A Linha dos Pretos-Velhos.

Um cordial sarava a todos. Gostaria de marcar minha volta aos posts em definitivo falando de uma falange indescritível, me emociono a falar de uma linha tão marcante e tão poderosa, os verdadeiros vovôs e vovós da Umbanda.

Vale ressaltar que muitas coisas que escreverei entrarão em contradição com o que muitos aprenderam, mas sou de uma corrente chamada Umbanda Branca ou Umbanda Esotérica, grande parte das lições vem de entidades ou de inspirações. Também vale salientar que o conhecimento é apenas um, porém com uma vasta gama de pontos de vistas de acordo com a forma da qual compreende o adepto.

Todos nós sabemos que os pretos-velhos foram antigos escravos oriundos dos países africanos, onde detinham o conhecimento do poder da natureza, seja ervas ou outros tipos de magias que utilizam o poder atmosférico, sim, sabemos disso, mas nem todos sabem que antes de serem esses sofredores escravos, já foram grandes magos iniciados nos Mistérios, já foram Mestres Amparadores e que reencarnaram dessa forma, para suprimir as energias que ainda atrasavam sua evolução, e como dizia o senhor Ilustríssimo Cacique Águia Branca: “Não há dor que se remova sem dor”.

Essa opção reencarnatória auxiliou no processo de “limpeza” de suas lavas atrais permitindo que entrassem em uma frequência ainda mais sutil dos planos superiores.

Sim, já ouvi sim, de um preto-velho, Senhor Pai Guiné:

“Nem sempre fui escravo, nem sempre sofri, já vivi o luxo da vida material e a ascensão do meu corpo espiritual.”

Muito se fala na Umbanda Esotérica que os preto-velhos são espíritos que se plasmam na forma de velhos escravos para simbolizar a maturidade, a sabedoria conquistada com o decorrer da idade, em meu ponto de vista, simbolizam também a simplicidade, o conforto, quem nunca se sentiu leve e feliz com o abraço de um preto-velho? Sem querer fugir do foco, mas é o máximo!

A magia utilizada pelos preto-velhos também é muito conhecida como mirongas de Umbanda, em meu ponto de vista, é a linha com maior poder vibratório dentro da egrégora da Umbanda, são os espíritos de maior bagagem espiritual e de conhecimento, e que atingiram de certa forma, a compreensão e o perdão e hoje atuam como seres simplórios que esbanjam uma paciência e uma competência incrível para solucionar nossos problemas.

Nem todos se plasmam como negros, já presenciamos espíritos de etnia clara nessa falange e nem todos chegam curvados, muitos trazem todo o axé dessa fantástica linha e andam quase que como caboclos, postura ereta e com singela vitalidade, como eu sempre digo no blog, fujam de paradigmas e deixe o seu mentor trabalhar.

Muitos também trazem o conhecimento de antigos sacerdotes africanos, os famosos tatás e n´gangás, que foram mestres em manipulação de energia e evocação dos ancestrais, sendo grandes conhecedores da energia Orixá, trazendo consigo o arquétipo de antigos mestres africanos, vudus, rudus, entre outras práticas africanas que se perderam com o tempo.

Suas oferendas variam intensamente, alguns aceitam cerveja branca, outros cerveja preta, alguns também aceitam vinhos e outras bebidas como cachaça, claro que não podemos esquecer do famoso e não menos importante, cafezinho.

Já vi preto-velhos pediram também tutu em suas oferendas e algumas frutas básicas, como maçãs, bananas e peras.

O fumo também é bem variado, como cigarros de palha e charutos, também os conhecidos cachimbos. Em minha casa, geralmente pedem o fumo misturado com outras ervas como camomila, erva-doce e alfazema.

Suas cores geralmente é o preto e o branco, alguns somente o branco. Existem algumas características marcantes que definem o seu tipo de preto-velho, que são:

  • Curandeiros: Possuem exímios conhecimentos com a cura, trabalham com ervas e outras magias atmosféricas, conhecem muito bem o chakra de nosso corpo e seus canais de energia, muitos utilizam a queima do fumo pois nele está contido o elementar fogo, que é o elemento transmutador, o elemento ar que é o grande condutor e as ervas que trazem consigo toda uma aura espiritual de energia;
  • Quimbandeiros / Feiticeiros: Geralmente são os preto-velhos de Xangô ou Obaluaie, trabalham também na esquerda desmanchando feitiços e outras magias com o objetivo de causar o mal. Quando na esquerda, não são muito de conversa, são objetivos. Vale lembrar que nem todos os preto-velhos viram para a esquerda. Alguns apresentam-se de forma ereta também e ligeiramente encurvados, muitos trazem vitalidade durante a comunicação;
  • Conselheiros: Existe aquela linha de preto-velhos camaradas, que adoram conversar, sabe ler de forma excepcional o seu coração, tocam naquele ponto onde mais precisamos, esses atingiram um nível evolutivo tão alto que são capazes de ler sua alma como cristal, é uma linha que está cada vez mais escassa, devido à escassez de médiuns que seguem corretamente seus preceitos, geralmente são aqueles que sentam, falam de forma carinhosa e utiliza muito humor durante sua consulta, pitam calmamente o cachimbo e falam com demasiadamente pausado.

Não dividirei em falanges a linha dos preto-velhos, porque são falanges enormes e totalmente contraditórias com as literaturas hodiernas, mesmo porque existe pouca hierarquia na linha dos preto-velhos, é uma linha que não é muito estudada e infelizmente está bem esquecida em muitas casas, sendo evocadas raramente e/ou dia de festas, justamente por essa questão, poucos médiuns desenvolvem todo o potencial dessa linha e o conhecimento e o poder da Umbanda esvaindo-se com o tempo.

Não mencionarei também os nomes mais comuns, porque é uma falange extremamente vasta, e estamos em uma mudança de grande magnitude no mundo espiritual, novos espíritos, novas falanges, novos nomes.

Como um deles já me falou:

“Somos como luzes, somos todos iguais, pois somos abastecidos e animados pela mesma fonte de energia”.

Namastê

Neófito da Luz

Anúncios

A falange dos Preto-Velhos.

Um cordial sarava a todos. Gostaria de marcar minha volta aos posts em definitivo falando de uma falange indescritível, me emociono a falar de uma linha tão marcante e tão poderosa, os verdadeiros vovôs e vovós da Umbanda.

Vale ressaltar que muitas coisas que escreverei entrarão em contradição com o que muitos aprenderam, mas sou de uma corrente chamada Umbanda Branca ou Umbanda Esotérica, grande parte das lições vem de entidades ou de inspirações. Também vale salientar que o conhecimento é apenas um, porém com uma vasta gama de pontos de vistas de acordo com a forma da qual compreende o adepto.

Todos nós sabemos que os pretos-velhos foram antigos escravos oriundos dos países africanos, onde detinham o conhecimento do poder da natureza, seja ervas ou outros tipos de magias que utilizam o poder atmosférico, sim, sabemos disso, mas nem todos sabem que antes de serem esses sofredores escravos, já foram grandes magos iniciados nos Mistérios, já foram Mestres Amparadores e que reencarnaram dessa forma, para suprimir as energias que ainda atrasavam sua evolução, e como dizia o senhor Ilustríssimo Cacique Águia Branca: “Não há dor que se remova sem dor”.

Essa opção reencarnatória auxiliou no processo de “limpeza” de suas lavas atrais permitindo que entrassem em uma frequência ainda mais sutil dos planos superiores.

Sim, já ouvi sim, de um preto-velho, Senhor Pai Guiné:

“Nem sempre fui escravo, nem sempre sofri, já vivi o luxo da vida material e a ascensão do meu corpo espiritual.”

Muito se fala na Umbanda Esotérica que os preto-velhos são espíritos que se plasmam na forma de velhos escravos para simbolizar a maturidade, a sabedoria conquistada com o decorrer da idade, em meu ponto de vista, simbolizam também a simplicidade, o conforto, quem nunca se sentiu leve e feliz com o abraço de um preto-velho? Sem querer fugir do foco, mas é o máximo!

A magia utilizada pelos preto-velhos também é muito conhecida como mirongas de Umbanda, em meu ponto de vista, é a linha com maior poder vibratória dentro da egrégora da Umbanda, são os espíritos de maior bagagem espiritual e de conhecimento, e que atingiram de certa forma, a compreensão e o perdão e hoje atuam como seres simplórios que esbanjam uma paciência e uma competência incrível para solucionar nossos problemas.

Suas oferendas variam intensamente, alguns aceitam cerveja branca, outros cerveja preta, alguns também aceitam vinhos e outras bebidas como cachaça, claro que não podemos esquecer do famoso e não menos importante, cafezinho.

Já vi preto-velhos pediram também tutu em suas oferendas e algumas frutas básicas, como maçãs, bananas e peras.

O fumo também é bem variado, como cigarros de palha e charutos, também os conhecidos cachimbos. Em minha casa, geralmente pedem o fumo misturado com outras ervas como camomila, erva-doce e alfazema.

Suas cores geralmente é o preto e o branco, alguns somente o branco. Existem algumas características marcantes que definem o seu tipo de preto-velho, que são:

– Curandeiros: Possuem exímios conhecimentos com a cura, trabalham com ervas e outras magias atmosféricas, conhecem muito bem o chakra de nosso corpo e seus canais de energia;

– Quimbandeiros / Feiticeiros: Geralmente são os preto-velhos de Xangô ou Obaluaie, trabalham também na esquerda desmanchando feitiços e outras magias com o objetivo de causar o mal. Quando na esquerda, não são muito de conversa, são objetivos. Vale lembrar que nem todos os preto-velhos viram para a esquerda.

– Conselheiros: Existe aquela linha de preto-velhos camaradas, que adoram conversar, sabe ler de forma excepcional o seu coração, tocam naquele ponto onde mais precisamos, esses atingiram um nível evolutivo tão alto que são capazes de ler sua alma como cristal, é uma linha que está cada vez mais escassa, devido à escassez de médiuns que seguem corretamente seus preceitos.

Não dividirei em falanges a linha dos preto-velhos, porque são falanges enormes e totalmente contraditórias com as literaturas hodiernas, mesmo porque existe pouca hierarquia na linha dos preto-velhos.

Não mencionarei também os nomes mais comuns, porque é uma falange extremamente vasta, e estamos em uma mudança de grande magnitude no mundo espiritual, novos espíritos, novas falanges, novos nomes.

Como um deles já me falou:

“Somos como luzes, somos todos iguais, pois somos abastecidos e animados pela mesma fonte de energia”.

Outro fato curioso é que nem todos são preto-velhos são negros , já tive a oportunidade de ver senhores brancos atuando nas correntes, como já disse em outros posts, o espírito tem o livre arbítrio de vir da forma que o médium compreende.

Posteriormente contarei com prazer a História de Tark-ahjn, um espírito há muito conhecido por mim do qual eu não o reconheci.

Namastê

Neófito da Luz

Uma das Máximas de Ptah-Hotep

Pra quem é um entusiasta dos mistérios do Egito, deve ter ouvido falar do grande Sábio Ptah-hotep, pouco se sabe sobre ele, mas sabemos que ele escreveu 36 máximas que auxiliam no comportamento humano, ele foi um vizir (Espécie de Primeiro Ministro) do faraó da V Dinastia Djedkaré Isesi. Achei uma máxima dele da qual achei muito interessante, e vale a pena adotá-la como regra de conduta:

“Que o seu coração não se torne vaidoso por causa daquilo que sabes
Aconselha-te tanto junto do ignorante quanto do sábio
Porque não se atinges os limites da arte
E não existe artesão que tenha adquirido a perfeição
Uma palavra perfeita está mais oculta que a pedra verde
Encontra-se no entanto junto das criadas que trabalham na mo.*”

*Há um link na palavra “mó” para referência.


Namastê
Neófito da Luz

Santo Daime (Ayahuasca)

INTRODUÇÃO

Certa vez fui convidado a assistir a uma palestra da União do Vegetal, para escolher se tomaria ou não o Santo Daime. Foi uma explanação interessante, onde era dito que o chá não criava dependência, não era droga, buscava a evolução espiritual, e tal… Saí de lá confuso, afinal, qualquer coisa que eu tome para deliberadamente alterar minha consciência pra mim é droga. Seja um sonífero ou cocaína, estarei brincando perigosamente com meu cérebro.

Resolvi decidir só após consultar Oráculo. Ela não disse pra eu ir ou não ir, mas foi taxativa: aquilo é droga, assim como maconha. Falou pra eu estudar sobre os princípios ativos, e que a maioria das experiências que as pessoas têm lá são alucinações.

Obviamente não fui. Não tenho a MENOR curiosidade em experimentar drogas. Alguns parentes foram, tiveram experiências boas, outras ruins, e logo deixaram de frequentar. Não é através de experiências alucinógenas que uma pessoa alcança a iluminação. Jesus não usou drogas. Buda não usou drogas. Gandhi e Sócrates não usaram drogas… ao contrário, participaram ativamente de sua REALIDADE, procurando modificá-la através do Amor, do bom-senso, da responsabilidade para com o mundo e com as pessoas, e principalmente das AÇÕES.

SANTO DAIME: O QUE É?

O Daime (ou Ayahuasca, Uasca ou Santo Daime) é uma mistura de duas plantas (Cipó Mariri e Chacrona) que, após cozidas, resultam num chá alucinógeno que normalmente evoca visões e imagens religiosas (a chamada “miração”), costumando por vezes provocar vômitos em quem toma (por isso os locais onde a beberagem é consumida são equipados de algum tipo de “vomitório”).

O RITUAL

O Santo Daime preserva o caráter sagrado da festa e da dança, oriundo do catolicismo popular. Convivem no seu panteão mítico Deus, Jesus, a Virgem Maria, os santos católicos, entidades originárias do universo afro-brasileiro e seres da natureza. Também são louvadas as figuras do Mestre Irineu, identificado com Jesus Cristo, e do Padrinho Sebastião, “encarnação de São João Batista” — de onde são derivadas algumas concepções messiânicas e apocalípticas. Do espiritismo kardecista são reelaboradas noções como as de karma e reencarnação. Os indivíduos possuem dentro de si elementos de uma “memória divina”; ao mesmo tempo, podem, através do próprio comportamento, alterar seu karma, “evoluindo espiritualmente” em direção a sua “salvação”. Em consonância com os sistemas xamânicos, verifica-se a existência de uma “guerra mística” entre os homens e os seres espirituais. Os daimistas são concebidos como os “soldados do Exército de Juramidam”, empenhados numa “batalha astral para doutrinar os espíritos sem luz”. Todo o ritual está permeado por um espírito militar com ênfase na ordem, na disciplina.

A cerimônia consiste basicamente em beber o chá e ficar descansando em cadeiras, esperando a “miração”. Enquanto isso, entoam cânticos coletivos ou ouvem músicas selecionadas, consideradas “revelações do Astral” para criar um clima propício a ter boas mirações. Os trabalhos espirituais realizados pelos daimistas são de concentração (com períodos de meditação) ou bailado (execução de uma coreografia simples), podendo chegar a produzir um verdadeiro êxtase coletivo. Há também trabalhos de missa (para os mortos) e rituais de fardamento (momento em que o indivíduo adere oficialmente ao grupo, passando a usar suas vestimentas). Recentemente, vem ganhando força alguns ritos onde ocorre incorporação de espíritos, produto das influências crescentes da umbanda nesta instituição.

OS EFEITOS

Algumas vezes pode ocorrer, associada à limpeza (vômitos), uma experiência de intenso sofrimento: a “peia”, uma surra do Daime. A peia está associada também a outros processos fisiológicos incômodos ou aparece, ainda, sob forma de pensamentos ou sensações. Apesar de extremamente desagradável — incluindo visões aterradoras de monstros, vermes, trevas, sensação de morte ou medo intenso, enfim, toda classe de tormentos conhecidos ou não — a peia produziria efeitos benéficos, didáticos e transformadores.

Os defensores da planta dizem que ela provoca uma limpeza física ou energética do canal ou instrumento que a usa, “pois luz não habita em templo sujo”. Então, se você estiver com problemas, numa baixa vibração, ou tiver ingerido carne ou comida pesada, vai vomitar copiosamente, ter diarréia de se acabar, ficar enjoado, etc. Só que qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento de biologia sabe porque o organismo expulsa e rejeita certas substâncias estranhas, quando ingeridas…

Existem denúncias de que o uso deste chá faz mal, a longo prazo, tendo como um dos efeitos adversos o eventual retorno da “miração” nas horas mais inadequadas, e os mais puristas até alegam que o chá apresenta riscos para a tela búdica dos usuários, ou seja, pode fazer mal até nas próximas encarnações.

O chá contém dimetiltriptamina, ou DMT, uma substância controlada. O governo dos EUA afirma que seu uso é perigoso mesmo sob supervisão médica. Seu uso é proibido em países que possuem legislação anti-drogas, mas foi liberado no Brasil para uso religioso. Advogados da União do Vegetal (UDV) dizem que especialistas atestaram que o chá é inofensivo. Lembrando que o LSD também já foi permitido legalmente…

No site do IPPB, vemos no artigo do Dr. Luiz Otávio Zahar que explica que “a DMT (dimetiltriptamina) é naturalmente excretada pela glândula pineal, e que desempenha um papel no processo de sonhar e possivelmente nas experiências próximas à morte e em outros estados místicos. A mistura das duas plantas potencializa a ação das substâncias ativas, pois o DMT é oxidado pela enzima Monoaminoxidase (MAO), a qual está inibida pela harmina, acarretando um aumento nos níveis de serotonina, o que causa impulsão motora para o sistema límbico no sentido de aumentar a sensação de bem-estar do indivíduo, criando condições de felicidade, contentamento, bom apetite, impulso sexual, equilíbrio psicomotor e alucinações.”

Ou seja, você está ingerindo uma dose cavalar de uma substância que deveria ser naturalmente produzida pelo corpo, afetando uma parte importantíssima como o cérebro.

Lázaro, da lista Voadores, explica o processo:

“Há uma aceleração vibracional desordenada, onde cada chakra entra num estado vibracional de freqüência diferente. Não sei se isso é bom ou mal, se vale a pena ou não (essa resposta depende de cada um, e do que conseguirá com o processo), mas me parece um método estranho, que, alterando as freqüências vibracionais / conscienciais das corpóreas e cerebrais, só pode mesmo levar a uam saída (expulsão) do corpo físico. Além do mais, encontrei exatamente o que imaginava encontrar, do lado de lá; com detalhes de controle, e influências tanto projetivas reais quanto oníricas aceleradas pelo uso do FORTÍSSIMO alucinógeno.”

A ORIGEM

A ingestão ritual de Ayahuasca por parcelas da população urbana inicia-se no Brasil, na década de 30, em Rio Branco, Acre, com o culto ao Santo Daime, sistematizado por Raimundo Irineu Serra, que atribuiü à Ayahuasca a denominação “Santo Daime” e fundou o “Centro de Iluminação Cristã Luz Universal – CICLU Alto Santo”. No final da década de 60, em Porto Velho, Rondônia, José Gabriel da Costa organizou outro grupo ayahuasquero, denominando-o “União do Vegetal”, visto que nele a ayahuasca é chamada de vegetal. O processo de divergências e de desdobramentos dos núcleos originais propiciaram a expansão das religiões ayahuasqueras por grande parte do território nacional e mesmo pelo exterior.

As religiões ayahuasqueras estão atualmente polarizadas em duas “linhas”:
Uma, a do Mestre Irineu, fundador da seita. Não admitem incorporação, praticando estritamente o xamanismo, e não aderem e nem mesmo toleram o uso de outros psicoativos que não a Ayahuasca.
Outra, a do Padrinho Sebastião Mota, do CEFLURIS (dissidência do CICLU). Esse grupo atraiu acadêmicos, jornalistas, artistas, estudantes e diferentes categorias de profissionais liberais empenhados em torná-lo objeto de estudo, notícia ou modo de vida. Algumas conseqüências decorreram dessa aliança, entre elas a adoção pela “linha” de Sebastião, de muitos dos costumes e crenças dos jovens urbanos, a exemplo do controvertido uso “ritual” da Cannabis sativa (Maconha, que é chamada por eles de “Santa Maria”) e Cocaína (conhecida como “Santa Clara”).

Fica aqui o alerta aos pais: se seu filho(a) enveredar em qualquer uma dessas, procure ir com ele, mesmo que não beba o chá. Procure conhecer as práticas, e principalmente os frequentadores destes locais. Um grupo que se reúne regularmente pra tomar alucinógenos NÃO PODE atrair boa gente, mesmo que o objetivo deles seja bom. Do uso da Ayahuasca para drogas mais pesadas é um pulo! Tanto isso é verdade, que mesmo na linha de Irineu, que não permite outras drogas, já teve membros presos no exterior por tráfico de drogas. Trust no one.

Lázaro explica:

“No contexto xamânico de vários povos as ervas são usadas em eventos com conotação espiritual, visando uma determinada iniciação dentro daquele nível. Já no contexto urbano, pode ser usado como fuga da realidade. Conheço vários casos assim: as pessoas usavam porque não aguentavam conviver com um nível de realidade duro como a vida física na Terra. A substância acelera o acesso ao inconsciente, com tudo de bom ou de doentio que estiver ali. Pode ser interessante para alguns, sagrado para outros. Mas como tudo que tira a consciência do normal, e/ou altera abruptamente os estados cerebrais, tem seus preços. Neurológicos e, principalmente, psicológicos.

A mente tende sempre à compensação. O uso excessivo de Prozac, por exemplo, leva a pessoa à depressão. Café demais excita, e quando passa o efeito, você se sente cansado. Cocaina deixa a pessoa entusiasmada, mas a compensação disso a faz insegura quando não usa a substância. TUDO na mente humana é assim, e o preço do acesso “espiritual” do daime é CARÍSSIMO, em termos psicológicos posteriores. A não ser, claro, que a pessoa tome mais, para ter de novo o acesso e miração, e assim sucessivamente. Dependência psicológica. E depois, sem o “espiritual” miraculoso, a vida “comum” passa a ser mais e mais vulgar. E começa tudo outra vez. Com o agravante de que até mesmo as formas de contato espiritual parecerão fúteis, afinal, como comparar com o barato do daime? Então, essa é uma droga que rouba do dependente até mesmo o seu direito à conexão espiritual…”

Extraído de: www.saindodamatrix.com.br

A História do Burro

Um dia, o burro de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir,mas não podia sair dali por conta própria. Depois de muito pensar, o camponês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o burro estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Então chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o burro.
Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço. O burro não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele e chorou desesperadamente.

Porém, para surpresa de todos, o burro aquietou-se, depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês olhou para o fundo do poço e se surpreendeu. A cada pá de terra que caía sobre suas costas o burro a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão. Assim,em pouco tempo, o burro conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando…
A vida vai te jogar muita terra nas costas, principalmente, se você já estiver dentro de um poço. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima.
Podemos sair dos mais profundos buracos se não nos dermos por vencidos.
Use a terra que te jogam para seguir adiante!

“O QUE VALE NÃO É O QUANTO SE VIVE, MAS COMO SE VIVE”
“Nossas vidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar”.

(William Sheakspeare).

Notas do Blogueiro

Fraternais saudações queridos irmãos.

Agradeço do fundo da minha alma, as centenas de visitas, dos comentários e de todos que me escreveram. Agradeço muito o incentivo de alguns, e é graças a esse incentivo, que tive o real empenho para trabalhar o meu tempo e arrumar um espaço para voltar a escrever nesse blog onde tanto me fez feliz, a partir de agora, coloquei-me na obrigação de mantê-lo atualizado e colocar em prática algumas idéias que tive no período em que eu tive afastado.

Acho que o tempo muitas vezes é necessário para uma análise e reforma interior, sinto-me revigorado para aceitar novos aprendizados e preparado para novos desafios.

Espero também voltar a sentir o Sr. Chico Preto, o mais responsável da maioria de minhas inspirações.

Namastê

Aranauam

Axé

Paz Profunda

Neófito da Luz