A Verdade Que Funciona

Saudações prezados irmãos de fé, aqui estou eu novamente, para expor um pouco sobre as ideias da fé.

Lendo alguns livros, assistindo a algumas reportagens, somos levados a crer em milagres, em curas fantásticas, em obras que a ciência não consegue descrever com exatidão, seja cirurgias espirituais, auto cura do câncer, muito elucidada nos livros de Deepak Chopra, principalmente, a Cura Quântica, podemos presenciar no Globo Repórter muitos feitos, um grande amigo meu, um irmão, Fabio que foi curado de uma leucemia com baixa probabilidade de cura, para aqueles que buscam a espiritualidade, somos bombardeados por informações incontestáveis sobre o poder da cura através da fé, através da imposição de mãos, através das orações, através do reiki, mahikari, ayurveda, cromoterapia, pregações e assim por diante.

Eu muitas vezes, posso ser criticado aqui, mas ouço muito algumas rádios evangélica, com isso, aprendo e estudo como eles conseguem influenciar o povo, outro dia eu ouvi em uma rádio:

“Você irmã, que está com problemas nas articulações da perna, você que sente esse formigamento nos pés, Deus está falando comigo, você terá a sua cura irmã, você terá a sua cura, oraremos por você que Deus está agindo sobre você, por favor, deposite na conta (Dada as informações da conta) qualquer quantia para ajudar o missionário a te ajudar, você ficará livre essa angústia irmã, dessa tribulação, porque Cristo falou comigo”.

Para qualquer pessoa com o mínimo de senso crítico, para não dizer inteligência, consegue perceber que a probabilidade de ALGUÉM estar ouvindo isso e estar com esses sintomas é GRANDE, senão existe nenhum ouvinte que apresente esses sintomas, outros podem se compadecer da dor e fazer o depósito, mesmo não tendo a certeza que existe algum ouvinte com esse sintoma. E ainda vou mais longe, tenho uma experiência muito próxima de uma pessoa que estava com os sintomas apresentados na rádio, depositou R$ 50,00 e depois de uma semana, disse estar curada.

São circunstâncias como a supracitada que movimentam o mercado da Fé, segundo pesquisas, o mercado da fé, o televangelho, movimentou quase R$ 30mi somente no ano passado, mas e aí, onde eu quero chegar com tudo isso?

Eu sinceramente, não acho que A Consciência Universal (Deus), se contente com nossas mazelas, nos imprime tais provações por vontade própria, eu como pai de dois filhos, é inconcebível pra mim que um Pai, um Criador, faça com que nos prostremos às dores, ao sofrimento, recuso-me a crer que nosso Criador, seja um Deus de punição, de cólera, e que necessita de um intermediário que interceda por nós para que conseguimos algo que precisamos, nego-me a crer até o último suspiro de vida. Sim, não creio que nascemos incompletos, necessitando de outro ser constituído de pecados para que nos ajude.

Infelizmente, como vivo dizendo aqui, nossa baixa autoestima, nossa falta de confiança faz com que busquemos ídolos, e qualquer um que se apresente da maneira correta ou que fale o que queremos ouvir, já depositamos ali o foco de nossas esperanças, não estou dizendo que isso é algo ruim, afinal, todos nós precisamos de amuletos, seja materiais ou espirituais, precisamos de algo para centralizar o nosso caminho, nos dar o norte, nos dar a referência e é justamente nesse momento de carência, de angústia e desespero, estamos suscetíveis à falácia dos boçais, aqueles que se acham os verdadeiros mensageiros do astral, e é aí que mora o perigo.

Desde a Antiguidade, somos forçados a imposições, quantas vezes fomos submetidos à própria Igreja? A Bíblia que desde a Antiguidade se fazia a mais aboluta lei do Ocidente? Deus, em um momento de cólera, decidiu punir Lucifer, o portador de Luz, o melhor de seus anjos para as trevas, para o inferno para que o mesmo aprendesse a não contariar as Leis de Deus. Para isso, faço apenas duas reflexões:

  1. Quem aqui tem filho e teria coragem de punir eternamente seu filho? Sentimento de Vingança? Cólera? Para alguém que segundo a bíblia só ensina o amor?
  2. Porque não interpretarmos que Deus mandou o seu melhor anjo, aquele que porta a luz para o inferno, que na verdade vem de ínferos, que seria plano inferior, para nos auxiliar? Se não foi um ato de amor Deus enviar o seu “mais amado” filho para trazer a luz? A compreensão para nós, seres da Terra? Vale a reflexão, o inferno pode ser aqui!

Mas como não sou teólogo, segue o jogo…

Em todas as religiões presenciamos milagres, em todas as doutrinas, até mesmo nas Escolas Iniciáticas aprendemos muitas coisas, e a única relação que eu vejo entre todas elas como resultado de operação de milagres é a Consciência. Seja ela Objetiva, Universal, Subjetiva, tudo oscila em torno da Consciência, seja quando despertamos para o nosso Eu Divino, seja quando acreditamos com plena convicção naquilo que queremos.

Por isso, para todos aqueles que recorrem a mim através de e-mails, me perguntam porque fulano usou 4000 velas para um trabalho e funcionou e o outro fulano usou água e incenso e funcionou também, e porque com essa pessoa não funciona nada? Simples: Você realmente quer o que você está pedindo? Qual a energia que está colocando nisso? Está pedindo por pedir ou tem convicção e certeza do que quer?

Para alguns, a oferenda é primordial para obtenção de qualquer graça, para outros, pular sete ondas, para outros, pendurar 5000 fitinhas do senhor do Bomfim no braço, para outros o jejum, para outros o acendimento de incenso, para outros, a meditação e o único elemento que se relaciona com tudo isso, é você!

Alguns terão mais facilidade na oração, outros na meditação, isso vai depender única e exclusivamente de sua AFINIDADE, da qual está correlacionada às suas experiências anteriores, escolas passadas, grau de vibração da qual você participa, isso não significa que você seja incapaz, apenas terá mais dificuldade que outros, e outras vezes, mais facilidade que outros, procure aquilo que te faz bem, como eu vivo ressaltando no blog, a religião é para nos trazer paz, conforto, se está em um centro que só passa nervoso, em uma igreja que te incomode, mude, Deus não o punirá por isso e nem tampouco os Orixás, eles já possuem luz o suficiente para nos compreender, nessa escola, eles são os mestres e somos os alunos, eles são as estrelas e nós os navegantes, e ao invés de ficar na busca incessante sobre o que é certo ou errado, porque certo ou errado é apenas ponto de vista, procure aquilo que você se sente bem em fazer, é incorporar? É cambonar? É tocar um atabaque? É participar de uma missa? Um culto? Uma mesa? Já dizia um dos evangelhos apócrifos, o evangelho de Tomé encontrado em Nag Hammadi e negado pela igreja:

“O reino de Deus está dentro de ti e a tua volta; não em palácios de pedra ou madeiras. Rache uma lasca de madeira e Eu estarei lá; Levante uma pedra e Me encontrarás…”

Portanto, a sua Verdade é muito melhor que a minha Verdade, no fundo, você não precisa de ninguém, apenas de poucas referências, fomos feitos à Sua Imagem e Semelhança para sermos autossuficientes, um pastor ou um babá não é e nunca serão melhores que você.

O que vai fazer toda a diferença na sua vida, é aquilo que você crê de todo o Coração, essa é a Verdade que Funciona, que vai te prosperar, te curar, te ensinar. Essa Verdade é aquela que a Consciência Universal imprimiu no seu íntimo no momento em que você mais precisar se conectar com Deus! Somente isso.

Uma vez um mentor me disse: Se confiassem mais em vocês, não precisaríamos mais de médiuns, e ele ressalta, médiuns não são somente aqueles que estão nos terreiros ou centros kardecistas, muitos professam outras religiões com o dom da Palavra.

A Fé nada mais é que sua Força de Vontade dizendo a tudo à sua Volta o que você mais deseja, e como dizia Hermes na Lei da Correspondência:

“O que está em cima é como o que está embaixo. E o que está embaixo é como o que está em cima”.

Sua mente é capaz de mudar tudo à sua volta, a sua fé, é sua força de Vontade, é a Energia Divina da qual você é munido de transformar tudo aquilo que você acredita, e não é palestra motivacional e nem tampouco coaching, é experiência própria e conhecimento de causa, acredite, empregue a Energia Divina, quebre seu carma com força, determinação e foco.

Sua intuição é o seu melhor professor, desenvolva-a, escute-a, siga-a e realize tudo o que você propôs a você!

Neófito da Luz .’.

Anúncios

Golpe da Amarração, Doença Espiritual e Comércio nos Terreiros

Saudações irmãos…

Hoje me deparei com uma notícia que passou no “Fala Brasil” que não me cansa de surpreender. Uma mulher roubou R$ 100.000,00 de uma empresa para pagar o serviço ao “pai-de-santo” para curar a sua filha…

Infelizmente isso ainda é muito comum, muitas pessoas por desespero encontram nesses espaços, nessas pessoas a solução para todos seus problemas, alguns pensam em se suicidar, outros pensam em se escorar nesses oportunistas que se aproveitam da vulnerabilidade alheia.

Gostaria de enfatizar aqui que eu sou EXTREMAMENTE CONTRA QUAISQUER COBRANÇAS REALIZADAS PARA QUAISQUER BENEFÍCIOS DENTRO DE TERREIROS, INCLUSIVE, CHEGOU AO MEU CONHECIMENTO CENTROS QUE OBRIGAM MEDIUNS A FAZER O CURSO DE INICIAÇÃO MEDIÚNICA E COBRAM POR ISSO, ISSO NÃO É CASA DE CARIDADE E SIM VIVER DA UMBANDA.

A iniciativa desse blog começou apenas para transmissão de informações, com o decorrer do tempo, algumas pessoas chegaram até mim solicitando ajuda, cuidados, cura e outras buscas e com cinco anos de blog, nunca realizei nenhuma cobrança, mesmo porque eu não preciso viver disso e nem tampouco cobrar para ver a felicidade das pessoas, isso deveria ser a maior recompensa para aqueles que buscam a senda da caridade e não para aqueles que encontraram nela o seu meio de vida. Não mentirei, gosto de dinheiro, gosto de viver no luxo, ter carro do ano sim, mas isso é em virtude do meu esforço, muito estudo e dedicação, conheço dirigentes que vivem da Umbanda, PORÉM, são excelentes dirigentes, estão sempre presentes, sempre buscando meios para obtenção de prosperidade e saúde dos filhos, se doa, e nada mais justo de arrumar uma forma de cobrar para sua sobrevivência, mas não é COBRAR A MÃO e sim CURSOS, REALIZAÇÃO DE BAZARES, entre outros, infelizmente, esse tipo de dirigente compõe no máximo 1% de todos eles, existem os oportunistas que se encontram através de uma doutrina “pop” que usam de diversos cursos e desculpas para obtenção de renda, hoje não se faz caridade, hoje se faz uma troca, eu te ajudo por algumas centenas de reais e assim caminhamos na senda espiritual capitalista.

Claro que existem algumas categorias de dirigentes, e a do título do post pra mim é a mais repugnante, eu mesmo já relatei no blog algumas situações, um dirigente mandou a adepta vender o carro porque o trabalho era pesado, precisava retirar seres infernais de seu corpo que só saíam com carnes e bebidas nobres, e para isso, cobravam caro para abandonar seu corpo, outro fator é um dirigente falar que só poderia fazer a limpeza nas filhas se a mesmas ficassem despidas porque até as roupas continham energias deletérias e atrapalhava a limpeza, pois a energia da roupa traria de volta a energia ruim que foi acabada de limpar, outro fato foi um Exú que disse que o filho de uma umbandista estava encomendado pelas hostes espirituais, e precisaria fazer um trabalho muito sério e teria que falar com o seu “burro”, o médium que ele ocupava, o mesmo cobrou R$ 45000 ou o carro para fazer esse trabalho e a filha o fez + parte do salário dela DURANTE SEIS MESES.

A grosso modo, de forma bem ignóbil, prevalece a máxima que para cada esperto, existem “vários trouxas”, e para não nos tornarmos vítimas dessas questões, dessas circunstâncias, só temos como arma, o estudo, o esclarecimento e a busca por referências, somente assim nos blindamos contra esses tipos de influências em nossas visas.

Hoje o roubo já ficou tradicional, isso é muito comum em centros que gostam de ostentar, um Orixá pedir um ibá de R$ 4000,00 porque ele precisa, o dirigente cobrar a mão para fazer o santo, EU REALMENTE FICO ATÔNITO COM ESSA DE “FAZER O SANTO”, será que isso é realmente necessário? Tudo o que recebemos, recebemos da Providência Divina e não é necessária intervenção humana para tal. Pessoas fazendo rateio para ajudar o filho a comprar a roupa pra sair, me desculpem a sinceridade, mas VÁ COMPRAR CESTA BÁSICA PARA PESSOAS QUE PRECISAM AO INVÉS DE FICAR COMPRANDO ROUPAS PARA SATISFAZER EGOS IDIOTAS E COLABORAR COM A APOTEOSE EXISTENTES NA CASA, VÁ AJUDAR CRIANÇAS, IDOSOS AO INVÉS DE INFLAR ESSE MALDITO EGO DE QUERER TER A MELHOR ROUPA PARA O ORIXÁ VIR E DANÇAR. ORIXÁ NÃO PRECISA DE ROUPA, ORIXA NÃO PRECISA DISSO, ORIXÁ PRECISA TER UM FILHO CORRETO E INTELIGENTE PARA SERVIR AOS FILHOS DE FÉ.

Semana passada me deparei com uma pessoa que gastou R$ 3500,00 no Ibá de seu Orixa, ibá seria a louça do orixá, ela estava desempregada e precisou pedir empréstimo porque é uma exigência do dirigente, o que me remeteu a uma circunstância que ocorreu na casa onde eu cuidava que o Exú só trabalharia se tivesse a capa dele.

Digo que a cobrança dentro dos terreiros me enoja, a caridade atingiu um patamar medíocre, hoje tudo é com dinheiro, e sinceramente, isso tende a piorar ainda mais, se virar moda o filho ter que pagar pelo curso de iniciação mediúnica pra vestir branco, será o apogeu da ignorância.

Fico feliz de ainda ter centros que sabem trabalhar dentro da cartilha, conheço diversos dirigentes do qual a grande minoria tem o meu respeito, que ainda trabalham na Lei, que ainda embasam seus estudos e trabalhos no conhecimento fornecido pelos guias e até mesmo pelo ifá.

Quem quiser ajudar para as mazelas do filho, que ajude de coração, pela missão que lhe foi confiada e destinada e não use isso como moeda de troca, a única moeda de troca que vale é a evolução, o aprendizado e a graça que alcançará e não com a cobrança.

Volto a ressaltar, sou totalmente a favor de cursos ministrados pela casa, mas esses cursos devem ser voluntários, quem tem interesse e condições de fazer que o façam e não obrigatórios, isso é lamentável, pior ainda é o número de filhos que preenchem essas casas, fico impressionado com o número de mendigos espirituais que cercam essas casas, além de como são exaltados e VENERADOS esses dirigentes.

Dirigente nada mais é que um ser humano como você, que teve a missão de ser dirigente, isso não o coloca acima, superior ou melhor que você, apenas em uma posição diferente e que muitas vezes é MUITO MAL REALIZADA, o que muitas vezes me faz respeitar um médium da casa e não o seu dirigente, quantas vezes já presenciei o dirigente da casa COM NADA EM SUA MATÉRIA e dois ou três filhos com uma comunicação BEM REALIZADA? Isso pra mim é o que conta, não títulos, posição ou um cara sentado na cadeira porque ele conseguiu o seu espaço na casa da caridade, muitas vezes não por mérito e sim por condições financeiras, o que mais vale pra mim é aquele filho firme, que comunica bem com o seus mentores e que faz o trabalho da caridade ser o que sempre foi, venerável, admirável, gratificante.

E não alimentem golpistas, não alimentei essa cobrança exacerbada pelo trabalho da caridade, e DIGO-LHES COM TODA CERTEZA, O PRINCÍPIO ATIVO DE QUALQUER GRAÇA ALCANÇADA PARTE DE SUA PRÓPRIA CABEÇA E REALIZAÇÃO PESSOAL, TODA GRAÇA, TODA REALIZAÇÃO, TODO MILAGRE OCORRE DE DENTRO PARA FORA E NÃO DE FORA PARA DENTRO! SEMPRE!

Fraternais Abraços.

Neófito da Luz.

Os Mecanismos da Cura Espiritual

A mediunidade de cura oferece ao médium a possibilidade de curar um ser doente, buscando fluidos em fontes energéticas da natureza. Mas será que doenças cármicas também podem ser curadas espiritualmente? Por Edvaldo Kulcheski A mediunidade de cura é a capacidade possuída por certos médiuns de curarem moléstias por si mesmos, provocando reações reparadoras de tecidos e órgãos do corpo humano, inclusive as oriundas de influenciação espiritual. Assim como existem médiuns que emitem fluidos próprios para a produção de efeitos físicos concretos (ectoplasmia), temos igualmente os médiuns que emitem fluidos que operam todas as reparações acima referidas. Na essência, o fluido é sempre o mesmo, uma substância cósmica fundamental. Mas suas propriedades e efeitos variam imensamente, conforme a natureza da fonte geradora imediata, da vibração específica e, em muitos casos (como este de cura, por exemplo), do sentimento que precedeu o ato da emissão. A diferença entre os dois fenômenos é que no primeiro caso (ectoplasmia), o fluido é pesado, denso, próprio para elaboração de formas ou produção de efeitos objetivos por condensação, ao passo q~e no segundo (curas), ele é sutilizado, radiante, próprio para alterar condições vibratórias já existentes.


MÉDIUM CURADOR
 
Além do magnetismo próprio, o médium curador goza da aptidão de captar esses fluidos leves e benignos nas fontes energéticas da natureza, irradiando-os em seguida sobre o doente, revigorando órgãos, normalizando funções, destruindo placas e quistos fluídicos produzidos tanto por auto-obsessão como por influenciação direta. O médium se coloca em contato com essas fontes ao orar é Se concentrar, animado pelo desejo de fazer uma caridade evangélica. Como a lei do amor é a que preside todos os atos da vida espiritual superior, ele se coloca em condições de vibrar em consonância com todas as atividades universais da criação, encadeando forças de alto poder construtivo que vertem sobre ele e se transferem a.o doente. Por sua vez, este se colocou na mesma sintonia vibratória por meio da fé ou da esperança. Os fluidos radiantes interpenetram o corpo físico, atingem o campo da vida celular, bombardeiam os átomos, elevam-lhes a vibração íntima e injetam nas células uma vitalidade mais intensa. Em conseqüência, acelera as trocas (assimilação, eliminação), resultando em uma alteração benéfica que repara lesões ou equilibra funções no corpo físico. Nas operações cirúrgicas feitas diretamente no corpo físico, os espíritos operadores incorporam no próprio médium que dispõe desta faculdade. Este, como autômato, opera o paciente com os mesmos instrumentos da cirurgia terrena, porém sem anestesia e dispensando qualquer precaução de assepsia. Em certos casos, embora raros, o espírito incorporado logra o mesmo resultado cirúrgico utilizando objetos de uso doméstico (facas, tesouras, garfos ou estiletes comuns) como instrumentos operatórios, igualmente sem quaisquer cuidados anti-sépticos. O cirurgião invisível incorporado no médium corta as carnes do paciente, extirpa excrescências mórbidas, drena tumores, desata atrofias, desimpede a circulação obstruída, reduz estenoses ou elimina órgãos irrecuperáveis. Semelhantes intervenções, além de seu absoluto êxito, são realizadas em um espaço de tempo exíguo, muito acima da capacidade do mais abalizado cirurgião do mundo físico. Em tais casos, os médicos desencarnados fazem seus diagnósticos rapidamente, com absoluta exatidão e sem necessidade de chapas radiográficas, eletrocardiogramas, hemogramas, encefalogramas ou quaisquer outras pesquisas de laboratório. Nessas operações mediúnicas processadas diretamente na carne, os pacientes operados tanto podem apresentar cicatrizes ou estigmas operatórios como ficarem livres de instrumentos da cirurgia terrena. Normalmente são espíritos experimentados, que ajudam no diagnóstico e na intervenção cirúrgica quaisquer sinais cirúrgicos. Em seguida à operação, eles se erguem lépidos e sem qualquer embaraço ou dor, manifestando-se surpreendidos por seu alívio inesperado e a eliminação súbita de seus males. Quando opera incorporado no médium, o espírito sempre é auxiliado por companheiros experimentados na mesma tarefa, que cooperam e ajudam no controle da intervenção cirúrgica, no diagnóstico seguro e rápido e no exame antecipado das anomalias dos enfermos a serem operados. Entidades experimentadas na ciência química transcendental preparam os fluidos anestesiantes e cicatrizantes, transferindo-os depois do mundo oculto para o cenário físico através da materialização na forma líquida ou gasosa, conforme seja necessário.
 
CIRURGIAS À DISTÂNCIA
Embora o êxito das operações mediúnicas dependa especialmente do ectoplasma a ser fornecido por um médium de efeitos físicos e controlado pelos espíritos de médicos desencarnados, há circunstâncias em que, devido ao teor sadio dos próprios fluidos do enfermo, as operações produzem resultados miraculosos no corpo físico, apesar de processadas somente no perispírito. O processo de “refluidificação”, com o aproveitamento dos fluidos do próprio doente, lembra algo do recurso de cura adotado na hemoterapia praticada pela medicina terrena, na qual o médico incentiva o energismo da pessoa debilitada extraindo-lhe algum sangue e, em seguida, injetando-o novamente nela, em um processo que acelera a dinâmica do sistema circulatório. No entanto, mesmo que se tratem de operações mediúnicas feitas diretamente na carne do paciente ou mediante fluidos irradiados à distância pelas pessoas de magnetismo terapêutica, o sucesso operatório exige sempre a interferência de espíritos desencarnados, técnicos e operadores, que submetem os fluidos irradiados pelos “vivos” a um avançado processo de química transcendental nos laboratórios do lado espiritual. E quais são as diferenças entre as cirurgias realizadas com a presença do paciente e as realizadas à distância? No primeiro caso, os técnicos desencarnados utilizam o ectoplasma do médium de efeitos físicos e também os fluidos nervosos emitidos pelas pessoas presentes. Esta aglutinação polarizada sobre o enfermo presente possibilita resultados mais eficientes e imediatos. No segundo caso, os espíritos operadores procuram reunir e projetar sobre o doente os fluidos magnéticos obtidos pelas pessoas que se encontram reunidas à distância, no centro espírita. Porém como se tratam de fluidos bem mais fracos do que os fornecidos pelo médium de fenômenos físicos, eles são submetidos a um tratamento químico especial pelos operadores invisíveis, a fim de se obterem resultados positivos. Mesmo assim, os fluidos transmitidos à distância servem apenas para as intervenções de pouco vulto, pois, sendo fluidos heterogêneos, exigem a “purificação” à qual nos referimos. Existem alguns fatores que impedem as cirurgias à distância de serem tão eficazes e seguras como as intervenções diretas. Para muitos desses voluntários doadores de fluidos, faltam a vontade disciplinada e a vibração emotiva fervorosa, que potencializam as energias espirituais. Além disso, alguns deles não gozam de boa saúde, fumam em demasia, ingerem bebidas alcoólicas em excesso ou abusam de alimentação carnívora. Aliás, nos dias destinados a esses trabalhos espirituais, os médiuns deveriam se submeter a uma alimentação sóbria, já que, depois de uma refeição por vezes indigesta, o indivíduo não tem disposição para tomar parte em uma tarefa que exige concentração mental segura.
 
DIFICULDADES PARA OS ESPÍRITOS CURADORES
Durante o tratamento fluídico operado à distância, a cura depende muito das condições psíquicas em que os doentes forem encontrados durante a recepção dos fluidos. Os espíritos terapeutas enfrentam sérias dificuldades no serviço de socorro aos pacientes cujos nomes estão inscritos nas listas dos centros espíritas, pois além das dificuldades técnicas resultantes de certo desequilíbrio mental do ambiente onde eles atuam/ outros empecilhos os aguardam, em virtude do estado psíquico dos próprios doentes. Às vezes, o enfermo tem a mente saturada de fluidos sombrios, em face de conversas maledicentes, intrigas, calúnias e fofocas. Em outros casos, lá está ele em excitação nervosa por causa de alguma violenta discussão política ou desportiva, bem como é encontrado envolto na fumarada intoxicante do cigarro ou na bebericagem de um alcoólatra. Outras vezes, os fluidos irradiados das sessões espíritas penetram nos lares enfermos, mas encontram o ambiente carregado de fluidos agressivos, provenientes de discussões ocorridas entre seus familiares. É evidente que os desencarnados têm pouco êxito em sua tarefa abnegada de socorrerem os enfermos quando estes vibram recalques de ódio, vingança, luxúria, cobiça ou quaisquer outros sentimentos negativos.
 
CIRURGIAS DURANTE O SONO
 
As operações cirúrgicas realizadas no perispírito durante o sono só atingem a causa mórbida no tecido etérico deste, porém, depois de algum tempo, começam a desaparecer seus efeitos mórbidos na carne, pelo mesmo fenômeno de repercussão vibratória. Neste caso, como os enfermos operados ignoram o que lhes aconteceu durante o sono ou mesmo em momento de vigília e repouso, opõem dúvidas quanto a essa possibilidade. Uma vez que esses doentes, tendo sido operados no perispírito, não comprovam de imediato qualquer alteração benéfica em seu corpo físico, geralmente supõem terem sido vítimas de uma fraude ou um completo fracasso quanto à intervenção feita. Acontece que a transferência reflexa das reações produzidas por essas operações se processa muito lentamente, levando semanas ou até meses para manifestarem seus efeitos benéficos no organismo. Além disso, há casos em que o enfermo recebe assistência de seus guias espirituais devido à circunstância de emergência, que não altera o determinismo de seu resgate cármico. Toda cura se dá pela ação fluídica, já que o espírito age através dos fluidos. Tanto o perispírito como o corpo físico são de natureza fluídica, embora em diferentes estados, havendo relação entre eles. O agente da cura pode ser encarnado ou desencarnado e nela podem ser utilizados ou não processos como passes, água fluidificada e outros, além da intervenção no perispírito ou no corpo. Na cura por efeitos físicos, a alteração orgânica no corpo físico é imediatamente visível ou passível de constatação pelos sentidos ou aparelhamentos materiais. Na ação fluídica sobre o perispírito, a cura será avaliada depois, pelos efeitos posteriores no corpo físico. Agindo através dos centros anímicos, órgãos de ligação com o perispírito, atinge-se este, que também se beneficia ao se purificar pela aceleração vibratória, tornando-se, assim, incompatível com as de mais baixo padrão. Na ação fluídica sobre o perispírito, a cura será avaliada depois, pelos efeitos posteriores no corpo físico. Agindo através dos centros anímicos, órgãos de ligação com o perispírito, atinge-se este, que também se beneficia ao se purificar pela aceleração vibratória, tornando-se, assim, incompatível com as de mais baixo padrão. É desta forma que se operam as curas de perturbações espirituais, na parte que se refere ao perturbado propriamente dito. Sabemos que a maior parte das moléstias de fundo grave e permanente não podem ser curadas porque representam resgates cármicos em desenvolvimento, salvo quando há permissão do Alto para curá-las. Entretanto, há benefícios para o doente em todos os casos, porque se conseguirá, no mínimo, uma atenuação do sofrimento.
A CURA NA MÃO DE TODOS
A faculdade de curar pela influência fluídica é muito comum e pode se desenvolver por exercício. Todos nós, estando saudáveis e equilibrados, podemos beneficiar os doentes com passes, irradiações, água fluidificada etc. Aprendendo e exercitando, desenvolvemos nosso potencial de ação sobre os fluídos. O poder curativo está na razão direta da pureza dos fluidos produzidos, como qualidades morais ou pureza de intenções, da energia da vontade, quando o desejo ardente de ajudar provoca maior força de penetração, e da ação do pensamento, dirigindo os fluidos em sua aplicação. A mediunidade de cura, porém, é bem mais rara, espontânea e se caracteriza pela energia e instantaneidade da ação. O médium de cura age pelo simples contato, pela imposição das mãos, pelo olhar, por um gesto, mesmo sem o uso de qualquer medicamento. No evangelho, existem numerosos relatos onde Jesus ou seus seguidores curam por ação fluídica, alguns deles examinados por Allan Kardec no livro A Gênese, capítulo XV.
 
CONDIÇÕES FUNDAMENTAIS PARA A CURA
É lícito buscar a cura, mas não se pode exigi-Ia, pois ela dependerá da atração e fixação dos fluidos curadores por parte daqueles que devem recebê-los. A cura se processa conforme nossa fé, merecimento ou necessidade. Quando uma pessoa tem merecimento, sua existência precisa continuar ou as tarefas a seu cargo exigem boa saúde, a cura poderá ocorrer em qualquer tempo e lugar, até mesmo sem intermediários (aparentemente, porque ajuda espiritual sempre haverá). No entanto, às vezes, o bem do doente está em continuar sofrendo aquela dor ou limitação, que o reajusta e equilibra espiritualmente, o que nos faz pensar que nossa prece não foi ouvida. Para tanto, vejamos o que diz Emmanuel no livro Seara dos Médiuns, no capítulo “Oração e Cura”: “Lembremo-nos de que lesões e chagas, frustrações e defeitos em nossa forma externa são remédios da alma que nós mesmos pedimos à farmácia de Deus. A cura só se dará em caráter duradouro se corrigirmos nossas atuais condições materiais e espirituais. A verdadeira saúde e equilíbrio vêm da paz que em espírito soubermos manter onde, quando, como e com quem estivermos. Empenhemo-nos em curar males físicos, se possível, mas lembremos que o Espiritismo cura sobretudo as moléstias morais”. De uma maneira primorosa, Allan Kardec nos situa sobre o assunto: “A cura se opera mediante a substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã. O poder curativo está, pois, na razão direta da pureza da substância inoculada, mas depende também da energia da vontade, que, quanto maior for, mais abundante emissão fluídica provocará e tanto maior força de penetração dará ao fluido. Depende ainda das intenções daquele que deseje realizar a cura, seja homem ou espírito”. Daí então se depreende que são quatro as condições fundamentais das quais depende o êxito da cura: o poder curativo do fluido magnético animalizado do próprio médium, a vontade do médium na doação de sua força, a influenciação dos espíritos para dirigir e aumentar a força do homem e as intenções, méritos e fé daquele que deseja se curar.www.ippb.org.br

Considerações Sobre a Origem do Câncer

Por Ramatís através de Hercílio Maes.

PERGUNTA: – Podeis dizer-nos se o câncer é uma enfermidade proveniente do meio planetário que habitamos?

RAMATÍS: – Já vos dissemos anteriormente que o corpo físico é o prolongamento do próprio perispírito atuando na matéria; podeis mesmo compará-lo a um vasto mata-borrão capaz de absorver todo o conteúdo tóxico produzido durante os desequilíbrios mentais e os desregramentos emotivos da alma. Qualquer desarmonia ou dano físico do corpo carnal deve, por isso, ser examinado ou estudado tendo em vista o todo do indivíduo, ou seja o seu conjunto psicofísico. O corpo humano, além de suas atividades propriamente fisiológicas, está em relação com uma vida oculta, espiritual, que se elabora primeiramente no seu mundo subjetivo, para depois, então, manifestar-se no mundo físico.
O espírito é uno em sua essência imortal, mas a sua manifestação se processa em três fases distintas; ele pensa, sente e age. Em qualquer aspecto sob o qual for analisado, ou em qualquer umna de suas ações, deve ser considerado sob essa revelação tríplice, que abrange o pensamento, o sentimento e a ação. E para maior êxito no verdadeiro conhecimento do homem, é conveniente saber-se que ele é também a mesma unidade quando manifesta as suas atividades morais, intelectuais, sociais e religiosas. Deste modo, quer na enfermidade ou na saúde, não há separação entre o pensamento, a emoção e a ação do homem; em qualquer acontecimento de sua vida, há de sempre revelar-se numa só consciência, num só todo psíquico e físico, numa só memória forjada no simbolismo do tempo e do espaço.
Em conseqüência, como o espírito e o corpo não podem ser estudados separadamente, quer na saúde, quer na doença, é óbvio que também no caso do câncer e do seu tratamento específico é muito importante e sensato identificar-se antes o tipo psíquico do doente e, em seguida, considerar-se então a espécie de doença. Embora certa porcentagem de incidência do câncer seja oriunda do choque ocorrido entre as forças ocultas que descem do plano superior e as energias astrais criadoras dos diversos reinos da vida física, a sua manifestação mórbida no homem é proveniente da toxicidade fluídica que ainda circula no perispírito e que foi acumulada pelos desatinos mentais e emotivos ocorridos nas várias encarnações pretéritas.
Esse morbo fluídico “desce”, depois, do perispírito para concentrar-se num órgão ou sistema orgânico físico, passando a perturbar a harmonia funcional da rede eletrônica de sustentação atômica e alienando o trabalho de crescimento e coesão das células.
Embora cada corpo físico seja o produto específico dos ascendentes biológicos herdados de certa linhagem carnal humana, ele sempre revela no cenário do mundo físico o aspecto interior da própria alma que o comanda. Mesmo considerando-se as tendências hereditárias, que disciplinam as características físicas das criaturas, há também que se reconhecer a força dos princípios espirituais que podem dirigir e modificar o corpo de carne. Cada organismo físico reage de acordo com a natureza íntima de cada alma encarnada, e de modo diferente entre os diversos homens; e isto ocorre tanto na saúde como na enfermidade.
Assim, variam as reações e a gravidade de um mesmo tipo de tumor canceroso em diferentes indivíduos, porque a sua maior ou menor influência, além da resistência biológica, também fica subordinada à natureza psíquica, emotiva e mesmo psicológica do enfermo.

PERGUNTA: – Então devemos considerar que o câncer é uma doença espiritual, uma vez que provém dos deslizes psíquicos cometidos pelo homem no passado?

RAMATÍS: – É na intimidade oculta da alma que realmen-te tem início qualquer impacto mórbido, que depois perturba o ritmo e a coesão das células na organização de carne.
É por isso que também se distinguem a natureza, a freqüência e a qualidade das suas energias, tanto quanto elas agem mais profundamente no seio do espírito humano. Assim, a força mental sutilíssima que modela o pensamento é muitíssimo superior à energia astral, mais densa, que manifesta o sentimento ou a emoção, da mesma forma que, na matéria, o médico também reconhece que a força nervosa do homem é superior à sua força muscular. Eis por que, durante a enfermidade, seja uma simples gastralgia ou o temido câncer, o raciocínio, a emoção e a resistência psíquica de cada doente apresentam consideráveis diferenças e variam nas reações entre si. Enquanto o homem predominantemente espiritual e de raciocínio mais apurado pode encarar o seu sofrimento sob alguma cogitação filosófica confortadora ou aceita-lo como justificado pelo objetivo de sua maior sensibilização, a criatura exclusivamente emotiva é quase sempre uma infeliz desarvorada, que materializa a dor sob o desespero incontrolável, por causa de sua alta tensão psíquica.
O certo é que as energias sutilíssimas, que atuam no mundo oculto da criatura humana e se constituem na maravilhosa rede magnética de sustentação do edifício atômico de carne, só podem manter-se coesas e proporcionar tranqüila pulsação de vida desde que também permaneça o equilíbrio harmonioso do espírito. Só então a saúde física é um estado de magnífico ajuste orgânico; o ser não sente nem ouve o seu pulsar de vida, porque o seu ritmo é suave e cadenciado pelo mais leve arfar de todas as peças e funções orgânicas. Manifestando-se admiravelmente compensadas em todo o seu meta-bolismo, elas não perturbam a consciência em vigília, porque não provocam o desânimo, a inquietação ou a angústia, que se geram durante a desarmonia do espírito.
O animal selvagem ou o bugre (indígena) puro, da floresta, embora sejam de vida rudimentar, são portadores de organismos bem dispostos, como preciosas máquinas estrutura das de carne a funcionarem tão ajustadas como se fossem valiosos cronômetros de precisão. Sem dúvida, isso acontece porque vivem distantes das inquietações mentais dos civilizados, não lhes ocorrendo quaisquer distúrbios psíquicos que possam alterar-lhes a harmonia das forças eletrônicas responsáveis pela coesão molecular da carne.
Não desconhecemos a existência de certas doenças capazes de afetar os seres primitivos e que não se produzem por quaisquer ações ou emoções desatinadas; mas insistimos em vos lembrar que é justamente entre os civilizados, como seres pensantes em essência, que a enfermidade grassa cada vez mais insidiosa. É notório que os selvagens sadios enfermam com facilidade logo que entram em contato com as metrópoles e passam a adotar os seus vícios e capciosidades mais comuns.
O câncer, que tanto se manifesta na forma de tumores como desvitalizando o sistema linfático, nervoso, ósseo ou sangüíneo, não deve ser considerado apenas como um sintoma isolado do organismo, pois a sua maior ou menor virulência mantém estreita relação com o tipo psíquico do doente. O morbo cancerígeno avulta pelos desatinos mentais e emotivos, que abalam o campo bioelétrico animal e lesam o sistema vital de defesa, para depois situar-se num órgão ou sistema orgânico mais vulnerável do corpo carnal. Em conseqüência, a “causa remota” patológica, do câncer, deve ser procurada consciensiosamente no campo original do espírito e na base de suas atividades mentais e emotivas. Não se trata de acontecimento mórbido da exclusividade de qualquer dependência orgânica, que se produza sem o conhecimento subjetivo do todo-indivíduo.

PERGUNTA: – Como poderíamos entender melhor essa manifestação mórbida do câncer “desde o campo original do espírito “?

RAMATÍS: – O espírito é O comandante exclusivo e o responsável pela harmonia e funcionamento de todo o cosmo de células que constituem o seu corpo de carne, o qual não tem vida à parte ou independente da vontade do seu dono. Mesmo o senso instintivo que regula as diversas atividades orgânicas do corpo físico, e que se presume funcionando sem o conhecimento direto da alma, tal como o fenômeno de nutrir-se, andar e respirar, não é acontecimento autômato, pois a sua harmonia e êxito de ação controladora ainda dependem do melhor contato do espírito com a carne. O sistema respiratório, o estômago, o intestino ou o próprio coração também podem alterar-se sob a menor emoção ou mudança de pensamento pois, embora sejam órgãos fora do alcance de nossa vontade, são perturbados no seu automatismo quando submetidos a demasiada insistência de nosso temor, angústia, irascibilidade ou melancolia.
É do conhecimento popular que a alegria aumenta o afluxo da bílis no fígado, a cólera o paralisa e a tristeza o reduz.
Os médicos afirmam que se produzem inúmeras modificações e reações na vesícula biliar à simples variação do nosso pensar e sentir. E essas alterações, como já lembramos anteriormente, ocorrem mais comumente na região hepática, porque o corpo astral, que é o responsável pela manifestação das emoções do espírito, encontra-se ligado ao de carne justamente no plexo solar, mais conhecido por plexo abdominal na terminologia médica, e o principal controlador dos fenômenos digestivos. Também acontece ali se ligarem os nervos simpático e parassimpático, com importantes funções nessa zona; o primeiro tem por função acelerar o trabalho dos órgãos digestivos e regular a vertência da bílis, na vesícula, enquanto o segundo retarda todos os seus movimentos fisiológicos.
Inúmeros fenômenos que ocorrem no corpo físico comprovam a intervenção do pensamento produzido pela mente humana, que atua através do sistema nervoso e repercute pelo sistema glandu¬lar, facilmente afetável pelas nossas emoções. O medo, a vergonha, a raiva ou a timidez causam modificações na circulação cutânea e produzem a palidez ou vermelhidão do rosto. Sob as descargas de adrenalina e demais alterações dos hormônios, sucos gástricos e mudanças nos centros térmicos, às pupilas se contraem e se dilatam, assim como os vasos capilares. Muitas enfermidades próprias da região abdominal, como as do estômago, do intestino ou do pâncreas, originam-se exatamente das perturbações nervosas decorrentes do descontrole mental e emotivo.
Desde que o corpo físico é constituído por células em inces¬sante associação com as mais variadas e inúmeras coletividades microbianas, que vivem imersas nos líquidos hormonais, sucos, fluidos, e noutras substâncias químicas produzidas pelos órgãos mais evoluídos, é evidente que a coesão, a harmonia e a afinidade de trabalho entre essas forças vivas assombrosas, do mundo microscópico, também dependem fundamentalmente do estado mental e da emotividade do espírito. Este é o verdadeiro responsável pelo equilíbrio eletrônico da rede atômica e pelas relações do mundo oculto com o mundo exterior da matéria. A saúde, pois, assim como a doença, vem de “dentro para fora” e de “cima para baixo”, conforme já o definiram com muita inteligência os homeo-patas, porque a harmonia da carne depende sempre do estado de equilíbrio e da harmonia do próprio espírito encarnado.
Já explicamos que a força mental comanda a força nervosa e esta é que então repercute no organismo muscular, para depois efetuar as modificações favoráveis ou intervir desordenadamente, lesando a estrutura dos órgãos ou sistema orgânico. A doença, pois, em vez de ser uma desarmonia específica de determinado órgão ou sistema de órgãos, é o produto de uma desordem funcional que afeta toda a estrutura orgânica; é um estado mórbido que o próprio espírito faz refletir perturbadora-mente em todos os seus campos de forças vivas e planos de sua manifestação. Já dissemos que a irregularidade no campo mental também produz suas toxinas específicas mentais, as quais repercutem pelo corpo astral e carbonizam as forças astralinas inferiores. Então processa-se o gradativo abaixamento vibratório do conteúdo tóxico psíquico, que se encorpa e se adensa, fluindo para a carne e constituindo-se no morbo que se situa, depois, em qualquer órgão ou sistema do corpo físico, para produzir a indesejável condição enfermiça.
Assim é que a manifestação mórbida que provoca a doença no organismo humano principia pela perturbação do espírito “desde o seu campo original” de ação espiritual, e depois “baixa” gradativamente através dos vários planos intermediários do mundo oculto.

PERGUNTA: – Diante de vossas considerações, deduzimos que o câncer também pode provir de várias origens diferentes entre si. Estamos certos?

RAMATÍS: – O câncer, no homem, não fornece a possibi-lidade de se identificar, no momento, um agente infeccioso pro¬priamente físico e passível de ser classificado pelos laboratórios do mundo, assim como se descobriram pelo microscópio os bacilos de Koch, Hansen, Kleber ou o espiroqueta de Shaudin. Não se trata de um microrganismo de fácil identificação pela terminologia acadêmica, pois é um bacilo psíquico, só identifi¬cável, por enquanto, no mundo astral, e que se nutre morbida¬mente da energia subvertida de um dos próprios elementais primários, criadores da vida física. Esse elemental primitivo e base da coesão das células da estruturação do mundo material, torna-se virulento e inverte os pólos de sua ação criadora para destruidora, assim que é irritado em sua natureza e manifestação normal, o que pode acontecer tanto pelo choque de outras forças que fecundam a vida, que operam na intimidade da criação, como pela intervenção violenta, desarmônica e deletéria por parte da mente e da emoção humana.
É certo que alguns tipos de animais e aves, como o coelho, o camundongo, o sapo, o marreco, a rã, a galinha e o peru, podem acusar a transmissibilidade e contaminação do câncer, atestando, pois, a existência de um vírus ou agente infeccioso quando são inoculados pelo filtrado ativo de tecido canceroso e cujas células tenham ficado retidas no filtro. Mas essa experiência já não serve de paradigma para se verificar o câncer no homem, que é um ser mais complexo e evolvido que o animal, revelando também uma vida psíquica superior. Mas, como no fundo de qualquer câncer permanece dominando morbidamente uma energia primária criadora, que foi perturbada, capaz de alimentar o vírus de natureza predominante astral ou psíquica, no animal ela sofre essa alteração para pior, em um nível magnético mais denso, mais periférico no campo das forças instintivas. Deste modo, o vírus astral cancerígeno, que se nutre dela, manifesta-se então mais à superfície da matéria no réptil, no animal, na ave e mesmo na vegetação, com possibilidade de ser entrevisto no futuro, assim que a Ciência conhecer o microscópico “eletro-etéreo”.
Como essa alteração da energia primária criadora, no homem, que é criatura mais evolvida, processa-se no seu campo mental e emotivo mais profundo, o vírus astral não adquire o encorpamento necessário para ser pressentido à luz do laboratório físico ou conjeturado em qualquer outra experiência de ordem material.
Desejamos esclarecer-vos – embora lutemos com a falta de vocábulos adequados – que na vegetação, nas aves, nos répteis ou nos animais, o vírus do câncer ainda é passível de ser auscultado pelo aparelhamento material, porque a energia criadora, subvertida o fecunda na freqüência mais baixa, num campo biomagnético mais denso e inferior, enquanto que no homem o mesmo fenômeno se processa em nível superior mental e emotivo, o que torna inacessível a sua auscultação no aparelhamento físico. Em ambos os casos, esse elemental primário perturbado durante a simbiose das energias criadoras ou pela intervenção nefasta da mente ou da emoção humana, atua depois desordenadamente no encadeamento normal das células físicas, originando o câncer tão temido.

PERGUNTA: – Como poderíamos entender melhor esse choque de forças criadoras que perturbam o elemental primário, dando ensejo ao câncer nos animais, ou então produzindo-o no homem pela irritação mental e emotiva?

RAMATÍS: – Trata-se de uma das energias primárias fecundantes da própria vida física e que, ao ser desviada de sua ação específica criadora, converte-se num fluido morboso que circula pelo perispírito ou nele adere na forma de manchas, nódoas ou excrescências de aspecto lodoso. Transforma-se num miasma de natureza agressiva, assediando ocultamente o homem e minando-lhe a aglutinação normal das células físicas. A sua vida astral mórbida e intensamente destrutiva, numa’ perfeita antítese de sua antiga ação criadora, escapa à intervenção propriamente física procedida de “fora para dentro”; daí, pois, o motivo por que é imune à radioterapia, cirurgia ou quimioterapia do mundo material, permanecendo ativa, como um lençol compacto de vírus interferindo na circulação astral do perispírito, capaz de produzir as recidivas como a proliferação dos neoplasmas malignos nos tecidos adjacentes aos operados ou cauterizados.
Se a Medicina pudesse estabelecer uma patogenia psicoastral e classificar minuciosamente todas as expressões de vida e forças que se manifestam no mundo astralino microcósmico e interpenetram toda a estrutura atômica do globo terráqueo, nutrindo os reinos vegetal, mineral e animal, é certo que também poderia identificar esse elemento primário e criador que, ao ser irritado por forças adversas em eclosão, ou pela mente humana, perturba a base eletrônica das células construtoras do organismo físico. Quando é violentado no campo de forças mais densas, que caldeiam as configurações vivas mais grosseiras, origina os efeitos cancerosos que atingem os vegetais, as aves, os insetos, os répteis e os animais; porém, se é atingido por alterações energéticas mais profundas, produzidas pelas forças mental e emotiva, então produz o câncer no homem.
Sendo uma das energias que participam da extensa cadeia de forças vivas ocultas e criadoras das forças do mundo físico, é semelhante ao alicerce de pedras que, embora permaneça oculto no solo pantanoso ou no terreno rochoso, garante a estabilidade do arranha-céu. No entanto, desde que esse alicerce arruine-se pela infiltração de umidade, por alguma deficiência na liga da argamassa, ou por qualquer erosão do solo, é eviden¬te que todo o edifício sofrerá na sua verticalidade e segurança, porquanto a sua garantia e base sólida transformam-se num elemento perigoso para a sustentação arquitetônica. O mesmo ocorre com o elemental primário oculto, que provoca o câncer, o qual é também um dos alicerces sustentadores do edifício atômico das formas vivas do mundo físico, desde que não seja subvertido por qualquer intervenção perturbadora. Se o desviam de sua ação criadora ou o irritam pelo uso delituoso, ele se transforma numa energia prejudicial às mesmas coisas e seres a que antes servia de modo benfeitor. Revela-se, pois, uma força nociva e destruidora quando o convocam do seu mundo oculto para fins contrários à sua energética normal.

PERGUNTA: – A fim de podermos perceber melhor qual a ação exata dessa energia, que tanto sustenta a vida física como também pode perturbá-la causando o câncer, poderíeis dar-nos algum exemplo comparativo com qualquer outra energia conhecida em nosso mundo?

RAMATÍS: – Cremos que a natureza e a ação da eletricidade poderiam ajudar-vos a compreender melhor a natureza e a ação desse elemental primário que, ao ser irritado, produz o terreno mórbido para o câncer. A eletricidade é uma energia pacífica no mundo oculto, e integrante de todos os interstícios de toda vida planetária e, também, só se manifesta à periferia da matéria, depois de excitada ou irritada, quer seja pelo atrito mecânico e irritação das escovas de metal sobre o dorso dos dínamos em movimento, quer pela simples fricção entre dois panos de lã. A energia elétrica, pois, encontra-se também em estado latente no seu mundo natural, na forma de um elemental primário, atendendo a certa necessidade da vida física. Mas, assim que a irritam, baixa em sua vibração normal e passa a agir vigorosa e intempestivamente na superfície material.
O homem, através da máquina elétrica, produz a eletricidade pela fricção desse elemental energético e natural do mundo astral, porém interpenetrante em toda a vida física. É evidente, pois, que a energia elétrica existe tanto no dínamo como em suas escovas de metal, mas a sua revelação só se faz pela fricção, que o homem consegue controlar habilmente. Quando o relâmpago risca o céu e o raio fende o espaço carbonizando a atmosfera, partindo árvores ou fundindo objetos na sua atração para o solo, ainda nesse caso é a mesma energia primária que se transforma em eletricidade, materializando-se por efeito do atrito ou da “irritação” produzida pelos choques das nuvens.

FISIOLOGIA DA ALMA
Ramatís

Considerações sobre a origem do câncer

Água Fluidificada

A água fluidificada é a medicina ideal para os espíritas e médiuns receitistas, pois sua aplicação não deve ser censurada pelos médicos uma vez que não infringe as posturas do Código Penal do mundo e sua prescrição não constitui prática ilegal de medicina. Quando a água é fluidificada por médiuns ou pessoas de físico e psiquismo sadios, ela se potencializa extraordinariamente no seu energismo etérico natural, tornando-se um medicamento salutar, capaz de revitalizar os órgãos físicos debilitados e  restabelecer as funções orgânicas comprometidas. A água é elemento energético e ótimo veículo para transmitir fluidos benéficos ao organismo humano. Ela é sensível aos princípios radioativos emanados do Sol e também ao magnetismo áurico do perispírito humano.

Por conseguinte, se o indivíduo que lhe transfundir os seus fluidos for de físico enfermiço, depauperado, ou que, em sua mente, estejam em efervescência, emoções nocivas, neste caso, a água que ele fluidificar transformar-se-á em elemento deletério.

Porém, não se deduza que o doador de fluidos tenha de ser um santo; mas, sim, que o seu espírito esteja com “boa saúde”, pois se, por exemplo, em sua mente ainda estiverem em ebulição as toxinas de uma explosão de ciúme que o tomou na véspera, torna-se evidente que os seus fluidos não podem ser benéficos.

Os médiuns sem vícios deprimentes e libertos de paixões violentas, são capazes de produzir curas prodigiosas pelo emprego da água fluidificada, a qual ainda é superativada pelo energismo mobilizado pelos espíritos desencarnados em serviços socorristas aos encarnados.

Em verdade, é o próprio organismo do homem que oferece as condições eletivas para então manifestar-se em sua intimidade orgânica a ação terapêutica da água fluidificada. O médium transforma-se num acumulador vivo que absorve as energias de todos os tipos e freqüências vibratórias. Desde que ele possa potencializar essas energias e conjugá-las numa só direção, comandando-as pela sua vontade desperta e ativa, poderá fluir ou dinamizar a água e transformá-la em líquido vitalizante capaz de produzir curas miraculosas. É evidente que o corpo humano dos enfermos absorvem tanto quanto possível o “quantum” de energia que lhes carreia a água fluidificada pelos médiuns. E assim que esse energismo provindo do socorro mediúnico penetra na organização perispiritual do enfermo, distribui-se por todos os espaços interatômicos e eleva o “tônus-vital” pela dinamização de sua estrutura eletrobiológica.

 Fonte: Mediunidade de Cura

Ramatis

Hercílio Maes

Vibração Obaluaiê e Omulu

Para muitos, também conhecido como Xapanã, em sua vibração Obaluaie, é o Orixá patrono da medicina, quando está na corrente da Vibração Obaluaie, é chamado de o médico dos pobres, sincretizado como São Lázaro, em algumas casas, São Roque, por ser o senhor das Almas, dirige uma vasta falange de preto-velhos e exus. Seu nome em ioruba significa “Rei Senhor da Terra”

Quando sua vibração está em Omulu, é sincretizado de duas formas, uma figura esquelética, com o caixão na mão simbolizando a morte. Em algumas casas, sincretizado como São Lázaro, o velho conhecedor dos Segredos. Seu nome em ioruba significa “Filho do Senhor”, suas cores tanto para Obaluaie, quanto para Omulu, podem ser o roxo, o preto e o branco ou algumas casas, o vermelho e o preto. Serão exemplificadas mais abaixo.

Seu dia é segunda-feira. Suas oferendas, independente da vibração, ou seja, se é Omulu ou Obaluaie, é a mesma, pipoca, café e às vezes cerveja preta. Seus dias comemorativos são 16 de agosto, 17 de dezembro. Uma erva muito conhecida para essa vibração é o Eucalipto, o que é uma folha poderosa (Vide: http://www.tuasaude.com/eucalipto/).

Reza a lenda que ele foi portador da moléstia, e sua roupa de palha, chamada de “Opanijé” no candomblé serve para cobrir toda a varíola do qual ele é portador, mas reza a lenda que Iansã ao levantar essa vestimenta, encontrou a Luz do Sol em todo seu esplendor e Beleza e com isso, adquiriu também o poder de Controlar os Eguns e parte dos segredos de Obaluaie.

Como toda vibração no Universo tem o ponto positivo e o negativo, Omulu é força negativa da vibração Obaluaie e atuam de forma complementar no Cosmos. Omulu é a Transmutação, é a Vibração encarregada de transformar, alterar fluxos, por muitos também é responsável pelo desencarne, o ato do espírito desligar-se da matéria. Sua cor pode ser o preto e o branco, o que já simboliza o contraste dessa energia, uma energia dúbia, mas também conheci Omulu atuando na cor Roxa, que é a cor da Transmutação, também muito estudada nas Escolas da Grande Fraternidade Branca, onde o Mestre da Chama Roxa (Violeta) é Saint Germain, onde é mestre no Fogo da Transmutação.

Transmutação é o objetivo de qualquer alquimia, nada mais é que transformar um Elemento Químico em Outro, como muitos dizem, transformar chumbo em ouro, o que é um simbolismo para o verdadeiro processo e objetivo da alquimia, transformar cada ser composto de defeitos, qualidades, vícios e virtudes em um ser evoluído, desapegado e isento de vícios e malefícios. Então a Vibração de Omulu é justamente a Transmutação.

Interessante que até a oferenda desse orixá tem simbolismo na transmutação, você pega um grão de milho, e com o principal elemento mágico e transmutador, o fogo, o milho é transformado em um alimento totalmente diferente.

É o orixá que tem como Campo Santo o Cemitério, seu elemento Principal é Terra. Omulu é o Senhor dos Mortos enquanto Obaluaie, pode ser o senhor dos Vivos, Obaluaie traz a Cura e Omulu Transforma, ele é o Senhor dos Portais, aquele que cuida da passagem entre os dois Planos. Em muitos centros, Omulu é considerado um Exu, o que não fugiria muito da sua Vibração, pois é a Vibração Negativa de Obaluaie.

Por ser conhecido como o Senhor das Almas, os guias que atuam sob essa égide possuem grande poder em manipular energias densas, controlar espíritos de baixa vibração e grande conhecimento em agentes de transmutação, geralmente esses guias são responsáveis por enterrar toda energia negativa existente durante os trabalhos.

Outro fator interessante, é que a própria varíola, o que a Lenda diz que Obaluaie é portador, é uma doença extremamente complexa, o vírus possui uma das cadeias de DNA mais complexas que existe e destrói cada célula transformando-a em 10000 novos vírions. (http://pt.wikipedia.org/wiki/V%C3%ADrion). Até a doença do qual diz-se ser portador é uma forma de transmutação, é a destruição total de uma célula dando origem a novos elementos.

Outro fator interessante é a quizila que supostamente esse Orixá teria como Xangô, reza também a lenda que filho que tem Xangô no Ori (cabeça) não pode trabalhar com Obaluaie, é uma lenda que não condiz com o fato, eu mesmo, sou filho de Xangô e muitos trabalhos tive que trabalhar com Obaluaie, até mesmo o meu Exú Chefe, Rei das Sete Encruzilhadas, já pediu para eu acender velas direto no Cruzeiro das Almas, que seria o Campo de Obaluaie/Omulu)  em um trabalho. Dizem que filhos de Xangô não podem entrar em cemitério e digo a vocês, um dos melhores lugares que encontrei para firmar a cabeça e entrar em contato com o Plano Superior. A calma é indizível, recomendaria aos filhos tentarem isso algum dia.

O poder desse Orixá é vasto, mas sua Vibração é sempre direcionada à Calunga Pequena, por ter uma ligação especial com a Vibração Iansã, existe muitos boiadeiros que atuam nessa Vibração, junto com as linhas já citadas, preto-velhos e exus.

Por trazer o Poder da Vida e da Morte, é muito comum em um guia Firme ele utilizar firmemente as duas polaridades, a mão esquerda ele absorve, ele atrai todas as impurezas e cargas do filho e com a mão direita, o polo positivo, ele deposita todas as sutis vibrações, elementos de regeneração. Esse é o poder da Transmutação, retirar ou transformar algo pútrido em algo vivo novamente. Por isso, essa Vibração é tal Poderosa e Essencial nos terris de Umbanda, a Terra é onde pisamos, é onde depositamos todas as energias ruins, mas também é de onde absorvemos a energia da Mãe Terra, é de onde podemos retirar da seiva da mãe Natureza todo o poder vital para nossa saúde mental, física e espiritual.

Em meu blog eu costumo dizer que Oxóssi traz o conhecimento, mas a sua cor vibratória é verde, de onde traz o elemento cura, assim como Iemanjá, dona do Elemento Água, o elemento da regeneração, agora para concluir a tríade da Cura, o triângulo Cósmico, a Trindade muito conhecida em diversas liturgias, temos a Transmutação, a cor Roxa, o elemento que transforma as partículas espirituais em partículas físicas. Tudo na Umbanda é interligado, tudo é Natural, tudo é Divino.

Para quem gosta de sincretismo mitológico, podemos compará-lo a Anúbis, o Senhor da Morte e do conhecimento de embalsar os mortos, senhor das Necrópoles ou até mesmo Hades, da Mitologia Grega, o Senhor do Submundo.

Então vimos acima a importância dessa vibração e que não devemos desprezá-la, Obaluaie não é só um velho decrépito e sem importância como já vi muitas casas, ele é o “Velho”, é o “Atotô”, uma poderosa Vibração Natural imprescindível para os trabalhos da Umbanda, já que lidamos a todo momento com seres desencarnados.

Farei mais posts sobre orixás, mas meu intuito aqui é trabalhar e informar sobre a sua Porção Divina no Universo, não como “agradar”, como “incorpora”, é tentar informar mais o aspecto Cósmico do Orixá, tentar trazer sua relação com outras liturgias no Mundo.

Paz Profunda.

Neófito da Luz.

Trabalho Assistencial dos Guardiães

Aranauam irmãos.

Estava conversando com uma irmão essa semana e ele me relembrou de um fato curioso que só corrobora com a afirmação que exú não é só os seres da encruzilhada ou que atuam nas trevas, Exú é muito mais que isso. Segue abaixo um trecho do ocorrido:

No meio do ano de 2006, estávamos tendo uma gira normal e um guardião chamado Tranca-Rua das Almas, um querido guardião de nossa casa, havia nos comunicado que na próxima gira, que excepcionalmente seria de exú também, ele não poderia comparecer porque haveria um desencarne em massa no plano Terrestre e ele teria que prestar auxílio aos irmãos recém-desencarnados. Obviamente ficamos atônitos, ele era um guardião sempre presente na casa, ele só não vinha, quando seu medium tinha que trabalhar com o Sr. Marabô para algum trabalho de cura ou com o Sr. Meia-Noite para alguma quebra de demanda,  mas no próximo trabalho, como não tinha nada agendado, indubitavelmente seria ele.  Ainda mais perplexos no pensamento de tantos espíritos no outro plano, logo foi solicitada a assistência de um Exú, dito apenas um espírito que atua nas trevas e nada mais que isso.

Ele foi questionado pelos filhos da casa e ele tornou a repetir: Ainda não tenho permissão para dizer, mas fui convocado para prestar auxílio imediato no outro lado do Globo, aos desencarnados e aos feridos.

Eu lembro facilmente que era na gira de sábado que ocorreu esse comunicado.  Consultando nosso querido amigo Google, procurei a data do tsunami com exatidão, e foi no dia 16/17 de julho de 2006, onde nessa data, numa sexta-feira, ocorreu um tsunami enorme provocando feridos e mortos na Tailandia e Indonésia.

Podemos concluir facilmente que os exús não são apenas agentes ou policiais do Astral, responsáveis por quebrar demandas e fazer e desfazer trabalhos de magia negra. Já tivemos exemplos aqui no blog do Sr. Marabô que atua exclusivamente com cura, também tem o centro de uma irmã que o Sr. Veludo é um exú que também atua nessa linha. Mas além desses fatores, ficou esclarecido que exú é apenas um agente que atua no campo negativo, também atua nas trevas irrefutavelmente, mas não é uma entidade que atua unica e exclusivamente nas Trevas.

A grande certeza que tivemos, é que indubitavelmente não foi um processo anímico do medium, mesmo porque, para quem se lembra, esse tsunami chegou praticamente de surpresa, sem nenhuma previsão de acontecimentos, então foi uma maravilhosa prova que os Guardiães são muito mais que feiticeiros.

A nomenclatura “Das Almas” denota também a possibilidade da entidade trabalhar sob os auspícios de Obaluaie e Omulu, o que contribui enfaticamente para que essa entidade atue nos portais de grande transição de espíritos. Seja cemitério, seja o umbral ou a câmara de passagem para o reino dos mortos.

Fica ainda mais claro da importância de toda a Egrégora Espiritual existente na Umbanda, no outro lado, todos trabalham em conjunto com um Propósito Comum: A Disseminação do Grande Amor Cósmico. Todos correndo para a Senda do Conhecimento e da Caridade.

Esse post foi apenas com o intuito de afirmar veementemente que Exú é muito mais do que vemos em muitos livros, e ainda ouso dizer, que muitos ainda são Exús por opção. Fatalmente uma entidade que é convocada para realizar um trabalho dessa magnitude, podemos concluir que não é qualquer iniciando e sim um espírito de Grande Conhecimento que também presta seus serviços para outras finalidades.

Por isso, é imprescindível pararmos de banalizar os trabalhos dos Exús, é algo que sempre falo, Exú é uma linha que é extremamente SUBUTILIZADA.  Evocado apenas para desmanchar coisas ruins, por muitos mediuns, são tratados como guardinhas e faxineiros, que ou protegem a casa,  ou realizam apenas a limpeza, e isso vem sendo provado e comprovado que não é uma verdade.

Vejam seus guardiães, seus exús ou quaisquer outras denominações que utilizem, como um irmão, um amigo, um grande companheiro de jornada, que assim como nós, quer caminhar para a Senda da Evolução, eles possuem muito mais experiência que nós, mas também dependem de nós para que possam galgar os degraus da evolução, justamente por isso, irmãos, vamos evocá-los também para trabalhos dignos condizentes com a “especialidade” de cada um deles, seja para cura, para doutrina, para proteção, para limpeza, para consulta, isso é algo que cada um de vocês devem ter plena ciência.

Saravá Sr. Tranca-Rua das Almas, obrigado por mais uma lição, se assim podemos dizer, obrigado por fazer parte de um trabalho tão importante como o auxílio às vítimas do Tsunami e obrigado por mostrar gradativamente, o verdadeiro poder e objetivo da Egrégora Exú.

Exú é Mojibá.

Saravá Povo da Esquerda.

Saravá Guardiães da Umbanda.

Saravá Irmãos Queridos.

Namastê.

Neófito da Luz.