Um Pouco Sobre Oferendas na Encruzilhada


Cícero: – É surpreendente, meu “velho”, o que acabas de elucidar sobre a Quimbanda. Não te interrompi uma vez, dado o excepcional interesse com que te ouvia, nessas discriminações. Além de ter notado que as oferendas diferem

bastante das usuais ou dos “despachos ou ebós” tão falados, tenho ainda a perguntar por que, nas características de cada exu-guardião, frisas que ele não recebe essas oferendas ou qualquer outra, nas encruzilhadas de ruas?

Preto-velho: – Este “preto-véio” vai responder: – essas encruzilhadas de ruas, além de serem impróprias para qualquer operação positiva, dado que a maioria das pessoas que as encontram olham para essas coisas com vibrações negativas de toda sorte, assim como desprezo, deboches, medo, aversões, etc., e muitas mesmo as pisam, outras tiram materiais, etc. Com isso, estão, naturalmente, quebrando o encanto que porventura pudesse existir nelas.

Por outro lado, não podem servir para as operações necessárias e positivas com os exus, porque essas encruzilhadas de rua são mais “moradia” ou “habitat” dos espíritos classificados ou conhecidos com os “rabos de encruza” e de toda sorte de espíritos vadios, almas penadas ou aflitas de toda espécie de que vivem indo sempre na lábia desses quiumbas velhacos e trapalhões, que procuram envolvê-los de todas as maneiras e para todos os fins…

De forma que um desses tais “despachos ou ebós”, ali postos se torna um perigo, mais para os que botam, porque, via de regra, não obedecem à direção de um Exu e muito menos de um caboclo ou preto-velho, etc. Esses filhos que despacham nas encruzilhadas de ruas não sabem que estão alimentando essas classes de espíritos, que imediatamente os cercam, envolvem, etc., para não perderem mais o fornecimento das coisas de que eles gostam. Em realidade, eles passam mais a atuar nos que botam os “despachos”, do que naqueles para quem, eventualmente, são dirigidos. Então, pobres desses filhos que vivem alimentando 117 as “encruzilhadas” de rua…

Por que, oh! “zi-cerô”, é preciso que se diga: – esses quiumbas – espíritos viciados – não largam suas presas facilmente. Não querem perder a fonte de seus gozos, prazeres e sensações várias. Como entender isso diretamente? Vou dar-te um exemplo: – um indivíduo é viciado num entorpecente qualquer e um outro – aquele que fornece – é a fonte, em torno da qual ele gira constantemente, atrás de satisfazer o seu vício. No dia em que essa fonte não fornecer, ele se desespera e se tona capaz de tudo… até de matar. Isso está em relação com o caso dos aparelhos dominados por esses quiumbas… e com os que botam “despachos” nas encruzilhadas de rua.

“Zi-cerô”. Quem gosta mesmo de pipoca, farofa, dendê, fita preta e amarela, sangue, carnes diversas e outras coisas mais, não é propriamente o Exu guardião… Quem “come” ou quem faz tudo para se saciar nas encarnações desses “despachos” são os espíritos do “reino da quimbanda”. “Cicero” … quem “baixa” dando gargalhadas histéricas, grosseiras, fazendo contorções tremendas, jogando o aparelho de joelhos, com o tórax para trás, cheio de esgares e mãos tortas de forma espetacular, dizendo nomes feios e imorais, etc., não são os Exus de lei – os batizados, os cabeças de legião! São os velhacos Quiumbas, que, nessa altura, já envolveram o infeliz médium que, por certo, criou condições para que eles entrassem na sua faixa neuropsíquico mediúnica. Já estão “amarrados” nas garras deles… Como vai ser difícil a libertação…

Extraído do Livro “Lições de Umbanda e Quimbanda na Palavra de Um Preto-Velho” de W.W da Matta.

Paz Profunda

Neófito da Luz .’.

Anúncios

Uma Palavra do Exú Mangueira

O tempo é senhor da verdade e no tempo certo ele punirá que se atreveu a caminha na falsidade, desonestidade e deslealdade e premiará todos que não se afastaram da verdade, honestidade e sinceridade.

Não vire as costas a seus amigos ou a quem lhe estendeu a mão um dia, para quem te der  as costas, saiba que perdeu muito mais que um amigo.

Na existência da vida, nada é ou será construído ou conquistado sozinho, sendo assim, para chegar ou vencer conquiste e preserve amigos.

Folha seca não serve nem de adubo se for levado pelo vento. Pessoas que se deixam levar por palavras que não fazem sentido, nunca encontraram sentido em suas vidas.

O respeito dos outros somente será conquistado quando você aprender a respeitar  e aceitar você como você realmente é.

Não pense em ter mais, novas conquistas em sua vida somente haverá e acontecerá quando você aprender a valorizar e a preservar o que já conquistou. Sem isto, as conquistas nada somaram, pois nada haverá a ser somado. Ganhar e perder, nada valem, não importa quanto ganhe sempre se sentirá derrotado. Mas se você preservar suas conquista, por menos que conquiste sempre  será visto, respeitado, valorizado e se sentira um grande vencedor.

Exu não tem sentimento, tanto faz “bater” ou “derrubar”, cumprimos nossa missão e temos prazer em fazer com  excelência. Mas isto, não quer dizer que não tenhamos apresso ou apego. A quem demonstra valor, respeito e reverencia nos apegamos.

Não é justo ou verdadeiro derrubar quem esta no chão. O bom é derrubar que acha que esta bem  alto e quanto mais alto melhor. Se merecimento tiver, vamos elevá-lo no ponto mais alto, só para ouvir melhor o barulho do tombo.

Não importa quanto caído esteja! No seu merecimento, na sua reverencia e respeito,  vamos ter força  para  tira-lo do buraco mais fundo que possa existir e levantá-lo ao ponto mais alto que você faça por merecer.

Exu é o mais dedicado servo do criador. Pois abriu mão de caminha na luz, para ser a mão e os olhos que ampara os perdidos,  que por conta do sentimentos negativos estão na estrada da escuridão que não leva a lugar nenhum. Só exu pode nos reconduzir a luz, só ele conhece o caminho de retorno!

Exu não é amigo ou inimigo. Ele é a verdade, o caminho, o mestre, o caminho.  Não tem dó ou piedade, fará tudo que for necessário para que tenhamos em nossa vida o merecimento que fizermos pro merecer.

Não encontrei o autor.

Um dos grandes ensinamentos do Sr. da Meia-Noite

Um exú que muito admiro, muito raro, porém de extrema competência, sabedoria e postura, aqui vai um texto sobre ele escrito por Alberto Ebomi

Consulta com Exú e Pomba Gira deveria ser sempre assim:

Boa noite, vocês estão aqui para ouvir e eu vou agradecer a quem escutar. Quando se vai em algum lugar, se deve levar alguma coisa boa. O que se recebe em qualquer lugar corresponde ao que você leva a ele.

Gosto do trabalho aqui… hehe, só chegam perto de mim santinhos… Ihahahahahaha!
Dizendo para minha banda que nada fizeram para merecer da vida o que tem vivido e que Exú dê um jeito para abrir os caminhos. Para esses dou a minha melhor gargalhada!

São seres de dupla medida: uma para si outra para as coisas que os contrariam. São seres medrosos que esquecem que deles mesmos depende as decisões e consequências.

Muitos vêm até a minha banda querendo isso ou aquilo e nada de realmente bom e perene nos trazem.
Trazem lamúrias, trazem queixas, trazem pedidos. Mas dificilmente nos trazem aceitação, renovação, dedicação ou gratidão verdadeiras.

Muitos nos oferecem coisas perecíveis e passageiras para que possamos dar jeito de ajeitar suas vidas, camuflar as falhas que cometeram ou para satisfazer caprichos tratando a banda como mercenários a seu serviço. Pensam que o céu é para eles e para Exu só as podridões.

Dizem respeitar a banda porque querem nossos favores. Dizem respeitar a banda apenas porque tem medo do que a banda possa fazer.

Dizem respeitar a banda, mas ao menor embaraço começam a debandar e caçar outros que façam por eles o que eles mesmos não tem a ousadia de fazer. Dizem respeitar a banda e nos tratam como empregados a soldo de marafo e outras coisas. São seres que não sabe bem o que querem e exigem que Exu saiba. Exu sabe e por isso Exu faz! Porque quem sabe faz, e o que não sabe fazer, pede.

Trocamos, sim. Porque são ingratos e petulantes e pensam que o que vale nada, nada vale! São seres que querem por mágica que a banda dê jeito de melhorar suas vidas. Sem que nada tenham que melhorar em si mesmos.

Querem resguardo, pedem guarida para se manter pomposos e orgulhosos nos caminhos tortos que gostam de andar. Cheios de empáfia e sem a menor vontade de fazer algo por alguém. E nem tem vergonha de vir pedir para a banda fazer o que eles mesmos não fazem! São seres que acreditam que podem comparar Exu com umas porcarias que para nós nem tem muito valor. Por serem ovelhas que só querem o sustento de suas vontades. Seguem ao primeiro sanar qualquer necessidade. Achando mesmo que como são assim, Exu também, tem que ser.

Sem nem pestanejar entregam qualquer coisa que a banda quiser desde que consigam o que desejam sem para isso ter que se esforçar. Por isso tem muito rabo de encruza por aí a se fartar. Achando que o céu é perto, nenhum nem o outro quer se consertar.

São seres que dizem Laroiê sem fé e sem razão e Mojubá sem disso ter qualquer convicção. Para esses, meus ganchos são afiados.

Pedem proteção da banda para continuar os desmandos e com isso pensam poder continuar sem rumo ou comando abusando da liberdade que tem. Achando que cobrir um erro com outro vai fazer o acerto. Querem que Exu sempre fortaleça aquilo que não é conquista deles. Batem no chão e no peito dizendo: Eu tenho Exu! Será que nos têm mesmo ou somos nós que os temos?

Então, já que vem visitar minha banda trate de trazer o melhor que tiver. Não é marafo, não é charuto e muito menos sangue de piá! É ao menos a vergonha na cara, de vir para se melhorar. Se vier pedir demanda, demanda vai levar. Não aquela que pedir, mas aquela que eu mandar. Porque se seu coração é negro não sou eu que vou te clarear. Iahahahahahahaaaa!

Ganhei uma nova estrela e um potente cajado e garanto que não foi por ter ocorrido das lutas ou abandonado meu comando.

Então se vem até a minha banda, traga algo que preste, porque posso até facilitar alguns trajetos, mas, não vou desonrar minha jura a quem em mim confiou para manter o equilíbrio da minha banda.

Boa noite que já vou me retirar e no meu reino vou te esperar. Pense bem quando vier aqui me procurar, tenho pressa, ando rápido e posso muitas coisas estar fazendo. Então não gaste meu tempo com bobagens que você mesmo pode resolver.

Ajo rápido, ando longe mas não gosto de falação. Guarda bem o meu conselho. Respeite a si próprio e num vai ter do que reclamar. Se quer o respeito da minha banda, seja você o primeiro a se respeitar.
Salve o Grande! Porque é o Grande que mais pode! Salve a Minha Banda!

Agradeço a quem ouviu e agradeço mais a quem me escutou. Boa noite!

Essas sábias palavras servem para todo o tipo de gente, principalmente aqueles que pensam que Exu não é entidade e sim um amigo que lhe resolve tudo, que lhe dá o homem ou a mulher que deseja. E não é bem assim que as coisas funcionam, Exu é uma entidade que deve e muito ser respeitada. Eles não são nossos amigos de escola ou do trabalho que conversamos como se não fossem entidades. São entidades poderosas que podem virar tua vida de cabeça para baixo através das menores das brisas.

Bem… cada um reflita sobre si e veja se estas palavras não tem razão em muitas coisas!!!

Salve a Vossa Banda
Laroyê Exu,
Exu é Mojubá!!!

Jogo Rápido: Doze Coisas Sobre Exús que não devemos esquecer

 

  1. Exú de Umbanda não aceita oferenda com sacrifícios de animais;
  2. Exú Pode trabalhar com água, isso não é problema algum;
  3. Exú não precisa trabalhar no escuro, exú não precisa trabalhar com roupas escuras;
  4. Exu usa preto por ser uma cor que absorve outras energias, também serve como repelente de más energias segundo as mais antigas crenças;
  5. Nem todo Exú se veste de preto, como já relatei no blog, muitos usam roupas de outras cores;
  6. Vibração Exú é um é um desprendimento divino, o guia exú, aquele que vem, fala, trabalha em nossa matéria é outro assunto, ambos estão intrinsecamente ligados, porém um é energia, vibração e outro é o espírito que atua nessa vibração;
  7. Exú exprime o que possuímos no nosso âmago, portanto, se policie, se vigie;
  8. Exú não tem necessidade de escrever sempre seu ponto riscado ou dar seu nome, mesmo assim, ainda pode dar seu nome errado;
  9. Nem todo Exú usa capa, cartola ou cajado, existem outras linhas de exús que podem se apresentar de formas animalescas, não no pior sentido, e sim por possuírem certos tipos de resgate a serem realizados;
  10. Exú possui o seu determinado campo de atuação, seja mata, pedreira, calunga pequena, calunga grande, almas, entre outros portais naturais do nosso Plano, nem todos aceitarão a oferenda no cemitério ou encruzilhada como muitos dizem;
  11. Exú, seja trabalhando na Quimbanda ou na Umbanda, independente de como é cultuado na sua casa, não é necessário que os mesmos virem de costas para o altar, pois ambos são trabalhadores da Lei Maior, seja atuando nas trevas ou não;
  12. Exú não é Escravo do Orixá e sim um trabalhador de sua Vibração Natural;

Agô no cemitério e na encruza, sexo na sexta, antropomorfismo e vaidade do dirigente.

Agô no cemitério e na encruza, sexo na sexta, antropomorfismo e vaidade do dirigente.

Caros irmãos, Namastê.

Hoje vou tentar uma modalidade diferente de post, vou pegar pequenos posts, tentar encontrar alguma relação entre eles e colocar dois, três assuntos diferentes e relativamente coligados.

Esse post esmiuçará um pouco velhos hábitos que temos dentro de muitas religiões, o porquê existem e se realmente fazem sentido. Falaremos um pouco de hábitos e antropomorfismo. Eu encontrei outro dia com uma pessoa passando em frente ao cemitério e pedindo “Agô” a Omulu para que pudesse passar pela porteira.

Eu lembro que já questionei alguns sacerdotes, fui informado que não pedir “Maleme” ou “Agô” na encruzilhada cruzando os dedos e abaixando as duas mãos, dá quizila. Nem preciso falar o quanto eu amo essa palavra “quizila”. Não só pode ocorrer a quizila com o irmão, como também uma punição pela falta de respeito do mesmo ao passar pelo campo mágico de Omulu ou dos Exus.

Mais uma vez é evidente o emprego do antropomorfismo, para quem ainda não sabe o que é essa palavra, segue o link: http://www.infoescola.com/cultura/antropomorfismo-2/

Isso é muito utilizado em religiões monoteístas, principalmente no Antigo Testamento, o Deus Vingativo, aquele que pune, aquele que não perdoa, aquele que condena os errantes ao Fogo Eterno.

Sinceramente, isso pra mim é algo que está mais do que ultrapassado, infelizmente isso é muito cultuado em centros, aquele orixá castigador, punidor, que não perdoa quaisquer falhas dos filhos. Quantas vezes eu já presenciei ameaças de mentores?

Sinceramente, queridos irmãos, eu mesmo nunca me relacionei com esse tipo de mentor, os meus sempre eram passíveis, sempre compreensíveis, amáveis, e olha que já cometi muitas falhas em terreiros, não eram vingativos e sim ilustrativos, eram mentores e não carrascos, existia uma filha na casa que eu trabalhava que falava muito mal de mim, um dia, Chico Preto veio em uma linha que não era dele, desceu pra fazer o trabalho e depois abraçou essa filha e disse baixo, com aquele jeito paternal dele: “Menininha, cuidado com o que tu sai falando, isso deixa as pessoas tristes, eles não sabem, mas eu vejo o que tu tá fazendo”. Isso foi entre ela e ele, até o momento eu não sabia do que se tratava, até que veio em outra linha o exu de outra vítima da calúnia dessa irmã e falou alto, gritou e ameaçou. Aí eu me pergunto: Será que realmente era espírito ou aquilo que eu sempre digo, o animismo exacerbado e o campo emocional do médium tomando conta?

Existem casos e casos, claro que se você desrespeita uma Ordem Direta do seu mentor, DEPENDENDO da vibração dele, você pode sofrer certos castigos, tomar tapinhas, por exemplo, eu tinha um caboclo que pulava muito alto e dava um brado bonito de guerra, já até contei isso no blog, e o centro estava cheio de meninas (sim, já tive 18 anos, [risos]) e eu queria com certeza fazê-lo vir pra inflar o meu ego, infelizmente, naquele dia não era o dia dele, e sim o simpático Senhor Rompe-Mato (Acho que ele só falou uma vez na vida, [risos]) que não vinha de uma forma tão glamorosa, aí firmei, firmei, firmei no outro caboclo, quando senti o caboclo, pulei, na que eu pulei, acho que foi fortes emoções ou ele me jogou no alto de propósito, e estourei o joelho no chão, ficou uma bola enorme durante 20 dias, aí aprendi a lição, fora a vergonha, centro cheio e queria sumir dali.

São muitas pontos que devem chamar a nossa atenção, não acredito em punições severas por parte de mentores de luz, acredito em conversa, em aconselhamento, existe certos castigos, cada caso é um caso, mas muitos temem uma punição severa, perda de trabalho, acidentes. Esse tipo de punição é executada pelos mestres cármicos, através da lei do Retorno, e muitos exus que fazem parte desse trabalho, não descem em Terreiro causando ameaças e sim avisos. Se eu passasse em cada esquina e pedisse licença, seria um transtorno e até mesmo vexaminoso, porque eventualmente cruzo esquinas com amigos, colegas de trabalho, etc.

Nunca fui punido por ninguém por não pedir essa licença, e graças a Deus tenho ótimo relacionamento com a linha da esquerda.

Logo, vamos começar a pensar mais e esquecer velhos hábitos, tentar entender porque existem certos fundamentos e conceitos, o que acontece com muita gente, a esmagadora maioria é que segue o que é dito, não perguntam o porquê, agem por osmose, fazem porque outras pessoas fazem e isso é causa tanto desentendimento, superstição e ignorância dentro dos terreiros e até mesmo igrejas. Entendam o porquê vocês fazem certas coisas e se o sacerdote te diz que não tem permissão para dizer ou ainda não é o momento de explicar conceitos tão simplórios, é que ele mesmo não sabe!

Eu frequentei um centro uma vez onde comemorava-se o dia de Oxalá na sexta-feira, onde não poderíamos fazer nada, nem sexo, nem bebida alcóolica, o que nunca foi problema pra mim que raramente eu bebo, não podia nem dar um beijo gostoso na namorada e nem tampouco, já que somos todos adultos aqui, se masturbar.

Eu concordo plenamente em se abster de certos elementos e hábitos no dia que precede os trabalhos mediúnicos, mas em uma sexta-feira onde o sábado não terá trabalhos espirituais, nada mais é que superstição ou vício de estudo, ou seja, uma tradição que seguimos por hábito e não por fundamento. Alguém lá atrás teve uma coincidência e decidiu que seria assim. Eu trabalho muito com mentores de Oxalá, mesmo porque meu Xangô é cruzado com Oxalá e Sr. Urubatão da Guia, Rei das Sete Encruzilhadas, Rei Boiadeiro são todos mentores da vibração de Oxalá e nunca recebi nenhuma punição por isso. Existe muitas superstições dentro dos terreiros e esquecem demasiadamente que o que faz um excelente médium ter um excelente trabalho, é o seu coração, a sua dedicação para com o próximo, o seu amor para com seus mentores e os preceitos solicitados. Eles entendem perfeitamente que você é vivo, tem uma vida, repleta de defeitos e paixões, e que você deve vive-la para aprender, e esses preceitos de dia de Oxalá sem sexo, preceitos que fica 30 dias sem relações sexuais ficou lá atrás.

Até acredito sim, que devemos guardar o corpo por alguns dias, sim, acredito, mas não tanto tempo, eu já fui mais novo, meus hormônios estavam à flor da pele, saí de um preceito, mesmo solicitado pelo mentor três dias de resguardo, saí correndo para ter relações com a namorada e tomei uma queimada do nada em meu braço, depois meu marinheiro disse que foi porque eu não respeitei e queimou o charuto no meu braço.

Ai entra a questão: Ué, você não disse que não punem? Eu também disse que há casos e casos, essas são pequenas advertências mais enfáticas, não é um caso de perder namorada, ficar doente, perder o carro ou até mesmo o trabalho, o que eu ouço muito “mentor” ou sacerdote dizendo.

Não existe uma Regra Universal, como eu sempre digo, mas um Conjunto de Boas Práticas e uma boa dose de Bom Senso.

Se você não é casado com alguém da religião, fica impraticável a convivência, principalmente começo de casamento onde os hormônios e paixões sobressaltam nossos sentidos, se você vai fazer uma obrigação que demanda 30, 60 dias de resguardo, fica complicado, mesmo porque nunca os meus me pediram isso, como já relatei, foram no máximo três dias que por ser muito novo, não havia respeitado e aprendi de forma “quente” a lição.

Portanto, sexo na sexta-feira pra mim nunca foi um problema, desde que não precedesse os trabalhos da casa, dia de Oxalá é uma coisa, agora não precisa de abdicar de tudo, Oxalá é Paz, Equilíbrio, não dá quizila nenhuma curtir sua sexta-feira, quando suas obrigações mediúnicas foram cumpridas. Muitos médiuns confundem obrigação mediúnica, com dedicação e resguardo.

Você pode viver felizmente a sua vida, curtir seus amigos, ir para um “Happy Hour” na sua sexta-feira, curtir a sua vida, afinal, viemos aqui para viver de forma intensa, obviamente não estou falando pra você se alcolizar, participar de orgias, mas curta, tome um vinho com sua companheira, curta-a, faça da noite algo especial, aliás, é o dia que precede o final de semana, o dia tão esperado por muitos. Eu mesmo já fiz sem aquele peso na consciência porque nunca me obrigaram a tal. Antes de acreditar nessas superstições e preceitos da religião, consulte os seus guias, eles te informarão melhor do que ninguém o que deve ser feito.

Outro caso complicado são os sacerdotes que exigem que os filhos se ajoelhem ou peçam a benção independente de onde encontram, esse mesmo centro, o sacerdote inflado de vaidade exigia isso, em um dia eu o vi de longe do outro lado da rua e estava com dois amigos, confesso que fingi que não vi, mas ele mais esperto que eu percebeu e depois, uma coisa que era muito comum no centro, o que ele tinha que falar, usava o Sr. Zé Pelintra, era incrível, toda coisa que o irritava, o Sr. Zé Pelintra que falava e ficava impressionado como todos ficavam boquiabertos ou até mesmo pasmos com esse Zé Pelintra, que dava bronca e falava. E eu já como era meio cético por volta dos meus 22 anos, já ia a fundo nos estudos, percebia que o Zé Pelintra era a forma que ele tinha de se manifestar e ter mais respeito dos médiuns e assistentes da casa.

Quantas vezes eu vi aquele Zé também dizendo tudo o que ele havia feito, vivia falando: “Não falei que isso ia acontecer?”, “Eu falei que isso não daria certo!”, “Eu que fiz isso, você viu que quando prometo, eu cumpro?”. Isso nada mais é que a vaidade do médium tomando conta da comunicação. Atentem-se. Aquele que ajuda de coração, ele ajuda sem precisar dar satisfação, aquele que ajuda e quer mostrar, nada mais quer que holofotes sobre ele. Existe uma grande diferença entre ajudar porque faz parte da natureza em ajudar, em querer bem e ajudar para mostrar, isso não é ajuda e sim vaidade! Quem faz por amor, faz no anonimato não esperando reconhecimento. E isso não é diferente no mundo espiritual.

Esse mesmo sacerdote, não deixava médiuns que mesmo que tinha caciques usar cocares grandes e nem marinheiros usarem quepe, mesmo sendo Martinho onde a grande maioria utiliza, porque o único capitão do mar era o marinheiro dele. Medíocre!

Sacerdote que pede para se ajoelhar não quer respeito, quer inflar o seu ego, é vaidoso. E o mais importante, que vai ficar para o próximo post, ele exige isso, porque zela pelo seu santo, e seu “santo”, não precisa de zelador! [Risos].

Zelador que exige ter sua mão beijada, quer seguidores, se considera acima dos seus filhos, onde está tudo errado, já vi médiuns, filhos da casa serem médiuns muito superiores ao próprio sacerdote da casa.

Esse foi um mix de assuntos, teremos mais em breve para assuntos que são muito curtos.

Namastê.

Neófito da Luz.

Exú na Linha de Cura

Era mais um dia de trabalho na tenda umbandista, iniciou-se os trabalhos com a linha de caboclos, onde comumente são os que iniciam o trabalho na sessão desse templo. Por regra da casa, são os caboclos que efetuam os passes fluídicos nos filhos da assistência que ali adentram. Calmamente um a um vai adentrando no espaço de trabalho e recebendo os fluídos benévolos da linha de caboclos.

Enquanto todos os filhos incorporados e ocupados com os assistentes, uma senhora em seu silêncio esconde uma dor inimaginável, ela sofre em silêncio aguardando alguém que possa apaziguar sua aflição, mas ela não fala ninguém sabe, para todos, é apenas uma pessoa em busca de um conselho ou um passe.

Começam as curimbas para a subida dos caboclos, um a um esses bravos e maravilhosos irmãos deixam seus aparelhos, e consequentemente o recinto físico da casa.

Começam-se os pontos para os baianos, o louvor aos baianos é sempre entoado com grande festa e expectativa, são os nossos queridos camaradas que nos ajudam aconselhando e batendo um papo descontraído fazendo-nos esquecer nossas aflições que ficaram de fora desse humilde trabalho.

Um a um os assistentes vão conversando, tirando duas dúvidas e solicitando conselhos, e essa senhora, não fugindo da regra, também o fez. Mas algo a incomodava, mas ela talvez preferiu manter o silêncio.

Durante os trabalhos dos baianos, a gira descontraída, fui tomado por um êxtase inexplicável, eu não sou muito a favor de trabalhar com a linha da esquerda, confesso, não por preconceito ou porque gosto de menosprezar essa fantástica linha de guias, mas por opção e afinidade talvez.

Um baiano a chamou e foi onde ela começou a mancar, começou a chorar de dor, dizendo que estava com problemas nos rins, na perna esquerda e no braço direito, sentia muitas dores na coluna também.

Sinto a vibração do Sr. Marabô e me pergunto qual é o propósito de senti-lo em uma gira de baianos, além disso, qual é o propósito de senti-lo se eu mesmo sentia que os trabalhos corriam muito bem e sem maiores complicações?

A Vibração ficava mais forte, até que eu não pude segurar, como sou um médium semiconsciente, passivamente participei do trabalho dele e atento gostaria de saber do porque de sua aparição. Eu, já sabia que ele é uma das entidades que sirvo que atua enfaticamente na linha médica, mas qual o motivo para sua presença ali? Mil coisas se passam na cabeça, até achei que algum filho seria repreendido ou estaria ali alguma presença que por algum erro deixaram passar… É incrível como o tempo é relativo, em questão de segundos, veio um turbilhão de indagações em minha cabeça, até que…

– Tu, mocinha, venha cá! Disse ele.

Ela atônita e assustada faz com o dedinho indicador da mão direita em relação ao seu tórax, como quem diz: Eu?

– É, você mesma! Me acompanhe.

Vagarosamente a mulher o acompanhou e a levou para outro setor dentro do centro, um setor mais calmo para trabalhos mais tranqüilos. Com ele, foi chamado mais dois médiuns, que eram de Iemanjá por sinal, para acompanhá-lo no trabalho.

Chegando ao recinto, ele mandou pegar quatro bancos e ordenou a cada uma das filhas:

– Eu quero a linha de preto-velhos aqui, preciso fazer um trabalho conjunto com o início da cirurgia que irei prestar, portanto, firmem a cabeça que eu quero suas vovós aqui.

Enquanto os médiuns se preparavam para efetuar a comunicação mediúnica, ele já sentou, pediu a sua adaga, o marafo, seu charuto, e começou os trabalhos.

Lembro-me que uma preta-velha ficou posicionada ao lado direito dessa filha, outra ficou na parte posterior e o Sr. Marabô ao lado esquerdo, e iniciaram a triangulação terapêutica sobre a filha.

Foi solicitado mel e um chá de ervas, como temos essa disponibilidade no centro, fica muito mais fácil quando se existe uma urgência. Assim que esse chá de ervas e mel foi preparado, foi solicitado ao cambono ministrar três colheres na boca da senhora.

– Funcionará como anestesia, minha moça

– Espero, senhor, a dor é indescritível

– Tenha paciência, agirei em três frentes com você, você receberá passes fluídicos nas áreas menos graves, como seu braço direito e sua coluna, mesmo assim, teremos que fazer um tratamento de seis sessões, sua coluna deve-se a um reumatismo que iremos remover com o tratamento, o cansaço de sua perna deve-se a energias deletérias que serão excluídas de seu corpo, assim como seu braço direito.

Com o punhal na mão ele continua:

– A situação mais sensível é o seu rim, terei que fazer uma cirurgia psicossomática nele e te receitar alguns chás, tenha paciência que em duas luas será solucionado seu problema.

Após alguns minutos, ela dizia sentir uma pontada muito forte na dor, em contrapartida, estava tendo um alivio, uma espécie de formigamento em todo o corpo, e o preparado com o mel anestesiou um pouco suas dores, nisso, já se ouvia ela dizer: Graças a Deus, que Deus abençoe vocês.

Durante o trabalho, Sr. Marabô não parou, muitas fumaçadas de charuto ao redor da paciente, muita conversa, dizem que ele acalma muito os seus pacientes, contanto piadas e brincando, atuando também no corpo mental do paciente.

Durante o trabalho ela perguntou:

– Que estranho exu fazendo cirurgia e cura, vocês não são da encruzilhada e servem pra proteger o terreiro? Disse ela.

– Sim, a linha de exu em geral possui essa característica, mas tive um ofício na terra, que por sinal era médico, por não me achar digno de ainda caminhar na luz, caminho nas trevas, onde me sinto mais útil, e além de trabalhar sim, com a defesa do centro, pois eu também sou um exu que é firmado na tronqueira, eu também trabalho paralelamente com outros guias desse menino para atuar com a cura.

– Interessante, disse, nunca conheci um exu que trabalhasse com cura.

– Talvez você já conheça, ele apenas não se plasma dessa forma a você, dando uma gargalhada ele retruca.

Com isso, ele passou pela última vez sua adaga e disse:

– Minhas velhas, agradeço, o primeiro estágio da cirurgia foi concluído.

Nisso as preta-velhas que participaram ativamente da doação fluídica, de todo o magnetismo energético, trocando más energias por boas energias, também devagar foram desocupando seus aparelhos e fazendo com que as médiuns voltassem a si.

Disse a paciente:

– Obrigado senhor, vocês foram uma benção, eu andava com dificuldade pela dor, e agora consigo andar sem incômodo no rim ou na minha costela, vocês são uma benção, obrigado a você Exu.

– Agradeça a Deus, pois ele que deu a oportunidade para você aqui se curar e eu aqui atuar.

Com isso, a mulher foi levando muitas outras pessoas com problemas de saúde e com a graça de Deus, as graças também foram alcançadas por ela, e sinto-me muito feliz de ter sido um instrumento para essa benção e muito honrado por servir a esse Exú e a toda a Benevolência Cósmica.

Comentários:

Algumas lições tirei com isso, alguns dizem que exus só podem trabalhar no escuro e não incorporam com a presença da direita, percebe-se que isso é um mito, ele só não veio durante um trabalho da direita, como também não foi chamado, mas para atuar na Lei e praticar a Caridade tão pregada nos templos, ele veio em nome da urgência que ali existia.

O exu não é apenas uma entidade de encruzilhada ou de porteira, exu tem fundamento, exu tem Luz, exu tem conhecimento, portanto, também existem exus que possam atuar na cura, que também pode atuar com energias mais sutis.

E muitas escolas dizem que exu é um exu de Xangô ou Oxossi, o meu é um exu que vem na vibração de Iemanjá. E pelos meus ensinamentos, como os guias de Iemanjá trazem o poder da cura, não é nenhum pouco surpreendente que o exu que “ela escolheu” em minha linha, seja um digno mensageiro da vibração dela.

 

Saravá os Preto-Velhos

Saravá Sr. Marabô

Saravá os Exus

Saravá a Corrente Médica

 

 

Namastê

Neófito da Luz

O Mistério, o Orixá e a Linha de Trabalho Exu

 

Exu é sem sombra de dúvida a divindade mais incompreendida de todas. Taxado muitas vezes de Diabo ou demônio, Exu é cultuado em muitas e muitas culturas com outros nomes. Aqueles que o  cultuam, o adoram e gostam muito dele, tendo uma visão muito diferente das pessoas que não o conhecem.

Quando fala – se em Exu, estamos falando em um dos três aspectos em que ele manifesta – se. Podemos dizer que acima de tudo Exu é um Trono da Vitalidade, uma divindade que vitaliza toda criação dando força e vigor para tudo realizar – se. Esse Trono da Vitalidade é cultuado em muitas culturas com nomes diversos. Na África ele é cultuado como Exu, quem vem do Yorubá e quer dizer esfera, mas é também cultuado em muitos outros povos, sendo Loki para os nórdicos, Seth para os egípcios, estando presente em Shiva dos hindus,  em Hermes e Dionísio dos gregos e podemos dizer em todas as divindades fálicas (aquelas que tem como símbolo um falo ereto). Percebemos então que ele é uma força divina da criação, e que está em tudo, sendo cultuado em todas as culturas. Esse é o aspecto “mistério” de Exu.

Na África esse Trono recebeu o nome de Exu e todo um culto em seu nome foi sistematizado.  A Exu o falo ereto foi consagrado (Ogó em Yorubá) e esse virou o seu símbolo. Ele foi e ainda é uma divindade cultuada pela sua força e vitalidade, além de muitas vezes estar ligado ao próprio vigor sexual. Apesar disso para melhor compreender esse Orixá é necessário que entenda – se que ele não atua apenas no campo sexual, mas sim, em todos os campos de nossa vida, nos vitalizando quando estamos apáticos em algum sentido e nos desvitalizando quando nos excedemos em outro. Exu também nos cultos afros (Candomblé, Culto de Nação) é considerado o mensageiro dos Orixás sendo aquele que traz aos homens a mensagens das divindades, ou seja, dos Orixás. Apesar disso é cultuado como um Orixá da mesma “grandeza” de todos os outros. Em suas lendas e em seu arquétipo humano, achamos talvez o “mais humano dos Orixás”. Muito dual Exu traz em si a luz e as trevas e isso é demonstrado em seu arquétipo ora benevolente ora cruel. A ele também é atribuído um ótimo senso de humor (com sarcasmo claro) além de muitas vezes ser o causador de confusões. Apesar disso é retratado como muito esperto e inteligente. Esse é o Orixá Exu.

Na Umbanda Exu além de Mistério e Orixá é principalmente “linha de trabalho”. Nela muitos espíritos incorporam e prestam a caridade dando o nome de Exus. Para entendermos essa linha vejamos: Um espírito encarna e em sua vida carnal, comete erros e torna – se uma pessoa desvirtuada, criando um verdadeiro inferno consciencial dentro de si mesmo. Quando ele desencarna é atraído e vive esse “inferno” pessoal. Depois de algum tempo seu negativismo esgota – se e ele sente a necessidade do trabalho para resgate. Então nessa hora, entra a linha de trabalho Exu, dando condições desse espírito trabalhar para o Criador, dentro de suas condições, e assim voltar novamente a caminhar rumo a Ele. Esse espírito torna – se um “Exu de Lei” (espírito humano que traz a força e qualidades desse Orixá) e dizemos assenta – se a esquerda de um Orixá a qual ele responde e trabalha. Assim esse espírito começa a fazer um trabalho específico dos Exus no astral denso, trazendo a força do Orixá Exu e de mais um Orixá a qual ele responde e o qual ele também acessa e fundamenta suas forças.

A maioria dos Exus que conhecemos tem essa história. Mas é importante entendermos que muitos espíritos denominados Exus já alcançaram um grande grau de evolução consciencial, mas continuam trabalhando nas trevas densas por escolha própria e por achar que lá ele serve melhor ao Criador e aos Orixás. Também temos alguns casos de espíritos muito elevados que nunca tiveram uma “queda” nem passagem por nenhum plano astral denso, mas que também por opção assenta – se nas trevas densas e lá começa a fazer todo um trabalho de sustentação da Lei e de resgate. (os livros O Guardião da Meia – Noite e o Guardião Tranca – Ruas mostram esses dois casos- Rubens Saraceni).

Exu então é Guardião, verdadeiros “policiais” do astral inferior, contendo ataques oriundos do baixo – astral, protegendo as casas que realizam trabalho espiritual de qualquer tipo, são também grandes desobsessores, realizando desobsessões dificílimas, recolhem e manipulam facilmente energias densas sendo muito bons para o “descarrego” e limpeza espiritual, além de cortarem e desmancharem as nefastas magias negativas. Resumindo Exu normalmente segura e segura muito bem a BUCHA! São grandes trabalhadores, muito protetores também. Tem um jeito muito humano e tudo que tem que falar, falam na cara, não mandando recado. Também fazem maravilhosos trabalhos de cura.

Utilizam – se como elementos magísticos cigarros, velas (preta e vermelha basicamente podendo ser utilizadas outras como a branca, roxa etc), charutos, pinga, pólvora (fundanga), punhais, pedras, ervas, etc, etc. Temos Exu em todas as sete vibrações e que respondem por cada um dos Orixás. Através da interpretação do seus nomes simbólicos chegamos a qual força e em qual campo eles trabalham.  

Deixamos claro aqui que Exu não é o Diabo nem o demônio, título esse que muitas religiões querem dar a ele. Também não é aquela manifestação ridícula de um espírito que baba, rosna e só sabe falar palavrão. Também dentro da Umbanda em hipótese nenhuma utiliza – se O SACRIFÍCIO ANIMAL OU SANGUE COMO ELEMENTO MAGÍSTICO” (AQUI NÃO ESTAMOS CRITICANDO, APENAS DEIXANDO CLARO QUE ISSO NÃO É PRÁTICA DE UMBANDA). Também de forma alguma Exu dentro da Umbanda presta – se a trabalho de magia negativa. Por isso o chamamos de Exu de Lei, pois trabalha dentro da Lei da criação e dentro da Lei Religiosa de Umbanda, sendo assim NUNCA PRESTANDO – SE PARA TRABALHOS NEGATIVOS DENTRO DE UM VERDADEIRO TERREIRO DE UMBANDA!

Essas são as características e manifestações de Exu. Escrevi resumidamente e muito pode ser falado sobre esse assunto. A todos sugiro que caso consigam, leiam o “Livro dos Exus” e o “Guardião da Meia Noite”, dois livros psicografados por Rubens Saraceni que explica muito bem esse mistério divino.

Laroyê Exu! Exu Mojibá! – Fernando Sepe