Você pode harmonizar e pacificar as pessoas

Você está satisfeito com a sua contribuição ao mundo? Você acha que a sua parte já está de bom tamanho? Seria um erro pensar que somos pequenos para contribuir com o mundo. Você é espírito imortal, não é? Jesus Cristo, Ghandi, eu, você, o presidente dos Estados Unidos, todos somos espíritos imortais. Todos nós temos a mesma natureza de filhos de Deus, feitos à sua imagem e semelhança. Portanto, somos perfectíveis. Podemos contribuir. Se consultarmos a consciência, não só podemos, como devemos contribuir.

Talvez você já esteja se esforçando bastante, talvez suas responsabilidades já estejam exigindo muito de você. Há situações que realmente nos consomem bastante energia. Só não devemos esquecer que a energia é potencialmente infinita.

Existem pequenas coisas que podemos fazer em nosso pequeno mundo sem precisar de condições especiais. Uma dessas coisas é a harmonização dos ambientes em que permanecemos a maior parte do tempo. Nossa casa, nosso local de trabalho ou estudo.

Você contribui com o seu pequeno mundo à medida que faz algo em benefício das pessoas à sua volta, das pessoas que convivem com você no cotidiano. E isso só depende de você!

Nós somos protagonistas desse momento histórico! Por que “nós”? Por que nós despertamos para a realidade da reencarnação, que demonstra os resultados da Lei de causa e efeito. Colhemos o que plantamos. Estamos imbuídos da necessidade de realizar nossa reforma íntima. Se você não tivesse o menor interesse em ajudar o próximo, se você só se preocupasse consigo mesmo, não estaria perdendo o seu tempo lendo um assunto como esse; não gastaria cinco minutos do seu precioso tempo visitando este site.

Você tem a capacidade e a responsabilidade de harmonizar e pacificar as pessoas que compõe seu grupo de convívio. Como você faz isso?

Com o exemplo: Supere a si mesmo, nem que seja um mínimo de cada vez. A capacidade é um estado de espírito como qualquer outro. Acredite em sua capacidade e dê bons exemplos de conduta. Faça o que sabe que deve ser feito. Não tenha vergonha de ser bom. Não se preocupe se você parecer sem graça no começo. Poucas pessoas estão acostumadas com a ética e as atitudes corretas.

Com atitude positiva: Você pode, em pouco tempo, se tornar conhecido por sua atitude positiva diante da vida. Enaltecendo as qualidades do próximo ao invés dos defeitos; evitando falar mal dos outros; vendo o lado positivo das pessoas e das situações; valorizando a saúde e não a doença; elogiando em vez de criticar.

Com amor: Você conhece a diferença entre amar e gostar? Amar é desejar todo o bem possível, e isso você pode fazer. Deseje só coisas boas para todos os que o cercam, independente de gostar deles ou não.

O amor move o mundo, pois o amor é ação. Gosto muito do pensamento oriental, de suas filosofias e meditações. É realmente fascinante. Mas nossa realidade é extremamente dinâmica. Precisamos resolver as coisas através da ação. E amar é agir. Desejar o bem firmemente para os que convivem conosco, mesmo (e principalmente) para os mais difíceis, é um poderoso antídoto contra o desânimo e a falta de energia.

Já disse há pouco que a energia é potencialmente infinita. Ela está em toda parte. Nós temos a capacidade de absorvê-la pelo poder da vontade. Experimente! Imagine seu corpo absorvendo energia do Cosmos, do mar, das estrelas, do Sol. Sinta-se como um grande e potente ímã, atraindo irresistivelmente a energia esparsa no universo. Do mesmo modo, você é capaz de exteriorizar energia para o ambiente e para as pessoas que o cercam.

Talvez você já faça a sua parte, quem sabe até esteja sobrecarregado. Mas nenhuma dessas atitudes citadas dependem de condições especiais. Dependem da sua vontade. Se você parar para pensar, poderá se surpreender com quantas coisas dependem exclusivamente da sua vontade.

Veja mais em http://www.espiritoimortal.com.br/

Anúncios

Reencarnação – porque esquecemos as vidas passadas?

Morel Felipe Wilkon

A reencarnação é uma realidade

O leitor Roger Silva  fez um comentário num artigo sobre reencarnação intitulado “Porque esquecemos as vidas passadas” (se quiser ler, clique sobre o título), de autoria de Ana Blume. Publico a seguir o seu comentário, a minha resposta ao seu comentário, e, no final, deixo um link para um trabalho primoroso realizado pelo Paulo Neto sobre as pesquisas científicas acerca da reencarnação. Aproveito para recomendar o trabalho do Paulo Neto, que você pode conferir clicando aqui: www.paulosnetos.net

Acho muito interessante essa visão que é compartilhada pela budismo, uma noção de darma e karma, do que precisa ser aprendido e o que se deve pagar. Mas não acredito, pois o que acontece se você não lembra o que fez? Comete o mesmo erro. As lembranças nos ensinam os caminhos errados e o que deve ser corrigido. Já disseram “Quem esquece a história, corre o risco de cometer os mesmos erros”. Então, sendo Deus tão onipotente e onisciente seria incapaz de fazer tal asneira. Lembrar é preciso. O aprendizado só se consolida com os erros.– Roger, darma é uma palavra do sânscrito que tem um grande leque de significados. Mas, para o budismo, seria o que no Cristianismo chamamos de Verdade, como quando Jesus diz “conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará”. Todosconheceremos a Verdade um dia. Mas uma existência é um período de tempo insignificante para chegarmos à Verdade. Por mais esforçados que sejamos, por mais diligentes, disciplinados e obedientes ao que entendemos ser a Vontade de Deus, é impossível conhecermos a Verdade em uma única existência.

Carma é uma palavra que também vem do sânscrito e que quer dizer ação. Sabemos que a cada ação corresponde uma reação. Podemos associar a noção de carma, então, ao que no Espiritismo chamamos de Lei de ação e reação, que nas palavras de Jesus, é “a cada um de acordo com as suas obras”.

Precisamos aprender, sim. Mas não há como aprender tudo em tão pouco tempo. Eu me dei conta, há alguns anos, de que mesmo que me esforce muito, não terei condições de ler todos os livros que gostaria. Não é possível, o tempo não é suficiente. Se não há tempo para ler, que é apenas um contato superficial com o conhecimento transmitido através do livro, como poderei “aprender” realmente?

Precisamos de inúmeras reencarnações para aprendermos alguma coisa. Se não houvesse a reencarnação, se nossa vida se resumisse a esse breve passeio pela Terra, como aprenderíamos o que precisamos aprender? É visível que há pessoas que aprendem com mais facilidade que outras. Há pessoas que são moralmente mais elevadas que outras. Há, mesmo, pessoas que alcançaram um grau de elevação extraordinário. Deveríamos supor, então, que estas pessoas foram creadas por Deus com vantagens sobre as demais? Por que Deus crearia algumas poucas pessoas bastante elevadas e com facilidade de aprendizado e outras tantas em situações difíceis?

Existe uma ordem que preside a tudo, e a Lei é a mesma para todos. As pessoas que hoje são melhores é porque já aprenderam mais, já experimentaram e conquistaram mais. São espíritos velhos que fizeram bom proveito de suas oportunidades.

Não reencarnamos para “pagar” nada. O Universo é harmonia. Qualquer erro que cometemos é contrário à harmonia do Universo, e compete a nós repará-lo.

Todos os nossos pensamentos, palavras e ações, de todas as nossas existências, ficam gravados em nosso subconsciente. Não podemos lembrar o que fizemos em outras existências, pois animamos nova personagem, estamos revestidos de outro corpo, temos outro cérebro físico, e este cérebro não pode armazenar informações que não foram experimentadas por ele.

Embora não os lembremos conscientemente, já que o cérebro físico não pode armazenar informações que não passaram por ele, somos o resultado do que pensamos, falamos e fizemos. A cada nova existência terrena nosso ponto de partida é o estado em que nos encontrávamos no final da reencarnação anterior ou o que tenhamos conquistado no intervalo entre uma reencarnação e outra.

Por isso as diferenças entre as pessoas. Cada qual apresenta como sua marca registrada o somatório da sua bagagem espiritual conquistada através de inúmeras existências.

Cometemos, sim, muitas vezes, os mesmos erros. Há erros que são repetidos em várias existências, às vezes envolvendo os mesmos espíritos, reencarnados próximos uns dos outros. Esse quadro se mantém até que haja o aprendizado efetivo através da conscientização e do reajuste entre as partes envolvidas.

Gosto de História, estudei História, mas o homem repete os mesmos erros sempre, mesmo com o conhecimento da História. Desde os primeiros registros da civilização o homem repete os mesmos erros. Aos poucos o grau de gravidade dos seus erros vai sendo amenizado, não por conhecimento da História, mas porque somos hoje os mesmos homens que construíram a História que conhecemos. A História narra a nossa história. Os diversos períodos da História foram construídos por nós em nossas existências anteriores.

O que nos ensina não são as lembranças, mas a conscientização. Os criminosos contumazes não sofrem de amnésia. Lembram dos seus erros e não se importam com eles, pois ainda não se conscientizaram, não se deram conta de que os erros que cometemos atingem, em primeiro lugar, a nós mesmos.

Para alcançarmos um estado de harmonia com as Leis divinas teremos que reparar todos os nossos erros.

Deus, sendo, como você diz, onipotente e onisciente, crearia seres programados para serem criminosos? Ou para sofrerem a vida inteira? Pois, se não existisse reencarnação, teríamos que admitir que os homens não existiam antes de nascer, e, se são creação divina, Deus, sendo onisciente, ou seja, sabendo tudo, os teria creado para serem assim, criminosos e eternos sofredores. Não podemos admitir isso.

Somos o fruto de uma longa evolução. Somos o resultado do que fizemos de nós mesmos. Você tem razão em sustentar que o aprendizado só se consolida com os erros. Mas, por errarmos muito, precisaremos de um longo tempo, para nós inimaginável, até evoluirmos a ponto de não mais errarmos.

O esquecimento de nossas reencarnações anteriores, ao invés de ser um empecilho para o nosso aprendizado, é um ato providencial da Sabedoria Divina. Analisando, como você bem lembrou, a História, percebemos que gradativamente vamos amenizando os nossos erros. Voltemos no tempo dois mil anos e nos depararemos com as carnificinas nas arenas romanas, que era a maior diversão da época. Depois vieram as invasões bárbaras, em que imperava a crueldade sem limites. A Idade Média, com a perseguição de todos os que pensavam diferente do que era proclamado pela Igreja e a condenação à morte na fogueira. A escravidão no Brasil, em que homens eram proprietários e muitas vezes algozes de outros homens.

Quem cometeu todos esses erros? Nós. Nós estivemos envolvidos com erros brutais, coletivos ou individuais. Quantas tragédias já protagonizamos em reencarnações anteriores? Admita, por um instante, que, numa reencarnação passada, o espírito que hoje é seu filho foi assassinado por você, ou que a mulher que hoje é sua esposa o traiu com seu melhor amigo, ou que o espírito que hoje é sua mãe foi abusado por você em outra existência. Você suportaria conviver com essas lembranças? Acredito que não.

Mantemo-nos ligados aos espíritos com os quais formamos vínculos emocionais fortes. Voltamos a reencarnar próximos uns dos outros para nos reajustarmos, pois a Lei é perfeita e não admite que a desarmonia seja mantida indefinidamente. Com nova roupagem terrena, temporariamente esquecidos dos papéis que exercemos conjuntamente no passado, somos atraídos novamente para junto daqueles com quem precisamos nos rearmonizar. Temos nova chance, nova oportunidade. Não lembramos, mas percebemos nitidamente laços de simpatia ou antipatia, atração ou aversão que não são plenamente explicáveis se desconsiderarmos o processo reencarnatório.

Quantos casamentos nós vemos em que os cônjuges parecem nutrir raiva um do outro e mesmo assim unem-se e têm filhos em comum? Quantos casos de mãe ou pai que adora um filho e não suporta outro? De onde vem essa aversão por esse filho? Pode-se alegar que haja uma incompatibilidade de gênios, mas isso é efeito, não causa. A causa está no passado. Não há efeito sem causa. Tudo o que não tem causa conhecida nesta existência tem sua causa em existências passadas.

Sobre a Incorporação…

Saudações amados irmãos…

Desculpem-me a correria e não pude deseja-los um “Feliz Natal”. Sinceramente eu não sou muito chegado a essa data, por isso, muitas vezes acabo esquecendo, não sou muito contagiado por essa data capitalista e consumista e não preciso de um dia específico para estar e louvar a minha família!

Mas focando no título do post, vou fazer um pequeno compilado sobre as perguntas que eu mais recebo sobre esse assunto:

Quando serei inconsciente de verdade como meu “pai-de-santo”?

Nunca! [Risos]. Como muitos aqui sabem, ninguém nunca conseguiu me provar estar totalmente inconsciente sobre a incorporação, existe uma cultura ANCESTRAL e ANTEPASSADA que somente a incorporação inconsciente é a correta e que somente médiuns feitos são capazes de consegui-la. Eu digo com total veemência: BALELA! Se existe um médium inconsciente, eu não conheci e todos os que o disseram ser, provou-se ser uma falácia, inclusive, meus sacerdotes diziam-se não lembrar de nada e vira e mexe soltavam alguma circunstância que ocorreu durante a sua “inconsciência”. Se esse tipo de mediunidade ainda existe, o que eu duvido com todas as forças, gostaria de presenciá-la.

Portanto, meu querido irmão, a probabilidade de você ser um médium consciente é a mesma de você poder flutuar com algum guia em sua matéria.

Por que você prefere usar o termo psicofonia a incorporação?

Assim como acredito que dois corpos não ocupam o mesmo espaço, dois espíritos não ocupam o mesmo corpo, o que ocorre é uma irradiação do espírito que quer realizar a comunicação com o seu corpo espiritual, permitindo utilizar de suas cordas vocais, suas funções motoras e até mesmo o seu conhecimento armazenado em seu cérebro, ocorre uma sinergia, uma acoplagem do corpo espiritual do espírito (ou chacras, ou como queiram) com os seus, ocorrendo esse sincronismo energético para a realização dos trabalhos. Portanto, incorporação é um termo já consagrado porém erroneamente utilizado.

Como posso diferenciar o Animismo da Mistificação?

Você pode adquirir essas informações nesse post: http://wp.me/p59fhC-hx

O que viria a ser a Mistificação?

Conforme o post mencionado anteriormente, mistificação é o ato de “fingir” estar com alguma entidade, mentor ou quaisquer denominações que queiram atribuir, muitos utilizam desse fato para proveito próprio para satisfazer a sua vaidade exacerbada, consequentemente a essas atitudes, os mentores vão se afastando dando espaço para kiumbas e outros espíritos de classes inferiores.

E antes que me venham dizer que existem os exús para proteger eu vos digo, existem os exús para cumprirem a Lei Cármica, existem os Exús da Lei e que respeitam o livre arbítrio e acima de tudo, a Lei da Causa e Efeito, LEDO ENGANO, achar que poderão utilizar em vão vossos mentores e escaparem ilesos da Justiça Astral.

Com isso, existe a incorporação longe? Fraca? Inconfiável?

CLARAMENTE. Recentemente tive um caso muito complicado, de uma pomba-gira da “amiga” da minha mulher dizer-lhe que eu estava traindo-a e saindo com outras mulheres, não obstante, ainda proferiu diversas mentiras a respeito de certos fatos que a minha própria esposa imediatamente atestou que os argumentos eram inverossímeis. Eu só disse à minha mulher, que é iniciante no tocante espiritual, uma simples frase: “O que esperar de uma pomba-gira que te chama de puta para conversar?” Independente se ali é ou não uma pomba-gira, existe o fator do médium poder passar à frente na incorporação, ser uma pomba-gira ainda em começo de jornada mediúnica ou não ter absolutamente nada ali!!!

O que mais podemos presenciar nos terreiros são guias proferindo palavras ignóbeis, de baixo teor agregável, muitos mais perguntam que respondem, e são pessoas que conscientes ou não, exponenciam o preconceito demasiado da religião e a incredulidade de muitos, inclusive a minha que eventualmente coloco a prova.

E para os médiuns mais velhos, não achem que estão livres disso que não estão, por mais que sejamos médiuns mais experientes, mais velhos, estamos sujeitos às mazelas da carne e com isso, contribuímos para o afastamento dos amigos espirituais ou até mesmo a dessincronização com a energia espiritual e, consequentemente quebramos a nossa vibração com o Altíssimo permitindo acessarmos espíritos de baixa vibração e rompendo com os laços dos espíritos mais evoluídos.

Por isso, sempre enfatizo, sejam médiuns fora do terreiro e como o Sete Encruzilhas sempre me lembra, não existe médium desenvolvido justamente por ainda sermos imperfeitos!

Existem médiuns desenvolvidos?

Não, existem médiuns que alcançaram maiores estágios na escada evolutiva, porém, todos nós somos aprendizes e estamos sempre aprendendo, evoluindo, quando alcançamos um estágio e achamos que concluímos, aparecem mais três para superar, assim é a constante evolução espiritual!

Existem médiuns melhores e piores?

Infelizmente é um assunto complicado para se tocar, mas é impossível negarmos a eficiência de trabalho de certos médiuns e o total despreparo de outros, meu cigano, Ramirez diz que “O Pequeno e o Grande só existem quando vistos de uma mente limitada!”. Concordo e discordo dele, no tocante concordo, realmente quando tentamos olhar com certos olhos, com os olhos espirituais, os olhos do amor, realmente somos todos iguais porque somos animados por uma mesma fonte de energia, mas infelizmente, em uma mesma casa, temos lâmpadas de maiores e menores potências, assim também ocorre com nossos corpos materiais e espirituais.

Todos nós temos um grau evolutivo, uma determinada missão na Terra, uma limitação, e a mediunidade não fugiria disso. Existem os médiuns que não ESTUDAM NADA, mas dão a comunicação com ilibada maestria, existem médiuns que devoram os livros e utilizam para fins egoístas, vivendo disso, entre outros fins, portanto, não existe uma receita de bolo, o melhor médium é aquele que tem sabedoria, não adianta ser totalmente ignorante e nem totalmente sábio, porque existem outras variáveis, como caráter e dedicação que fazem toda a diferença. Repito, conheci médiuns que mal sabiam ler, mas sua comunicação era perfeita, guias extremamente precisos, como conheci médiuns que cursaram inclusive a faculdade de Umbanda e eram ruins, má comunicação com os mentores, imprecisão nas palavras, trabalhos de cura pouco eficazes.

E uma outra coisa que é importante mencionar, não adianta sua linha só ter cacique e reis do inferno se o recipiente e o canal que criam para eles é medíocre, é egoísta e limitado, muito melhor um médium ter guias talvez no meio para o baixo termo e ter sua mente focada e seu coração limpo, no final, é o médium que fará toda a diferença. Não adianta querer chegar de avião se não sabe pilotar. Fica aí a parábola da tartaruga e a lebre para ilustrar essa ideia. Ou uma que faz todo o sentido:

  • “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, para que não suceda de que eles as pisem com os pés e que, voltando-se contra vós, vos dilacerem.” — Bíblia, Novo Testamento, Livro de Mateus, Capítulo 7, versículo 6.

Quando estou incorporado, é normal tossir? Espirrar?

Este é um outro assunto extremamente polêmico, cada escola de Umbanda diz uma coisa.

Eu, aprendi que quando uma entidade tosse ou espirra, quer dizer que a incorporação não está tão firme, o que não denigre a veracidade daquela comunicação. Eu particularmente, já vi guias tossirem, espirrarem, se coçarem e realizarem bons trabalhos. Outros sacerdotes afirmam que a comunicação não está firme e muitas casas recomendam o guia subir para descer mais firme.

Eu particularmente sempre digo, que muitas vezes você pode passar à frente da incorporação, mas você mesmo pode trazer de volta a força dele para sua mente objetiva, isso vai depender da união e do sincronismo que você tem com ele, por isso, é sempre importante seguir alguns conselhos do post “Firmeza de Cabeça” que você pode ler aqui.

Eu particularmente não condeno, mas infelizmente tenho aquela base lá atrás que me deixa com o pé atrás, porém, como disse, há sempre a chance do médium se recuperar daquele momento e prosseguir com um bom trabalho durante a gira.

Então serei sempre consciente?

Feliz ou infelizmente, a espiritualidade tem os seus planos, hoje não é necessário mais a incorporação inconsciente porque a Umbanda já deixou seu legado em seus 100 anos, então não é mais necessária ficarmos inconscientes, já que temos uma imensidão de locais para realizar as pesquisas a respeito de vários assuntos dentro da Umbanda.

Existem posts no blog que serão mais claros e exemplificarão melhor esse processo!

Podemos acreditar em consultas realizadas pela internet ou telefone?

Sim! Se criou um mito de achar que os guias são primitivos, sim, existe muito esse mito, o guia não saber o dia da semana, o guia não poder te chamar pelo nome, muitas casas julgam isso como marmotagem, eu particularmente, acredito que se eles estão entre nós, e qualquer ignorante pode aprender a nossa cultura, pode aprender nomes de meses, dias da semana, porque não eles que estão em uma camada superior à nossa?

Acho que quando é para realizar a consulta, não existem meios, mesmo porque, indubitavelmente toda evolução, avanço tecnológico que temos, parte com permissão do Mundo Espiritual, e a Internet atraiu ainda mais pessoas de diferentes regiões e semelhantes vibrações. Aqui mesmo no blog já fiz amigos, já fiz consultas pelo Skype, pelo Whatsapp. Isso não significa que eu dou a comunicação (incorporação) e eles digitam em meu notebook ou celular, e sim que eles “encostam” e dão o devido recado para que eu possa auxiliar um irmão necessitado.

Também é importante salientar que isso não acontece 24h, talvez a pessoa esteja no seu merecimento e o recado é passado, como também, já atendi pessoas aqui do blog em reuniões particulares que costumo fazer em locais privados.

Portanto, eu mesmo sou prova que esse tipo de consulta pode ser eficiente e de extrema ajuda para os que necessitam.

Pode ocorrer a necessidade fisiológica durante a incorporação?

Normalmente, as nossas funções fisiológicas continuam ativas durante a incorporação, porém, o mentor consegue controlar essas necessidades, eu mesmo, já tive uma grande disfunção intestinal e tive que ir ao centro, durante os trabalhos, a vontade praticamente cessou, não senti absolutamente nada, depois, senti algumas dores abdominais, mas me ajudaram a cessar essa indisponibilidade intestinal. Portanto, não é incomum isso acontecer, vai depender de como você está sincronizado, acoplado ou até mesmo incorporado com o seu guia durante os trabalhos.

Como me tornar um médium melhor?

Sua conduta de vida diz muito quem você é, e obviamente, isso vai impactar em sua vibração espiritual, existe aquela máxima de “Semelhante atrai semelhante”, não pense que você está acima do bem e do mal, dependendo da sua conduta de vida, independente dos seus vícios, a prestação de contas é inevitável e irrevogável, portanto, sua conduta, seus atos, o controle de suas mazelas, o foco em sua jornada, a força de vontade são pontos preponderantes que determinam seu grau de mediunidade, sua força e consequentemente seu trabalho dentro do terreiro.

Não adianta ficar 21 dias no quartinho, rasgar o corpo todo, tomar 500 banhos de ervas e sua forma-pensamento, sua vibração espiritual, sua conduta de vida é duvidosa. Lembrem-se, somos aquilo que pensamos e atraímos em igual proporção.

Uma garota de programa ou qualquer pessoa que tem uma forma de trabalho julgada ilícita pela sociedade pode trabalhar?

Esse é um tema extremamente delicado do qual discuto muito com um dos poucos irmãos que confio totalmente no meio Umbandista. Quando eu fui pai pequeno, havia uma médium que descobrimos ser uma garota de programa, e seus trabalhos eram impecáveis, sua conduta de vida dentro do terreiro, seu trabalho bem realizado como médium era inquestionável.

Esse mesmo irmão Robson, também já teve uma circunstância idêntica, a irmã era uma excelente médium, mas ele disse que como ela não seguia a cartilha da casa que era a conduta ilibada de vida, ele a convidou a se retirar.

Pai Guiné tem uma máxima que diz: Cabe a nós ajudar e ao pai julgar!

Eu acredito que a pena é a mesma para todos, mas existem pessoas com predisposição, existem médiuns que podem ficar a vida toda sem trabalhar e não tem a cobrança, outros, quando se ausentam meses, a espiritualidade já cobra!

É impossível CATEGORIZAR e ROTULAR cada ato com sua consequência, todos nós temos um histórico espiritual que nos fornece crédito ou débito.

Não tenho uma opinião formada, mas como disse acima, se era uma excelente médium, os guias realizavam trabalhos impecáveis, quem sou eu para julgar e dizer que é errado se os seus próprios mentores traziam força e caridade para a corrente?

Mas Neófito, você não disse que nossa conduta fora da casa determina nossa firmeza como médiuns?

Sim, mas também disse que todos nós temos um histórico espiritual e que vai determinar qual será a nossa pena para nossos atos, do mesmo jeito que existem pessoas que fumam exacerbadamente e morrem “saudáveis” e outros que pararam e morrem de enfisema pulmonar ou outros malefícios causados pelo fumo! Nem todos somos iguais e nem tampouco com a mesma bagagem espiritual!

Como obter conhecimento dos guias?

Simples… Meditação, Dedicação, velas, incensos, tranquilidade na alma. Sejam puros, ou tentem o seu máximo, e acima de tudo, acreditem em si mesmos.

Escolham com quem andam, vibrem sempre positivo, tenham amor aos seus mentores, pois sempre digo, são seus amigos de jornada, amigos das mesmas escolas que você, seja bons recipientes para que estejam preparados para receber todo o bálsamo da sabedoria espiritual.

É normal no começo nos espelharmos nas pessoas, naqueles que respeitamos, mas chega um momento, que a jornada deve ser realizada sozinha, para o seu interior, com você mesmo. Existem vários meios de atingirmos um norte, cursos, palestras, blogs, mas chega um momento que você deve olhar pra si mesmo e encontrar a sua Verdade! A sua pode ser diferente ou igual à minha, podemos ser ou não da mesma escola, trabalhar com a mesma corrente espiritual. Quem sabe?

 Continuarei post na próxima oportunidade para não ficar muito extenso.

Neófito da Luz

Chakras Secundários e sua Relação com a Incorporação

De cada chakra principal, partem algumas correntes (nádís) para distribuir o prána pelos chakras secundários. Há um número indeterminado de chakras secundários no corpo humano. Só nas palmas das mãos temos cerca de 35 em cada. Assim, quando procedemos aos mantras, marcando o ritmo com palmas, estamos estimulando nada menos que 70 pequenos chakras através do atrito. O atrito gera energia térmica e eletricidade estática, manifestações de prána.
Os Chakras secundários dependem dos principais , o mesmo é dizer que se um Chacra principal estiver desequilibrado os seus chacras secundários correspondentes também estão em desequilíbrio
Vejamos alguns dos “principais” chakras secundários
 

Chakra Umeral:

Fica nas costas, na altura da omoplata esquerda (entre e sobre o pulmão esquerdo. É o chakra espiritual, pois através dele que as energias se conectam. É o chakra mediúnico e de proteção, porque equilibra as energias positivas e negativas em excesso. É um gerenciador energético. É através dele que recebemos, em primeiro lugar, todos os contatos espirituais. É composto de 02 hélices ou pétalas que giram no sentido horário quando captam energias (incorporação) e no anti-horário quanto repelem energias (desincorporação). Tem coloração variável, mas o azul claro e o verde são predominantes. Oscila entre as outras matizes de acordo com a energia que está sendo captada.
Esse é um chakra extremamente importante para avaliarmos se estamos com algum problema espiritual. Ele mantém a nossa individualidade e depende do desenvolvimento do chakra do plexo solar, ou seja, da proteção do baço. Ele rege todas as energias que habitam o nosso espaço e as organiza.
Ele também processa as energias do ambiente e, filtra as energias densas que transitam no nosso campo energético. Quanto mais percebemos e desenvolvemos as nossas qualidades vibratórias, mais estaremos trabalhando o chakra umeral. Em uma leitura energética ele serve como um parâmetro para que possamos entender se o paciente está com algum tipo de contaminação energética.

Basicamente esse chakra se desarmoniza por três fatores:

  1. vivência de padrões pessimistas, negativos e derrotistas. Por exemplo: “tudo na vida para mim é difícil”, ou “esse tipo de coisa só acontece comigo”, “eu não mereço isso”, “eu não tenho capacidade para realizar essa tarefa”, etc.
  2. quando a pessoa está tão desarmonizada (buracos áuricos), que acaba ficando exposta, vulnerável à energia dos ambientes ou pessoas com que se encontra, em que haja uma vibração não muito boa.
  3. por energias intrusas ou espíritos obsessores. É importante que saibamos diferenciar quando uma desarmonia espiritual está relacionada com o chakra coronário que é por onde recebemos a energia cósmica ou com o umeral que conta o grau de vulnerabilidade que o paciente está em relação a energias negativas

Chakras das Mãos:

Localizados na região central das palmas das mãos. Caracterizados por estarem numa região terminal do corpo, denotam ponto de entrada ou escape de energia. São os chakras de ativação mais fácil e seguro, sendo que sua ativação permite o desenvolvimento da capacidade de sentir energias sutis e também de sentir a aura. Manipulação energética. São pontos de entrada ou escape de energia.

Descrição Detalhada:

Localização: palmas das mãos.
Sem cor específica.
Este chakra tem um papel à parte.
Tem a mesma característica do cristal branco: aciona ou desativa energia.
O chakra das mãos é um veículo direto através do qual as Forças Cósmicas operam.
Interferimos apenas para intuir e acionar a ordem que deve ser dada em cada caso.
Para carregar este chakra com a energia cósmica, basta esfregar as palmas das mãos uma na outra. Este é o gesto básico, primeiro, de qualquer trabalho de energização.

No momento em que fazemos isto, sentimos um calor ou um formigamento no lugar onde esfregamos. Isso significa que captamos as partículas de energia do ar, aglutinando-as e transformando-as numa onda, como um raio laser.

Uma vez carregadas as mãos (durante uma energização devemos carregá-las quantas vezes acharmos necessário), vamos usá-las de inúmeras maneiras, conforme a necessidade do momento.
O passe magnético ou massagem energética pode ser aplicado nas mais variadas situações: podemos passar as mãos ao longo e acima do corpo de uma pessoa, para captar seus circuitos bloqueados e desbloqueá-los.
Podemos carregar as mãos e jogar uma energia de ativação ou desativação, pedindo, por exemplo, a cor verde sobre alguém que esteja com febre.
Tanto podemos usar este gesto de uma maneira generalizada, buscando o bem-estar do outro, ou o nosso próprio, como podemos especificar o uso.
Por exemplo: para tirar uma dor, aliviar uma angústia, fazer um pedido.
Nesse caso, basta acoplar ao gesto de energização uma ordem mental, a que ocorrer, a que parecer mais indicada. Virá intuitivamente.
Podemos jogar energia positiva no ambiente.
Podemos utilizar esse gesto simples de esfregar as mãos para captar energia para nosso próprio alimento ou para alimentar outra pessoa.
EXEMPLO DE EXERCÍCIO COM O CHAKRA DAS MÃOS
Energização da água
Encha um copo com água.
Esfregue as palmas das mãos.
Conecte-se à Fonte.
Coloque a mão direita, com a palma para baixo, acima do copo.
Posicione a mão esquerda com a palma para cima.
A mão esquerda “puxa” a energia e a direita a transmite à água.
Mentalize para que você deseja energizar a água.
Exemplo:
“Energizo esta água para que me proteja de todas as energias mal qualificadas”
ou
“Energizo esta água para que me dê energia, saúde, bem-estar” etc.
Permaneça mentalizando e com as mãos posicionadas o tempo que julgar necessário. Você deve procurar “sentir” quando o exercício terminou. Beba a água.
Usando o mesmo processo, podemos energizar o que quisermos: comida, roupa, perfume etc.
Não esqueça: quando for energizar alguma coisa para outra pessoa, peça licença à Lei Universal e à Divina Presença Eu Sou dessa pessoa, evitando fazer pedidos muito específicos, a não ser que se trate de curar uma dor, um sentimento de angústia etc., pois você não sabe as reais necessidades dela.
NOTA: Sempre que trabalhar com as mãos para outra pessoa, lave-as muito bem com água e sabão, após o exercício. Isso libera você da energia que não é sua.

Chakras dos Pés:

Localizado nas solas dos pés, sua finalidade é descarregar energia elétrica (estática) gerada pelo corpo físico (Um dos pés a energia é aferente = Conduz de fora para dentro. No outro é eferente = Conduz de Dentro para fora), como também a absorção prânica. Aterramento. Relação com a Mãe Terra. Estabilidade em geral.

Chakra do Joelho:

Atua como um transformador, regulando a quantidade de corrente que deve entrar no corpo. Aprendendo e ensinando. Flexibilidade em lidar com grandes quantidades de energia.

Os Chakras do Bico do Peito:

Nutrição/Responsabilidade – Posição: Bicos do Peito: Esses chakras organizam energias que são relacionadas com a nossa nutrição – em todos os níveis possíveis – e a nutrição das pessoas das quais gostamos. Também organiza a maneira com que lidamos com a responsabilidade.

Os Chakras Yin/Yang (ombros):

Posição: No centro de cada ombro. A energia é direcionada para o céu. No ombro direito fica o Chakra Yang. No ombro esquerdo fica o Chakra Yin.O Chakra Yang organiza o 1º, 3º e 5º chakras principais. O Chakra Yin organiza o 2º, 4º e 6º chakras principais.
Os Chakras Yin/Yang trabalham com os respectivos chakras principais relacionados acima, de forma semelhante àquela com a qual o 7º chakra trabalha com todos os chakras principais.
Os Chakras dos Tornozelos:
A flexibilidade de ficar centrado durante mudanças na vida. Flexibilidade em como ganhar a vida.

O Pa Kua Superior:

Organiza o fluxo de energia para o tórax, ombros, braços, pescoço e cabeça.

O Pa Kua Inferior:

Organiza o fluxo de energia para as pernas, pélvis, espinha em geral e barriga.

Chakra do Timo e Alta Major

O chakra do timo é associado com a energia crística (situa-se entre o chakra cardíaco e o laríngeo); e o “alta major” é associado com a canalização (situa-se na parte de trás das nossas cabeças, abaixo da nossa região occipital).”

Chakra Void

“Cercando os chakras: umbilical e o plexo solar, está o Void que representa o princípio do mestre dentro de nós. Quando a Kundalini é despertada e passa através do Void, esse princípio do mestre é estabelecido:
“Assim, como diz Shri Mataji, na Sahaja Yoga, você se torna seu próprio guru. É capaz de se livrar de tudo que o escraviza, tornando-se o seu próprio mestre.”

Câmara Secreta do Coração

“Este é o Chakra Secreto ligado ao oitavo raio, ele tem oito pétalas, situa-se atrás do chakra do coração. Este é o lugar sagrado de Deus no homem, é aqui que se encontra o altar secreto do nosso Santo Cristo Pessoal. Neste altar podemos colocar tudo o que nos é mais sagrado como uma espada de luz ou um manto da invisibilidade.”

Chakra do Diafragma

Situa-se entre os chakras: cardíaco e plexo solar. Por estar relacionado ao plexo solar, está intimamente ligado às emoções, sendo assim, ele atua no equilíbrio das energias irradiadas e recebidas para os outros chakras. Fica no centro do peito, na linha dos mamilos e através dele podemos eliminar muito do lixo kármico que nos impede de atingir nossos objetivos.

fonte: http://www.mestresascensos.com/2011/06/chakras-secundarios.html

Trabalho Feito, Feitiço ou Magia Negra – Uma “Muito Breve” Opinião!

Texto extraído de uma linha de Umbanda que respeito muito, a do Roger Feraudy através do site http://www.aumpram.org.br

1. Minha vida está muito mal, tanto no aspecto amoroso como no financeiro; acho que fizeram um trabalho contra meu marido para que assim fosse. O que a Umbanda pode fazer por mim?

“Trabalhos” ou outros tipos de magias só “pegam” nas pessoas se elas estão predispostas para que isto aconteça. Predispostas no sentido de não estarem atentos para a necessidade de uma postura de vida onde prevaleça a brandura, a caridade, a ausência de irritação, a necessária resignação para com muitas coisas que não são mesmo para serem resolvidas e sim serem aceitas, etc.
De qualquer forma, sempre é muito questionável dizer que nos fizeram isto ou aquilo. Muitas vezes nossos problemas são apenas oportunidades que nos são dadas pelo Pai Maior para que possamos rever algumas coisas e aprender outras. Quando conseguimos descobrir o que cada vicissitude traz escondida em forma de aprendizado, talvez não precisemos mais passar por ela.
A Umbanda não existe para resolver problemas amorosos ou financeiros ou de qualquer outro tipo, especificamente. A Umbanda existe para ensinar as pessoas a amarem e a se conectarem com a espiritualidade superior, o que deverá trazer a paz e o entendimento das leis divinas a cada espírito, especialmente a lei maior de causa e efeito. Nada nos acontece sem uma causa anterior, traçada por nós mesmos. Umbanda é a Lei Divina.
Sugerimos que procure um bom centro, onde possa se aconselhar nesse sentido com as entidades manifestadas na casa.

2. Tenho um amigo que acredita que seus relacionamentos amorosos e sua vida não progridem porque uma pessoa fez “macumba”. Pode me ajudar a ajudá- lo?

Sugerimos que o você procure um centro sério em sua cidade onde seu amigo possa ser tratado, mesmo porque, somente uma entidade manifestada, um guia, poderia afirmar tal coisa. Mesmo assim, por uma questão de caridade, os guias ou protetores, não costumam entrar no mérito desta questão, porque se alguém fez alguma coisa para seu amigo, é porque ele “permitiu”. Permitiu
como? Permitiu através de seu temperamento.
Se somos nervosos, irritados ou gostamos que todas as coisas sejam de nosso jeito e não toleramos muito as contrariedades da vida, estamos sempre vibrando numa freqüência de ondas médias, que é onde nossos desafetos do passado também vibram (o ser humano quando está bem vibra em ondas curtas).
Como dá para se perceber, a maioria das coisas às quais atribuímos a “trabalhos feitos”, macumbas, etc, nada mais são que ações de nossos próprios desafetos ou obsessores, na medida que nos sintonizamos com eles em nossos desequilíbrios, mesmo que pequenos.
Resumindo, se seu amigo não melhorar como pessoa, nem mesmo um bom centro poderá fazer nada por ele, pois a melhora que vai obter será apenas passageira, pois no momento seguinte atrairá para seu campo áurico outro obsessor de seu passado.
Se a pessoa não quer se modificar para ser mais feliz e portanto se distanciar de seus desafetos do passado, as entidades estariam interferindo no livre arbítrio da mesma (fazendo por ela o que seria de sua obrigação, pois afinal estamos nesta nova vida para nos libertarmos dos antigos defeitos), o que se caracteriza magia negra.

Concentrar para Incorporar

Saudações irmãos de fé.

Otimizando os mecanismos de busca do WordPress, o título desse POST é um dos mais buscados nesse blog e vou tentar esmiuçar um pouco sobre isso.

Não existe formas corretas, existe aquela que melhor se adapta a cada médium, a espiritualidade é vasta e impregnada de sabedoria, logo, não existe uma regra oficial mediante tantos assuntos presentes no Astral.

Eu costumo dizer que para uma concentração eficiente, ela deve começar fora do terreiro, sim, ser médium não é só trabalhar durante o final de semana, durante míseras horas em um dia na semana, ser médium conforme já explanei algumas vezes, é propagar e perpetuar o ensino daqueles que lhe acompanham e principalmente, os ensinamentos dos mestres cósmicos e isso é a todo momento, é praticar a bondade e a compreensão da hora que você acorda até a hora que você dorme. A prática mediúnica é no cotidiano e isso é uma inegável verdade.

A sua conduta diz quem você é, obviamente, claro que toda generalização é errônea bem como todo julgamento também, mas vocês devem se julgar, é bíblico: “Orai e Vigiai”. Não adianta pedir, receber e não vigiar seus atos, o seu estado de vigília deve ser amplo e eficiente.

Sabendo que sua conduta de vida está OK, não guarda mazelas, rancores e outros sentimentos que corrompem o seu espírito, é o momento de adentrar no terreiro e praticar aquilo que viemos para fazer, o bem e a caridade, não importando a quem, e para isso, temos que fazer com que nossa incorporação, seja consistente, seja firme, para que possamos ser ferramentas do Astral para operar as graças tão almejadas nos terreiros.

Como já mencionei anteriormente, não existe uma receita de bolo, existe boas práticas, por exemplo, se for incorporar um caboclo, eu sempre penso nas matas, nos animais, na flora e fauna existente, tento imaginar o cheiro, o barulho dos pássaros, a paz de espírito que eu sinto quando estou dentro de uma mata virgem, e posteriormente a isso, me imagino no meio da mata, recebendo uma luz enorme proveniente dos céus tomando conta do meu chacra coronário e fluindo para os demais chacras.

Se for para pensar em um boiadeiro, o cenário muda um pouco, mas o princípio é o mesmo, em uma fazenda enorme, cheio de pastos verdejantes, com uma boiada extensa, para os baianos, a mesma coisa, procuro imaginar a Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, e assim vai. Ouso a dizer que na Aruanda existem cenários parecidos onde muitos deles atuam, existem diversas egrégora no Astral e muitas delas permanecem tradicionais aos locais que os espíritos viveram em terra, “No Reino de meu Pai há diversas moradas”, já dizia um dos Grandes Mestres que encarnou na Terra.

Concentrar é tentar limpar a mente, esvaziá-las dos problemas que estamos vivendo, existem mais informações aqui e aqui para que possam auxiliá-los nesse mecanismo, a fé nos seus mentores é primordial, e não menos importante, a fé em vocês mesmos, vocês são capazes de operar milagres, sejam incorporados ou não, os mentores usam seus fluídos, sua matéria para magia, não é surpreendente que também sejam capazes de fazer.

Saibam que estão ali para cumprir um trabalho Cósmico, e nada naquele momento é mais importante que isso, esquecer seus problemas já é um grande passo, ter fé em você, um outro grande passo e deixar com que seu corpo seja controlado por você e por eles é o passo final para isso.

O texto não pode ser muito extenso porque deixei dos links para complementar a leitura de todos vocês.

Na verdade, foi apenas um gancho para chegarem a esse texto e depois lerem os outros dois.

Muita Paz e Luz

Neófito.

Animismo x Mistificação – Imprescindível a Leitura

Realmente existe a diferença entre a mistificação e o animismo porém ela é de caráter moral ou intencional. A mistificação é o embuste , a mentira aplicada no sentido de levar vantagens pessoais ou prejudicar a outrem interferindo na comunicação ou na total inexistência do espírito. O animismo é a interferência na comunicação em diferentes graus sem a intenção de prejudicar ou levar vantagens porém desvirtuando a mensagem podendo ocorrer também a inexistência do espírito ; Ou seja a diferença básica é que a mistificação é dolosa enquanto o animismo é sem dolo.

A definição dada pela ciência do animismo é o sistema fisiológico que considera a alma como a causa primária de todos os fatos intelectivos e vitais.

Edgard Armond em sua obra ” Mediunidade” (Cap 11 – pag 56 ) diz : ” A mediunidade consciente é aquela que mais permite interferência dos fatores subconscientes do médium ,que se costuma denominar animismo e que tem servido de motivo para se bater, injustamente , na tecla da mistificação.”

Conforme a definição Espírita como no livro “Mecanismos da Mediunidade”(pag 163- Cap XXIII) diz André Luiz: ” Alinhando apontamentos sobre mediunidade , não será lícito esquecer algumas considerações em torno do animismo ou conjunto dos fenômenos psíquicos produzidos com a cooperação consciente ou inconsciente dos médiuns em ação”.

Analisando a tudo isto , uma vez produzidos pelo médium, seja consciente ou não, advém não do Plano Espiritual mas sim do médium onde portanto fogem da linha de trabalho da Umbanda desenvolvida pelos Mentores e Guias pois quem em sã consciência se julga apto espiritualmente para dar consultas ou adotar práticas ritualísticas e magísticas próprias dos Guias dentro dos Templos? Por tal motivo e principalmente por segurança ,caridade e honestidade nos Templos sérios e honestos que os Mentores Espirituais educam mediunicamente os filhos da casa orientando na fase antecedente e posterior aos trabalhos para melhorar a receptividade( vida regrada, bons pensamentos, banhos, prática de orar ,estudo, etc) como também durante os trabalhos (deixar os problemas pessoais fora do Templo, meditação , concentração , contenção da ansiedade ,etc) para com isto diminuir ao máximo o efeito anímico e impedir a tendência dele se transformar em mistificação.

Segue André Luiz : ” Temos aqui muitas ocorrências que podem repontar nos fenômenos mediúnicos de efeitos físicos ou de efeitos intelectuais , com a própria inteligência encarnada comandando manifestações ou delas participando com diligência , numa demonstração que o corpo espiritual pode efetivamente desdobrar-se e atuar com os seus recursos e implementos característicos , como consciência pensante e organizadora , fora do corpo físico.”

Realmente a ação de nosso espírito( nós mesmos melhor assim dizer) agir fora do nosso corpo é sabido( aqui o animismo se confunde com o desdobramento e projeção astral) mas a análise em questão é a de estarmos fisicamente num Templo. Oras, lógico que não iremos sair de nosso corpo para incorporar nele mesmo ; Portanto os pensamentos e ações que deveriam vir dos Guias sofrem a interferência dos pensamentos e ações do médium seja uma interferência consciente ou proveniente do subconsciente. Aí está o animismo que varia de intensidade de acordo com o grau de interferência e este é observado pelo Mentor Espiritual do Templo que em grau mínimo é tolerado(onde geralmente é cuidado através de orientações coletivas), em grau médio é acompanhado (neste caso o médium recebe orientação individual ) e em grau máximo é tratado ( neste caso a linha divisória entre animismo e mistificação é tênue e no caso do médium honesto e bem intencionado é um desvio mediúnico a ser corrigido com presteza).

Dentro do Espiritismo o animismo não é caracterizado como problema pois devido a forma adotada onde o contato da assistência com a Espiritualidade é praticamente inexistente se comparada aos rituais Umbandistas onde as pessoas tem o contato direto com os Guias. A analogia feita por Ramatís das comunicações mediúnicas da Umbanda e do Espiritismo em seu livro “Mediunismo” (Hercílio Maes-Cap VI-pag 57) retrata bem : “…a prática mediúnica do Espiritismo é semelhante a uma agência de informações civil , em que é bem mais importante o assunto do seu fichário, do que mesmo as pessoas que o informam; A Umbanda , no entanto, é como uma agência de informação sobre assuntos militares onde antes de tudo convém conhecer a graduação do informante , pois, assim como acontece realmente no mundo físico, é muito grande a diferença e responsabilidade entre aquilo que diz o cabo e o que informa o general …”.

Ou seja , no Espiritismo se a mensagem é boa não importa quem a deu e, como conhecemos nos Centros Espíritas, as mensagens duvidosas não são repassadas ,sendo apenas desconsideradas e somente as de teor mais elevado e consideradas confiáveis chegam as mãos daqueles que ali se achegam em busca de notícias de entes queridos desencarnados. Na Umbanda a conversa é direta onde a presença do cambono nem sempre ocorre e aí o animismo nos centros Espíritas torna-se completamente diferente no sentido da responsabilidade, honestidade e caridade do animismo nos Templos Umbandista. Então torna-se imperativo analisar animismo sob a ótica Umbandista e não Espírita até por que somos Umbandistas e o nosso dia a dia religioso é diferente em inúmeros aspectos que vai desde a adoção de rituais e culmina na proximidade encarnado-desencarnado que a Umbanda oferece.

Aproveitando Ramatís e esta mesma obra(Mediunismo) Ele afirma (Cap-XIX-pag 136-137):
PERGUNTA= Então a comunicação do médium completamente anímico não passa de mistificação inconsciente?
RAMATÍS= Quando o médium não tem o intuito de enganar os que o ouvem , não podeis admitir a mistificação inconsciente . A comunicação anímica é decorrente da falsa suposição íntima de a criatura julgar-se atuada por espíritos , por cujo motivo transmite equivocadamente suas próprias idéias . A mistificação , no entanto, é fruto da má intenção .
Segue a frente Ramatís afirmando: ” A criatura anímica , quando em transe , pode revelar também o seu temperamento psicológico, as suas alegrias ou aflições , suas manhas ou venturas , seus sonhos ou derrotas”
E na página 139 afirma: “O médium totalmente anímico é sempre vítima passiva do seu próprio espírito que pensa e expõe sua mensagem particular sem qualquer interferência exterior ; O médium propriamente dito , mesmo quando obsidiado , ainda é um medianeiro, um instrumento das intenções ou desejos de outrem “.

Usamos referências de obras Espíritas e fora da DE ,caso de Ramatís, como ilustrativas pois servem para exemplificar alguns pontos de vista, porém reafirmo ilustrativas, pois a realidade Umbandista deve ser observada sob a ótica Umbandista. É certo que a Espiritualidade é uma só e os espíritos habitam um Universo Espiritual único , porém cada corrente religiosa é supervisionada por espíritos e nem por isso fazem católicos, protestantes, espíritas, candomblecistas, umbandistas ,budistas, hinduistas, etc, serem iguais . O cotidiano de cada corrente religiosa embasado nos diferentes níveis evolutivos, culturais, kármicos e morais é o que dá o grande diferencial da ação da Espiritualidade na Terra. São escolas diferentes com salas de aulas diferentes reunindo em cada uma o que há de mais próximo em relação a similaridades espirituais dentro do universo individual de cada ser com o único intuito de evolui-los onde cada uma nas suas diferenças conduzem a todos a este único objetivo , observando a capacidade de assimilação individual e após a coletiva.

Particularmente eu somente refiro-me as interferências nas comunicações nos Templos sérios e honestos como animismo pois tenho a absoluta certeza e confiança que nestes Templos Umbandistas os Mentores Espirituais amorosos e caridosos por natureza são também zelosos , responsáveis e atentos eliminando do seio Sagrado de seus Templos indivíduos maldosos que utilizam a prática da mistificação que iria não só macular os dedicados e honestos filhos da casa , prejudicar os necessitados que confiantes ali buscam soluções aos seus mais diversos problemas como também enlamear o sagrado nome da Umbanda. De forma alguma posso conceber mistificação em verdadeiros Templos Umbandistas e sendo assim os pequenos deslizes que ocorrem diz-me a lógica serem frutos de animismo.

Quanto a fazer a distinção se é animismo, mistificação ou se o médium consciente está realmente “tomado” , existem meios para isso ? Podemos inumerar uma série de “métodos” porém creio não caber a nós tal julgamento neste caso pois a partir do momento que “achamos” automaticamente já julgamos e demos a sentença em relação a nosso irmão de estrada, o que é incompatível a um verdadeiro Umbandista que é plenamente consciente que dentro de um Templo Umbandista sério e honesto quem dirige tem maior competência e conhecimento para julgar o caso.

Se a dúvida é em relação a um irmão,fazemos o que é coerente para um adepto que confia na envergadura moral e intelectual dos Espíritos Superiores ,deixamos nas mãos da Espiritualidade que tem a capacidade moral e técnica para detectar e sanear o problema ou então estaremos atestando a nossa desconfiança e descrença na capacidade do Guia Chefe do Templo a ponto de fazermos testes e posterior julgamento às vezes condenatório de irmãos honestos e bons trabalhadores que por serem médiuns conscientes e às vezes justamente naquele dia por algum motivo ,que foge a nossa capacidade de espíritos encarnados e imperfeitos de entender , os colocamos no rol dos médiuns duvidosos , enquanto os Mentores com sua infinita capacidade de compreensão e discernimento tem a justificativa e relevam desde que não haja a mínima possibilidade de prejuízo ao próximo.

Quantos de nós bons pais , bons filhos, bons irmãos ou bons amigos falhamos por motivos variados e nem por isso nos fazem dignos de dúvida em nossas relações. Já disse o Cristo: ” Com a medida que julgares será a medida com que serás julgado.” Somos Umbandistas e isto não nos fazem perfeitos e infalíveis para julgar ninguém dentro de um Templo Umbandista sério e honesto. Devemos sim cuidar de nossas obrigações religiosas e deixar a Espiritualidade cuidar das obrigações que a competem ; Se a dúvida é em relação a nós mesmos então após cada incorporação devemos humildemente ir até os pés do Mentor Espiritual do Templo (Guia Chefe) e perguntar se fomos mediunicamente corretos , se de alguma forma interferimos com o trabalho de nosso Guia, se é necessário fazermos alguma coisa para melhorarmos mais, enfim nos aconselhar sempre.

Muitos podem pensar: “Ah! Mas vamos perturbar o Guia Chefe toda vez.”…. Parece assim mas não é. Por vezes desconhecemos a boa vontade e atenção que Eles tem por todos , principalmente aos médiuns responsáveis ,honestos ,preocupados em se aprimorar cada vez mais e assim servir mais e melhor ao próximo, ao Templo, a Espiritualidade e ao Criador. Os Guias conhecem a responsabilidade e ficam extremamente felizes e gratificados quando observam que nós também adquirimos a consciência desta responsabilidade; Para Eles ver que nós somos responsáveis , honestos e dedicados vale muito mais que homenagea-los com milhões de oferendas , porque a luz da consciência de um trabalhador ilumina muito mais que milhões de velas .

Anjo Ariano
Luz e Paz.