçar. Por isso tem muito rabo de encruza por aí a se fartar. Achando que o céu é perto, nenhum nem o outro quer se consertar.

São seres que dizem Laroiê sem fé e sem razão e Mojubá sem disso ter qualquer convicção. Para esses, meus ganchos são afiados.

Pedem proteção da banda para continuar os desmandos e com isso pensam poder continuar sem rumo ou comando abusando da liberdade que tem. Achando que cobrir um erro com outro vai fazer o acerto. Querem que Exu sempre fortaleça aquilo que não é conquista deles. Batem no chão e no peito dizendo: Eu tenho Exu! Será que nos têm mesmo ou somos nós que os temos?

Então, já que vem visitar minha banda trate de trazer o melhor que tiver. Não é marafo, não é charuto e muito menos sangue de piá! É ao menos a vergonha na cara, de vir para se melhorar. Se vier pedir demanda, demanda vai levar. Não aquela que pedir, mas aquela que eu mandar. Porque se seu coração é negro não sou eu que vou te clarear. Iahahahahahahaaaa!

Ganhei uma nova estrela e um potente cajado e garanto que não foi por ter ocorrido das lutas ou abandonado meu comando.

Então se vem até a minha banda, traga algo que preste, porque posso até facilitar alguns trajetos, mas, não vou desonrar minha jura a quem em mim confiou para manter o equilíbrio da minha banda.

Boa noite que já vou me retirar e no meu reino vou te esperar. Pense bem quando vier aqui me procurar, tenho pressa, ando rápido e posso muitas coisas estar fazendo. Então não gaste meu tempo com bobagens que você mesmo pode resolver.

Ajo rápido, ando longe mas não gosto de falação. Guarda bem o meu conselho. Respeite a si próprio e num vai ter do que reclamar. Se quer o respeito da minha banda, seja você o primeiro a se respeitar.
Salve o Grande! Porque é o Grande que mais pode! Salve a Minha Banda!

Agradeço a quem ouviu e agradeço mais a quem me escutou. Boa noite!

Essas sábias palavras servem para todo o tipo de gente, principalmente aqueles que pensam que Exu não é entidade e sim um amigo que lhe resolve tudo, que lhe dá o homem ou a mulher que deseja. E não é bem assim que as coisas funcionam, Exu é uma entidade que deve e muito ser respeitada. Eles não são nossos amigos de escola ou do trabalho que conversamos como se não fossem entidades. São entidades poderosas que podem virar tua vida de cabeça para baixo através das menores das brisas.

Bem… cada um reflita sobre si e veja se estas palavras não tem razão em muitas coisas!!!

Salve a Vossa Banda
Laroyê Exu,
Exu é Mojubá!!!

Curando Suas Mazelas com Exús

Era mais um dia de trabalho na tenda umbandista, iniciou-se os trabalhos com a linha de caboclos, onde comumente são os que iniciam o trabalho na sessão desse templo. Por regra da casa, são os caboclos que efetuam os passes fluídicos nos filhos da assistência que ali adentram. Calmamente um a um vai adentrando no espaço de trabalho e recebendo os fluídos benévolos da linha de caboclos.

Enquanto todos os filhos incorporados e ocupados com os assistentes, uma senhora em seu silêncio esconde uma dor inimaginável, ela sofre em silêncio aguardando alguém que possa apaziguar sua aflição, mas ela não fala ninguém sabe, para todos, é apenas uma pessoa em busca de um conselho ou um passe.

Começam as curimbas para a subida dos caboclos, um a um esses bravos e maravilhosos irmãos deixam seus aparelhos, e consequentemente o recinto físico da casa.

Começam-se os pontos para os baianos, o louvor aos baianos é sempre entoado com grande festa e expectativa, são os nossos queridos camaradas que nos ajudam aconselhando e batendo um papo descontraído fazendo-nos esquecer nossas aflições que ficaram de fora desse humilde trabalho.

Um a um os assistentes vão conversando, tirando duas dúvidas e solicitando conselhos, e essa senhora, não fugindo da regra, também o fez. Mas algo a incomodava, mas ela talvez preferiu manter o silêncio.

Durante os trabalhos dos baianos, a gira descontraída, fui tomado por um êxtase inexplicável, eu não sou muito a favor de trabalhar com a linha da esquerda, confesso, não por preconceito ou porque gosto de menosprezar essa fantástica linha de guias, mas por opção e afinidade talvez.

Um baiano a chamou e foi onde ela começou a mancar, começou a chorar de dor, dizendo que estava com problemas nos rins, na perna esquerda e no braço direito, sentia muitas dores na coluna também.

Sinto a vibração do Sr. Marabô e me pergunto qual é o propósito de senti-lo em uma gira de baianos, além disso, qual é o propósito de senti-lo se eu mesmo sentia que os trabalhos corriam muito bem e sem maiores complicações?

A Vibração ficava mais forte, até que eu não pude segurar, como sou um médium semiconsciente, passivamente participei do trabalho dele e atento gostaria de saber do porque de sua aparição. Eu, já sabia que ele é uma das entidades que sirvo que atua enfaticamente na linha médica, mas qual o motivo para sua presença ali? Mil coisas se passam na cabeça, até achei que algum filho seria repreendido ou estaria ali alguma presença que por algum erro deixaram passar… É incrível como o tempo é relativo, em questão de segundos, veio um turbilhão de indagações em minha cabeça, até que…

– Tu, mocinha, venha cá! Disse ele.

Ela atônita e assustada faz com o dedinho indicador da mão direita em relação ao seu tórax, como quem diz: Eu?

– É, você mesma! Me acompanhe.

Vagarosamente a mulher o acompanhou e a levou para outro setor dentro do centro, um setor mais calmo para trabalhos mais tranqüilos. Com ele, foi chamado mais dois médiuns, que eram de Iemanjá por sinal, para acompanhá-lo no trabalho.

Chegando ao recinto, ele mandou pegar quatro bancos e ordenou a cada uma das filhas:

– Eu quero a linha de preto-velhos aqui, preciso fazer um trabalho conjunto com o início da cirurgia que irei prestar, portanto, firmem a cabeça que eu quero suas vovós aqui.

Enquanto os médiuns se preparavam para efetuar a comunicação mediúnica, ele já sentou, pediu a sua adaga, o marafo, seu charuto, e começou os trabalhos.

Lembro-me que uma preta-velha ficou posicionada ao lado direito dessa filha, outra ficou na parte posterior e o Sr. Marabô ao lado esquerdo, e iniciaram a triangulação terapêutica sobre a filha.

Foi solicitado mel e um chá de ervas, como temos essa disponibilidade no centro, fica muito mais fácil quando se existe uma urgência. Assim que esse chá de ervas e mel foi preparado, foi solicitado ao cambono ministrar três colheres na boca da senhora.

– Funcionará como anestesia, minha moça

– Espero, senhor, a dor é indescritível

– Tenha paciência, agirei em três frentes com você, você receberá passes fluídicos nas áreas menos graves, como seu braço direito e sua coluna, mesmo assim, teremos que fazer um tratamento de seis sessões, sua coluna deve-se a um reumatismo que iremos remover com o tratamento, o cansaço de sua perna deve-se a energias deletérias que serão excluídas de seu corpo, assim como seu braço direito.

Com o punhal na mão ele continua:

– A situação mais sensível é o seu rim, terei que fazer uma cirurgia psicossomática nele e te receitar alguns chás, tenha paciência que em duas luas será solucionado seu problema.

Após alguns minutos, ela dizia sentir uma pontada muito forte na dor, em contrapartida, estava tendo um alivio, uma espécie de formigamento em todo o corpo, e o preparado com o mel anestesiou um pouco suas dores, nisso, já se ouvia ela dizer: Graças a Deus, que Deus abençoe vocês.

Durante o trabalho, Sr. Marabô não parou, muitas fumaçadas de charuto ao redor da paciente, muita conversa, dizem que ele acalma muito os seus pacientes, contanto piadas e brincando, atuando também no corpo mental do paciente.

Durante o trabalho ela perguntou:

– Que estranho exu fazendo cirurgia e cura, vocês não são da encruzilhada e servem pra proteger o terreiro? Disse ela.

– Sim, a linha de exu em geral possui essa característica, mas tive um ofício na terra, que por sinal era médico, por não me achar digno de ainda caminhar na luz, caminho nas trevas, onde me sinto mais útil, e além de trabalhar sim, com a defesa do centro, pois eu também sou um exu que é firmado na tronqueira, eu também trabalho paralelamente com outros guias desse menino para atuar com a cura.

– Interessante, disse, nunca conheci um exu que trabalhasse com cura.

– Talvez você já conheça, ele apenas não se plasma dessa forma a você, dando uma gargalhada ele retruca.

Com isso, ele passou pela última vez sua adaga e disse:

– Minhas velhas, agradeço, o primeiro estágio da cirurgia foi concluído.

Nisso as preta-velhas que participaram ativamente da doação fluídica, de todo o magnetismo energético, trocando más energias por boas energias, também devagar foram desocupando seus aparelhos e fazendo com que as médiuns voltassem a si.

Disse a paciente:

– Obrigado senhor, vocês foram uma benção, eu andava com dificuldade pela dor, e agora consigo andar sem incômodo no rim ou na minha costela, vocês são uma benção, obrigado a você Exu.

– Agradeça a Deus, pois ele que deu a oportunidade para você aqui se curar e eu aqui atuar.

Com isso, a mulher foi levando muitas outras pessoas com problemas de saúde e com a graça de Deus, as graças também foram alcançadas por ela, e sinto-me muito feliz de ter sido um instrumento para essa benção e muito honrado por servir a esse Exú e a toda a Benevolência Cósmica.

Comentários:

Algumas lições tirei com isso, alguns dizem que exus só podem trabalhar no escuro e não incorporam com a presença da direita, percebe-se que isso é um mito, ele só não veio durante um trabalho da direita, como também não foi chamado, mas para atuar na Lei e praticar a Caridade tão pregada nos templos, ele veio em nome da urgência que ali existia.

O exu não é apenas uma entidade de encruzilhada ou de porteira, exu tem fundamento, exu tem Luz, exu tem conhecimento, portanto, também existem exus que possam atuar na cura, que também pode atuar com energias mais sutis.

E muitas escolas dizem que exu é um exu de Xangô ou Oxossi, o meu é um exu que vem na vibração de Iemanjá. E pelos meus ensinamentos, como os guias de Iemanjá trazem o poder da cura, não é nenhum pouco surpreendente que o exu que “ela escolheu” em minha linha, seja um digno mensageiro da vibração dela.

Saravá os Preto-Velhos

Saravá Sr. Marabô

Saravá os Exus

Saravá a Corrente Médica

Namastê

Neófito da Luz

Jogo Rápido: Doze Coisas Sobre Exús que não devemos esquecer

 

  1. Exú de Umbanda não aceita oferenda com sacrifícios de animais;
  2. Exú Pode trabalhar com água, isso não é problema algum;
  3. Exú não precisa trabalhar no escuro, exú não precisa trabalhar com roupas escuras;
  4. Exu usa preto por ser uma cor que absorve outras energias, também serve como repelente de más energias segundo as mais antigas crenças;
  5. Nem todo Exú se veste de preto, como já relatei no blog, muitos usam roupas de outras cores;
  6. Vibração Exú é um é um desprendimento divino, o guia exú, aquele que vem, fala, trabalha em nossa matéria é outro assunto, ambos estão intrinsecamente ligados, porém um é energia, vibração e outro é o espírito que atua nessa vibração;
  7. Exú exprime o que possuímos no nosso âmago, portanto, se policie, se vigie;
  8. Exú não tem necessidade de escrever sempre seu ponto riscado ou dar seu nome, mesmo assim, ainda pode dar seu nome errado;
  9. Nem todo Exú usa capa, cartola ou cajado, existem outras linhas de exús que podem se apresentar de formas animalescas, não no pior sentido, e sim por possuírem certos tipos de resgate a serem realizados;
  10. Exú possui o seu determinado campo de atuação, seja mata, pedreira, calunga pequena, calunga grande, almas, entre outros portais naturais do nosso Plano, nem todos aceitarão a oferenda no cemitério ou encruzilhada como muitos dizem;
  11. Exú, seja trabalhando na Quimbanda ou na Umbanda, independente de como é cultuado na sua casa, não é necessário que os mesmos virem de costas para o altar, pois ambos são trabalhadores da Lei Maior, seja atuando nas trevas ou não;
  12. Exú não é Escravo do Orixá e sim um trabalhador de sua Vibração Natural;

Liturgia da Linha de Exús

Saudações irmãos.

Ainda continuando com a minha experiência no último terreiro que eu visitei, do qual me relembrei de vários tópicos, um deles é a forma que é composta o ritual dos exús.

A primeira delas, é cantar para exú de costa pro altar, algo que já mencionei no blog, respeito as casas que ainda praticam esse culto, porém, discordo veementemente pelo fato de Exú também estar na Lei, independente do polo do qual ele trabalha, que é o polo negativo, para muitos, isso tem denotação pejorativa, o negativo aqui é o polo da força e não que é uma força ruim ou acintosa, perniciosa, entre outros adjetivos que denotam malevolência. É como a energia elétrica, a corrente só é transmitida em sua plenitude quando é unido os dois polos, positivo e negativo para que ocorra a corrente elétrica, assim é a Força Cósmica, o Yin-Yang, tudo é composto pela dualidade, e a Umbanda não fugiria desse conceito. Muitos dizem que a Quimbanda é complementar à Umbanda, um fator que eu concordo de verdade, existe o polo positivo e o polo negativo, sem problemas.

Como os exús são vistos como seres negativos, talvez houve a crença em que eles não trabalham na Luz e servem às Trevas, então criou-se o hábito de realizar trabalhos no escuro, e costa pro altar e todos vestidos de roupa escura. Acho até um simbolismo rico, por ter toda a crença que o exú atua nas trevas e tudo mais, mas uma coisa o Sr. Rei das Sete Encruzilhadas me disse: Muitos se confundem em atuar nas trevas com habitar nas trevas, e talvez isso fez eu mudar de ideia em relação ao culto realizado à linha dos exús.

Eu sou realmente contra cantar para os exús de costa pro altar, eu sinceramente acho que é diminuir a maravilha da linha, eu cantaria de frente como se fosse pra qualquer outra linha, exús são trabalhadores da Lei e guardiões escolhidos pelos nossos orixás, tanto é que tem exús que atuam com Oxalá, Xangô, Ogum e todos os outros orixás, portanto, não vejo nenhum problema em entoar seus pontos de frente com o altar assim como todos os demais trabalhadores da Senda Umbandista.

Portanto, Exús são nossos compadres, guardiões, amigos e são parte da Umbanda.

Sobre as roupas escuras, também entendo o simbolismo da linha, o motivo da cor preta que tem diversos simbolismos positivos, inclusive, um deles judaico-cristão que diz que o preto afasta os maus espíritos, tradição essa existente até hoje com os padres e até mesmo em velórios que é tradição se vestir de preto. Acho legal, nada impede disso acontecer, porém, na casa onde eu era pai pequeno, os exús também usavam branco, financeiramente é mais viável e na casa onde eu trabalhava, não existia uma gira somente pra eles, e sim no final de cada mês, os caboclos trabalhavam, os baianos e depois virava para os exús, portanto, como já estavam todos de branco, já aproveitávamos o ensejo e o trabalho ocorria de forma tranquila.

E por último, algo muito comum é trabalhar com as luzes apagadas, eu sinceramente acho que é simbólico, respeito, portanto, culto aos exús em minha casa era também com as luzes acesas, mesmo os exús atuando nas trevas, exú é luz, exú é serventia da Grande Espiritualidade, mesmo atuando nas trevas, não é lá que fazem sua morada, portanto, luzes acesas.

Obviamente cada um desses tópicos foi previamente conversado com os exús da casa e nenhum apresentou nenhuma objeção, eu mesmo já trabalhei com alguns e nenhum fez uma objeção essa “mudança” na tradição, o Marabô muitas vezes pedia para apagar onde ele atuava com cura, porém, ele atuava sob lâmpadas coloridas para a cromoterapia, então era necessário trabalhar com as luzes apagadas para que as luzes verde, azul e laranja pudessem ser mais iluminadas sobre o filho que precisava da cura.

Conforme ressaltei, nada contra as casas que ainda atuam dessa forma, tudo é simbólico e o que vale realmente é o coração focado e a mente firme para que possa ser praticada a caridade para os que ali adentram em busca de força, de fé, de cura para seus males.

Apenas um simples comentário.

Neófito da Luz.

Pontos Hediondos e Atendimento da Esquerda.

Saudações irmãos.

Mais um tipo de post daqueles que tangem pequenos tópicos em um post só, então vamos ao primeiro:

Em minhas novas andanças, para quem não sabe, estou voltando à ativa, e mesmo já achando um lugar para trabalhar em uma sessão privada com uma amada irmã de anos que conheci na internet, estou procurando outros centros para buscar informações, quem sabe ouvir algo que eu preciso e enfim, tomar um passe ou fazer uma limpeza, ontem, na segunda-feira, me deparei com um trabalho de exús, o centro é humilde, mas o ogã é muito bom, o centro conta com apenas um atabaque mas o toque realizado pelo ogã eu diria que é excelente, inclusive sua curimba.

Até aí causa empolgação, até eu começar a ouvir pontos de pomba-giras “preta da zona”, “p… da encruzilhada”, “Pra fazer amor gostoso é um em cima e o outro embaixo”, confesso, pode ser frescura, mas a minha admiração foi para o limbo, eu sinceramente, Neófito, e é a minha humilde opinião, que esses pontos só corroboram para a onda de preconceito que existe dentro da Umbanda, nossas irmãs, magas da encruzilhada, serem tratadas como “putas”, até acredito que algumas foram, mas isso em minha modesta opinião são fatos do passado e não precisa ficar lembrando disso a todo momento, sou a favor de exaltar a maravilha e beleza das pomba-giras e não o passado nefasto que muitas delas já seguiram, durante o trabalho, pontos de como se realiza bem o sexo eu achei perturbador. Mas cada casa é uma casa e só sei que nada sei [risos].

Eu sou uma pessoa que gosta de propagar a Umbanda de uma forma mais elitista, eu assumo, esses pontos populares que são entoados em algumas casas são chocantes, e por exemplo, minha mulher que é nova na jornada, realmente ficou chocada e me encheu de questões sobre o que realmente é pomba-gira e qual é o papel dela no Universo, se ela que está ao lado de um cara que pesquisa, estuda e dialoga eventualmente com ela sobre o assunto, teve essas dúvidas ao deparar com tais pontos, imagine um “marinheiro de primeira viagem”.

Eu sempre fui contra essa Vulgarização da energia Exu, principalmente de nossas irmãs da Encruzilhada, mas como sempre digo, é inevitável que lá existe discórdia de opiniões, os guias trabalham de forma diferente e isso varia da sua evolução e principalmente do médium, se ele está receptivo a esse tipo de energia irrefutavelmente ele terá guias da mesma vibração, e sinceramente, um guia que chega rindo com um ponto desses, em minha humilde opinião ainda é um guia que tem muito o que crescer na senda espiritual.

Esses pontos chocam, deturpam a imagem da energia da esquerda e corroboram para acharem que são demônios e escravos que fazem de tudo por uma porção de frango ou um gole de pinga. Claro que muitos exus se sujeitam a isso, mas ainda não são os exús batizados, os exús da Lei, e muitos médiuns feliz ou infelizmente carregam alguns ou todos em sua corrente exus desse tipo, em virtude da sua missão, evolução e outros diversos fatores.

Pontos que falam de Lúcifer, Satanás, não fazem muito sentido, porque Lúcifer é mencionado na Torá, é uma divindade maléfica hebraica, assim como Satanás, vem do árabe shaitan, que significa acusador, essa mistureba popular é algo que não faz muito sentido, porque a Umbanda vem de uma egrégora afro, de nada tem a ver com as tradições asiáticas, a Umbanda tem o Exú, a vibração Exú e ponto final, e não foi nenhuma entidade que trouxe esse ponto, esse ponto de duas cabeças foi invenção do pessoal da Umbanda Traçada, aliás, muitos pontos são composições dos próprios umbandistas, hoje é raro um guia trazer o seu próprio ponto.

Por ter essa herança Cristã, a Umbanda misturou alguns fundamentos que a única coisa que fazem, é encher os adeptos de dúvidas com teorias infundadas, médium recebendo lúcifer, recebendo o diabo, pra mim é tudo balela. Exú-Mor tem como simbolismo o Belzebuth, uma estátua utilizada em Ordens Iniciáticas que nada se relacionam com os exús da Umbanda, crença popular infelizmente é um mal que é repassado de gerações sem um estudo aprofundado.

Depois desses pontos chocantes, de deixar os cabelos arrepiados, veio a hora da consulta, a pomba-gira que atendeu a minha esposa a chamou de “puta”, eu confesso que não sabia se ria, se chorava, como reagia, pode até me dizerem que dentro do contexto Umbandista isso pode ter outro significado, que temos que entender que a palavra tem outra definição pra eles, mas estamos na Terra, e esse termo é realmente constrangedor para muita gente, principalmente para quem está chegando na casa, julgo ainda mais pesado que o famoso “Filho da p…” que muitos exus utilizam para denominar às pessoas, enfim, essa é a opinião do Neófito, eu particularmente acho que uma casa da Lei que trabalha com espíritos que buscam a evolução, isso deveria ficar para trás.

Sim, Exú está mais próximo da crosta terrestre, é normal utilizar esses termos, até entendo, pode ser até normal, mas quando o consulente está familiarizado com a casa, com a linha e com a Umbanda em si, para pessoas que estão entrando não acho isso muito legal.

Alguns leitores me acham “fresco”, sim, mas como disse lá em cima, eu sou a favor de ao menos elitizar um pouco a Umbanda, largar tradições antigas, primitivas e infundadas e tentar trazer luz aos acontecimentos, aos porquês das coisas, muitos me dizem que a Umbanda é justamente para atender os “populares” e que ela é assim em sua essência, porém, não é porque atendemos essas pessoas que temos que concordar e alimentar esse tipo de cultura, pelo contrário, acho que justamente por atingirmos esse público, temos que focar na evolução dos mesmos, ajuda-los a entender um pouco mais a espiritualidade e sair desses vícios tradicionais e infundados.

Gosto quando fazem passeatas para tolerância religiosa e ninguém faz por onde isso acontecer, muitas casas ainda sujam as praias, muitos centros ainda deixam as cachoeiras cobertas de comida, muitas casas tocam até altas madrugadas incomodando vizinhos, para a tolerância acontecer, temos que fazer a nossa parte, sermos mais ascéticos nos rituais, sermos mais cultos e esclarecidos durante os trabalhos e termos fundamentos suficientes para refutar acusações ou até mesmo contradições, não chegar e falar que recebe Lúcifer, falar que sua PG é puta e tudo mais.

A Umbanda só vai crescer e ser bem aceita quando seus filhos também o fizerem, senão continuará sendo conhecida como religião de charlatões, de mentirosos e supersticiosos.

Bruto com ternura.

Neófito da Luz